FoCA - 8 Edio

Download FoCA - 8 Edio

Post on 22-Mar-2016

216 views

Category:

Documents

1 download

DESCRIPTION

O FoCA o jornal realizado, como parte das atividades da Aeca, pelos estudantes de Jornalismo da Faculdade de Comunicao, Arte e Designer, do Ceunsp.

TRANSCRIPT

  • Ano 3 - 8 Edio. Setembro 2012

    Dis

    tribu

    io

    Gra

    tuita

    Tribos: jovens encontram nos estilos musicais algo em comum

    Maconha: com a palavra jovens e usurios.

    Republicanos: a vida nada fcil de quem sai de casa para estudar

    Julian

    a San

    dres/

    FoCA

    Julian

    a San

    dres/

    FoCA

    Anna

    Paula

    Mato

    s

  • Caros Leitores,

    A pausa foi longa, mas a equipe FoCA voltou das frias de julho renovada e pronta para acompanhar mais um semestre na FCAD.

    Nesta 8 edio, o FoCA cobriu de perto os eventos mais importantes do Bloco K, e olha que esse semestre j comeou super animado: tivemos a 3 Semana de Fotografia; a Virada Fashion, que este ano fez uma homenagem a Tim Burton, e o primeiro Insnia, que reuniu dezenas de amantes da stima arte por uma noite inteira.

    E mais, nossos reprteres foram para rua e descobriram quem so os verdadeiros heris universitrios, isso mesmo, os republicanos. Conhea como a rotina nada fcil de uma republicana, em Dirio de bordo e descubra que morar fora da casa dos pais, nem sempre um mar de rosas. Leia tambm um debate sobre a maconha, mas sobre a tica de quem usa eno v problema algum nisso. E se voc ainda est na dvida se seu prximo celular ser um IPhone ou um Galaxy Note, no pode perder o Vida OnLine desse ms.

    Desejamos a todos um timo semestre .

    Boa leitura,Gisele Gutierrez

    FoCA FoCAEDITORIAL

    FoCA - 2012Professor Orientador - Roberta SteganhaEditora chefe - Gisele GutierrezEditora assistente - Adla Machado

    Reprteres - Adla Machado, Hugo Antoneli, Juliana Sandres, Lenita Lerri, Luiz Vicentin, Ricardo Santos.

    Colaboradores: Alexandre Massaharu Tikamori, Anna Paula Matos, Marconi Douetts

    O FoCA um produto da Agncia Experimental de Comunicao e Arte (AECA), da Faculdade de Comunicao e Artes (FCA) - CEUNSP

    ContatoEmail focafca2011@gmail.comFacebook - Foca Ceunsp

    Os textos publicados so de responsabilidade de seus autores.

    EXPEDIENTE

    VIDA UNIVERSITRIA

    2 3

    O jornal FoCA est no Face! Curta a nossa pgina:

    Foca Ceunsp

    MURAL FCA+D

    O que rolou em agosto e setembro na FCAD Tim Burton invade a passarela da FCAD

    3 Semana de Fotografia

    Professoras Regina Amlio, Snia Chamon e estudantes da FCAD em passeio cultural por So Paulo.

    Insnia: 1 noite dedicada ao cinema rene os cinfilos da FCAD

    Na madrugada do dia 24 de agosto rolou nas dependncias do Ceunsp o evento mais esperado pelos estudantes de Moda. A Virada Fashion est em sua 3 edio e tenta mostrar o que ser um estilista na prtica. No basta apenas estudar as teorias, preciso colocar em prtica todo seu conhecimento, afirma a estudante de Moda, Drielly Menussi, de 21 anos.

    O tema escolhido esse ano foi O estranho mundo de Tim Burton. Para quem no sabe, Burton um dos diretores de cinemas mais cobiados do mundo. Ousado, original, sombrio, inovador, so apenas alguns dos adjetivos usados pelos crticos quando se referem a Timothy William Burton, um dos diretores mais aclamados do cinema, afirma Jurandir Filho, do site Cinema com Rapadura.

