FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO Mestrado em Msica ou na rea da Educao Harmonia Popular Improvisao Histria e Esttica do Jazz / Disciplinas Afins 1

Download FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO   Mestrado em Msica ou na rea da Educao Harmonia Popular  Improvisao  Histria e Esttica do Jazz / Disciplinas Afins 1

Post on 18-Mar-2018

214 views

Category:

Documents

2 download

TRANSCRIPT

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    1

    * Arquivo atualizado conforme Edital n 002, de 24 de novembro de 2014.

    EDITAL N 001, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014

    A FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA - FAMES, por seu Diretor Geral, torna pblico a realizao do Concurso Pblico de Provas e Ttulos para provimento, e formao de cadastro reserva, de cargos efetivos do seu quadro de pessoal, nos termos da Lei Complementar Estadual n 714/2013; Lei Complementar Estadual n 739/2013; Lei Complementar Estadual n 769/2014; e, da Constituio Federal, que normatizam mediante as condies estabelecidas neste Edital e seus anexos.

    1. DAS DISPOSIES PRELIMINARES 1.1 Este Concurso Pblico destina-se seleo e provimento de vagas para profissionais de nvel superior: Professor Auxiliar de Ensino, Professor Assistente, Professor Adjunto, Professor Titular e Tcnico de Nvel Superior; e, de nvel mdio: Assistente Administrativo. 1.2 O Concurso ser regido por este Edital e executado pelo Instituto de Desenvolvimento Educacional, Cultural e Assistncia Nacional IDECAN, site: www.idecan.org.br e e-mail: atendimento@idecan.org.br. 1.3 Os candidatos nomeados estaro subordinados ao Regime Jurdico nico dos Servidores Pblicos Civis do Estado do Esprito Santo, conforme Lei Complementar n 46/1994. 1.4 As etapas deste Concurso Pblico sero realizadas na cidade de Vitria/ES e, eventualmente, se a capacidade das unidades de aplicao no for suficiente para atender a todos os inscritos nesta cidade, sero tambm realizadas nas cidades circunvizinhas que apresentarem estrutura fsica funcional, atendendo, assim, s necessidades do processo de seleo. 1.5 O presente Concurso Pblico compreende a realizao das seguintes etapas: 1.5.1 Para os cargos de Professor Auxiliar de Ensino, Professor Assistente, Professor Adjunto e Professor Titular: 1 Etapa: provas objetivas e discursivas, de carter eliminatrio e classificatrio; 2 Etapa: prova prtica nas modalidades recital solo ou recital acompanhamento ou prova oral, de carter eliminatrio e classificatrio, de acordo com o cargo/disciplina almejado, conforme disposto no Anexo I; e, 3 Etapa: avaliao de ttulos, de carter apenas classificatrio. 1.5.2 Para os cargos de Tcnico de Nvel superior e Assistente Administrativo: Etapa nica: provas objetivas. 1.6 Para os fins que se destina este Concurso Pblico so consideradas: 1.6.1 Atividades de Ensino: Aulas presenciais e no presenciais, atividades didtico-pedaggicas (planejamento), atividades de recuperao, avaliaes em Bancas Examinadoras e orientaes. 1.6.2 Atividades de Extenso: Projetos Internos ( Grupos Oficiais e Oficinas), Projetos externos, Programas e Eventos musicais. 1.7 Para todos os fins deste Concurso Pblico ser considerado o horrio oficial de Braslia/DF. 2. DOS CARGOS E VAGAS 2.1 Professor Auxiliar de Ensino 2.1.1 Requisito de Ingresso: Concluso de Curso de Graduao na rea correspondente disciplina ministrada. 2.1.2 Atribuies: Atuar nas atividades de Ensino nos cursos de Graduao e na Extenso. 2.1.3 Carga Horria: 40 (quarenta) horas semanais. 2.1.4 Remunerao: R$ 3.172,09 (trs mil, cento e setenta e dois reais e nove centavos). 2.1.5 Total de vagas: 6 (seis). QUADRO DE VAGAS POR DISCIPLINA:

    DISCIPLINA VAGAS REQUISITOS ESPECFICOS

    Musicalizao Infantil / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica

    Percusso / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Percusso

    Piano / Msica Popular / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica

    Professor Pianista Acompanhador / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Piano

    Saxofone / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Saxofone

    Violo / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Violo

    2.2 Professor Assistente 2.2.1 Requisito de Ingresso: Concluso de Curso de Graduao na rea correspondente disciplina ministrada e concluso de Curso de Ps-graduao Latu Sensu, em rea correlata. 2.2.2 Atribuies: Atuar nas atividades de Ensino nos cursos de Graduao, na Pesquisa e na Extenso. 2.2.3 Carga Horria: 40 (quarenta) horas semanais. 2.2.4 Remunerao: R$ 3.390,86 (trs mil, trezentos e noventa reais e oitenta e seis centavos). 2.2.5 Total de vagas: 45 (quarenta e cinco). QUADRO DE VAGAS POR DISCIPLINA:

    DISCIPLINA VAGAS REQUISITOS ESPECFICOS

    Baixo Eltrico / Harmonia na Msica Popular / Disciplinas Afins

    1 Graduao em Msica e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Canto Msica Popular / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    2

    rea da Educao

    Canto Coral Infanto-juvenil / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Canto Coral / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Canto Tcnica Vocal / Disciplinas Afins 4 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Canto e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Contrabaixo / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Contrabaixo e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Didtica / Educao Inclusiva / Metodologia da Educao Musical

    1 Graduao em Msica e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Fagote / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Fagote e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Flauta Doce / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Flauta Transversa / Disciplinas Afins 2 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Flauta Transversa e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Flauta Transversa Msica Popular / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Harpa / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Harpa e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Histria e Msica/Folclore 1 Graduao em Msica e Ps-Graduao (Latu-Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Musicalizao Infantil / Disciplinas Afins 4 Graduao em Msica e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Percepo Musical / Disciplinas Afins 2 Graduao em Msica e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Percusso Msica Popular Rtmica / Disciplinas Afins

    1 Graduao em Msica e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Piano B Teclado Instrumento Harmnico 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Piano e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Piano / Disciplinas Afins 2 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Piano e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Prtica de Conjunto 1 Graduao em Msica e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Professor Pianista Acompanhador / Disciplinas Afins 4 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Piano e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Saxofone Msica Popular Estruturas e Formas Musicais / Disciplinas Afins

    1 Graduao em Msica e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Saxofone / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Saxofone e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Trombone / Disciplinas Afins 2 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Trombone e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Trompa / Disciplinas Afins 2 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Trompa e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Trompete Msica Popular / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Trompete / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Trompete e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Tuba / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Tuba e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Viola / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Viola e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Violo e Guitarra Eltrica Msica Popular 1 Graduao em Msica e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Violo / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Violo e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    Violino / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Violino e Ps-graduao (Latu Sensu) em Msica ou na rea da Educao

    2.3 Professor Adjunto 2.3.1 Requisito de Ingresso: Concluso de Curso de Graduao na rea correspondente disciplina ministrada e concluso de Curso de Mestrado, em rea correlata. 2.3.2 Atribuies: Atuar nas atividades de Ensino de Graduao e Ps-graduao, Pesquisa e na Extenso.

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    3

    2.3.3 Carga Horria: 40 (quarenta) horas semanais. 2.3.4 Remunerao: R$ 4.375,29 (quatro mil, trezentos e setenta e cinco reais e vinte e nove centavos). 2.3.5 Total de vagas: 41 (quarenta e uma). QUADRO DE VAGAS POR DISCIPLINA:

    DISCIPLINA VAGAS REQUISITOS ESPECFICOS

    Anlise Musical Apreciao Musical / Disciplinas Afins

    1 Graduao em Msica e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Canto Coral / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Canto / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Canto e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Clarinete / Disciplinas Afins 2 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Clarinete e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Contraponto Harmonia Arranjo e Instrumentao / Disciplinas Afins

    1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Composio e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Estgio Supervisionado Docncia em Msica 1 Graduao em Msica Licenciatura e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Expresso Corporal Artes Cnicas / Disciplinas Afins 1 Graduao e Mestrado em rea correlata disciplina ou na rea da Educao

    Fisiologia da Voz 1 Graduao em Fonoaudiologia, Mestrado em rea correlata disciplina ou na rea da Educao e registro no respectivo conselho de fiscalizao do exerccio profissional

    Flauta Transversa / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Flauta Transversa e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Harmonia Popular Improvisao Histria e Esttica do Jazz / Disciplinas Afins

    1 Graduao em Msica e Mestrado em Msica ou em rea correlata disciplina ou na rea da Educao

    Histria e Arte Organizao da Educao Brasileira 1 Graduao em Artes e Mestrado em rea correlata s disciplinas ou na rea da Educao

    Histria e Msica Folclore 1 Graduao em Msica e Mestrado em Msica ou em rea correlata disciplina ou na rea da Educao

    Informtica Aplicada Msica 1 Graduao em Msica e Mestrado em Msica ou na rea de Tecnologia ou na rea da Educao

    Laboratrio de Composio Tcnica de Arranjos Oficina de Criao Musical

    1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Composio e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Laboratrio de Idiomas Ingls Instrumental 1 Graduao em Letras e Mestrado em rea correlata disciplina ou na rea da Educao

    Lngua Portuguesa Metodologia da Pesquisa Metodologia Cientfica

    1 Graduao em Letras e Mestrado em rea correlata disciplina ou na rea da Educao

    Msica de Cmara / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica e Mestrado em Msica ou em rea correlata disciplina ou na rea da Educao

    Msica e Psicologia Psicologia e Educao 1 Graduao em Msica e Mestrado em Msica ou em rea correlata disciplina ou na rea da Educao

    Msica e Sociologia Sociologia e Educao Filosofia e Educao

    1 Graduao em Cincias Sociais e Mestrado em rea correlata disciplinas ou na rea da Educao

    Msica e Tecnologia 1 Graduao em Msica e Mestrado em Msica ou na rea de Tecnologia ou na rea da Educao

    Musicalizao Infantil / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Obo / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Obo e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Percepo Musical / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Percusso / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Percusso e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Piano B Teclado Instrumento Harmnico 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Piano e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Piano / Disciplinas Afins 3 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Piano e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Professor Pianista Acompanhador / Disciplinas Afins 2 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Piano e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Regncia Tcnicas de Regncia / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Regncia e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Saxofone / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Saxofone e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Trombone / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Trombone e

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    4

    Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Trompete / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Trompete e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Violo / Disciplinas Afins 2 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Violo e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Violino / Disciplinas Afins 2 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Violino e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    Violoncelo / Disciplinas Afins 2 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Violoncelo e Mestrado em Msica ou na rea da Educao

    2.4 Professor Titular 2.4.1 Requisito de Ingresso: Concluso de Curso de Graduao na rea correspondente disciplina ministrada e concluso de Curso de Doutorado, em rea correlata. 2.4.2 Atribuies: Atuar nas atividades de Ensino de Graduao e Ps-graduao, Pesquisa e na Extenso. 2.4.3 Carga Horria: 40 (quarenta) horas semanais. 2.4.4 Remunerao: R$ 5.687,87 (cinco mil, seiscentos e oitenta e sete reais e oitenta e sete centavos). 2.4.5 Total de vagas: 10 (dez). QUADRO DE VAGAS POR DISCIPLINA:

    DISCIPLINA VAGAS REQUISITOS ESPECFICOS

    Canto / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Canto e Doutorado em Msica ou na rea da Educao

    Clarinete / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Clarinete e Doutorado em Msica ou na rea da Educao

    Didtica/Educao Inclusiva/Metodologia da Educao Musical

    1 Graduao em Msica e Doutorado em Msica ou na rea da Educao

    Flauta Transversa / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Flauta Transversa e Doutorado em Msica ou na rea da Educao

    Percepo Musical / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica e Doutorado em Msica ou na rea da Educao

    Piano / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Piano e Doutorado em Msica ou na rea da Educao

    Professor Pianista Acompanhador / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Piano e Doutorado em Msica ou na rea da Educao

    Trompete / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Trompete e Doutorado em Msica ou na rea da Educao

    Violo e Guitarra Eltrica Msica Popular A Msica do Mundo / Disciplinas Afins

    1 Graduao em Msica e Doutorado em Msica ou na rea da Educao

    Violino / Disciplinas Afins 1 Graduao em Msica Bacharelado com nfase em Violino e Doutorado em Msica ou na rea da Educao

    2.5 Tcnico de Nvel Superior 2.5.1 Requisito de Ingresso: Concluso de Curso de Graduao na rea correspondente ao cargo e registro no respectivo conselho de fiscalizao do exerccio profissional, se houver. 2.5.2 Atribuies: Acompanhar, controlar e executar as atividades administrativas e tcnicas, em relao s reas de planejamento, recursos humanos, finanas, oramento, patrimnio, informtica e de mtodos e processos de trabalho, respeitados os regulamentos prprios; Acompanhar e avaliar esforos, pessoas e recursos para o desenvolvimento e execuo de planos, aes e projetos, buscando garantir o atendimento das prioridades, prazos, padres de qualidade e eficcia das polticas implementadas; Prestar atendimento ao pblico, de acordo com as especificidades de sua rea de atuao; Elaborar documentos diversos, captando, analisando, consolidando dados e informaes para reviso dos planos de trabalho; Formular, planejar, analisar e executar projetos estratgicos relacionados diretamente com sua rea de formao/conhecimento especfico; Identificar e propor melhorias nos projetos/processos existentes; Levantar e mapear requisitos necessrios para a formulao de novas aes institucionais; Executar outras atividades correlatas. 2.5.3 Carga Horria: 40 (quarenta) horas semanais. 2.5.4 Remunerao: R$ 4.232,00 (quatro mil, duzentos e trinta e dois reais). 2.5.5 Total de vagas: 6 (seis). QUADRO DE VAGAS POR REA:

    REA VAGAS REQUISITOS ESPECFICOS

    Cincias Contbeis 1 Bacharelado em Cincias Contbeis

    Cincias da Computao 1 Bacharelado em Cincias da Computao ou Anlise de Sistemas ou Tecnologia da Informao ou Sistemas de Informao ou Engenharia da Computao

