fluxo de caixa

Download Fluxo de Caixa

Post on 01-Feb-2016

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Fluxo de caixa

TRANSCRIPT

2

CENTRO UNIVERSITRIO DO MARANHO - CEUMACURSO DE ADMINISTRAO

ADRIANA BARROS PEREIRAAMANDA CRISTINA DIAS CHAGASDAYANA MARIA LAUNEDIANE PINHEIRO ALMEIDARAFAEL AZEVEDO SANTOSREGIS EMANUEL TAVARES CHAVESRENATA ALESSANDA COELHO AROUCHARENATA SORAIA BELM SILVA

CONTABILIDADE GERENCIAL E CUSTOSFLUXO DE CAIXA

SO LUS2015ADRIANA BARROS PEREIRAAMANDA CRISTINA DIAS CHAGASDAYANA MARIA LAUNEDIANE PINHEIRO ALMEIDARAFAEL AZEVEDO SANTOSREGIS EMANUEL TAVARES CHAVESRENATA ALESSANDA COELHO AROUCHARENATA SORAIA BELM SILVA

FLUXO DE CAIXA

Trabalho apresentado disciplina de Contabilidade Gerencial e custos, ministrada por Joo Coelho Sobrinho, do curso de Administrao da Universidade Ceuma, como requisito para a obteno da nota parcial do segundo bimestre.

SO LUS MA2015

Quem sabe concentrar-se numa coisa e insistir nela como nico objetivo, obtm, ao fim e ao cabo, a capacidade de fazer qualquer coisa. (Mahatma Gandhi)SUMRIO

1.INTRODUO .................................................................................................................... 52. FLUXO DE CAIXA ............................................................................................................ 62.1 CONCEITO E IMPORTNCIA ..................................................................................... 62.2 OBJETIVOS DO FLUXO DE CAIXA ........................................................................... 83. A DEMONSTRAO DO FLUXO DE CAIXA ........................................................... 104. ESTRUTURA .................................................................................................................... 114.1 ATIVIDADES OPERACIONAIS ................................................................................. 124.2 ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS ........................................................................ 124.3 ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS ..................................................................... 135. MTODOS DE ELABORAO DA DFC .................................................................... 145.1 MTODO DIRETO ........................................................................................................ 145.2 MTODO INDIRETO ................................................................................................... 155.3 VANTAGENS E DESVANTAGENS ENTRE OS MTODOS ................................. 176. REGIMES DE COMPETNCIA E DE CAIXA ........................................................... 186.1 REGIME DE COMPETNCIA ....................................................................................186.1.1 RECONHECIMENTO DAS RECEITAS ................................................................. 196.1.2 RECONHECIMENTO DOS GASTOS ..................................................................... 196.2 REGIME DE CAIXA ..................................................................................................... 19CONSIDERAES FINAIS ............................................................................................... 21REFERNCIAS .................................................................................................................... 22ANEXO 1 ............................................................................................................................... 23ANEXO 2 ............................................................................................................................... 241. INTRODUONo atual mundo competitivo e globalizado, cada vez mais se torna necessria a utilizao de ferramentas que garantam a sobrevivncia das empresas no mercado. Dentro deste contexto, as empresas passam a buscar um eficiente controle administrativo, onde o administrador precisa utilizar-se de todas as ferramentas possveis para a execuo dos objetivos da entidade. Assim, surge uma ferramenta que se torna cada vez mais solicitada no meio empresarial, o Fluxo de Caixa, que possibilita empresa uma viso ampla de suas finanas a fim de analisar os fatos ocorridos para a tomada de decises, bem como proporciona entidade a possibilidade de projetar suas finanas para o futuro, proporcionando ao administrador a capacidade de realizar a execuo de aplicaes ou captaes de recursos com a maior vantagem possvel.O objetivo deste trabalho apresentar conceitos, tipos, estrutura da demonstrao, bem como os mtodos de elaborao do fluxo de caixa, analisando os segmentos nele implementados, alm de mostrar a importncia do mesmo para as empresas.