    Drielly Menussi conta que a Virada Fashion muito importante para a divulgao do curso. Segundo a estudante, a chance de realizar um desfile com suas prprias criaes o sonho de qualquer estudante do curso de Moda. Sentir na pele como passar a noite em claro desenhando, costurando e pensando no desfile do dia seguinte uma experincia incrvel que jamais ser esquecida relata. A estudante, que gosta criar roupas desconstrudas, diz que adorou participar do evento.

    Ateno senhores passageiros: praia, areia, sol perfeito para o bronzeado. Malas feitas, passeios tursticos e roteiros de viagem. Do outro lado desse extremo relax esto os estudantes, sempre pilhados com a rotina do semestre. Para os universitrios, as frias so o perodo perfeito para se desconectar da vida universitria. Tudo isso faz cada vez mais parte da realidade dos brasileiros. Os pacotes vantajosos e com parcelas a perder de vista formam um elo positivo, cooperando para a concretizao desses planos. Viagens so sempre muito bem vindas e algumas se tornam inesquecveis. Que tal aliar o prazer de conhecer novos lugares, pessoas e culturas a esse perodo?

    O convite surgiu no fim do ano passado e atiou a curiosidade da estudante Maressa Rubinato, de Eventos. Sua tia materna veio visit-la em Indaiatuba e sugeriu que ela

    retribusse a gentileza e fosse para Porto Velho, Rondnia, extremo Norte do Brasil. O nascimento de Valentina, sua prima que mora na cidade, as margens do Rio Madeira, veio a calhar e foi a brecha para a viagem acontecer. Em julho Maressa embarcou rumo Rondnia na sua primeira viagem de avio.

    Programas como esses esto virando uma rotina para os brasileiros. Segundo uma pesquisa encomendada pelo Ministrio do Turismo Fundao Getlio Vargas, esse mercado cresceu em mdia 18% em 2011. E no apenas em viagens dentro do territrio nacional. A estudante Nicolly Gialluca viajou para Cancun, Mxico. Era um sonho antigo, s que eu no arranjava ningum para ir comigo, conta Nicolly, que viajou junto com uma amiga. um lugar lindo. Os golfinhos so lindos, d vontade de levar pra casa. Fomos a um museu muito louco, sobre a Tequila. As baladas de l so as melhores, deveria ter umas dessas aqui no Brasil, completou.

    Novos mundos esto na outra ponta do destino. A realidade, cultura, cotidiano, tudo influencia para novos aprendizados. Para Maressa essa foi a primeira de muitas: J estou planejando fazer outras parecidas, revela a estudante que, apesar de ter sofrido

    com problemas estomacais devido a gua da cidade, gostou muito da viagem. Agora eu quero ir para fora do pas!. Nicolly tambm j planeja a prxima: Agora quero ir para uma ilha na Repblica Dominicana, no Caribe!, revela.

    Seja de carro, moto, avio ou nibus. Por motivos familiares, escolares ou s por lazer. Seja pra Marte, pra Praia Grande ou na maionese, seja um forasteiro. Melhor ainda se esses roteiros forem feitos em grupos de amigos, como no caso de Nicolly. Seja como for, viajar tudo de bom. Desde que haja planejamento, tudo pode se concretizar. Viajar agrega, voc leva um pedacinho de cada lugar que vai, seja no corao ou na memria. Aproveite que o mercado est favorvel e boa viagem!

    DECOLANDO Estudantes da FCAD aproveitam as baixas nos preos e vo cada vez mais longe

    Alexan

    dre M

    assah

    aru Ti

    kamori

    Alexan

    dre M

    assah

    aru Ti

    kamori

    Alexan

    dre M

    assah

    aru Ti

    kamori

    Alexan

    dre M

    assah

    aru Ti

    kamori

    Lenita Lerri

    Hugo Antoneli

    Nicolly Gialluca em Cancun: "Era um sonho antigo."

    Alexan

    dre M

    assaha

    ru Tik

    amori

    Alexan

    dre M

    assah

    aru Ti

    kamori

    Julian

    a San

    dres/

    FoCA

    Julian

    a Sand

    res/F

    oCA

    Julian

    a San

    dres/

    FoCA

    Julian

    a San

    dres/

    FoCA

    Arquiv

    o Pess

    oal

    Julian

    a San

    dres/

    FoCA

  • FoCA FoCACOMPORTAMENTO

    54

    Republicanos: Os heris da resistncia

    Por volta dos 17, 18 anos, terminado o Ensino Mdio, comea a surgir a seguinte dvida na cabea dos jovens: para qual faculdade prestar vestibular?