    Biblioteconomia 1 Bacharelado em Biblioteconomia

    Pedagogia 1 Licenciatura Plena e/ou Bacharelado em Pedagogia

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    5

    Administrao 2 Bacharelado em Administrao

    2.6 Assistente Administrativo 2.6.1 Requisito de Ingresso: Concluso de Curso de Nvel Mdio. 2.6.2 Atribuies: Acompanhar, controlar e executar as atividades administrativas e tcnicas, em relao s reas Administrativas e apoio gesto Institucional; Propor a elaborao de laudos tcnicos, pareceres, pesquisas tcnico-cientficas, testes, anlises, diagnsticos e outros, necessrios ao desenvolvimento de suas atividades; Executar outras atividades correlatas. 2.6.3 Carga Horria: 40 (quarenta) horas semanais. 2.6.4 Remunerao: R$ 1.738,88 (mil, setecentos e trinta e oito reais e oitenta e oito centavos). 2.6.5 Total de vagas: 6 (seis), sendo 5 (cinco) vagas destinadas ampla concorrncia e 1 (uma) vaga destinada a pessoa com deficincia. 3. DAS CONDIES E REQUISITOS EXIGIDOS PARA INGRESSO NAS CARREIRAS 3.1 Cumprir na ntegra as determinaes previstas no Edital do Concurso Pblico. 3.2 Ter sido aprovado e classificado no Concurso Pblico. 3.3 Ser brasileiro nato ou naturalizado ou possuir visto permanente de residncia no Brasil ou cidado portugus que tenha adquirido a igualdade de direitos e obrigaes civis e gozo dos direitos polticos (Decreto n 70.436/72, Constituio Federal, 1 do art. 12, e Emenda Constitucional n 19/98, art. 3). 3.4 Ter na data da posse 18 (dezoito) anos completos. 3.5 Estar em dia com as obrigaes resultantes da legislao eleitoral e, se do sexo masculino, do servio militar. 3.6 Estar em pleno gozo de seus direitos civis e polticos. 3.7 Possuir e comprovar o pr-requisito para o cargo, conforme o item 2. 3.8 Apresentar a documentao comprobatria de acordo com as exigncias deste Edital, por ocasio da convocao, que antecede a nomeao e posse. 3.9 No possuir trabalho que seja conflitante com os horrios estabelecidos pela FAMES para o exerccio do cargo. 3.10 Conhecer e estar de acordo com as exigncias contidas neste Edital. 4. DAS INSCRIES NO CONCURSO PBLICO 4.1 As inscries se realizaro somente VIA INTERNET no perodo compreendido entre 14h00min do dia 27 de novembro de 2014 e 23h59min do dia 18 de dezembro de 2014, no endereo eletrnico www.idecan.org.br. 4.1.1 Ser permitida ao candidato a realizao de mais de uma inscrio no Concurso Pblico para cargos e turnos distintos. Assim, quando do processamento das inscries, se for verificada a existncia de mais de uma inscrio para o mesmo turno de provas realizada e efetivada (por meio de pagamento ou iseno da taxa) por um mesmo candidato, ser considerada vlida e homologada aquela que tiver sido realizada por ltimo, sendo esta identificada pela data e hora de envio via internet, do requerimento atravs do sistema de inscries on-line do IDECAN. Consequentemente, as demais inscries do candidato nesta situao sero automaticamente canceladas, no cabendo reclamaes posteriores nesse sentido, nem mesmo quanto restituio do valor pago em duplicidade. 4.1.2 As taxas de inscrio neste Concurso Pblico tero os seguintes valores:

    Cargo de Assistente Administrativo = R$ 30,00 Cargo de Tcnico de Nvel Superior = R$ 60,00 Cargos de Professor = R$ 80,00 4.2 DOS PROCEDIMENTOS PARA A INSCRIO 4.2.1 Para realizar a inscrio o candidato dever adotar os seguintes procedimentos: a) Estar ciente de todas as informaes sobre este Concurso Pblico disponveis na pgina do IDECAN (www.idecan.org.br) e acessar o link de inscrio correlato a este Concurso; b) O candidato dever inscrever-se no perodo entre 14h00min do dia 27 de novembro de 2014 e 23h59min do dia 18 de dezembro de 2014, observado o horrio oficial de Braslia/DF, atravs do requerimento especfico disponvel na pgina citada; c) Optar pelo cargo e disciplina/rea a que deseja concorrer, conforme item 2 deste Edital; e, d) Imprimir o boleto bancrio, que dever ser pago em qualquer banco, impreterivelmente, at a data de vencimento expressa no documento. 4.2.2 A instituio financeira que receber as inscries confirmar o pagamento dos boletos ao IDECAN. ATENO: a inscrio via Internet s ser efetivada aps a confirmao do pagamento feito por meio do boleto bancrio at a data do vencimento expressa no documento. O pagamento, aps a data de vencimento, implica CANCELAMENTO da inscrio. 4.3 DA REIMPRESSO DO BOLETO 4.3.1 O boleto bancrio poder ser reimpresso at a data do trmino das inscries, sendo que a cada reimpresso constar uma nova data de vencimento, podendo sua quitao ser realizada por meio de qualquer agncia bancria e seus correspondentes. 4.3.2 Todos os candidatos inscritos no perodo entre 14h00min do dia 27 de novembro de 2014 e 23h59min do dia 18 de dezembro de 2014 que no efetivarem o pagamento do boleto bancrio neste perodo podero reimprimi-lo, no mximo, at o primeiro dia til posterior ao encerramento das inscries (19 de dezembro de 2014 at as 23h59min), quando este recurso ser retirado do site www.idecan.org.br. O pagamento, neste mesmo dia, poder ser efetivado em qualquer agncia bancria e seus correspondentes ou atravs de pagamento por internet banking. 4.3.3 Em caso de feriado ou evento que acarrete o fechamento de agncias bancrias e/ou lotricas na localidade em que se encontra, o candidato dever antecipar o envio da documentao prevista neste Edital (quando for o caso) ou o pagamento do boleto para o 1 dia til que antecede o feriado ou evento. No caso de pagamento do boleto, o candidato poder ainda realiz-lo por outro meio alternativo vlido (pagamento do ttulo em caixa eletrnico, internet banking, etc.), devendo ser respeitado o prazo limite determinado neste Edital. 4.4 DISPOSIES GERAIS SOBRE A INSCRIO NO CONCURSO PBLICO

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    6

    4.4.1 O IDECAN no se responsabiliza por solicitaes de inscrio no recebidas por motivos de ordem tcnica dos computadores, falhas de comunicao, congestionamento das linhas de comunicao, bem como outros fatores de ordem tcnica que impossibilitem a transferncia de dados, sobre os quais no tiver dado causa. 4.4.2 Para efetuar a inscrio imprescindvel o nmero de Cadastro de Pessoa Fsica (CPF) do candidato. 4.4.3 Ter a sua inscrio cancelada e ser automaticamente eliminado do Concurso o candidato que usar o CPF de terceiro para realizar a sua inscrio, garantido o direito ao contraditrio e ampla defesa. 4.4.4 A inscrio do candidato implica conhecimento e tcita aceitao das normas e condies estabelecidas neste Edital, em relao s quais no poder alegar desconhecimento, inclusive quanto realizao das provas e etapas nos prazos estipulados. 4.4.5 A qualquer tempo poder-se- anular a inscrio, as provas e a nomeao do candidato, desde que verificada falsidade em qualquer declarao e/ou irregularidade nas provas e/ou em informaes fornecidas, garantido o direito ao contraditrio e ampla defesa. 4.4.6 vedada a inscrio condicional e/ou extempornea. 4.4.7 vedada a transferncia do valor pago a ttulo de taxa para terceiros, assim como a transferncia da inscrio para outrem. 4.4.8 Antes de efetuar a inscrio o candidato dever conhecer o Edital e certificar-se de que preenche todos os requisitos exigidos. No ser deferida a solicitao de inscrio que no atender rigorosamente ao estabelecido neste Edital. 4.4.9 O candidato declara, no ato da inscrio, que tem cincia e aceita que, caso aprovado, quando de sua convocao, dever entregar, aps a homologao do Concurso Pblico, os documentos comprobatrios dos requisitos exigidos para o respectivo cargo. 4.4.10 O valor referente ao pagamento da taxa de inscrio s ser devolvido em caso de suspenso ou cancelamento do Concurso Pblico. 4.4.11 No haver iseno total ou parcial do pagamento da taxa de inscrio, exceto para os candidatos que declararem e comprovarem hipossuficincia de recursos financeiros para pagamento da referida taxa, nos termos do Decreto Federal n 6.593/2008 e da Lei Estadual n 9.652/2011. 4.4.11.1 Far jus iseno de pagamento da taxa de inscrio o candidato economicamente hipossuficiente que estiver inscrito no Cadastro nico para Programas Sociais do Governo Federal Cadnico e for membro de famlia de baixa renda, assim compreendida aquela que possua renda per capita de at meio salrio mnimo ou aquela que possua renda familiar mensal de at 3 (trs) salrios mnimos, nos termos do Decreto Federal n 6.135/2007 e da Lei Estadual n 9.652/2011. 4.4.11.2 O candidato que requerer a iseno, atravs do Cadnico, dever informar, no ato da inscrio, seus dados pessoais em conformidade com os que foram originalmente informados ao rgo de Assistncia Social de seu Municpio responsvel pelo cadastramento de famlias no Cadnico, mesmo que atualmente estes estejam divergentes ou que tenham sido alterados nos ltimos 45 (quarenta e cinco) dias, em virtude do decurso de tempo para atualizao do banco de dados do Cadnico a nvel nacional. Aps o julgamento do pedido de iseno, o candidato poder efetuar a atualizao dos seus dados cadastrais junto ao IDECAN atravs do sistema de inscries on-line ou solicit-la ao fiscal de aplicao no dia de realizao das provas. 4.4.11.3 O pedido de iseno da taxa de inscrio dever ser realizado no perodo entre 27 e 28 de novembro de 2014. Os pedidos de iseno realizados aps o prazo estipulado sero desconsiderados e tero a solicitao de iseno automaticamente indeferida. 4.4.11.4 Os pedidos de iseno da taxa de inscrio sero julgados pelo IDECAN e o resultado ser divulgado at a data provvel de 10 de dezembro de 2014. 4.4.11.5 Fica assegurado o direito de recurso aos candidatos com o pedido de iseno indeferido, no prazo de 1 (um) dia til contado da divulgao do resultado dos pedidos de iseno da taxa de inscrio. Os recursos devero ser protocolados via correio eletrnico (atendimento@idecan.org.br). 4.4.11.5.1 Os candidatos cujos requerimentos de iseno do pagamento da taxa de inscrio tenham sido indeferidos, aps a fase recursal, cujo resultado ser divulgado no dia 15 de dezembro de 2014, podero efetivar a sua inscrio no certame no prazo de inscries estabelecido no Edital, mediante o pagamento da respectiva taxa. 4.4.11.6 No ser aceita solicitao de iseno de pagamento de taxa, via fax ou correio eletrnico. 4.4.11.7 O no cumprimento de uma das etapas fixadas, a falta ou a inconformidade de alguma informao ou a solicitao apresentada fora do perodo fixado implicar eliminao automtica do processo de iseno, garantido o direito ao contraditrio e ampla defesa. 4.4.12 No sero deferidas inscries via fax e/ou via e-mail. 4.4.13 As informaes prestadas no requerimento de inscrio sero de inteira responsabilidade do candidato, dispondo o IDECAN do direito de excluir do Concurso Pblico aquele que no preencher o requerimento de forma completa, correta e/ou que fornecer dados comprovadamente inverdicos, garantido o direito ao contraditrio e ampla defesa. 4.4.13.1 O candidato, ao realizar sua inscrio, tambm manifesta cincia quanto possibilidade de divulgao de seus dados em listagens e resultados no decorrer do certame, tais como aqueles relativos data de nascimento, notas e desempenho nas provas, entre outros, tendo em vista que essas informaes so essenciais para o fiel cumprimento da publicidade dos atos atinentes ao Concurso Pblico. No cabero reclamaes posteriores neste sentido, ficando cientes tambm os candidatos de que possivelmente tais informaes podero ser encontradas na rede mundial de computadores atravs dos mecanismos de busca atualmente existentes. 4.4.14 O IDECAN disponibilizar no site www.idecan.org.br a lista das inscries deferidas e indeferidas (se houver), a partir do dia 5 de janeiro de 2015, para conhecimento do ato e motivos do indeferimento para interposio dos recursos, no prazo legal. 4.4.15 A no integralizao dos procedimentos de inscrio implica DESISTNCIA do candidato e sua consequente ELIMINAO deste Concurso Pblico. 4.4.16 O candidato inscrito dever atentar para a formalizao da inscrio, considerando que, caso a inscrio no seja efetuada nos moldes estabelecidos neste Edital, ser automaticamente considerada no efetivada pelo organizador, no assistindo nenhum direito ao interessado, garantido o direito ao contraditrio e ampla defesa. 4.4.17 O candidato, pessoa com deficincia ou no, que necessitar de qualquer tipo de condio especial para realizao das provas dever solicit-la no ato da Inscrio, indicando, claramente, quais os recursos especiais necessrios e, ainda, enviar, at o dia 19 de dezembro de 2014, impreterivelmente, via SEDEX ou carta registrada com Aviso de Recebimento AR, para o IDECAN Caixa Postal 8552, CEP 70.312-970, Braslia/DF (Coordenao de Cadastro Ref.: Atendimento Especial/FAMES), laudo mdico (original ou cpia autenticada em cartrio) que justifique o atendimento especial solicitado. Aps esse perodo, a solicitao ser indeferida, salvo nos casos de fora maior. A solicitao de condies especiais ser atendida segundo critrios de viabilidade e de razoabilidade.

