Fisiologia Vegetal - Resumo

Download Fisiologia Vegetal - Resumo

Post on 14-Jan-2017

644 views

Category:

Education

1 download

TRANSCRIPT

  • RESUMO B I O I F I S I O L O G I A V E G E T A L

    2 A N O

    Assuntos:

    Meristemas, Crescimento Vegetal, Tecidos,

    Estmatos, Conduo de Seiva Bruta, Via Simplasto

    & Apoplasto

    Lethicia D. Scheid Monitora de Biologia 22/09/2016

  • Crescimento & Meristemas

    O que um Meristema?

    Por definio, so tecidos compostos por

    clulas meristemticas*, encontrados em

    todas as plantas. H dois tipos de

    meristema: Meristema Primrio

    (meristemas apicais) e Meristema

    Secundrio (gema lateral). So nessas

    regies onde teremos os crescimentos

    primrio e secundrio.

    Como se d o crescimento da planta?

    De duas formas. Podemos ter um tipo de Crescimento

    Primrio ou Crescimento Secundrio.

    CRESCIMENTO PRIMRIO: o crescimento longitudinal

    (altura).

    CRESCIMENTO SECUNDRIO*: o crescimento

    diametral da planta (espessura).

    *Nem todas as plantas realizam esse tipo de crescimento, ou seja,

    criam espessura!

    Clulas Meristemticas x

    Clulas Adultas

    *Clulas Meristemticas: So clulas jovens,

    ou seja, indiferenciadas/embrionrias (no

    possuem uma funo definida ainda).

    Clulas Adultas: So clulas que j possuem

    uma funo especfica, exercendo funes

    diferentes de acordo com o tecido que esto.

  • Tecidos Vegetais Adultos

    Quais so os tipos de tecido adultos?

    Temos quatro tipos de tecido:

    Tecidos de Revestimento, Tecidos de

    Preenchimento, Tecidos de Suspenso,

    Tecidos de Conduo.

    TECIDOS DE REVESTIMENTOS: Protegem o vegetal. Composto de clulas

    vivas (epiderme) ou clulas mortas (sber). So os tecidos da camada mais

    externa da planta.

    TECIDOS DE PREENCHIMENTO: Formados por clulas vivas, volumosas e

    com vacolos grandes.

    Podem armazenar:

    *GUA (aquferos)

    *AMIDO (amilferos)

    *AR (aerferos)

    *CLOROFILA (clorofilianos)

    TECIDOS DE SUSPENSO: Sustentam o vegetal. divido em colnquima e

    esclernquima.

    Colnquima clulas vivas; flexveis e ricas em cloroplasto. Sua funo

    fornecer sustentao aos caules sem impedir seu crescimento.

    Esclernquima clulas mortas; ricas em lignina, substncia que confere dureza

    e resistncia. Sua funo dar sustentao e proteo a planta.

    TECIDOS DE CONDUO: Responsveis pelo transporte de seivas bruta e

    elaborada. So os tecidos da camada mais interna da planta.

    Xilema Seiva Bruta.

    Floema Seiva Elaborada.

  • Estmatos & Estmulos

    O que so Estmatos?

    So estruturas localizadas na epiderme da

    planta, que permitem a ocorrncia das trocas

    gasosas e da transpirao vegetal.

    Como se comportam?

    Os estmatos possuem um par de clulas-guarda

    e um ostolo (abertura o ostolo some quando o

    estmato se fecha) em sua constituio. Alm

    disso, esto localizados prximos de clulas

    subsidirias (acessrias).

    Quando as clulas-guarda incham (ficam

    turgidas), h o surgimento do ostolo, ou seja, a

    abertura do estmato.

    Quando as clulas-guarda murcham, o ostolo

    consequentemente some, ou seja, o estmato

    fecha.

    Os estmatos s conseguem se abrir ou fechar

    devido a entrada (ou a sada) de gua nas clulas-

    guarda.

    A gua, por sua vez, s consegue adentrar

    quando ons de potssio (K+) so bombeados

    primeiro para a direo dessas clulas. Esses ons

    puxam a gua para dentro, causando a

    turgncia (possibilita a abertura).

    O mesmo ocorre no fechamento. Os ons de

    potssio saem das clulas, e, consequentemente

    puxam a gua junto, causando a flacidez

    (possibilita o fechamento).