    Muitas cidades do interior paulista no possuem faculdades. Outras at tm, mas no contam com muitas opes de cursos. Ento, uma das alternativas sair da casa dos pais, bater asas e seguir seu rumo. Mas, como todos sabem, os universitrios no so os seres mais ricos do mundo, a que entram em cena as repblicas.

    Segundo o escritor J. A. Sardi, autor da tese de doutorado Una perspectiva analtica sobre el contexto educacional de la UFOP: educacin, subjetividad e exacerbacin de los placeres, os primeiros registros oficiais de repblicas estudantis no Brasil so de 1897, em Ouro Preto (MG), cidade que conta hoje com mais de 400 moradias estudantis.

    Hoje em dia existem sites onde possvel encontrar vagas em casas compartilhadas, como o Repblicas do Brasil (http://republicasdobrasil.com/morar/), mas o velho e bom boca a boca no saiu de moda. comum ver os estudantes batendo de porta em porta, procura de uma vaga.

    Segundo Caio Silva, 22, para encontrar um bom lugar para morar preciso sorte. So muitas coisas envolvidas. As vezes voc

    encontra um lugar com o preo bom, mas a estrutura da casa ruim. Ou encontra uma repblica boa, mas com pessoas de difcil convivncia, explica o estudante de Arquitetura.

    Quando um jovem deixa a casa dos pais para ir morar com outras pessoas, ele enfrenta diversas dificuldades, o que desenvolve seu amadurecimento. o que diz a psicanalista Iona Souza. Ele (o jovem) precisar se adaptar a novas regras, aprender a respeitar as diferenas, saber impor seus limites e respeitar o limite do outro", explica.

    Natali Manzzatto, 20, estudante de Jornalismo, de Itapetininga e resolveu se mudar para estudar em Salto. Segundo Natali, que divide a casa com outras 9 pessoas, a pia nunca fica vazia. difcil dividir cozinha com muita gente, de manh sempre tem muita loua suja e ningum sabe de quem , revela.

    Para Drielly Menussi, 21, a opo de morar em uma casa compartilhada foi necessria, pois Salto onde tem a faculdade de Design mais prxima de sua cidade, Campinas.

    O custo de morar fora de casa alto, confirma Drielly. Eu fao um curso em que existe muita matria prtica. Tem que gastar com material e mensalidade. A tambm se gasta com aluguel, comida e outras coisas que acabam comprometendo quase todo dinheiro

    dirio de bordo

    Vida de universitrio no fcil quase um mantra, um slogan, um ditado popular, mas verdade.. e como verdade! A semana geralmente assim:

    s 8 da manh hora de ir de casa pro trabalho e s 17h, do trabalho pra casa. Interessante, hein... s 18h eu chego em casa do trabalho com exatos 45 minutos para tomar banho, trocar de roupa e comer alguma coisa. Comida de repblica nunca comida propriamente dita. Caf da manh geralmente biscoito Trakinas ou Passatempo, po produto raro, nunca d tempo de passar na padaria. Almoo e jantar uma coisa s. Miojo e salsicha, ou macarro e salsicha, as vezes ovo e salsicha.

    A noite, hora de ir para a faculdade, por onde fico das 19h s 22h30. Volto pra casa com um nico pensamento em mente: cama. Mas a caminhada sempre d uma fominha. Quem chega primeiro pega a dianteira do microondas. Tem sempre loua suja na pia. sempre muito cedo ou muito tarde pra lavar um prato. Outro dos mandamentos republicanos.

    Depois de comer hora de dormir, geralmente por volta da meia-noite. Pode no parecer, mas republicano tambm gente.

    Hoje segunda, 3 de setembro. Segunda-feira em repblica deprimente. Todo mundo voltando da casa dos pais, da viagem com os amigos ou do passeio com os namorados (as) sem mencionar a ideia da segunda-feira iminente. Uma tristeza s. Tambm um dos dias mais agitados da semana, dia de desarrumar as malas, colocar a roupa suja pra fora, tirar o lixo, guardar as compras... S que ningum faz isso na segunda. Alis, nem na tera. Morar em repblica , acima de tudo, aprender a conviver com a baguna alheia.