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    7

    4.4.17.1 Portadores de doena infectocontagiosa que no a tiverem comunicado ao IDECAN, por inexistir a doena na data limite referida, devero faz-lo via correio eletrnico atendimento@idecan.org.br to logo a condio seja diagnosticada. Os candidatos nesta situao, quando da realizao das provas, devero se identificar ao fiscal no porto de entrada, munidos de laudo mdico (original ou cpia autenticada em cartrio), tendo direito a atendimento especial. 4.4.17.2 A candidata que tiver necessidade de amamentar durante a realizao das provas dever levar somente um acompanhante, que ficar em sala reservada para essa finalidade e que ser responsvel pela guarda da criana. 4.4.17.2.1 No ser concedido tempo adicional para a execuo da prova candidata devido ao tempo despendido com a amamentao. 4.4.17.3 A solicitao de condies especiais ser atendida obedecendo a critrios de viabilidade e de razoabilidade. 4.5 DA CONFIRMAO DA INSCRIO 4.5.1 As informaes referentes data, ao horrio e ao local de realizao das provas (nome do estabelecimento, endereo e sala) para cada cargo, assim como orientaes para realizao das provas, estaro disponveis a partir do dia 2 de fevereiro de 2014, no site do IDECAN (www.idecan.org.br), devendo o candidato efetuar a impresso deste Carto de Confirmao de Inscrio (CCI). As informaes tambm podero ser obtidas atravs da Central de Atendimento do IDECAN, e-mail atendimento@idecan.org.br e telefone 0800-283-4628. 4.5.2 Caso o candidato, ao consultar o Carto de Confirmao de Inscrio (CCI), constate que sua inscrio no foi deferida, dever entrar em contato com a Central de Atendimento do IDECAN, atravs de e-mail atendimento@idecan.org.br ou telefone 0800-283-4628, no horrio de 08h00min s 17h00min, considerando-se o horrio oficial de Braslia/DF, impreterivelmente at o dia 6 de fevereiro de 2015. 4.5.2.1 No caso de a inscrio do candidato no tiver sido deferida em virtude de falha por parte da rede bancria na confirmao de pagamento do boleto referente inscrio, bem como em outros casos onde os candidatos no participarem para a ocorrncia do erro, os mesmos sero includos em local de provas especial, que ser disponibilizado no site do IDECAN, bem como comunicado diretamente aos candidatos. Seus nomes constaro em listagem parte no local de provas, de modo a permitir um maior controle para a verificao de suas situaes por parte do organizador. 4.5.2.2 A incluso, caso realizada, ser analisada pelo IDECAN com o intuito de se verificar a pertinncia da referida inscrio. Constatada a improcedncia da inscrio, esta ser automaticamente cancelada, no cabendo reclamao por parte do candidato eliminado, independentemente de qualquer formalidade, sendo considerados nulos todos os atos dela decorrentes, ainda que o candidato obtenha aprovao no certame, garantido o direito ao contraditrio e ampla defesa. 4.5.3 Os contatos feitos aps a data estabelecida no subitem 4.5.2 deste Edital no sero considerados, prevalecendo para o candidato as informaes contidas no Carto de Confirmao de Inscrio (CCI) e a situao de inscrio do mesmo, posto ser dever do candidato verificar a confirmao de sua inscrio, na forma estabelecida neste Edital. 4.5.4 Eventuais erros referentes a nome, documento de identidade ou data de nascimento, podero ser comunicados no dia e na sala de realizao das provas. 4.5.5 O Carto de Confirmao de Inscrio (CCI) NO ser enviado ao endereo informado pelo candidato no ato da inscrio. So de responsabilidade exclusiva do candidato a identificao correta de seu local de realizao das provas e o comparecimento no horrio determinado. 4.5.6 A alocao dos candidatos nos locais designados para as provas ser definida tendo por critrio a ordem alfabtica de nomes dos inscritos. 5. DAS VAGAS RESERVADAS S PESSOAS COM DEFICINCIA 5.1 As pessoas com deficincia, assim entendido aquelas que se enquadram nas categorias discriminadas no art. 1 da Lei Estadual n 7.050/2002 e suas alteraes, tm assegurado o direito de inscrio no presente Concurso Pblico, desde que a deficincia seja compatvel com as atribuies do cargo para o qual concorram. 5.1.1 No haver reserva imediata de vagas neste certame. Contudo, do somatrio total de vagas existentes para cada disciplina/rea e das que vierem a ser criadas durante o prazo de validade do Concurso Pblico, 10% (dez por cento) ficaro reservadas aos candidatos que se declararem pessoas com deficincia, desde que apresentem laudo mdico (documento original ou cpia autenticada em cartrio) atestando a espcie e o grau ou nvel da deficincia, com expressa referncia ao cdigo correspondente da Classificao Internacional de Doenas CID, bem como a provvel causa da deficincia, conforme modelo constante do Anexo IV deste Edital. 5.1.2 O candidato que desejar concorrer s vagas reservadas a pessoas com deficincia dever marcar a opo no link de inscrio e enviar o laudo mdico at o dia 19 de dezembro de 2014, impreterivelmente, via SEDEX ou carta registrada com Aviso de Recebimento AR, para o IDECAN Caixa Postal 8552, CEP 70.312-970, Braslia/DF (Coordenao de Cadastro Ref.: Pessoas com Deficincia/FAMES). O fato de o candidato se inscrever como pessoa com deficincia e enviar laudo mdico no configura participao automtica na concorrncia para as vagas reservadas, devendo o laudo passar por uma anlise de uma Comisso deste organizador e, no caso de indeferimento, passar o candidato a concorrer somente s vagas de ampla concorrncia. 5.1.3 Se na aplicao do percentual de 10% (dez por cento) sobre o total de vagas para cada disciplina/rea resultar nmero fracionado igual ou maior que 0,5 (cinco dcimos), este dever ser elevado at o primeiro nmero inteiro subsequente. 5.2 Os candidatos inscritos na condio de pessoa com deficincia participaro da seleo em igualdade de condies com os demais candidatos, de acordo com a legislao e o previsto neste Edital. 5.2.1 Os candidatos inscritos na condio de pessoa com deficincia aprovados e classificados, quando convocados, sero submetidos avaliao de junta mdica pericial designada pela FAMES, que verificar sobre a sua qualificao como pessoa com deficincia ou no, bem como sobre o grau de deficincia, incapacitante ou no, para o exerccio do cargo, nos termos do art. 35, 7, da Lei Estadual n 7.050/2002. 5.3 Os candidatos inscritos na condio de pessoa com deficincia que necessitarem de algum atendimento especial para a realizao das provas e demais etapas devero declar-lo no ato da inscrio, no espao reservado para esse fim, para que sejam tomadas as providncias cabveis com antecedncia, conforme previsto no art. 35, 5, da Lei Estadual n 7.050/2002. 5.4 O candidato inscrito na condio de pessoa com deficincia que necessite de tempo adicional para a realizao das provas dever requer-lo expressamente por ocasio da inscrio no Concurso Pblico, com justificativa acompanhada de parecer original (ou cpia autenticada em cartrio) emitido por especialista da rea de sua deficincia. O parecer citado dever ser enviado at o dia 19 de dezembro de 2014, via SEDEX ou Carta Registrada com Aviso de Recebimento - AR, para o IDECAN, no endereo citado no subitem 5.1.2 deste Edital. Caso o candidato no envie o

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    8

    parecer do especialista no prazo determinado, no realizar as provas com tempo adicional, mesmo que tenha assinalado tal opo no Requerimento de Inscrio. 5.4.1 A concesso de tempo adicional para a realizao das provas somente ser deferida caso tal recomendao seja decorrente de orientao mdica especfica contida no laudo mdico enviado pelo candidato. Em nome da isonomia entre os candidatos, por padro, ser concedida 1 (uma) hora adicional a candidatos nesta situao. O fornecimento do laudo mdico (original ou cpia autenticada), por qualquer via, de responsabilidade exclusiva do candidato. O IDECAN no se responsabiliza por qualquer tipo de extravio que impea a chegada do laudo ao Instituto. O laudo mdico (original ou cpia autenticada) ter validade somente para este concurso e no ser devolvido, assim como no sero fornecidas cpias desse laudo. 5.4.2 O candidato que no solicitar condio especial na forma determinada neste Edital, de acordo com a sua condio, no a ter atendida sob qualquer alegao, sendo que a solicitao de condies especiais ser atendida dentro dos critrios de razoabilidade e viabilidade. 5.4.3 A relao dos candidatos que tiverem a inscrio deferida para concorrer na condio de pessoa com deficincia, bem como a relao dos candidatos que tiverem os pedidos de atendimento especial deferidos ou indeferidos para a realizao das provas, ser divulgada no site www.idecan.org.br, a partir do dia 12 de janeiro de 2015. 5.5 O candidato que, no ato da inscrio, se declarar pessoa com deficincia, se aprovado no Concurso Pblico, figurar na listagem de classificao de todos os candidatos ao cargo e, tambm, em lista especfica de candidatos na condio de pessoa com deficincia por cargo/disciplina/rea. 5.5.1 O candidato que porventura declarar indevidamente, quando do preenchimento do requerimento de inscrio via internet, ser pessoa com deficincia dever, aps tomar conhecimento da situao da inscrio nesta condio, entrar em contato com o organizador atravs do e-mail atendimento@idecan.org.br ou, ainda, mediante o envio de correspondncia para o endereo constante do subitem 5.1.2 deste Edital, para a correo da informao, por tratar-se apenas de erro material e inconsistncia efetivada no ato da inscrio. 5.6 O candidato que prestar declaraes falsas em relao sua deficincia ser excludo do processo, em qualquer fase deste Concurso Pblico, e responder, civil e criminalmente, pelas consequncias decorrentes do seu ato, garantido o direito ao contraditrio e a ampla defesa. 5.7 O candidato convocado, porm no enquadrado como pessoa com deficincia, caso seja aprovado na etapa do Concurso Pblico, continuar figurando apenas na lista de classificao geral do cargo. 5.8 Se, quando da convocao, no existirem candidatos na condio de pessoa com deficincia aprovados, sero convocados os demais candidatos aprovados, observada a listagem de classificao de todos os candidatos ao cargo. 6. DAS ETAPAS DO CONCURSO 6.1 O processo de seleo deste Concurso Pblico consistir na aplicao de provas escritas objetivas de mltipla escolha para todos os cargos; e, provas discursivas, prova oral, recital e avaliao de ttulos somente para os cargos de Professor, conforme disposto no Anexo I deste Edital. 6.2 DAS DISPOSIES ACERCA DA 1 ETAPA - PROVAS OBJETIVAS E DISCURSIVAS DAS PROVAS OBJETIVAS 6.2.1 Sero aplicadas provas objetivas de mltipla escolha para todos os cargos, de carter eliminatrio e classificatrio, abrangendo os contedos programticos constantes do Anexo II deste Edital, com a seguinte distribuio de itens entre as seguintes disciplinas:

    TABELA I - CARGOS DE NVEL SUPERIOR

    CARGOS: Professor Auxiliar de Ensino, Professor Assistente, Professor Adjunto e Professor Titular.

    DISCIPLINA NMERO DE ITENS PONTO POR ITEM

    Lngua Portuguesa 10 1,0

    Informtica Bsica 10 1,0

    Conhecimentos Especficos 20 1,0

    TOTAL DE ITENS 40 questes

    PONTUAO MXIMA 40 pontos

    TABELA II - CARGO DE NVEL SUPERIOR

    CARGO: Tcnico de Nvel Superior.

    DISCIPLINA NMERO DE ITENS PONTO POR ITEM

    Lngua Portuguesa 10 1,0

    Informtica Bsica 10 1,0

    Conhecimentos Especficos 20 1,0

    TOTAL DE ITENS 40 questes

    PONTUAO MXIMA 40 pontos

    TABELA III - CARGO DE NVEL MDIO

    CARGO: Assistente Administrativo.

    DISCIPLINA NMERO DE ITENS PONTO POR ITEM

    Lngua Portuguesa 10 1,0

    Informtica Bsica 10 1,0

    Conhecimentos Especficos 20 1,0

    TOTAL DE ITENS 40 questes

    PONTUAO MXIMA 40 pontos

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    9

    6.2.1.1 As provas objetivas de mltipla escolha, de carter eliminatrio e classificatrio, constaro de 40 (quarenta) itens, valendo 1 (um) ponto cada, e tero pontuao total variando do mnimo de 0 (zero) ponto ao mximo de 40 (quarenta) pontos, conforme evidenciado nas tabelas do subitem anterior. 6.2.1.2 Ser considerado aprovado o candidato que obtiver, no mnimo, 50% (cinquenta por cento) de aproveitamento dos pontos das provas objetivas de mltipla escolha. 6.2.1.3 Os itens das provas objetivas sero do tipo mltipla escolha, com 4 (quatro) opes (A a D) e uma nica resposta correta. 6.2.1.4 O candidato dever transcrever as respostas das provas objetivas para o Carto de Respostas, que ser o nico documento vlido para a correo das provas. O preenchimento do Carto de Respostas ser de inteira responsabilidade do candidato, que dever proceder de conformidade com as instrues especficas contidas neste Edital e no Carto de Respostas. Em hiptese alguma haver substituio do carto por erro do candidato. 6.2.1.5 No sero computados itens no respondidos, nem itens que contenham mais de uma resposta (mesmo que uma delas esteja correta), emenda ou rasura, ainda que legvel. No dever ser feita nenhuma marca fora do campo reservado s respostas, pois qualquer marca poder ser lida pelas leitoras ticas, prejudicando o desempenho do candidato. 6.2.1.6 O candidato dever, obrigatoriamente, ao trmino das provas, devolver ao fiscal o Carto de Respostas, devidamente assinado no local indicado. 6.2.1.7 Sero de inteira responsabilidade do candidato os prejuzos advindos de marcaes feitas incorretamente no Carto de Respostas. Sero consideradas marcaes incorretas as que estiverem em desacordo com este Edital e com o Carto de Respostas, tais como: dupla marcao, marcao rasurada ou emendada e campo de marcao no preenchido integralmente. 6.2.1.8 No ser permitido que as marcaes no Carto de Respostas sejam feitas por outras pessoas, salvo em caso de candidato que tenha solicitado atendimento especial para esse fim. Nesse caso, se necessrio, o candidato ser acompanhado por um fiscal do IDECAN devidamente treinado. 6.2.1.9 O candidato no dever amassar, molhar, dobrar, rasgar, ou, de qualquer modo, danificar o seu Carto de Respostas, sob pena de arcar com os prejuzos advindos da impossibilidade de realizao da leitura tica. DAS PROVAS DISCURSIVAS 6.2.2 Sero aplicadas tambm neste Concurso Pblico provas discursivas, somente para os cargos de Professor, de carter eliminatrio e classificatrio, no mesmo dia de realizao das provas objetivas, constitudas de: 1 (uma) questo aberta sobre tema constante do Anexo III deste Edital. 6.2.2.1 A prova discursiva ter o valor de 20 (vinte) pontos, conforme distribuio apresentada no subitem 6.2.2.13 deste Edital e sero realizadas no mesmo horrio previsto no subitem 6.2.3 deste Edital para a realizao das provas objetivas. 6.2.2.2 Sero considerados aprovados apenas os candidatos que obtiverem o percentual mnimo de 50% (cinquenta por cento) de aproveitamento nos pontos da referida prova. 6.2.2.3 A prova discursiva ter o objetivo de avaliar o conhecimento tcnico na rea de atuao, a capacidade de expresso na modalidade escrita e o uso das normas do registro formal culto da Lngua Portuguesa. 6.2.2.4 As respostas prova discursiva devero ser manuscritas em letra legvel, com caneta esferogrfica de corpo transparente, de ponta grossa e de tinta azul ou preta, no sendo permitida a interferncia e/ou a participao de outras pessoas, salvo em caso de candidato na condio de pessoa com deficincia que esteja impossibilitado de redigir textos, como tambm no caso de candidato que tenha solicitado atendimento especial para este fim, nos termos deste Edital. Nesse caso, o candidato ser acompanhado por um fiscal do IDECAN devidamente treinado, para o qual dever ditar o texto, especificando oralmente a grafia das palavras e os sinais grficos de pontuao. 6.2.2.5 A resposta prova discursiva dever ter a extenso mnima de 40 (quarenta) e mxima de 60 (sessenta) linhas para o texto. Ser desconsiderado, para efeito de avaliao, qualquer fragmento de texto que for escrito fora do local apropriado ou que no atingir a extenso mnima ou ultrapassar a extenso mxima permitida. 6.2.2.6 O candidato receber nota zero na prova discursiva em casos de no atendimento ao contedo avaliado, de no haver texto, de manuscrever em letra ilegvel ou de grafar por outro meio que no o determinado no subitem anterior, bem como no caso de identificao em local indevido. 6.2.2.7 A Folha de Textos Definitivos da prova discursiva ser fornecida juntamente com o Carto de Respostas da prova objetiva de mltipla escolha no dia de realizao das provas, devendo, o candidato, ao seu trmino, obrigatoriamente, devolver ao fiscal o Carto de Respostas (prova objetiva) devidamente assinado no local indicado e a Folha de Texto Definitivo (prova discursiva) sem qualquer termo que identifique o candidato. 6.2.2.8 A Folha de Textos Definitivos da prova discursiva ser o nico documento vlido para a avaliao desta etapa. O espao reservado no caderno de provas para rascunho de preenchimento facultativo e no valer para fins de avaliao. 6.2.2.9 A folha de textos definitivos da prova discursiva ser previamente identificada atravs do nmero de inscrio do respectivo candidato - e apenas por este - no devendo o candidato registrar seu nome ou sua assinatura na referida folha, sob pena de anulao de sua prova. O candidato dever, ainda, quando da entrega da folha de textos definitivos ao fiscal da sala, conferir se o nmero de inscrio nele registrado o correspondente ao seu nmero de inscrio no Concurso Pblico. 6.2.2.10 Quando da realizao da prova discursiva, o candidato no poder efetuar consulta a quaisquer fontes ou meios de consulta para auxlio na elaborao da resposta. 6.2.2.11 O candidato dever observar atentamente as orientaes de transcrio da sua resposta quando da realizao da prova discursiva. Aquele que no observar tais orientaes receber nota 0 (zero), sendo vedado qualquer tipo de rasura e/ou adulterao na identificao das pginas, sob pena de eliminao sumria. 6.2.2.12 Ao final da realizao da prova discursiva, a folha contendo o texto definitivo dever ser entregue, obrigatoriamente, sem qualquer termo que identifique o candidato, alm do seu nmero de inscrio. 6.2.2.13 Para efeito de avaliao da prova discursiva sero considerados os seguintes elementos de avaliao:

