financas empresariais. uninove

Download FINANCAS EMPRESARIAIS. UNINOVE

Post on 03-Jan-2016

361 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Finanas Empresariais

    Material de Apoio para as aulas de Finanas Empresariais

    Nome: RA:

    Curso: Semestre/Turma:

    Departamento: GerenciaisProf. Jorge Luiz C.

    Pereira

    P

    FUNDAMENTOS DE FINANAS EMPRESARIAIS

    2010

    Prof. Jorge Luiz Custdio PereiraUniversidade Nove de Julho- UNINOVE

  • 77

    Finanas Empresariais

    I. CONSIDERAES INICIAIS

    1.1 INTRODUO

    Este captulo apresenta o contedo programtico, os objetivos pedaggicos, a bibliografia, sites de internet, materiais necessrios, sistemtica de avaliao a serem observados durante o 2 semestre de 2007 na disciplina de Finanas Corporativas II.

    1.2 CONTEDO PROGRAMTICOa) Estrutura de Capital das Empresas. b) Custo Mdio ponderado de Capital.c) Tcnicas de Oramento de Capital em condies de certeza.d) Alavancagem Operacional, Financeira e Combinada; estrutura tima de capital. e) Estudo das Carteiras de ativos financeiros.f) Oramento de Capital em condies de risco. g) Modelo de Precificao de Ativos de Capital CAPM (Modelo de Sharpe).h) Linha de Mercado de Ttulos (LMT).i) Oramento Empresarial.

    1.3 OBJETIVOS PEDAGGICOSProporcionar ao aluno conhecimentos fundamentais gesto

    financeira eficaz, bem como capacit-lo correta tomada de deciso sob a tica financeira.

    1.4 BIBLIOGRAFIA

    . ASSAF NETO, Alexandre - Estrutura e Anlise de Balanos: um enfoque econmico e financeiro. Atlas, So Paulo, 2002.

    . CASAROTTO FILHO, Nelson - Anlise de Investimentos. Atlas, So Paulo, 1996.

    . BRIGHAM, Eugene F. & HOUSTON, Joel F. - Fundamentos da Moderna Administrao Financeira. Campus, Rio de Janeiro, 1999.

    . FREZZAT, Fbio - Oramento Empresarial: planejamento e controle qerencial. Atlas, So Paulo, 2002.

    . GITMAN, Laurence - Princpios de Administrao Financeira. Mc Books, So Paulo, 1997.

    . ROSS, Stenphen A.; WESTERFIELD, Randolph W.; JORDAN, Bradford D. - Princpios de Administrao Financeira. Atlas, So Paulo, 1998.

    ESTRUTURA DE CAPITAL E CUSTO DE CAPITAL

  • 77

    Finanas Empresariais

    Introduo:

    O objetivo do estudo discutir os principais conceitos, teorias e clculos do Custo Mdio Ponderado de Capital CMPC, tambm identificado pela sigla WACC (Weighted Average Cost of Capital), das diversas fontes de financiamento de longo prazo que uma empresa pode dispor, visando maximizar o seu valor.

    O custo mdio ponderado de capital instrumento fundamental no desconto dos fluxos de caixa de projetos de longo prazo, para efeito de anlise de investimentos. Ele afetado por diversos fatores, dentre eles: condies da economia e mercado, decises financeiras e operacionais da empresa e volume de recursos a serem disponibilizados.

    O sucesso de um projeto depende diretamente do custo que a empresa incorre para financi-la. O fator que determina o CMPC da empresa a taxa de retorno exigida pelos financiadores de capital, podendo ser os acionistas (capital prprio ou lucros retidos) ou intermedirios financeiros (capital de terceiros).

    Dessa forma, o custo de capital da empresa determinado em funo da composio das vrias fontes de financiamento de longo prazo.

    O Custo de Capital

    Tomado como padro financeiro nas decises de investimento de longo prazo o custo de capital calculado levando-se em considerao as fontes de financiamento de longo prazo aps o imposto de renda.

    Custo de Capital, K, a taxa mnima de retorno exigida para aprovao de uma proposta de investimento de capital sem incorrer na diminuio do valor da empresa, ou ainda, a taxa de retorno que uma empresa deve conseguir nos projetos em que investe para manter o valor de mercado de sua ao. Tambm pode ser considerada a taxa de retorno exigida pelos fornecedores de capital no mercado para que seus fundos sejam atrados.

    O Custo de Capital tem importncia relevante na vida da empresa. Devemos conhecer, identificar e compreender esse custo de modo a permitir situaes de anlise quanto viabilidade absoluta e relativa de propostas de investimentos.

  • 77

    Finanas Empresariais

    Segundo Assaf Neto (Finanas Corporativas e Valor, Atlas 2003) o Custo de Capital de uma empresa reflete, principalmente, a remunerao mnima exigida pelos proprietrios de suas fontes de recursos (credores e acionistas).