    Outro dia, na mesa do caf da tarde que antecede a correria pra faculdade, comentei com os meninos sobre a pilha monstruosa de sacolas de lixo que se empilham j a trs semanas do lado de fora. Como tudo vira piada, a nica concluso que chegamos foi que o caminho de lixo iria ter que arrumar um jeitinho de passar no porto, devido ao volume excessivo da carga. Talvez os vizinhos pensem que foi inaugurado um novo aterro sanitrio no bairro.

    H uns trs dias tivemos um problema com os chuveiros da casa. Resistncia queimada, fios derretendo e cinco universitrios fedidos precisando tomar banho. O mais engraado que eu sou a nica mulher da casa e cabe a mim (quase sempre) resolver esse tipo de problema. Chamamos um eletricista dessa vez e l se foi aquele dinheirinho a mais que quase nunca sobra no fim do ms.

    Se voc j ouviu a expresso universitrio tudo duro saiba que sim, verdade. Universitrio que mora em repblica desce mais cinco degraus na escada de pobreza.

    O ambiente de uma repblica territrio de ningum, campo neutro, a Sua de quem quer independncia dos pais e autonomia de escolhas, mas sem perder o aconchego do lar doce lar. Repblica com amigos combina super bem, e apesar de todos os problemas, eu recomendo.

    A vida em repblicas pode parecer uma curtio sem fim, mas exige muita pacincia e responsabilidadeJuliana Sandres

    do ms, conta a jovem que ainda precisa de ajuda financeira dos pais.

    Segundo a psicanalista Iona, embora possa existir alguma dificuldade de adaptao, na maioria das vezes essa mudana um processo saudvel. Deixar a casa dos pais, local onde o jovem est adaptado, e ir buscar um ambiente novo, beneficia o amadurecimento, a independncia. Neste processo ele ganha liberdade a aprende a ser responsvel", avalia.

    A estudante de Rdio e TV, Anna Paula Matos, diz que apesar das dificuldades iniciais, morar sozinho bom para o amadurecimento, j que possvel vivenciar as prprias escolhas. bom porque te proporciona arcar com suas prprias responsabilidades, desde pagar as contas em dia at a economizar no mercado. Os primeiros meses so terrveis, desolador no ter ningum te mandando ir tomar banho. Sem falar que voc descobre que a comida passa por um processo longo at chegar ao seu prato fresquinha e quentinha, lembra.

    J deu para perceber que a vida nas repblicas no um mar de rosas como muitos pensam, com festas dirias e curtio 24 horas por dia. Para dividir a casa, sem nenhum adulto por perto, preciso ter muita pacincia, responsabilidade e tambm suar muito, tanto para pagar as contas como para limpar a baguna. Republicanos so os verdadeiros heris da resistncia.

    Marco

    ni Do

    uetts

    Julian

    a San

    dres/

    FoCA

    Julian

    a San

    dres/

    FoCA

    Anna

    Paula

    Mato

    sAn

    na Pa

    ula M

    atos

    por Anna Paula Matos

    Julian

    a San

    dres/

    FoCA

  • FoCA 7FoCA 6CULTURA

    Diversidade SonoraPresente em todos os momentos, a msica tem muitas funes na vida dos seres humanos. Ao longo da histria, marcou e influenciou de

    diferentes formas sociedades interiras, desde em protestos contra governos at no uso em campanhas polticas. To antiga quanto o homem, as canes primitivas eram usadas para expor alegria, prazer, amor, dor, religiosidade e vrios outros sentimentos. Desde os tempos pr-histricos existem vestgios de instrumentos lricos como a flauta, a lira e a harpa. Com o passar dos sculos foi se abrindo as fronteiras da criatividade e, com o avano da tecnologia, os instrumentos tornaram-se mais completos e muitas possibilidades se abriram.

