facundes_pluralismo_direito_ayahuasca_2013-1 (1) (1)

Download facundes_pluralismo_direito_ayahuasca_2013-1 (1) (1)

If you can't read please download the document

Post on 12-Jan-2016

232 views

Category:

Documents

5 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Direito a religião.

TRANSCRIPT

  • Instituto Brasiliense de Direito Pblico - IDP

    JAIR ARAJO FACUNDES

    Pluralismo, Direito e Ayahuasca:

    Autodeterminao e legitimao do poder no mundo desencantado

    Braslia 2013

    __________________________________________________________________________________________www.neip.info

  • 2

    JAIR ARAJO FACUNDES

    Pluralismo, Direito e Ayahuasca:

    Autodeterminao e legitimao do poder no mundo desencantado

    Dissertao apresentada ao Curso de Ps-Graduao em

    Direito do Instituto Brasiliense de Direito Pblico IDP

    como requisito parcial para a obteno do ttulo de

    Mestre em Direito.

    Orientador: Professor Doutor lvaro Ciarlini

    B r a s l i a

    2013

    __________________________________________________________________________________________www.neip.info

  • 3

    JAIR ARAJO FACUNDES

    Pluralismo, Direito e Ayahuasca:

    Autodeterminao e legitimao do poder no mundo desencantado

    Dissertao aprovada como requisito parcial para a obteno do grau de Mestre em Direito

    junto ao Curso de Ps-Graduao em Direito do Instituto Brasiliense de Direito Pblico IDP

    pela Banca Examinadora composta pelos seguintes professores:

    ______________________________________

    Professor Doutor lvaro Ciarlini - Orientador

    ______________________________________

    Professor Doutor Gilmar Mendes - IDP

    ______________________________________

    Professor Doutor Delamar Jos Volpato Dutra - UFSC

    ______________________________________

    Coordenador do Curso de Ps-Graduao em Direito

    Braslia, 29 de maio de 2013

    __________________________________________________________________________________________www.neip.info

  • 4

    Dedico este trabalho a

    Joo Rodrigues e Alcia Arajo, meus pais, porque me

    ensinaram, com suas vidas, que a existncia tem sentido, para

    alm de suas lutas e dificuldades, e porque me presentearam

    com o amor divino.

    __________________________________________________________________________________________www.neip.info

  • 5

    AGRADECIMENTOS

    Foram tantos. Temo esquecer alguns. Faamos assim. Se o Mestrado fosse um

    lugar muito distante ao qual eu desejasse intensamente conhecer, e onde s me fosse

    possvel chegar pelo mar, um lugar em que a aplicao do Direito se d com inteligncia e

    com ateno mais excepcional qualidade do ser humano, justamente aquela que nos torna

    iguais: a diversidade. Ento eu agradeo:

    A Joo Rodrigues e Alcia Arajo, meus pais, pelo dom da vida e pelo exemplo de

    determinao, decncia e coragem que me serviu e serve de guia no navegar da vida;

    A Val, no s pelo apoio incondicional, necessrio para superar as tempestades

    do caminho, mas por tornar a viagem, do mestrado e da vida, singularmente agradvel;

    Jair Jnior e Lucas, filhos amados, luzes de alegria e inteligncia que me

    impulsionam a tentar sempre ser um homem melhor e digno do amor deles, e que me

    fizeram sonhar a possibilidade de uma sociedade de que possamos todos nos orgulhar;

    A David Wilson, mestre e doutor em Direito, juiz federal, professor e dileto

    amigo, navegante ousado, que fez a viagem e me deu a notcia de que no alm-mar do

    positivismo dogmtico, h vida inteligente no Direito, tirando-me, com certa dificuldade, do

    comodismo intelectual;

    Ao Tribunal Regional Federal da 1 Regio, por seu Presidente, Desembargador

    Federal Olindo Medeiros, e Corregedor, Desembargador Cndido Medeiros, cujo apoio no

    programa de aperfeioamento de magistrados permitiu-me os vveres indispensveis;

    Ao professor e Orientador lvaro Ciarlini, magistrado, mestre e doutor em

    Direito, feliz referncia que me deu o norte e no me permitiu sair de rota, de quem sou

    devedor e a quem aprendi a respeitar pelo conhecimento, inteligncia e integridade de

    carter;

    Aos colegas de viagem, com quem compartilhei bons e maus ventos, pelo prazer

    da convivncia e dos debates: Cosmo, Rogrio, Flvio, Igncio, Fernanda, Fernando, Beatriz e

    Luiz;

    A Raimundo Irineu Serra, pelo barco.

