Fisiologia e Histologia Vegetal

Download Fisiologia e Histologia Vegetal

Post on 17-Aug-2015

40 views

Category:

Education

11 download

TRANSCRIPT

  1. 1. Fisiologia e Histologia Vegetal Prof Carlos Priante REINO PLANTAE AULA 14
  2. 2. Fisiologia vegetal A fisiologia vegetal estuda os fenmenos vitais necessrios sobrevivncia das plantas. metabolismo vegetal; desenvolvimento vegetal; movimento vegetal reproduo vegetal.
  3. 3. Clula Vegetal
  4. 4. Raiz, caule e folha so os rgos vegetativos de uma planta
  5. 5. Podem ser: De revestimento e proteo Epiderme Sber (quando adulta) De preenchimento Parnquima De sustentao Colnquima Esclernquima De conduo Xilema Floema
  6. 6. Tecido de crescimento ou meristemtico responsvel pelo crescimento vegetal e est presente nas gemas do caule e nas pontas das razes. As clulas do tecido meristemtico se reproduzem continuamente.
  7. 7. Tecido de sustentao Suas clulas tm paredes grossas, tendo o tecido a funo de dar firmeza, suporte e proteo aos rgos da planta
  8. 8. Tecido de revestimento Protege a planta e evita a perda excessiva de umidade. As clulas de revestimento so planas e formam, geralmente, uma nica camada.
  9. 9. Tecido de conduo responsvel pela conduo de substncias vrias partes da planta. As clulas so alargadas e sobrepostas, de maneira que formam finos tubos, os chamados vasos condutores: xilema floema. O xilema conduz a seiva bruta (gua e sais minerais) das razes para todas as regies da planta; o floema conduz a seiva elaborada das folhas at as razes (rica em acares).
  10. 10. Epiderme Protege as partes mais jovens da planta. formado por clulas vivas aclorofiladas dispostas, geralmente em uma s camada. Nas partes areas das plantas, as clulas epidrmicas apresentam uma cutcula A cutcula um composto secretado pela epiderme e se mostra relativamente impermevel gua
  11. 11. Caractersticas monoestratificada aclorofilada viva - Funo: - Restringir as perdas de gua - Proteo mecnica - Trocas gasosas
  12. 12. Pelo fato de estar em contato direto com o ambiente, a epiderme pode sofrer algumas modificaes em sua estrutura, dando origem assim a alguns anexos como: plos, acleos, papilas e estmatos.
  13. 13. Pelos ou tricomas Pelos ou Tricomas: Funes - absoro ( nas razes) e proteo ( urtiga) alguns pelos se adaptam para produzir perfumes (atrao), substncias urticantes (defesa) ou atraem e digerem insetos
  14. 14. Papilas So formaes epidrmicas onduladas que conferem o aspecto aveludado caracterstico de algumas ptalas.
  15. 15. Acleos Estruturas pluricelulares, resistentes e pontiagudas. Atuam na defesa. So confundidas com espinhos mas diferem destes por apresentar origem externa. Os espinhos so folhas ou caule modificados.
  16. 16. Estmatos So estruturas localizadas entre as clulas epidrmicas. So compostas por duas clulas estomticas ou guardas (clorofiladas) que delimitam um espao denominado ostolo.
  17. 17. Periderme Em plantas com crescimento secundrio o sistema de revestimento formado pela periderme (Sber+ Felognio+ Feloderme) Sber: Tecido de clulas mortas que atua como isolante trmico e proteo contra choques mecnicos. Felognio: meristema secundrio que da origem ao sber. Feloderme: parnquima com clulas vivas.
  18. 18. Tecidos de Preenchimento Parnquima so tecidos que atuam no preenchimento e desempenham diferentes funes no corpo da planta. Esto localizados entre a epiderme e os tecidos de conduo. Os tecidos parenquimticos so constitudos por clulas vivas, isodiamtricas e dotadas de relativa capacidade de diviso.
  19. 19. Como so tecidos diversificados, podem desempenhar diferentes funes: Parnquima Clorofiliano (Clornquima) Parnquima Aqufero Parnquima Aerfero (Aernquima) Parnquima de Reserva Parnquima de Preenchimento
  20. 20. Parnquima Clorofiliano Suas clulas apresentam grande quantidade de cloroplastos onde realizado o processo de fotossntese. Nas folhas h dois tipos: Palidico: sob a epiderme, clulas prismticas justapostas lacunoso (esponjoso): sob o palidico, clulas irregulares com lacunas e pouco cloroplastos.
  21. 21. Parnquima Aqufero Pode ser encontrado em xerfitas (Plantas de clima seco).Suas clulas apresentam vacolos onde se acumula grande quantidade de gua. Clulas sem cloroplastos.
  22. 22. Parnquima Aerfero Frequente em plantas aquticas. Sem clorofila Em suas clulas h grande quantidade de espaos vazios onde ocorre o acmulo de ar.
  23. 23. Parnquima de reserva Tecido de armazenamento de nutrientes. Pode ser encontrado em rgos vegetais como razes (mandioca, batata doce), caules subterrneos (batata). Podem armazenar amido (P. Amilfero), sais, protenas e lipdios.
  24. 24. Parnquima de Preenchimento Tem funo de preencher o tecido Podem ser: Cortical- no crtex do caule e raiz Medular- medula do caule
  25. 25. Tecido de Sustentao Colnquima: principalmente nas folhas (pecolo) e nos caules. Formado de clulas vivas, alongadas, com parede celular espessa.
  26. 26. Esclernquima: Tecido mais resistente Derivado do colnquima onde as clula sofreram deposio de lignina, Portanto um tecido morto Apresenta clulas curtas ou alongadas (Fibras)
  27. 27. Tecidos de conduo Os tecidos vasculares so responsveis pelo transporte de nutrientes atravs da planta, so dois: Xilema: transporta gua e sais minerais (seiva bruta) da raiz para serem processados. Floema: transporta produtos (seiva elaborada) da fotossntese para o resto da planta.
  28. 28. Fotossntese (dia) Na fotossntese, forma-se a seiva elaborada (gua + glicose) - Conduo da seiva elaborada Atravs do floema ou vasos liberianos
  29. 29. Respirao (dia e noite) O2 + ALIMENTO (Glicose) ENERGIA GS CARNICO + + GUA
  30. 30. Raiz
  31. 31. Folha
  32. 32. Caule
  33. 33. Anel de Malpighi