    A msica de extrema importncia social e tambm cultural, para a psicloga Paula Mostasso, ela tem o poder de alterar o estado de esprito de uma pessoa. O corpo reage s vibraes dos sons, so despertadas emoes que interferem no funcionamento de nosso organismo afirma Paula, a msica tanto ajuda no nosso desenvolvimento intelectual como na criatividade e, tambm, na possibilidade de expressar nossos diversos sentimentos por meio dos sons, explica psicloga.

    VIDA ONLINE

    Ricardo Santos

    Gisele

    Gutie

    rrez/

    FoCA

    Tribos O Brasil um pas rico em cultura musical. Basta um passeio pelas rdios que podemos sentir o quanto a pas acomoda diferentes ritmos e batidas, por aqui, o verbo misturar encaixa perfeitamente com os diversos estilos musicais.

    Dentro dos prprios gneros so criados outros tipos de canes que atendem ao apelo do pblico e das gravadoras. Estilos como ax, funk e sertanejo tm suas razes alteradas pela nova gerao, formando-se subgneros, cada um com seu pblico fiel. O rock, por exemplo, possui dezenas de divises, com caractersticas distintas, estilos diferentes, alm de variaes de comportamento do pblico e dos msicos. Assim, o hard rock, heavy metal ou punk, embora consideradas formas de rock, representam culturas musicais distintas.

    Amante da diversidade musical brasileira, o estudante de Engenharia Ronaldo Carante, 22, gosta do estilo das canes brasileiras, mas faz uma ressalva contra o preconceito. Onde estiver tocando msica eu vou. Acho interessante essa diversidade de sons, o brasileiro inventa canes a todo o momento, s gostaria que todos respeitassem o gosto musical de cada pessoa, enfatiza Carante.

    J o estudante Bruno Gomes de Oliveira, 19, vocalista de uma banda de punk rock h 5 anos, discorda do Ronaldo Carante. Ele afirma que os diversos estilos musicais so vlidos, mas faz

    Gisele

    Gutie

    rrez/

    FoCA

    Duelo de titsHouve uma poca em que ter um celular, por mais simples que ele fosse, j

    significava algo muito importante. Poder se exibir para os amigos que no tinham, trocar mensagens de texto, ligar de qualquer lugar, ver a me ligando de hora em hora quem nunca passou por isso? Se antes a discusso era pra ver qual celular era menor e com o design mais bonito, hoje a realidade bem diferente.

    Com o advento da tecnologia e sua rapidez em mudar o que est ao seu redor, os aparelhos telemveis foram ficando cada vez mais sofisticados e prticos. Dessa forma, o tamanho e modelo deixaram de ter tanta importncia. Eles passaram a dar espao para os famosos sistemas operacionais. Hoje, quando se trata

    Adla Machado

    de smartphones, inevitvel no mencionar os sistemas IOS e Android, que competem pela preferncia do pblico.

    Origens - O sistema IOS, da empresa Apple, surgiu em janeiro de 2007. Com uma tecnologia touchscreen (sensvel ao toque), no mesmo ano, lanou seu primeiro celular no mercado, o Iphone. Este ano, no dia 12 de setembro, foi apresentado seu ltimo modelo de smartphone: o iPhone 5. Dono de um iPhone 4, Filipe Gatti, 24, defende o uso do IOS. Eu gosto mais do sistema IOS, acho ele mais interessante pra mexer, alm de achar o design bonito tambm declara.

    J o sistema Android, da empresa Google,

    baseado no ncleo Linux, foi lanando em outubro de 2008. O primeiro aparelho com o sistema foi o HTC Dream. Hoje, seu modelo mais recente o Galaxy Note, da marca Samsung, lanando no dia 15 de agosto. A universitria Grecia Baffa, prefere utilizar o Android. Eu tenho celular e tablet com esse sistema, d pra baixar vrios programas gratuitos comentou.

    Embora os dois sistemas sejam prticos, com aplicativos interessantes, no so iguais e tem seus detalhes em particular que, na hora da compra, fazem toda a diferena. Por esse motivo, resolvemos listar as principais caractersticas dos dois sistemas, para que voc possa analisar com calma aquele que melhor ira satisfazer suas necessidades.

    Design sofisticado, porm, encontrado somente nos aparelhos iPhone, da Apple.