    __________________________________________________________________________________________www.neip.info

  • 6

    There are many of us, and we disagree about justice.

    Jeremy Waldron

    A parte mais decisiva de um argumento jurdico seu elemento moral.

    Dworkin (2010b, p. 252).

    __________________________________________________________________________________________www.neip.info

  • 7

    A aprovao da presente dissertao no implica o endosso do Professor

    Orientador, da Banca Examinadora e do Instituto Brasiliense de Direito Pblico - IDP s ideias

    e opinies que a fundamentam ou que nela so expostas.

    __________________________________________________________________________________________www.neip.info

  • 8

    RESUMO

    Os indivduos e grupos utilizam a expresso direitos fundamentais ou

    equivalente em suas reivindicaes polticas e jurdicas, mesmo quando tais direitos no so

    reconhecidos pela ordem jurdica contra a qual s vezes se insurgem para o fim de pleite-

    los e garanti-los. Ainda quando reconhecidos em constituies e tratados internacionais,

    intrpretes qualificados divergem quanto ao seu significado, extenso ou sentido, ao

    fundamento de que conceitos como democracia, liberdade, igualdade, dignidade so termos

    vagos e necessariamente ensejam ampla discricionariedade do intrprete na sua aplicao.

    A pesquisa recusa essa viso e oferece uma alternativa terica que d conta desses diversos

    aspectos relacionados aos direitos fundamentais, e o faz a partir do estudo de uma

    reivindicao concreta do direito liberdade consubstanciada no caso Ayahuasca: o

    controvertido uso ritual de uma bebida psicoativa que contm uma substncia (o alcaloide

    dimetiltriptamina DMT) proibida em tratado internacional e na legislao de vrios pases.

    Examina decises proferidas no mbito administrativo e judicial e em dois sistemas judiciais

    diferentes: common law e civil law. Defende que os conceitos como liberdade e democracia

    no so vagos nem indeterminados e so melhor compreendidos como interpretativos.

    Sustenta que a leitura moral de tais direitos e liberdades oferece a melhor interpretao do

    seu uso nos diversos contextos, capaz de proporcionar uma concepo consistente e

    operativa de tais termos numa sociedade desencantada (Weber) caracterizada pelo

    pluralismo. Conclui que permitir ou negar o exerccio de uma prtica religiosa somente se

    justifica quando amparada por uma teoria poltica mais ampla acerca de como os bens,

    espaos e liberdades escassos devem ser ordenados no interior de uma comunidade poltica

    que busca se organizar por princpios que garantam a todos a mesma considerao e o

    mesmo respeito por parte do governo e da comunidade.

    Palavras-chave: Direitos. Conceitos interpretativos. Liberdade religiosa.

    Ayahuasca. Pluralismo. Legitimidade do exerccio do poder. Igualdade.

    __________________________________________________________________________________________www.neip.info

  • 9

    ABSTRACT

    Individuals and groups use the term fundamental rights or its equivalent in

    making political and judicial claims, even when such rights are not recognized by the judicial

    system against which they sometimes arise for the purpose of seeking them and

    guaranteeing them. Even when such rights are recognized in constitutions and international

    treaties, qualified interpreters differ as to their significance, reach, and meaning, based on

    the fact that such concepts as democracy, liberty, equality, and dignity are vague terms and

    necessarily offer the interpreter wide discretion in their application. This work rejects this

    vision and offers a theoretical alternative that takes into account these various aspects

    related to fundamental rights, and does so based on a study of a concrete demand for the

    right to liberty presented in the case of Ayahuasca: the controversial ritual use of a

    psychoactive drink that contains a substance (the alkaloid dimethyltryptamine--DMT)

    prohibited under international treaty and the laws of various countries. It examines

    decisions rendered in administrative and judicial contexts and in two different judicial

    systems: common law and civil law. It argues that concepts such as liberty and democracy

    are not so vague or indeterminate, and are better understood as interpretative. It suggests

    that a moral reading of such rights and liberties offers the best interpretation of their use in

    various contexts, capable of providing a consistent and workable conception of such terms in

    a disenchanted society (Weber) characterized by pluralism. It concludes that permitting or

    denying the exercise of a religious practice is only justified when empowered by a wider

    political theory of how scarce goods, spaces, and liberties should be ordered within a

    political community that seeks to organize itself by principles that guarantee to all the same

    consideration and the same respect on the part of the government and the community.

    Keywords: Rights. Interpretative concepts. Religious liberty. Ayahuasca.

    Pluralism. Legitimacy of the exercise of power. Equality.

    __________________________________________________________________________________________www.neip.info

  • 10

    Sumrio

    INTRODUO ............................................

Recommended

View more >