    ELEMENTOS DE AVALIAO DA PROVA DISCURSIVA

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    10

    ELEMENTOS DE AVALIAO DA PROVA DISCURSIVA (QUESTO ABERTA)

    Critrios Elementos da Avaliao Total de pontos

    por critrio

    Aspectos Formais e Aspectos Textuais

    Observncia das normas de ortografia, pontuao, concordncia, regncia e flexo, paragrafao, estruturao de perodos, coerncia e lgica na exposio das ideias.

    8 pontos

    Aspectos Tcnicos Pertinncia da exposio relativa ao tema, ordem de desenvolvimento proposto e ao contedo programtico proposto.

    12 pontos

    TOTAL DE PONTOS 20 pontos

    6.2.2.14 Somente sero corrigidas as provas discursivas dos candidatos aprovados nas provas objetivas em nmero correspondente a 20 (vinte) vezes o nmero de vagas para cada disciplina/rea, respeitados os empates na ltima posio. 6.2.2.14.1 Sero corrigidas as provas discursivas de todos os candidatos na condio de pessoas com deficincia aprovados nas provas objetivas. 6.2.2.14.2 Os candidatos que no tiverem a sua prova discursiva corrigida na forma dos subitens anteriores sero eliminados e no tero classificao alguma no Concurso Pblico. 6.2.3 DA REALIZAO DAS PROVAS OBJETIVAS DE MLTIPLA ESCOLHA E DISCURSIVAS As provas objetivas de mltipla escolha e discursivas sero realizadas na cidade de Vitria/ES, com data inicialmente prevista para o dia 8 de fevereiro de 2015 (domingo), com durao de 4 (quatro) horas para sua realizao, em dois turnos, conforme disposto no quadro a seguir:

    DATA PREVISTA HORRIOS CARGOS

    8 de fevereiro de 2015 (Domingo)

    MANH: 08h00min s 12h00min (horrio oficial de Braslia/DF)

    Professor Auxiliar de Ensino, Professor Assistente, Professor Adjunto, Professor Titular e Tcnico de Nvel Superior.

    TARDE: 14h00min s 18h00min (horrio oficial de Braslia/DF)

    Assistente Administrativo

    6.2.3.1 Os locais de realizao das provas escritas, para os quais devero se dirigir os candidatos, sero divulgados a partir de 2 de fevereiro de 2015 no site www.idecan.org.br. So de responsabilidade exclusiva do candidato a identificao correta de seu local de realizao das provas escritas e comparecimento no horrio determinado. 6.2.3.2 Os eventuais erros de digitao no nome, nmero do documento de identidade ou outros dados referentes inscrio do candidato devero ser corrigidos SOMENTE no dia das provas, mediante conferncia do documento original de identidade quando do ingresso do candidato no local de provas pelo fiscal de sala. 6.2.3.2.1 O candidato que, eventualmente, necessitar alterar algum dado constante da ficha de inscrio ou apresentar qualquer observao relevante, poder faz-lo no termo de ocorrncia existente na sala de provas em posse dos fiscais de sala, para uso, se necessrio. 6.2.3.3 O caderno de provas contm todas as informaes pertinentes ao Concurso, devendo o candidato ler atentamente as instrues, inclusive, quanto continuidade do Concurso. 6.2.3.3.1 Ao terminar a conferncia do caderno de provas, caso o mesmo esteja incompleto ou tenha defeito, o candidato dever solicitar ao fiscal de sala que o substitua, no cabendo reclamaes posteriores neste sentido. O candidato dever verificar, ainda, se o cargo/disciplina/rea em que se inscreveu encontra-se devidamente identificado no caderno de provas na parte superior esquerda da folha de nmero 2. 6.2.3.3.2 No dia da realizao das provas no sero fornecidas, por qualquer membro da equipe de aplicao das provas e/ou pelas autoridades presentes, informaes referentes aos seus contedos e/ou aos critrios de avaliao, sendo que dever do candidato estar ciente das normas contidas neste Edital. 6.2.3.4 O candidato dever comparecer ao local designado para a realizao das provas com antecedncia mnima de 60 (sessenta) minutos do horrio fixado para o seu incio, munido de caneta esferogrfica de tinta azul ou preta, feita de material transparente e de ponta grossa, de comprovante de inscrio e de documento de identidade original. 6.2.3.5 Poder ser admitido o ingresso de candidato que no esteja portando o comprovante de inscrio no local de realizao das provas apenas quando o seu nome constar devidamente na relao de candidatos afixada na entrada do local de aplicao. 6.2.3.6 Poder ocorrer incluso de candidato em um determinado local de provas apenas quando o seu nome no estiver relacionado na listagem oficial afixada na entrada do local de aplicao e o candidato estiver de posse do protocolo de inscrio, atestando que o mesmo deveria estar devidamente relacionado naquele local. 6.2.3.6.1 A incluso, caso realizada, ter carter condicional, e ser analisada pelo IDECAN com o intuito de se verificar a pertinncia da referida inscrio. 6.2.3.6.2 Constatada a improcedncia da inscrio, esta ser automaticamente cancelada, sendo considerados nulos todos os atos dela decorrentes, ainda que o candidato obtenha aprovao nas provas, garantido o direito ao contraditrio e ampla defesa. 6.2.3.7 No horrio fixado para o incio das provas, conforme estabelecido neste Edital, os portes da Unidade de Aplicao sero fechados pelo Coordenador, em estrita observncia do horrio oficial de Braslia/DF, no sendo admitidos quaisquer candidatos retardatrios. O procedimento de fechamento dos portes ser registrado em ata, sendo colhida a assinatura do porteiro e do prprio Coordenador da Unidade, assim como de dois candidatos, testemunhas do fato. 6.2.3.7.1 Antes do horrio de incio das provas, o responsvel pela Unidade de Aplicao requisitar a presena de dois candidatos que, juntamente com dois integrantes da equipe de aplicao das provas, presenciaro a abertura da embalagem de segurana onde estaro acondicionados os instrumentos de avaliao (envelopes de segurana lacrados com os cadernos de provas, Cartes de Respostas, Folhas de

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    11

    Textos Definitivos, entre outros instrumentos). Ser lavrada ata desse fato, que ser assinada pelos presentes, testemunhando que o material se encontrava devidamente lacrado e com seu sigilo preservado. 6.2.3.8 Durante a realizao das provas, a partir do ingresso do candidato na sala de provas, ser adotado o procedimento de identificao civil dos candidatos mediante verificao do documento de identidade, da coleta da assinatura, entre outros procedimentos, de acordo com orientaes do fiscal de sala. Poder haver, inclusive, coleta da impresso digital do polegar direito dos candidatos. 6.2.3.8.1 Caso o candidato esteja impedido fisicamente de colher impresso digital do polegar direito, dever ser colhida a digital do polegar esquerdo ou de outro dedo, sendo registrado o fato no Termo de Ocorrncia constante na Lista de Presena da respectiva sala. 6.2.3.8.2 Os candidatos que por algum motivo se recusarem a permitir a coleta de sua impresso digital, devero assinar trs vezes uma declarao onde assumem a responsabilidade por essa deciso. A recusa ao atendimento deste procedimento acarretar a ELIMINAO do candidato, sendo lavrado Termo de Ocorrncia, testemunhado pelos demais candidatos presentes na sala de provas, pelo fiscal da sala e pelo Coordenador da Unidade, garantido o direito ao contraditrio e a ampla defesa. 6.2.3.9 No ser admitido ingresso de candidato no local de realizao das provas aps o horrio fixado para o seu incio. 6.2.3.10 Sero considerados documentos de identidade: carteiras expedidas pelos Comandos Militares, pelas Secretarias de Segurana Pblica, pelos Institutos de Identificao e pelos Corpos de Bombeiros Militares; carteiras expedidas pelos rgos fiscalizadores de exerccio profissional (ordens, conselhos etc.); passaporte; certificado de reservista; carteiras funcionais do Ministrio Pblico; carteiras funcionais expedidas por rgo pblico que, por lei federal, tenham valor legal como identidade; carteira de trabalho; carteira nacional de habilitao (modelo com foto). 6.2.3.10.1 Caso o candidato esteja impossibilitado de apresentar, no dia de realizao das provas, documento de identidade original por motivo de perda, furto ou roubo, dever ser apresentado documento que ateste o registro da ocorrncia em rgo policial expedido h, no mximo, 30 (trinta) dias. 6.2.3.10.2 No sero aceitos como documentos de identidade: certides de nascimento, ttulos eleitorais, carteiras de motorista (modelo sem foto), carteiras de estudante, carteiras funcionais sem valor de identidade nem documentos ilegveis, no identificveis e/ou danificados, que definitivamente no identifiquem o portador do documento. 6.2.3.10.3 No ser aceita cpia do documento de identidade, ainda que autenticada, bem como protocolo de documento. 6.2.3.10.4 Candidato que esteja portando documento com prazo de validade expirado poder realizar a prova, sendo, contudo, submetido identificao especial. 6.2.3.10.5 Por ocasio da realizao da prova, o candidato que no apresentar documento de identidade original, na forma definida no subitem 6.2.3.10 ou no apresentar o boletim de ocorrncia conforme especificaes do subitem 6.2.3.10.1 deste Edital, no far as provas e ser automaticamente excludo do Concurso Pblico. 6.2.3.10.6 O documento dever estar em perfeitas condies, de forma a permitir com clareza a identificao do candidato e sua assinatura. 6.2.3.10.7 No sero aplicadas provas, em hiptese alguma, em local, em data ou em horrio diferentes dos predeterminados em Edital ou em comunicado. 6.2.3.11 No ser permitida, durante a realizao das provas, a comunicao entre os candidatos nem a utilizao de mquinas calculadoras e/ou similares, livros, anotaes, impressos ou qualquer outro material de consulta, protetor auricular, lpis, borracha ou corretivo. Especificamente, no ser permitido o candidato ingressar na sala de provas sem o devido recolhimento, com respectiva identificao, dos seguintes equipamentos: bip, telefone celular, walkman, agenda eletrnica, notebook, palmtop, ipod, ipad, tablet, smartphone, mp3, mp4, receptor, gravador, calculadora, cmera fotogrfica, controle de alarme de carro, relgio de qualquer modelo etc., o que no acarreta em qualquer responsabilidade do IDECAN sobre tais equipamentos. No caso do candidato, durante a realizao das provas, ser surpreendido portando os aparelhos eletrnicos citados, ser automaticamente lavrado no Termo de Ocorrncia o fato ocorrido e ELIMINADO automaticamente do processo de seleo. Para evitar qualquer situao neste sentido, o candidato dever evitar portar no ingresso ao local de provas quaisquer equipamentos acima relacionados. 6.2.3.11.1 No ser permitida, tambm, ao candidato a utilizao de telefone celular ao final das provas, enquanto o mesmo estiver dentro da Unidade de Aplicao. 6.2.3.11.2 Para a segurana de todos os envolvidos no Concurso, recomendvel que os candidatos no portem arma de fogo no dia de realizao das provas. Caso, contudo, se verifique esta situao, o candidato ser encaminhado Coordenao da Unidade, onde dever entregar a arma para guarda devidamente identificada, mediante preenchimento de termo de acautelamento de arma de fogo, onde preencher os dados relativos ao armamento. Eventualmente, se o candidato se recusar a entregar a arma de fogo, assinar termo assumindo a responsabilidade pela situao, devendo desmuniciar a arma quando do ingresso na sala de aplicao de provas, reservando as munies na embalagem no reutilizvel fornecida pelos fiscais, as quais devero permanecer lacradas durante todo o perodo da prova, juntamente com os demais equipamentos proibidos do candidato que forem recolhidos. 6.2.3.12 No ser permitida, durante a realizao da prova escrita, a utilizao pelo candidato de culos escuros (exceto para correo visual ou fotofobia) ou quaisquer acessrios de chapelaria (chapu, bon, gorro etc.). 6.2.3.13 Os 3 (trs) ltimos candidatos de cada sala s podero sair juntos. Caso o candidato insista em sair do local de aplicao da prova, dever assinar termo desistindo do Concurso Pblico e, caso se negue, dever ser lavrado Termo de Ocorrncia, testemunhado pelos 2 (dois) outros candidatos, pelo fiscal da sala e pelo Coordenador da Unidade. 6.2.3.14 No haver segunda chamada para as provas escritas objetivas de mltipla escolha. Ser excludo do Concurso Pblico o candidato que faltar prova escrita ou chegar aps o horrio estabelecido. 6.2.3.15 No haver na sala de provas marcador de tempo individual, uma vez que o tempo de incio e trmino da prova ser determinado pelo Coordenador da Unidade de Aplicao, conforme estabelecido neste Edital, dando tratamento isonmico a todos os candidatos presentes. 6.2.3.16 O candidato somente poder retirar-se do local de realizao das provas escritas levando o caderno de provas no decurso dos ltimos 30 (trinta) minutos anteriores ao horrio previsto para o seu trmino. O candidato, tambm, poder retirar-se do local de provas somente a partir dos 90 (noventa) minutos aps o incio de sua realizao, contudo, no poder levar consigo o caderno de provas. 6.2.3.17 O fiscal de sala orientar os candidatos quando do incio das provas que os nicos documentos que devero permanecer sobre a carteira sero o documento de identidade original e o protocolo de inscrio, de modo a facilitar a identificao dos candidatos para a distribuio de seus respectivos Cartes de Respostas e Folhas de Textos Definitivos. Dessa forma, o candidato que se retirar do local de provas antes do decurso dos ltimos 30 (trinta) minutos anteriores ao horrio previsto para o seu trmino e que, conforme subitem anterior, no poder levar consigo o caderno de provas, apenas poder anotar suas opes de respostas marcadas em seu comprovante de inscrio. No ser admitido qualquer outro meio para anotaes deste fim.