    Os aplicativos so controlados pela prpria Apple, garantindo maior segurana aos usurios. A AppStore e o iTunes possuem mais opes de aplicativos. Transaes de arquivo so feitas pelo iTunes.

    No possvel mudar as configuraes e personalizar o smartphone.

    As atualizaes so mais rpidas, dificilmente trava.

    Possui assistente com comando de voz (Siri).

    No se paga menos de R$ 1000 por um iPhone.

    compatvel com diversos aparelhos, entre eles, grandes marcas como Samsung e Motorola.

    O usurio tem liberdade para escolher o aplicativo que quer instalar. Os programas podem ser baixados do Android Market ou direto da internet. H diversos aplicativos gratuitos.

    Permite o compartilhamento da internet via Wi-Fi e d ao usurio liberdade para personalizar o smartphone.

    As atualizaes so mais demoradas, j que dependem dos fabricante realizar as adaptaes para os aparelhos.

    Possui o sistema de voz S Voice, que foi desenvolvido para o Galaxy S3

    O aparelho custa em mdia R$ 780,00. Mas esse valor varia dependendo do modelo.

    IOS X ANDROID

    uma queixa: Particularmente gosto de punk, mas acho que um estilo no deve ser muito misturado porque o resultado pode ser ruim, como se v hoje em dia no Brasil. Para Bruno, mixar estilos torna a msica sem identidade, e isso corriqueiro nesse pas, finaliza o estudante.

    Longe de qualquer polmica e querendo apenas apreciar o som, o tcnico em redes Raoni dos Santos, 28, acredita que independente da cano, o importante curtir o momento. Gostos de todos os estilos musicais, no ligo para o legado que a cano vai deixar. Gosto de me divertir no momento que a escuto, seja qual for o estilo, finaliza o tcnico.

    Muitos grupos sociais so formados em torno dessa diversidade. Indivduos com os mesmos gostos musicais invariavelmente acabam formando grupos distintos. Em shows, por exemplo, em qualquer lugar do pas possvel encontrar estdios lotados com pessoas de todas as partes do pas, porm fiis a um mesmo estilo, e por conta desse gosto em comum, elas se entendem e se identificam como iguais.

  • Julian

    a San

    dres/

    FoCA

    FoCA 8DEBATE Maconha

    Uso da droga torna-se mais comum entre jovensLuiz Vicentin

    Adolescentes se envolvem cada vez mais com variados tipos de drogas ilcitas. A maconha a mais popular entre os jovens, muito pela facilidade em adquiri-la e por ser considerada menos nociva que outras drogas, como a cocana e crack. Sejam em vias pblicas e at mesmo instituies de ensino, no difcil encontrar grupos de pessoas fumando maconha ou dividindo o mesmo cigarro. O FoCA conversou com um grupo de amigos que se encaixa nesse perfil. Andr e Thiago, dois membros desse grupo, concordaram em falar o que a maconha significa em suas vidas e se realmente eles sofreram com os efeitos decorrentes do uso.

    A VIL? - Conhecida pelos efeitos alucingenos e sua utilidade medicinal, nos ltimos anos, a Cannabis Sativa, de onde a maconha derivada, vem ganhando espao na mdia brasileira. No para menos, segundo estudo da Unifesp (Universidade Federal de So Paulo), cerca de 1,5 milho de brasileiros, adolescentes e adultos, fumam maconha todos os dias. 62% dessas pessoas tm menos de 18 anos. Para o professor de Sociologia, Ismael Rezende, a tendncia que esse nmero aumente, pois a grande exposio da maconha gera mais curiosidade no jovem: Muitos adolescentes, no possuem nenhuma opinio a respeito, e com tamanha exposio nas grandes redes de mdia, pode ser um dos grandes fatores do aumento de usurios nos ltimos anos". Para Rezende, fundamental que se faa a preveno tambm entre jovens com menos de 16 anos. Segundo o mesmo estudo, realizado em 2006, um adolescente para cada adulto era usurio. Essa proporo agora de 1,4 adolescente por adulto.