  • Transporte de gua

    Fatores que estimulam o Estmato:

    Intensidade Luminosa:

    Alta ABRE

    Baixa FECHA

    Concentrao de CO2:

    Alta FECHA

    Baixa ABRE

    Suprimento de gua (Estresse hdrico):

    Alto ABRE

    Baixo FECHA

    Temperatura:

    Alta FECHA

    Baixa ABRE

    Como a seiva bruta transportada?

    Atravs da Capilaridade e da Tenso-Coeso, duas propriedades da

    gua.

    Capilaridade: Os vasos do xilema naturalmente possuem formatos

    de tubos capilares onde a gua ascende devido a fora da atrao

    que h nas paredes celulares.

    Coeso: Pontes de Hidrognio (molculas de gua unidas).

    Tenso: A tenso nesse caso est relacionada a transpirao.

    Quando h a transpirao das folhas da copa, a gua tende a sair

    por meio da evapotranspirao. Como as molculas so coesas

    (unidas) acabam puxando as outras molculas de gua junto. Essa

    suco estimula a subida da gua que est na raiz at essas folhas.

  • Raiz e Nutrientes

    VIA SIMPLASTO: Os nutrientes passam

    por dentro do citoplasma das clulas do

    parnquima cortical. um processo ativo

    (vai contra o gradiente, gastando energia),

    lento e irreversvel, mas que garante uma

    melhor filtragem de agentes patognicos.

    [Como h o bombeamento ativo de ons, a

    gua tende a entrar nesse mesmo percurso

    por osmose.]

    VIA APOPLASTO: Os nutrientes passam

    por fora, sem atravessar qualquer

    citoplasma ou membrana. um processo

    passivo (vai a favor do gradiente, sem gastar

    energia), rpido e reversvel, mas que no

    possui filtragem at a endoderme. [Como

    uma via livre, a gua tambm entra nesse

    percurso por osmose.]

    Qual a diferena entre as vias?

    O caminho dos nutrientes e da gua at o xilema

    Para que os nutrientes e a gua possam

    chegar at as partes mais altas da planta,

    eles precisam atingir primeiro o xilema,

    tecido condutor localizado na raiz. Essas

    substncias vo da epiderme at o xilema

    atravs das vias simplasto e apoplasto

    Endoderme & Estrias de

    Caspary

    Endoderme: Clulas que ficam entre o

    parnquima cortical e o parnquima medular

    e que apresentam um reforo de suberina

    (estrias de caspary). Esse reforo veda os

    espaos entre uma clula e outra, forando

    que os nutrientes passem pelas membranas

    da endoderme (isso garante a filtragem dos

    nutrientes que chegam via apoplasto).

  • 1. a) Explique o(s) caminho(s) que pode(m) ser percorrido(s) pela gua nas plantas, desde sua

    entrada nos plos absorventes at a sua chegada no xilema da raiz.

    b) Qual a importncia das clulas vedadas (endoderme) entre o parnquima cortical e o

    parnquima medular da planta?

    2. Na casa de Pedrinho, a caixa d'gua mantinha-se suspensa por quatro grandes pilares. Ao

    lado da caixa d'gua, um abacateiro tinha a mesma altura, o que fez Pedrinho pensar: "Se, para

    abastecer as torneiras da casa, a caixa tinha que ficar a certa altura, de tal modo que a gua

    flusse pela ao da gravidade, como o abacateiro resolvia o problema de transportar a gua

    do solo para as folhas, contra a ao da gravidade?" Explique como a gua do solo pode

    chegar s partes mais altas da planta.

    3. O grfico a seguir indica a transpirao de uma rvore, num ambiente em que a

    temperatura permaneceu em torno dos 20 C, num ciclo de 24 horas.

    a) Em que perodo (A, B, C ou D) a absoro de gua, pela planta, a menor?

    b) b) Em que perodo ocorre a abertura mxima dos estmatos?

    c) c) Como a concentrao de gs carbnico afeta a abertura dos estmatos?

    d) d) Como a luminosidade afeta a abertura dos estmatos?

    4. O controle da abertura dos estmatos das folhas envolve o transporte ativo de ons de

    potssio. Descreva a importncia do potssio no processo de abertura dos estmatos.

    5. Muitas fibras do esclernquima so usadas industrialmente como matria-prima para a

    fabricao do cnhamo, da juta e do linho.

    a) Cite duas caractersticas do esclernquima.

    b) Identifique a principal funo desse tecido vegetal.

    Perguntas