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    12

    6.2.3.17.1 Todos os candidatos, ao terminarem a prova, devero obrigatoriamente entregar ao fiscal de aplicao o Carto de Respostas e a Folha de Textos Definitivos, se houver, que sero utilizados para a correo de suas provas. O candidato que descumprir a regra de entrega de tal documento ser ELIMINADO do certame. 6.2.3.18 Ter sua prova anulada, tambm, e ser automaticamente ELIMINADO do Concurso Pblico, o candidato que durante a realizao de qualquer uma das provas: a) retirar-se do recinto da prova, durante sua realizao, sem a devida autorizao; b) for surpreendido dando e/ou recebendo auxlio para a execuo de quaisquer das provas; c) usar ou tentar usar meios fraudulentos e/ou ilegais para a sua realizao; d) utilizar-se de rgua de clculo, livros, calculadoras e/ou equipamento similar, dicionrio, notas e/ou impressos que no forem expressamente permitidos, gravador, receptor e/ou pagers e/ou que se comunicar com outro candidato; e) faltar com a devida cortesia para com qualquer membro da equipe de aplicao das provas, as autoridades presentes e/ou os candidatos; f) fizer anotao de informaes relativas s suas respostas em qualquer outro meio que no o permitido neste Edital; g) descumprir as instrues contidas no caderno de provas e no Carto de Respostas; h) recusar-se a entregar o Carto de Respostas ao trmino do tempo destinado sua realizao; i) ausentar-se da sala, a qualquer tempo, portando o Carto de Respostas; j) no permitir a coleta de sua assinatura ou no atender ao procedimento descrito no subitem 6.2.3.8.2, caso se recuse a coletar sua impresso digital; k) perturbar, de qualquer modo, a ordem dos trabalhos, incorrendo em comportamento indevido; l) for surpreendido portando ou fazendo uso de aparelho celular e/ou quaisquer aparelhos eletrnicos durante a realizao das provas, mesmo que o aparelho esteja desligado. 6.2.3.18.1 Caso acontea algo atpico no dia de realizao da prova, ser verificado o incidente, e caso seja verificado que no houve inteno de burlar o Edital o candidato ser mantido no Concurso Pblico. 6.2.3.19 Com vistas garantia da isonomia e lisura do Certame Seletivo, no dia de realizao das provas escritas, os candidatos sero submetidos ao sistema de deteco de metais quando do ingresso e sada de sanitrios durante a realizao da prova escrita. 6.2.3.19.1 Ao trmino da prova, o candidato dever se retirar do recinto de aplicao, no lhe sendo mais permitido o ingresso nos sanitrios. 6.2.3.20 A ocorrncia de quaisquer das situaes contidas no subitem 6.2.3.18 implicar eliminao do candidato, constituindo tentativa de fraude, garantido o direito ao contraditrio e a ampla defesa. 6.2.3.20.1 Se, a qualquer tempo, for constatado, por meio eletrnico, estatstico, visual, grafolgico ou por investigao policial, ter o candidato se utilizado de processo ilcito, suas provas sero anuladas e ele ser automaticamente eliminado do Concurso Pblico, garantido o direito ao contraditrio e a ampla defesa. 6.2.3.21 No haver, por qualquer motivo, prorrogao do tempo previsto para a aplicao das provas escritas em virtude de afastamento de candidato da sala de provas. 6.2.3.22 No ser permitido ao candidato fumar na sala de provas, bem como nas dependncias do local de aplicao. 6.2.3.23 So de responsabilidade exclusiva do candidato a identificao correta do local de realizao das provas escritas e o comparecimento no horrio determinado. 6.2.3.24 O candidato dever observar atentamente o Edital de publicao especificando os horrios e locais de realizao das provas, inclusive estando atento quanto possibilidade da existncia de endereos similares e/ou homnimos. recomendvel, ainda, visitar com antecedncia o local de realizao da respectiva prova. 6.3 DAS DISPOSIES ACERCA DA 2 ETAPA PROVA ORAL, RECITAL SOLO E RECITAL/ACOMPANHAMENTO 6.3.1 A prova oral, de carter eliminatrio e classificatrio, ser realizada conforme convocao prvia e especfica, atravs de Edital especfico, posterior s provas objetivas e discursivas. Nesta prova ser ministrada aula Banca Examinadora, sobre 1(um) tema dissertativo escolhido pelo candidato, dentre os citados no contedo programtico de Conhecimentos Especficos, constante do Anexo II deste Edital. 6.3.1.1 Na prova oral o candidato far demonstraes prticas quando necessrio e ser arguido pela Banca Examinadora. 6.3.2 O recital solo, de carter eliminatrio e classificatrio, ser realizado conforme convocao prvia e especfica, atravs de Edital posterior s provas objetivas e discursivas. Nesta prova o candidato far a execuo comentada, com carter didtico, de 4 (quatro) obras de livre escolha, que sejam pertinentes ao contedo programtico de Conhecimentos Especficos constante do Anexo II deste Edital. 6.3.2.1 No recital solo o candidato dever trazer as partituras musicais das obras a serem executadas, com 3 (trs) cpias legveis de cada msica para a banca. 6.3.2.2 Ser de responsabilidade do candidato, providenciar os Instrumentistas/Cantores que, junto este, forem participar da prova, em casos de disciplinas que assim o exijam. 6.3.3 O recital/acompanhamento, de carter eliminatrio e classificatrio, ser realizado conforme convocao prvia e especfica, atravs de Edital posterior s provas objetivas e discursivas. Nesta Prova o candidato far a execuo comentada, com carter didtico, de 4 (quatro) obras de livre escolha, que sejam pertinentes ao contedo programtico de Conhecimentos Especficos constante do Anexo II deste Edital, acompanhando instrumento e/ou cantor. 6.3.3.1 Ser de responsabilidade do candidato, providenciar o Instrumentista/Cantor a quem acompanhar. 6.3.3.2 No recital/acompanhamento o candidato dever trazer as partituras musicais das obras a serem executadas, com 3 (trs) cpias legveis de cada msica para a banca. 6.3.4 A prova oral, o recital solo e o recital/acompanhamento sero realizados na cidade de Vitria/ES, em local, datas e horrios estabelecidos em Edital de Convocao especfico. 6.3.5 Sero submetidos a esta etapa somente os candidatos aprovados na 1 Etapa. 6.3.5.1 Os candidatos no convocados para esta fase devero se considerar eliminados do Concurso Pblico. 6.3.5.2 Nesta etapa, se a disciplina para a qual o candidato se inscreveu exigir execuo instrumental ou execuo vocal, sero avaliados os seguintes aspectos: a performance e a exposio didtica das obras apresentadas. Se a disciplina para qual o candidato se inscreveu exigir prova oral, sero avaliados os aspectos: domnio dos contedos e exposio didtica das obras apresentadas.

    ELEMENTOS DE AVALIAO DA PROVA RECITAL E RECITAL/ACOMPANHAMENTO

    ELEMENTOS DE AVALIAO DAS PROVAS: RECITAL E RECITAL/ACOMPANHAMENTO

    Critrios Elementos da Avaliao Total de pontos

    por critrio

    Performance: Compreenso e fluncia musicais 15 pontos

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    13

    A execuo musical e suas particularidades

    Capacidade de perceber e explorar elementos estruturais da Msica,

    Conscincia dos aparatos idiomticos de poca e dos processos estilsticos

    Desenvoltura e postura artstica,

    Equilbrio entre os domnios cognitivo, afetivo e motor.

    Exposio didtica das obras apresentadas

    Capacidade de Planejamento do recital

    Domnio cognitivo dos contedos

    Capacidade de sntese 25 pontos

    TOTAL DE PONTOS 40 pontos

    ELEMENTOS DE AVALIAO DA PROVA ORAL

    Critrios Elementos da Avaliao Total de pontos

    por critrio

    Domnio dos contedos

    Aspetos quantitativos e qualitativos do conhecimento adquirido sobre o tema abordado,

    Informaes, habilidades, metodologias e atitudes adquiridas em relao ao tema. 15 pontos

    Exposio didtica do tema escolhido

    Capacidade de planejamento e organizao da exposio,

    Comunicao

    Capacidade de sntese 25 pontos

    TOTAL DE PONTOS 40 pontos

    6.3.5.3 Esta etapa valer 40 (quarenta) pontos e ser realizada em sesso pblica, na presena dos membros da Comisso Examinadora, dos fiscais de sala e do cinegrafista encarregado da gravao das apresentaes/arguies. 6.3.5.3.1 O candidato que no obtiver nota igual ou superior a 20 (vinte) pontos nesta Etapa ser considerado reprovado. 6.3.5.4 Esta etapa ser gravada exclusivamente pelo IDECAN em sistema de udio e vdeo, ou por qualquer outro meio que possibilite a sua posterior reproduo. No sero fornecidas, em hiptese nenhuma, a cpia e a transcrio da referida gravao, uma vez que esta somente ser utilizada para fins de recurso e desempate. 6.3.6 No haver segunda chamada para a realizao desta etapa. O no comparecimento a essa fase implicar a eliminao automtica do candidato. 6.3.7 O IDECAN no se responsabilizar por perdas ou extravios de objetos ou de equipamentos eletrnicos ocorridos durante a realizao desta etapa, nem por danos neles causados. 6.3.8 O IDECAN poder utilizar detectores de metal nos candidatos no momento da sua entrada no ambiente de prova. 6.3.9 A relao de disciplinas e a correlao das etapas para cada uma esto definidas no Anexo I deste Edital. 6.3.10 Demais orientaes sobre esta etapa estaro contidas no Edital de Convocao especfico. 6.4 DAS DISPOSIES ACERCA DA 3 ETAPA AVALIAO DE TTULOS 6.4.1 A avaliao de ttulos, assim considerada a experincia profissional, tem carter apenas classificatrio e se submetero a esta etapa somente os candidatos aos cargos de Professor aprovados nas etapas anteriores, convocados atravs de Edital especfico. 6.4.2 A avaliao de ttulos ter pontuao mxima de 20 (vinte) pontos, ainda que a soma dos valores dos ttulos e dos comprovantes apresentados seja superior a este valor. 6.4.3 Para fins de avaliao de ttulos, no ser considerado diploma, certido de concluso de curso ou declarao que seja requisito para ingresso no emprego ao qual o candidato concorre. 6.4.4 Quando o candidato possuir dois ou mais certificados solicitados como requisito bsico, nos casos em que solicitado OU um OU outro certificado, ficar a critrio do candidato a escolha do certificado que ser apresentado como requisito bsico e qual o certificado que ser disponibilizado para pontuao. 6.4.5 Os candidatos devero entregar cpias dos documentos autenticadas em cartrio de notas, ou at mesmo a via original, sendo que os mesmos no sero devolvidos em hiptese alguma. 6.4.5.1 No sero consideradas, em nenhuma hiptese, para fins de avaliao, as cpias de documentos que no estejam autenticadas por cartrio de notas, bem como documentos gerados por via eletrnica que no estejam acompanhados com o respectivo mecanismo de autenticao. 6.4.6 Os documentos relativos s modalidades de ps-graduao: diplomas ou certificados/certides de concluso de curso, devero estar acompanhados do respectivo histrico escolar, mencionando a data da colao de grau, bem como devero ser expedidos por instituio oficial ou reconhecida, em papel timbrado, alm de conter carimbo e identificao da instituio e do responsvel pela expedio do documento. 6.4.7 Todo documento expedido em lngua estrangeira somente ser considerado para fim de avaliao e pontuao na fase de ttulos, quando traduzido para a Lngua Portuguesa por tradutor juramentado. 6.4.8 Os documentos comprobatrios de cursos realizados no exterior somente sero considerados quando forem compatveis com o exerccio de atividades correspondentes ao emprego pleiteado e mediante a sua traduo para a lngua portuguesa por tradutor juramentado e devidamente revalidado por Universidades Oficiais credenciadas pelo Ministrio da Educao MEC. 6.4.9 Apenas os cursos j concludos at a data da convocao para apresentao dos ttulos sero passveis de pontuao na avaliao. 6.4.10 O certificado de curso de ps-graduao lato-sensu, em nvel de especializao, que no apresentar a carga horria mnima de 360 horas/aula no ser pontuado. 6.4.11 Para receber a pontuao relativa Experincia Profissional, o candidato dever apresentar a documentao comprobatria na qual se enquadra, na forma descrita a seguir: a) cpia autenticada da Carteira de Trabalho e Previdncia Social (CTPS) - constando obrigatoriamente a folha de identificao com nmero e srie, a folha com a foto do portador, a folha com a qualificao civil, a folha de contrato de trabalho e as folhas de alteraes de salrio que constem mudana de funo - acrescida de declarao do empregador que informe o perodo (com incio e fim) e a discriminao do servio realizado, com a descrio das atividades desenvolvidas, se realizado na rea privada; b) cpia autenticada do estatuto social da cooperativa acrescida de declarao informando sua condio de cooperado, perodo (com incio e fim) e a discriminao do servio realizado, com a descrio das atividades desenvolvidas;