2. FLUXO DE CAIXA2.1 CONCEITO E IMPORTNCIAO fluxo de caixa um instrumento que possibilita o planejamento e o controle dos recursos financeiros de uma empresa. Gerencialmente, indispensvel em todo o processo de tomada de decises financeiras.Contextos econmicos modernos de concorrncia de mercado exigem das empresas maior eficincia na gesto financeira de seus recursos, no cabendo indecises sobre o que fazer com eles. Sabidamente, uma boa gesto dos recursos financeiros reduz substancialmente a necessidade de capital de giro, promovendo maiores lucros pela reduo principalmente das despesas financeiras e essa a finalidade do fluxo de caixa.O fluxo de Caixa constitui o movimento de entradas e sadas de caixa, bem como as variaes no saldo dessa conta. Podemos dizer que a ferramenta fluxo de caixa um instrumento utilizado com o objetivo de apurar os somatrios de ingressos e desembolsos financeiros da empresa em determinado momento. (ZDANOWICZ, 2004). Para Santos (2001, pg. 57) o fluxo de caixa um instrumento de planejamento financeiro que tem por finalidade fornecer estimativas da situao de caixa da empresa em determinado perodo de tempo frente. Ressalta ainda o autor que a necessidade de planejamento de caixa est presente tanto nas empresas com dificuldades financeiras, como naquelas bem capitalizadas.Segundo Zdanowicz (2002, pg. 26) o fluxo de caixa utiliza as seguintes contas: caixa, banco, aplicaes financeiras de resgate imediato da empresa, ou seja, consiste no fluxo do disponvel, ainda o mesmo autor conceitua o fluxo de caixa como um instrumento que relaciona o futuro conjunto de ingressos e de desembolsos de recursos financeiros pela empresa em determinado perodo.Segundo Groppelli (2009) o fluxo de caixa deve focalizar os recebimentos e pagamentos ocorridos. Os recebimentos so determinados pelos padres de crdito da companhia, se esses padres forem rigorosos, muito pouco clientes estaro qualificados ao crdito, as vendas iro declinar e, como resultado, as contas a receber diminuiro.Para contas a pagar os gestores tem por base no pagar nenhuma conta antes do vencimento, a no ser que traga algum tipo de benefcio para a empresa, um exemplo o desconto na prpria duplicata, quem faz uma compra bem feita, consegue vender por um preo melhor e assim conquista o mercado.Para Groppelli (2009) contas a pagar pode ser vistas como emprstimos sem juros dos fornecedores.O Fluxo de Caixa indispensvel para uma sinalizao dos rumos financeiros dos negcios. Atravs de sua elaborao possvel prognosticar eventuais excedentes ou escassez de caixa, determinando-se medidas saneadoras a serem tomadas. Para se manterem em operao, as empresas devem liquidar corretamente seus vrios compromissos, devendo como condio bsica apresentar o respectivo saldo em seu caixa nos momentos dos vencimentos. A insuficincia de caixa pode determinar cortes nos crditos, suspenso de entregas de materiais e mercadorias, e ser causa de uma sria descontinuidade em suas operaes.A manuteno de saldos de caixa propicia folga financeira imediata empresa, revelando melhor capacidade de pagamento de suas obrigaes. Neste posicionamento, a administrao no deve manter suas reservas de caixa em novis elevados como forma de maximizar a liquidez. Ao contrrio, deve buscar um volume mais adequado de caixa sob pena de incorrer em custos de oportunidades crescentes. indispensvel que a empresa avalie criteriosamente o seu ciclo operacional de maneira a sincronizar as caractersticas de sua atividade com o desempenho do caixa. importante que se avalie tambm que limitaes de caixa no se constituem em caracterstica exclusiva de empresas que convivem com prejuzo. Empresas lucrativas podem tambm apresentar problemas de caixa como consequncia do comportamento de seu ciclo operacional. Por outro lado, problemas de caixa costumam ocorrer, ainda, em lanamentos de novos produtos, fases de expanso da atividade, modernizao produtiva, etc.Ao apurar o saldo lquido destes fluxos monetrios, o instrumento do fluxo de caixa permite que se estabeleam prognsticos com relao a eventuais sobras ou faltas de recursos, em funo do nvel de caixa desejado pela empresa.O fluxo de caixa no deve ser enfocado como uma preocupao exclusiva da rea financeira. Mais efetivamente deve haver comprometimento de todos os setores empresariais com os resultados lquidos de caixa, destacando-se: A rea de produo, ao promover alteraes nos prazos de fabricao dos produtos, determina novas alteraes nas necessidades de caixa. De forma idntica, os custos de produo tm importantes reflexos sobre o caixa; As decises de compras devem ser tomadas de maneira ajustada com a existncia de saldos disponveis de caixa. Em outras palavras, deve haver preocupao com relao a sincronizao dos fluxos de caixa, avaliando-se os prazos concedidos para pagamento das compras com aqueles estabelecidos para recebimento das vendas; Polticas de cobrana mais geis e eficientes, ao permitirem colocar recursos financeiros mais rapidamente disposio da empresa, constituem-se em importante reforo de caixa; A rea de vendas, junto com a meta de crescimento da atividade comercial, deve manter um controle mais prximo sobre os prazos concedidos e hbitos de pagamentos dos clientes, de maneira a no pressionar negativamente o fluxo de caixa. Em outras palavras, recomendado que toda deciso envolvendo vendas deve ser tomada somente aps uma prvia avaliao de suas implicaes sobre os resultados de caixa (exem