    CONSEQUNCIAS - Estudos revelam que, fumar maconha por muito tempo diminui a capacidade mental e a inteligncia das pessoas. Os resultados, publicados na revista cientfica americana Proceedings of the National Academy of Sciences, apontam que o QI sofre reduo pelo contnuo uso da planta, principalmente entre jovens com menos de 21 anos. Os danos so irreparveis, mesmo com a interrupo do uso, isto pode estar ligado ao fato de que a adolescncia uma fase de amadurecimento dos hormnios e da passagem para a vida adulta.

    O estudante do Ensino Mdio Thiago Clementino*, 16, fuma desde os 14 anos e admite ter dificuldades em se concentrar nas aulas. Quando comecei a fumar, muitas vezes entreguei provas em

    branco, simplesmente no conseguia escrever o que eu queria, relembra Thiago, tinha ideias malucas vindas de minha imaginao. Sentia fortes dores de cabea, mas isso aconteceu no incio, no estava acostumado ainda, conta.

    Para Thiago, a maconha serviu como um meio de se socializar e fugir dos seus problemas. Comecei a usar por pura curiosidade, passei a ser mais socivel, conversando com as pessoas e fazendo amigos, conta, a erva me ajudou a fugir da realidade e esquecer alguns problemas que vinha passando, me libertou. O psiclogo Alexandre Ferreira, acredita que para um adolescente chegar ao ponto de usar tal argumento sobre a droga, o torna um pr-destinado a ser solitrio: Isso ocorre muito por medo de sofrer e de decepcionar seu crculo de amizade ou seus familiares, no por culpa prpria, explica Ferreira, muitas vezes a presso dentro de casa o leva para tal caminho, trilhando uma forma mais fcil de fugir da solido que lhe destinada e dos problemas domsticos, completa. Para o psiclogo, em casos assim, o mais correto seria procurar ajuda profissional e no buscar nas drogas a soluo para tais problemas.

    Andr Rios*, 22, estudante de Geografia, fuma desde os 12. Ele encara a droga com outro olhar e nega ter sofrido as consequncias do uso em sua iniciao e no decorrer de sua vida adulta. Para ele, a legalizao da maconha deveria ser entendido como uma acordo de paz entre usurios e a sociedade, no como motivo para descriminalizao. A maconha tem inmeras utilidades para a medicina, muitos dos produtos so usados em nosso cotidiano e nem notamos, afirma Andr.

    DO BEM? - Andr tem razo, h estudos que provam que os efeitos da maconha beneficiam pessoas com AIDS e esclerose mltipla. O estudo foi divulgado pela revista de medicina Lancet, e foi realizada com 600 pacientes. Mas calma, ela no cura essas doenas. No caso da AIDS, a maconha estimula o apetite. Pacientes soro positivo chegam a perder 5 quilos por ms. J pacientes de esclerose mltipla, afirmam que a erva alivia alguns sintomas, como espasmos e rigidez muscular. Alm disso, o cnhamo, uma fibra natural da planta cannabis, muito usada na fabricao de roupas, papel e cordas. A Adidas, conhecida mundialmente por patrocinar grandes selees de futebol do mundo, usa, na fabricao de seus materiais esportivos, o cnhamo da cannabis.

    Andr no concorda com os resultados divulgados pela mdia, de que o uso contnuo da maconha causa danos irreparveis. Pra mim isso no existe, se existe vai de cada um. Passei no vestibular da Unicamp, a universidade com a prova mais difcil do Brasil, estou no 2 ano e nunca deixei de fumar, se esses problemas aparecerem, espero que no seja agora, s quando for velho n?, indaga Andr em tom irnico.

    Para Alexandre, os motivos que levam algum a se tornar usurio so diferentes para cada um, h os que, como Thiago tentam se enturmar, diferente de uma pessoa que fuma por opo, ou os msicos que argumentam usar para estimular a criatividade, explica o psiclogo, o efeito diferente de pessoa para pessoa, alguns se sentem mais depressivos, outros felizes, quietos, hiperativos, com dores. varivel e as histrias de cada um tambm, completa. Os estudantes dizem no se arrependerem de terem iniciado o uso, acho que vou comear o cultivo em casa, pouparei tempo e dinheiro, e terei um produto mais confivel, brinca Andr.

    *Nome fictcio para preservar a integridade dos entrevistados.