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    14

    c) cpia autenticada de declarao ou certido de tempo de servio, que informe o perodo (com incio e fim) e a discriminao do servio realizado, com a descrio das atividades desenvolvidas, no caso de Servidor Pblico; d) cpia autenticada de contrato de prestao de servios ou recibo de pagamento de autnomo (RPA) acrescido de declarao, que informe o perodo (com incio e fim) e a discriminao do servio realizado, no caso de servio prestado como autnomo; e e) cpia autenticada de declarao do rgo ou empresa ou de certido de Tempo de Servio efetivamente exercido no exterior, traduzido para a Lngua Portuguesa por tradutor juramentado, que informe o perodo (com incio e fim) e a discriminao do servio realizado. 6.4.11.1 Os perodos citados no subitem 6.4.11 (letras a, b, c, d, e) devero conter claramente dia, ms e ano. 6.4.11.2 A declarao a que diz respeito o subitem 6.4.11 (letra a) dever apresentar, no mnimo, as seguintes informaes: nome empresarial ou denominao social do emitente; endereo e telefones vlidos, CNPJ e inscrio estadual, identificao completa do profissional beneficiado; descrio do emprego exercido e principais atividades desenvolvidas; local e perodo (incio e fim) de realizao das atividades; assinatura e identificao do emitente (nome completo legvel, acompanhado de funo), com reconhecimento de firma. 6.4.12 A certido a que diz respeito o subitem 6.4.11 (letra c) dever apresentar, no mnimo, as seguintes informaes: designao do rgo/Entidade da Administrao Pblica Direta, Autrquica ou Fundacional; endereo e telefones vlidos, CNPJ, identificao completa do profissional; descrio do emprego pblico ou funo exercida e principais atividades desenvolvidas; local e perodo (incio e fim) de realizao das atividades; assinatura e identificao do emitente (nome completo legvel / emprego pblico ou funo e matrcula no rgo). 6.4.13 Em caso de impossibilidade de emisso da documentao prevista no subitem 6.4.11 (letras a e b) exclusivamente por motivo de extino da sociedade empresria e/ou da cooperativa, ser admitida, para fins de pontuao: 6.4.13.1 Para empregados celetistas de sociedade empresria e/ou de cooperativa, somente cpia autenticada da Carteira de Trabalho e Previdncia Social (CTPS) constando obrigatoriamente a folha de identificao com nmero e srie, a folha com a foto do portador, a folha com a qualificao civil, a folha de contrato de trabalho e as folhas de alteraes de salrio que constem mudana de funo; e 6.4.13.2 Para cooperados, cpia autenticada do estatuto social e do termo de extino da cooperativa, expedido pelo Cartrio de Registro Civil. 6.4.14 Quando o nome do candidato for diferente do constante dos documentos apresentados, dever ser anexado comprovante de alterao do nome (por exemplo: certido de casamento). 6.4.15 Para efeito de cmputo de pontuao relativa ao tempo de experincia, somente ser considerado tempo de experincia no exerccio da profisso/emprego em anos completos, no sendo considerada mais de uma pontuao concomitante no mesmo perodo. 6.4.16 No ser aceito qualquer tipo de estgio, bolsa de estudo ou monitoria para pontuao dos ttulos e experincia profissional. 6.4.17 de exclusiva responsabilidade do candidato o envio e a comprovao dos documentos de ttulos e experincia profissional. 6.4.18 Em nenhuma hiptese haver devoluo aos candidatos de documentos referentes aos ttulos e experincia Profissional. 6.4.19 Comprovada, em qualquer tempo, irregularidade ou ilegalidade na obteno dos Ttulos e Experincia Profissional apresentado, a respectiva pontuao do candidato ser anulada. 6.4.20 A pontuao relativa aos ttulos e experincia profissional se limitar ao valor mximo de acordo com as tabelas de pontuao a seguir.

    ITEM TEMPO DE

    EXPERINCIA PROFISSIONAL

    COMPROVANTE/DESCRIO Pontuao

    por ano Quantidade

    mxima de anos Pontuao

    mxima

    1 Exerccio da Profisso Anos completos de exerccio da docncia correlata ao cargo pleiteado, sem sobreposio de tempo.

    1,0 10 anos 10,00

    TOTAL MXIMO DE PONTUAO 10 Pontos

    ITEM TTULOS COMPROVANTE/DESCRIO Pontuao por Ttulo

    Quantidade mxima de

    comprovaes

    Pontuao mxima

    1 Doutorado

    Diploma de concluso de curso de Doutorado, devidamente registrado, fornecido por instituio de ensino reconhecida pelo Ministrio da Educao, na rea relacionada ao emprego pleiteado.

    3,00 1 3,00

    2 Mestrado

    Diploma de concluso de curso de Mestrado, devidamente registrado, fornecido por instituio de ensino reconhecida pelo Ministrio da Educao, na rea relacionada ao emprego pleiteado.

    2,00 1 2,00

    3 Especializao

    Certificado de concluso de curso de ps-graduao em nvel de especializao lato sensu, com carga horria mnima de 360 horas, reconhecido pelo Ministrio da Educao, na rea relacionada ao emprego pleiteado.

    0,50 2 1,0

    4 Produo Acadmica / Pesquisa/Produo

    Cultural

    Publicao de Livros/ Textos publicados em Peridicos Cientficos/ Cursos Ministrados (mnimo de 20 horas)/ Concertos (integrais)/ Gravao de CD (integral, correspondente rea pretendida)/ Orientaes de Trabalhos Acadmicos ( TCC, Monografias e Dissertaes)

    0,30 10 3.0

    5 Formao

    complementar Certificado de curso, na rea relacionada ao cargo pleiteado, com carga horria mnima de 120 horas

    0,50 2 1,00

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    15

    TOTAL MXIMO DE PONTUAO 10 pontos

    6.4.21 Os pontos que excederem o valor estipulado para a experincia profissional ou para cada ttulo, bem como os que excederem o limite de pontos estipulados nas tabelas, sero desconsiderados. 6.4.22 Os documentos para a avaliao de ttulos e de experincia profissional devero ser entregues conforme orientaes a serem exaradas no Edital de Convocao especfico. 6.4.23 No sero aceitos documentos que no atenderem aos prazos e s exigncias deste Edital e suas complementaes. 7. DOS CONTEDOS 7.1 Os contedos programticos das provas deste certame compem o Anexo II do presente Edital. 7.2 O contedo programtico poder ser buscado em qualquer bibliografia sobre o assunto solicitado. 7.2.1 As regras ortogrficas implementadas pelo Acordo Ortogrfico da Lngua Portuguesa, promulgado pelo Decreto n 6.583, de 29/09/2008, sero utilizadas nos enunciados e/ou alternativas de respostas das questes das provas; no entanto, o conhecimento destas novas regras no ser exigido para a resoluo das mesmas. 7.3 A FAMES e o IDECAN no se responsabilizam por quaisquer cursos, textos, apostilas e outras publicaes referentes a este Concurso Pblico no que tange aos contedos programticos. 7.4 Os itens das provas objetivas e discursivas podero avaliar habilidades que vo alm de mero conhecimento memorizado, abrangendo compreenso, aplicao, anlise, sntese e avaliao, valorizando a capacidade de raciocnio. 7.5 Cada item das provas poder contemplar mais de uma habilidade e conhecimentos relativos a mais de uma rea de conhecimento. 8. DO PROCESSO DE CLASSIFICAO 8.1 Ser classificado o candidato que obtiver aprovao nas provas objetivas de mltipla escolha, discursivas (se houver), oral (se houver) e recital (se houver). 8.2 A classificao final dos candidatos ser feita pela soma dos pontos obtidos nas provas objetivas de mltipla escolha, discursivas (se houver), oral (se houver), recital (se houver) e avaliao de ttulos (se houver). 8.3 Na classificao final entre candidatos empatados com igual nmero de pontos na etapa, ser o fator de desempate os seguintes critrios: a) Maior pontuao na prova oral (se houver); b) Maior pontuao no recital solo (se houver); c) Maior pontuao no recital/acompanhamento (se houver); d) Maior pontuao na prova objetiva de conhecimentos especficos; e) Maior pontuao na prova objetiva de Lngua Portuguesa; e, f) Maior idade. 8.3.1 Os candidatos com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos tero a idade como primeiro critrio de desempate, hiptese em que ter preferncia o mais idoso. Caso persista o empate, dever ser observado o critrio estabelecido no item 8.3, conforme estabelecido na Lei em vigor. 9. DOS RESULTADOS E RECURSOS 9.1 Os gabaritos oficiais preliminares das provas objetivas sero divulgados na internet, no site www.idecan.org.br, a partir das 16h00min do dia subsequente ao da realizao das provas objetivas de mltipla escolha e discursivas (segunda-feira). 9.2 O candidato que desejar interpor recursos contra os gabaritos oficiais preliminares das provas objetivas dispor de 2 (dois) dias teis, a partir do dia subsequente ao da divulgao (tera-feira), em requerimento prprio disponibilizado no link correlato ao Concurso Pblico no site www.idecan.org.br. 9.3 A interposio de recursos poder ser feita somente via internet, atravs do Sistema Eletrnico de Interposio de Recursos, com acesso pelo candidato com o fornecimento de dados referente inscrio do candidato, apenas no prazo recursal, ao IDECAN, conforme disposies contidas no site www.idecan.org.br, no link correspondente ao Concurso Pblico. 9.3.1 Caber recurso Banca do IDECAN contra erros materiais ou omisses de cada etapa, constituindo as etapas: publicao do Edital, inscrio dos candidatos, divulgao do gabarito oficial e divulgao da pontuao provisria nas provas e demais etapas, includo o fator de desempate estabelecido, at 2 (dois) dias teis aps o dia subsequente da divulgao/publicao oficial das respectiva etapa. 9.4 Os recursos julgados sero divulgados no site www.idecan.org.br, no sendo possvel o conhecimento do resultado via telefone ou fax, no sendo enviado, individualmente, a qualquer recorrente o teor dessas decises. 9.5 No ser aceito recurso por meio diverso ao que determina o subitem 9.3 deste Edital. 9.6 O recurso dever ser individual, por questo ou avaliao, com a indicao daquilo em que o candidato se julgar prejudicado, e devidamente fundamentado, comprovando as alegaes com citaes de artigos, de legislao, itens, pginas de livros, nomes dos autores etc., e, ainda, a exposio de motivos e argumentos com fundamentaes circunstanciadas, conforme suprarreferenciado. 9.6.1 O candidato dever ser claro, consistente e objetivo em seu pleito. Recurso inconsistente ou intempestivo ser preliminarmente indeferido. 9.7 Sero rejeitados, tambm, liminarmente os recursos enviados fora do prazo improrrogvel de 2 (dois) dias teis, a contar do dia subsequente da publicao de cada etapa, ou no fundamentados, e os que no contiverem dados necessrios identificao do candidato, como seu nome, nmero de inscrio e cargo. E, ainda, sero rejeitados aqueles recursos enviados pelo correio, fac-smile, ou qualquer outro meio que no o previsto neste Edital. 9.8 A deciso da Banca Examinadora ser irrecorrvel, consistindo em ltima instncia para recursos, sendo soberana em suas decises, razo pela qual no cabero recursos administrativos adicionais, exceto em casos de erros materiais, havendo manifestao posterior da Banca Examinadora. 9.9 Em nenhuma hiptese sero aceitos pedidos de reviso de recursos, recursos de recursos e/ou recurso de gabarito oficial definitivo, exceto no caso previsto no subitem anterior. 9.10 O recurso cujo teor desrespeite a Banca Examinadora ser preliminarmente indeferido. 9.11 Se do exame de recursos resultar anulao de item integrante de prova, a pontuao correspondente a esse item ser atribuda a todos os candidatos, independentemente de terem recorrido.

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    16

    9.12 Se houver alterao, por fora de impugnaes, de gabarito oficial preliminar de item integrante de provas, essa alterao valer para todos os candidatos, independentemente de terem recorrido. 9.13 A publicao do resultado final do Concurso Pblico, findados todos os recursos, ocorrer no Dirio Oficial do Estado do Esprito Santo e ser tambm disponibilizada no site www.idecan.org.br. 10. DAS DISPOSIES FINAIS 10.1 A inexatido das afirmativas, a no apresentao ou a irregularidade de documentos, ainda que verificadas posteriormente, eliminar o candidato do Concurso Pblico, anulando-se todos os atos decorrentes da inscrio, sem prejuzo das sanes penais aplicveis falsidade de declarao, garantido o direito ao contraditrio e ampla defesa. 10.2 Ser de inteira responsabilidade do candidato, acompanhar a publicao de todos os atos, editais e comunicados referentes a este concurso pblico publicados no Dirio Oficial do Estado do Esprito Santo e/ou divulgados na Internet, e no endereo eletrnico www.idecan.org.br. 10.3 Os candidatos aprovados e classificados sero convocados por Instruo de Servio, publicada no Dirio Oficial do Estado do Esprito Santo, para procederem aceitao das vagas oferecidas, seguindo rigorosamente a ordem de classificao final, no prazo mximo de 5 (cinco) dias teis aps a publicao da convocao. 10.4 Precede a nomeao e posse, o aceite, pelo candidato, das normas Institucionais estabelecidas para cumprimento da carga horria de trabalho. 10.5 A validade deste Concurso Pblico de 2 (dois) anos, contados da data de sua homologao, podendo ser prorrogado uma vez, por igual perodo. 10.6 O candidato que desejar relatar ao IDECAN fatos ocorridos durante a realizao do Concurso Pblico ou que tenha necessidade de outras informaes, dever efetuar contato junto ao IDECAN pelo e-mail: atendimento@idecan.org.br e site www.idecan.org.br, ou pelo telefone 0800-283-4628. 10.7 O candidato dever manter atualizado seu endereo e telefone junto ao IDECAN, enquanto estiver participando do Concurso Pblico, e junto FAMES, se aprovado, mediante correspondncia com AR a ser enviada para Praa Amrico Poli Monjardim 60. Centro. Vitria-ES CEP: 29010-640. Sero de inteira responsabilidade do candidato os prejuzos advindos da no atualizao do seu endereo. 10.8 O candidato que desejar comprovante de comparecimento na prova escrita dever solicit-lo ao Coordenador do local de provas em que o candidato efetuou a referida prova. 10.9 A inscrio implicar, por parte do candidato, conhecimento e aceitao das normas contidas neste Edital. 10.10 A organizao, aplicao, correo e elaborao das provas ficaro exclusivamente a cargo do IDECAN. 10.11 Os itens deste Edital podero sofrer eventuais alteraes, atualizaes ou acrscimos, enquanto no consumada a providncia ou evento que lhes disser respeito, ou at a data da convocao dos candidatos para a prova correspondente, circunstncia que ser mencionada em Edital ou aviso publicado. 10.12 A FAMES e o IDECAN se eximem das despesas com viagens e hospedagens dos candidatos em quaisquer das fases do certame seletivo, mesmo quando alteradas datas previstas no cronograma inicial, reaplicao de qualquer fase, inclusive de provas, de acordo com determinao da FAMES e/ou do IDECAN. 10.13 Os resultados divulgados no site www.idecan.org.br tero carter oficial. Os prazos para interposio de recursos em qualquer fase devero ser contados com estrita observncia da hora e dia da publicao. 10.14 Legislao com entrada em vigor aps a data de publicao deste Edital, bem como alteraes em dispositivos legais e normativos a ele posteriores no sero objeto de avaliao nas provas do Concurso. 10.15 Quaisquer alteraes nas regras fixadas neste Edital s podero ser feitas por meio de Edital de Retificao. 10.16 Todos os casos omissos ou duvidosos que no tenham sido expressamente previstos no presente Edital sero resolvidos pela FAMES, assessorada pelo IDECAN. 10.17 Todos os documentos relacionados e descritos, constantes nesse Edital, sero alocados e armazenados em local adequado para sua manuteno e preservao pelo IDECAN, pelo prazo de 5 (cinco) anos, contados a partir da expirao do prazo de validade do certame. Aps essa data, a critrio da Administrao, podero ser destrudos. 10.18 O prazo de impugnao deste Edital ser de 5 (cinco) dias corridos a partir da sua data de publicao. Vitria /ES, 20 de novembro de 2014.