    Nas decises de investimentos utilizado como taxa mnima de atratividade/custo oportunidade, indicando criao de riqueza econmica quando o retorno operacional auferido superar a taxa requerida de retorno determinada pela alocao de capital.

    Nas anlises de propostas de investimento, este procedimento adotado como critrio bsico para que haja criao de valor e conseqentemente valorizao de mercado da empresa e maximizao da riqueza de seus acionistas.

    A partir de uma estrutura ideal de capital, ou seja, o quanto em termos percentuais a empresa procura manter entre capital de terceiros e capital prprio, no momento de financiar um gasto, devemos considerar o custo geral do capital e no apenas o custo de uma fonte especfica. O clculo da mdia dos custos de captao (fontes de financiamento), ponderada pela participao de cada fonte, determinar o custo de capital.

    Relativamente ao custo das fontes, os investidores de capital prprio (acionistas) exigem uma remunerao maior que os credores (capital de terceiros). O retorno do Capital Prprio est vinculado ao desempenho esperado da empresa, ou seja, os resultados operacionais devero gerar lucro. J para os credores, por meio de contratos, estabelece condies e obrigaes para reembolso do capital emprestado acrescido dos encargos financeiros (juros), alm da composio de garantia de pagamento, independente do resultado financeiro alcanado pela empresa.

    Se o risco for mantido constante, os projetos com taxa de retorno superior ao custo de capital elevaro o valor da empresa e aqueles com taxa inferior apenas destruiro valor.

    Cabe notar que existem expectativas distintas entre os fornecedores de recursos, os emprestadores colocam recursos com um horizonte de tempo estabelecido (contrato), ao passo, que os acionistas disponibilizam recursos por um perodo de tempo indeterminado, com avaliaes de risco e retorno distintos.

    PREMISSAS:

  • 77

    Finanas Empresariais

    O custo de capital um conceito dinmico, afetado por uma variedade de fatores econmicos gerais e especficos empresa. Para identificar a estrutura bsica do custo de capital, levantamos algumas hipteses bsicas:

    1. Risco econmico ou de negcio : supomos que o risco de que a empresa no seja capaz de cobrir os custos operacionais no varia. Essa hiptese significa que a aceitao de um projeto por uma empresa no afeta sua capacidade de cobrir os custos operacionais.

    2. Risco financeiro : supomos que o risco de que a empresa seja incapaz de saldar os compromissos financeiros (pagamentos de juros, aluguis, dividendos de aes preferenciais) no varia. Essa hiptese significa que os projetos so financiados de tal maneira que a capacidade de cobertura de custos de financiamento pela empresa no se altera.

    3. Os custos relevantes so aqueles aps o imposto de renda : em outras palavras, o custo de capital medido depois do imposto de renda. Essa hiptese coerente com o enfoque adotado na tomada de decises de oramento de capital.

    CUSTO DE FONTES ESPECFICAS DE CAPITAL

    Nossa ateno se concentrar somente nas fontes de fundos de longo prazo disponveis, porque so elas que proporcionam financiamento permanente. O financiamento de longo prazo sustenta os investimentos em ativos permanentes da empresa.

    H quatro fontes bsicas de fundos de longo prazo para a empresa: capital de terceiros de longo prazo, emisso de aes preferenciais, emisso de aes ordinrias e reteno de lucros. O lado direito de um Balano Patrimonial pode ser utilizado para ilustrar tais fontes:

  • 77

    Finanas Empresariais

    Embora nem todas as empresas usem todos esses mtodos de financiamento, espera-se que cada uma tenha fundos de algumas dessas fontes em sua estrutura de capital. O custo especfico de cada fonte de financiamento o custo de sua obteno agora, aps o imposto de renda, e no o custo histrico refletido no financiamento existente de acordo com a contabilidade da empresa.Capital de Terceiros

    O custo de capital de terceiros, (Ki), definido de acordo com os passivos onerosos presentes nos emprstimos e financiamentos mantidos pela empresa.

    Custo da Dvida de Longo Prazo: o custo hoje, aps IR, de captar recursos atravs de emisso e venda de ttulos de dvida e que os pagamentos de juros das obrigaes ocorram em perodos regulares.

    Recebimentos lquidos: fundos realmente recebidos, depois de deduzidos os custos de colocao ou lanamento os custos totais de emisso e venda de um ttulo que reduzem os recebimentos lquidos proporcionados pela venda. Esses custos aplicam-se a todos os custos de lanamentos pblicos de ttulos. Esses custos compem-se em dois componentes:

    1. Custos de Underwriting : remunerao recebida pelos bancos de investimentos para a realizao da venda dos ttulos.

    2. Custos Administrativos : despesas do emissor, que envolve gastos com servios de assistncia jurdica e contbil, impresso etc.

    Em operaes financeiras onde geralmente no h emisso de ttulos de dvida, encontramos na formao da taxa os seguintes elementos formadores do custo:

    Custo de um ttulo considerado livre de risco (Klr);

    Prmio de risco de negcios (Prn);

    Prmio de risco financeiro (Prf)