    ERLON JOS PASCHOAL Diretor Geral da FAMES

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    17

    ANEXO I QUADRO DE INDICAO DAS ETAPAS PARA OS CARGOS DE PROFESSOR

    Professor Auxiliar de Ensino

    DISCIPLINA ETAPAS

    Musicalizao Infantil / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos

    Percusso / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Piano / Msica Popular / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Professor Pianista Acompanhador / Disciplinas Afins

    Provas Objetiva e Discursiva Recital/Acompanhamento Avaliao de Ttulos

    Saxofone / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Violo / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos

    Professor Assistente

    DISCIPLINA ETAPAS

    Baixo Eltrico / Harmonia na Msica Popular / Disciplinas Afins

    Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos

    Canto Msica Popular / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Canto Coral Infanto-juvenil / Disciplinas Afins

    Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos

    Canto Coral / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos Canto Tcnica Vocal / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Contrabaixo / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Didtica / Educao Inclusiva / Metodologia da Educao Musical

    Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos

    Fagote / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Flauta Doce / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Flauta Transversa / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Flauta Transversa Msica Popular / Disciplinas Afins

    Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos

    Harpa / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Histria e Msica / Folclore Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos

    Musicalizao Infantil / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos

    Percepo Musical / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos Percusso Msica Popular Rtmica / Disciplinas Afins

    Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos

    Piano B Teclado Instrumento Harmnico

    Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos

    Piano Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Prtica de Conjunto Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos Professor Pianista Acompanhador / Disciplinas Afins

    Provas Objetiva e Discursiva Recital/Acompanhamento Avaliao de Ttulos

    Saxofone Msica Popular Estruturas e Formas Musicais / Disciplinas Afins

    Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos

    Saxofone / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Trombone / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Trompa / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Trompete Msica Popular / Disciplinas Afins

    Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos

    Trompete / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos

    Tuba / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Viola / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Violo e Guitarra Eltrica Msica Popular Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Violo / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Violino / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos

    Professor Adjunto

    DISCIPLINA ETAPAS

    Anlise Musical Apreciao Musical / Disciplinas Afins

    Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos

    Canto Coral / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos Canto / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    18

    Clarinete / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Contraponto Harmonia Arranjo e Instrumentao / Disciplinas Afins

    Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos

    Estgio Supervisionado Docncia em Msica

    Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos

    Expresso Corporal Artes Cnicas / Disciplinas Afins

    Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos

    Fisiologia da Voz Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos Flauta Transversa / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Harmonia Popular Improvisao Histria e Esttica do Jazz / Disciplinas Afins

    Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos

    Histria e Arte Organizao da Educao Brasileira

    Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos

    Histria e Msica Folclore Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos Informtica Aplicada Msica Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos Laboratrio de Composio Tcnica de Arranjos Oficina de Criao Musical

    Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos

    Laboratrio de Idiomas Ingls Instrumental

    Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos

    Lngua Portuguesa Metodologia da Pesquisa Metodologia Cientfica

    Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos

    Msica de Cmara / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital / Msica de Cmara Avaliao de Ttulos Msica e Psicologia Psicologia e Educao

    Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos

    Msica e Sociologia Sociologia e Educao Filosofia e Educao

    Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos

    Msica e Tecnologia Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos Musicalizao Infantil / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos Obo / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Percepo Musical / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos Percusso / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Piano B Teclado Instrumento Harmnico

    Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos

    Piano / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Professor Pianista Acompanhador / Disciplinas Afins

    Provas Objetiva e Discursiva Recital / Acompanhamento Avaliao de Ttulos

    Regncia Tcnicas de Regncia / Disciplinas Afins

    Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos

    Saxofone / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Trombone / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Trompete / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Violo / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Violino / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Violoncelo / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos

    Professor Titular

    DISCIPLINA ETAPAS

    Canto / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Clarinete / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Didtica / Educao Inclusiva / Metodologia da Educao Musical

    Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos

    Flauta Transversa / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Percepo Musical / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Prova Oral Avaliao de Ttulos Piano / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos Professor Pianista Acompanhador / Disciplinas Afins

    Provas Objetiva e Discursiva Recital / Acompanhamento Avaliao de Ttulos

    Trompete / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos

    Violo e Guitarra Eltrica Msica Popular A Msica do Mundo / Disciplinas Afins

    Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos

    Violino / Disciplinas Afins Provas Objetiva e Discursiva Recital Solo Avaliao de Ttulos

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    19

    ANEXO II CONTEDOS PROGRAMTICOS

    Lngua Portuguesa NVEL SUPERIOR Compreenso e interpretao de textos; denotao e conotao; figuras; coeso e coerncia; tipologia textual; significao das palavras; emprego das classes de palavras; sintaxe da orao e do perodo; pontuao; concordncia verbal e nominal; regncia verbal e nominal; estudo da crase; semntica e estilstica. NVEL MDIO Fonologia: conceito, encontros voclicos, dgrafos, ortopia, diviso silbica, prosdia-acentuao e ortografia; Morfologia: estrutura e formao das palavras, classes de palavras; Sintaxe: termos da orao, perodo composto, conceito e classificao das oraes, concordncia verbal e nominal, regncia verbal e nominal, crase e pontuao; Semntica: a significao das palavras no texto; Interpretao de texto.

    Informtica Bsica

    NVEL SUPERIOR 1. Conceitos e modos de utilizao de aplicativos para edio de textos, planilhas e apresentaes. 1.1. Ambiente Microsoft Office. 1.2. Sistema operacional e ambiente Windows. 1.3. Edio de textos, planilhas e apresentaes em ambiente Windows. 1.4. Conceitos bsicos, ferramentas, aplicativos e procedimentos de Internet. 2. Conceitos e modos de utilizao de ferramentas e aplicativos de navegao de correio eletrnico, de grupos de discusso, de busca e pesquisa. 3. Conceitos bsicos e modos de utilizao de tecnologias, ferramentas, aplicativos e procedimentos associados Internet e intranet.

    NVEL MDIO 1. Conceitos e modos de utilizao de aplicativos para edio de textos, planilhas e apresentaes. 1.1. Ambiente Microsoft Office. 1.2. Sistema operacional e ambiente Windows. 1.3. Edio de textos, planilhas e apresentaes em ambiente Windows. 1.4. Utilizao dos recursos de tabelas dinmicas, frmulas, funes e macros no Excel. 1.5. Conceitos bsicos, ferramentas, aplicativos e procedimentos de Internet. 1.6. Sistema operacional e ambiente Linux. 1.7. Edio de textos, planilhas e apresentaes em ambiente Linux. 1.8. BrOffice: editores de texto (Writer) e planilhas eletrnicas (Calc). 2. Conceitos e modos de utilizao de ferramentas e aplicativos de navegao de correio eletrnico, de grupos de discusso, de busca e pesquisa. 3. Conceitos bsicos e modos de utilizao de tecnologias, ferramentas, aplicativos e procedimentos associados Internet e intranet. 4. Conceitos de tecnologia de informao: sistemas de informaes e conceitos bsicos de Segurana da Informao.

    Conhecimentos Especficos

    Professor Auxiliar de Ensino MUSICALIZAO INFANTIL DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Fundamentos da Educao Musical; Mtodos e abordagens de educadores musicais : sculos XX e XXI; Processos de criao na infncia; A cano e o desenvolvimento scio-afetivo da criana: princpios metodolgicos; O desenvolvimento motor: princpios metodolgicos; A prtica de conjunto instrumental; Musicalizao infantil: recursos e materiais pedaggicos; O planejamento de aula como ferramenta didtico-pedaggica: contedos, objetivos especficos e formas de avaliao; Musicalizao infantil e interdisciplinaridade; A Educao musical e o desenvolvimento da sensibilidade, criatividade, dos valores ticos e estticos. Atividades direcionadas; Musicalizar crianas: princpios, objetivos e desafios; Os mtodos ativos de Educao Musical: princpios metodolgicos; A musicalizao de crianas e o desenvolvimento das habilidades cognitivas, lingsticas e motoras; Educao Musical e incluso; tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. PERCUSSO / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Literatura especfica para o ensino de percusso nos cursos de bacharelado; Abordagens metodolgicas; Tcnicas de ensino para o uso de baquetas; A Percusso na Msica Sinfnica; A Percusso na Msica de Cmara; Articulao e Fraseado na percusso; Tmpanos: tcnicas, afinao, articulao; Caixa-clara: rudimentos, rulos, articulao e fraseado; Percusso Mltipla; A Percusso tpica brasileira: grafia, instrumentos e interpretao; Metodologia do ensino da Percusso no Ensino Superior; A Marimba, o Xilofone e o Vibrafone: aspectos da execuo; tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico.

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    20

    PIANO / MSICA POPULAR / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Metodologias e estratgias para o desenvolvimento da percepo no ensino do Piano popular; Metodologias e estratgias para a prtica da Improvisao; Arranjo para piano na Msica Popular; A obra de Tom Jobim; As composies de Egberto Gismonti como ferramenta na formao tcnica e estilstica do pianista, na msica popular; Caractersticas harmnicas na msica de Hermeto Pascoal; A re-harmonizao na improvisao; O piano na cano vocal; A msica dos Beatles; Tenses harmnicas e acompanhamentos bsicos/levadas. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. PROFESSOR PIANISTA ACOMPANHADOR / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; A atuao do Professor Pianista Acompanhador; A contribuio do Pianista Acompanhador na performance do cantor; Competncias e qualidades inerentes ao Professor Pianista Acompanhador; As redues orquestrais; A influncia do Professor Pianista Acompanhador sobre os alunos instrumentistas e cantores; As especificidades do trabalho de um Pianista Acompanhador. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. SAXOFONE / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Aspctos metodolgicos do ensino do saxofone: evoluo histrica, tcnica e organologia; Abordagens tcnicas da execuo musical no Saxofone; Metodologias para o ensino do Saxofone em grupo; O Saxofone na Msica Brasileira; O Saxofone na msica sinfnica Repertrio sinfnico e de cmara para Saxofone; O ensino coletivo de instrumentos de sopro; Tcnicas interpretativas no Saxofone: Msica Popular X Msica Erudita; A trajetria do Saxofone na Msica Erudita Brasileira; As possibilidades idiomticas e tcnicas do Saxofone; Novas tecnologias e o ensino do Saxofone tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. VIOLO / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Evoluo histrica do Violo: tcnica, repertrio e organologia; Abordagens metodolgica do ensino do Violo; O repertrio para Violo na Msica latino americana, na msica brasileira e no mundo; O Repertrio Espanhol para Violo no sculo XIX; Msica renascentista para instrumentos de cordas dedilhadas; Metodologias para o ensino do Violo no curso de Bacharelado; Metodologias do ensino de violo harmnico e suas possibilidades pedaggicas; As tendncias atuais da tcnica violonstica; tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico.

    Professor Assistente BAIXO ELTRICO / HARMONIA NA MSICA POPULAR / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Abordagens tcnicas da execuo musical no Baixo Eltrico; O Baixo eltrico na MPB; A evoluo do Baixo Eltrico: aspectos organolgicos e tecnolgicos; Aspectos metodolgicos do ensino do Baixo Eltrico; O Baixo Eltrico e a improvisao;O ensino coletivo do Baixo Eltrico. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. CANTO MSICA POPULAR / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; A Cano Popular Brasileira: aspectos tcnicos e estticos relacionados aos momentos

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    21

    de sua histria; A Cano Popular Brasileira: os interpretes e suas contribuies em diversos momentos de sua histria; A improvisao vocal; O Canto popular ocidental; O canto popular brasileiro: aspectos interpretativos; Tcnica vocal para msica popular; O ensino coletivo do canto popular;. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. CANTO CORAL INFANTO-JUVENIL / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Tcnicas de Regncia; Aspectos da fisiologia da voz; Aspectos tcnico-metodolgicos da prtica do canto Coral na infncia; Classificao das vozes e Tcnica vocal para crianas; O Canto Coral infanto-juvenil: Msica Erudita e Popular; O coral infanto-juvenil e a pera; Aspectos motivacionais do ensaio. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. CANTO CORAL / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade; Fundamentos da msica; Tcnicas de Regncia; Aspectos da fisiologia da voz; Tcnica vocal para coral; O repertrio coral da msica erudita no Brasil; Tcnicas de Regncia e a expresso musical; Metodologias; Tcnica vocal e interpretao dos arranjos para coral, na Msica Popular brasileira; O canto coral e a pera; Repertrio Coral e aspectos interpretativos: Perodo Clssico, Idade Mdia e Renascimento, Perodo Romantico, Sculo XX e Contemporaneidade;. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. CANTO/ TCNICA VOCAL / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Metodologias de ensino do canto erudito; O canto erudito: escolas e tradies; Literatura para o canto erudito. O repertrio camerstico para canto e piano no sculo XIX; rias de pera - aspectos interpretativos; Repertrio para o canto erudito. Particularidades do canto em Lngua Portuguesa no canto lrico; A pera; A evoluo da tcnica vocal; Perodos histricos: estticas e tcnicas aplicadas ao canto; Msica Moderna e Contempornea para canto erudito (Sculos XX e XXI); Estratgias de estudo, ensino e desenvolvimento da voz cantada e da voz falada; O ensino coletivo do canto erudito; Estilo e interpretao do Lied alemo e da Melodie francesa. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. CONTRABAIXO / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Metodologias de ensino do contrabaixo. O contrabaixo acstico: aspectos histricos, organolgicos e tcnicos. O repertrio sinfnico para contrabaixo; Questes tcnicas e fsico - posturais para o aprendizado do Contrabaixo; Repertrio para o contrabaixo solo; O ensino coletivo do contrabaixo; O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. DIDTICA / EDUCAO INCLUSIVA / METODOLOGIA DA EDUCAO MUSICAL Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Didticas e Mtodos de Educao Musical; Princpios metodolgicos e abordagens de educadores musicais : sculos XX e XXI; O Planejamento de Disciplina: procedimentos; O planejamento de aula: procedimentos; Avaliao em msica; Desenvolvimento musical: O Modelo Espiral de Swanwick; Psicopedagogia Musical; Os mtodos ativos de Educao Musical; didtica e motivao; Educao Inclusiva. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. FAGOTE / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    22

    trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Abordagens metodolgicas para o ensino do fagote; Evoluo histrica do Fagote: tcnica, repertrio e organologia; Produo de palhetas; O repertrio para Fagote; O Fagote e a msica brasileira; O ensino coletivo do Fagote; Pedagogia da Performance Musical. O uso de novas tecnologias no ensino musical. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. FLAUTA DOCE / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; A Flauta Doce: aspectos histricos; Aspectos metodolgicos do ensino da Flauta Doce; A flauta Doce na msica contempornea; Repertrio de msica brasileira para Flauta Doce; Estratgias para a motivao da aprendizagem musical na Flauta Doce; A Flauta Doce no sculo XVI; Repertrio musical para Flauta Doce; Estratgias para o ensino da Flauta Doce em Nvel de Graduao; Processos de articula; O uso da Flauta Doce nos processos de musicalizao. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. FLAUTA TRANSVERSA / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; A evoluo histrica da Flauta Transversal: tcnica, repertrio e organologia; Abordagens metodolgicas para o ensino da Flauta Transversa; A Flauta Transversal; Novas tecnologias e a Educao Musical; Estratgias para a superao de dificuldades tcnicas; A Msica Sinfnica para Flauta Transversal. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. FLAUTA TRANSVERSA MSICA POPULAR / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; A Flauta transversa na msica popular brasileira; O repertrio para Flauta Transversal na Msica Popular Brasileira; Instrumentos de sopro: didticas na Msica popular brasileira; O ensino coletivo da Flauta Transversal; A Flauta Transversal no Brasil. A improvisao na flauta Transversal; Relao Processos interpretativos na Msica Popular; Novas tecnologias e a educao Musical. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. HARPA / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Os diferentes tipos de harpa, sua organologia e tcnicas; Metodolgicas para o ensino da Harpa: aspectos histricos; A tcnica dos pedais; Novas tecnologias e a educao Musical; O repertrio para Harpa solo; A Harpa na msica brasileira; A Harpa na Orquestra Sinfnica; tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. HISTRIA E MSICA FOLCLORE Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Msica e estilo: do Renascimento ao Romantismo; A Msica da era moderna: Atonalismo, Dodecafonismo, Serialismo e Serialismo integral; A Msica na Amrica Latina; A pera Italiana; A Msica no Brasil Colonial; A pesquisa em Histria da Msica no Brasil; O Nacionalismo brasileiro; Os movimentos atuais da Msica Erudita no Brasil. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. MUSICALIZAO INFANTIL / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Fundamentos da Educao Musical; Mtodos e abordagens de educadores musicais : sculos XX e XXI; Processos de criao na infnciaA cano e o desenvolvimento scio-afetivo da criana: princpios metodolgicos; O desenvolvimento motor: princpios metodolgicos; A prtica de conjunto instrumental; Musicalizao infantil: recursos e materiais pedaggicos; O planejamento de aula como ferramenta didtico-pedaggica: contedos, objetivos especficos e formas de avaliao; Musicalizao infantil e

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    23

    interdisciplinaridade; A Educao musical e o desenvolvimento da sensibilidade, criatividade, dos valores ticos e estticos. Atividades direcionadas; Musicalizar crianas: princpios, objetivos e desafios; Os mtodos ativos de Educao Musical: princpios metodolgicos; A musicalizao de crianas e o desenvolvimento das habilidades cognitivas, lingsticas e motoras; Educao Musical e incluso; tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. PERCEPO MUSICAL / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Teoria da Msica; Novas metodologias para o ensino/aprendizagem da Percepo Musical: tcnicas e ferramentas; A prtica coletiva do solfejo; Os mtodos ativos (Dalcrose, Kodaly, Orff, Willems) no contexto da Percepo Musical; Novas abordagens metodolgicas para o desenvolvimento da leitura musical; Metodologias para o desenvolvimento da percepo rtmica; Novas ferramentas tecnolgicas nos processos de ensino/aprendizagem musical; A Percepo Musical e a msica contempornea. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. PERCUSSO MSICA POPULAR RTMICA / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade.Fundamentos da msica; Ritmos brasileiros; Percusso e Msica Popular Brasileira; O ensino da Percusso em grupo; O ensino da percusso em diferentes espaos e contextos; A bateria na msica popular brasileira: uma abordagem histrico-musical; A bateria na msica popular americana: funk, jazz, rock e suas interfaces; A Percusso e a improvisao; Novas tecnologias e o ensino da Percusso. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. PIANO B TECLADO INSTRUMENTO HARMNICO Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; O Piano como instrumento complementar e de apoio atividade musical de instrumentistas e cantores; Abordagens metodolgicas para o ensino coletivo do Piano; Aspectos metodolgicos para o ensino coletivo do piano em Cursos de Licenciatura; Avaliao da aprendizagem nas aulas de Piano em Grupo. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. PIANO/ DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Aspectos metodolgicos do ensino do Piano: evoluo tcnico-histrica; A tcnica pianstica; Mtodos e tcnicas de leitura e de estudo do piano; Diferentes abordagens didtico-metodolgicas e prticas pedaggicas para o ensino do piano. Leitura e memorizao; Priorizao da tcnica X expresso musical;A evoluo do repertrio pianstico: do perodo Clssico ao dias atuais; A Msica Brasileira para Piano; A Msica Polifnica para Piano; Novas tecnologias e o desenvolvimento da performance pianstica; Leitura e memorizao: a sua importncia no desenvolvimento da performance; Tcnica pianstica: conexes entre aspectos fisiolgicos, ergonmicos e resultados musicais. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. PRTICA DE CONJUNTO Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade.Fundamentos da Msica; Fundamentos da Regncia; Metodologias e recursos pedaggicos para a prtica musical em grupo; Organizao do repertrio e execuo de arranjos para grupos instrumentais no convencionais; Formaes de grupos instrumentais no convencionais; Avaliao do processo ensino aprendizagem em grupos instrumentais. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. PROFESSOR PIANISTA ACOMPANHADOR / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil.

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    24

    A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; A atuao do Professor Pianista Acompanhador; A contribuio do Pianista Acompanhador na performance do cantor; Competncias e qualidades inerentes ao Professor Pianista Acompanhador; As redues orquestrais; A influncia do Professor Pianista Acompanhador sobre os alunos instrumentistas e cantores; As especificidades do trabalho de um Pianista Acompanhador. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. SAXOFONE MSICA POPULAR ESTRUTURAS E FORMAS MUSICAIS / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Os rudimentos tcnicos do saxofone: aspectos histricos e organolgicos; Aspectos metodolgicos do ensino do Saxofone Msica Popular; A Improvisao Popular: aplicaes prticas. A interpretao do saxofonista nos gneros de msica popular. Aplicao didtica, no saxofone, da linguagem do choro. Tcnicas interpretativas: Msica Popular X Msica Erudita; Boquilhas e palhetas; Novas tecnologias e o ensino do Saxofone. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. SAXOFONE / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Aspctos metodolgicos do ensino do saxofone: evoluo histrica, tcnica e organologia; Abordagens tcnicas da execuo musical no Saxofone; Metodologias para o ensino do Saxofone em grupo; O Saxofone na Msica Brasileira; O Saxofone na msica sinfnica Repertrio sinfnico e de cmara para Saxofone; O ensino coletivo de instrumentos de sopro; Tcnicas interpretativas no saxofone: Msica Popular X Msica Erudita; A trajetria do Saxofone na Msica Erudita Brasileira; As possibilidades idiomticas e tcnicas do Saxofone; Novas tecnologias e o ensino do Saxofone tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. TROMBONE / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Evoluo histrica do Trombone: tcnica, repertrio e organologia; O ensino do Trombone: aspetos fisiolgicos e metodolgicos; Embocadura e os instrumentos de metal; O Trombone na Msica Brasileira; Metodologias do ensino do Trombone em grupo; Aspectos metodolgicos do ensino do Trombone; O repertrio para Trombone; Tcnicas tradicionais e estendidas no trombone; Tcnicas interpretativas no trombone: Msica Popular X Msica Erudita; O ensino coletivo dos instrumentos de sopro; O Trombone na Orquestra Sinfnica: tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. TROMPA / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Evoluo histrica da Trompa: tcnica, repertrio e organologia; Abordagens metodolgicas do ensino da trompa; O ensino da Trompa: aspetos fisiolgicos e metodolgicos; Embocadura e os instrumentos de metal; A Trompa na Msica Brasileira; O repertrio da Trompa para a Msica de Cmara; A Trompa na msica Sinfnica; A construo do repertrio para Trompa no Ensino Superior; Novas Tecnologias e o desenvolvimento da performance na Trompa. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. TROMPETE MSICA POPULAR / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Evoluo histrica do Trompete e as implicaes no seu uso na Msica Popular; O ensino do Trompete: abordagens metodolgicas aplicadas Msica Popular; O trompete na Msica Popular Brasileira; O trompetista brasileiro: requisitos e formao profissional; Tcnicas fundamentais do Trompete; O Trompete na msica Jazz; Trompete na Msica Popular e Trompete na Msica de Concerto; Tcnicas tradicionais e estendidas no Trompete; Estratgias de ensino do Trompete: da iniciao improvisao. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico.

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    25

    TROMPETE / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Evoluo histrica do Trompete: tcnicas, repertrio e organologia; O ensino do trompete: abordagens metodolgicas; O trompete Piccolo e sua utilizao no repertrio barroco; O Trompete na Msica Brasileira; A Trompete na Msica Sinfnica; As obras para Trompete solo: aspectos estilsticos e interpretativos; O Trompete na Msica de Cmara; O Trompete na Msica Brasileira; As diversidades sonoras da performance nos diversos tipos de Trompetes; Tcnicas tradicionais e estendidas no Trompete. Embocadura e os instrumentos de metal; Bibliografia bsica utilizada para o ensino do Trompete. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. TUBA / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Evoluo histrica da Tuba: tcnicas, repertrio e organologia; A famlia das Tubas; O ensino da Tuba: abordagens metodolgicas (da iniciao ao Ensino Superior); Bibliografia aplicada ao ensino da Tuba no Brasil; Aspectos fisiolgicos no aprendizado da Tuba; O repertrio solo para Tuba; Embocadura e os instrumentos de metal; Bibliografia bsica utilizada para o ensino da Tuba. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. VIOLA / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Evoluo histrica dos Instrumentos de arco: A Viola, sua tcnica e organologia; O ensino coletivo das cordas friccionadas: aspectos metodolgicos para o ensino da Viola; O repertrio solo para Viola; A Viola na Msica de Cmara; O desenvolvimento da Viola no sculo XVIII: sua importncia no repertrio orquestral; A Viola no Sculo XIX; Principais obras do repertrio para Viola Solo; Vibrato, afinao e sonoridade na viola: conceituao e tcnicas de ensino As sutes de Bach para viola: abordagens pedaggicas O repertrio para Viola no Perodo Barroco: aspectos interpretativos, histricos e musicolgicos . tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. VIOLO E GUITARRA ELTRICA MSICA POPULAR Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Evoluo histrica do Violo na Msica Popular; Metodologias para o Ensino da Guitarra Eltrica; A performance no Violo e na Guitarra no contexto da Msica Popular; Improvisao na Guitarra Eltrica; Repertrio para Violo solo na Msica Popular Brasileira; Guitarra Eltrica: tcnicas e tecnologias; Violo popular: tcnicas e tecnologias; A Guitarra Eltrica como solista; Arranjo de base: tcnicas e estratgias; Caractersticas composicionais da obra violonstica de Egberto Gismonti; O Violo e a Harmonia na msica de Chico Buarque; Rtmos e gneros brasileiros;O ensino coletivo do Violo e da Guitarra; Tcnicas de improvisao na Guitarra Eltrica. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. VIOLO / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Evoluo histrica do Violo: tcnica, repertrio e organologia; Abordagens metodolgica do ensino do Violo; O repertrio para Violo na Msica latino americana, na msica brasileira e no mundo; O Repertrio Espanhol para Violo no sculo XIX; Msica renascentista para instrumentos de cordas dedilhadas; Metodologias para o ensino do Violo no curso de Bacharelado; Metodologias do ensino de violo harmnico e suas possibilidades pedaggicas; As tendncias atuais da tcnica violonstica; tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. VIOLINO / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Evoluo histrica dos Instrumentos de arco: O Violino, sua tcnica e organologia;

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    26

    Abordagens metodolgicas e material didtico para o ensino do violino; Repertrio para Violino Solo: obras de diferentes perodos histricos; O Violino na Msica de Cmara; A Literatura da msica sinfnica para violino: concertos para violino; A msica para violino no Brasil; O ensino do Violino no Brasil; O ensino coletivo das cordas friccionadas; A construo do repertrio para Violino no Ensino Superior;. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico

    Professor Adjunto ANLISE MUSICAL APRECIAO MUSICAL / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; Diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; A organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Anlise Musical: concepes, tcnicas e objetivos na abordagem de repertrio tonal; Anlise Musical: concepes, tcnicas e objetivos na abordagem de repertrio ps-tonal; Procedimentos da composio; Organizao de grandes formas; Organizao de pequenas formas; Serialismo Integral; Analise de motivos; tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. CANTO CORAL / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade; Tcnicas de Regncia; Aspectos da fisiologia da voz; Tcnica vocal para coral; O repertrio coral da msica erudita no Brasil; Tcnicas de Regncia e a expresso musical; Metodologias; Tcnica vocal e interpretao dos arranjos para coral, na Msica Popular brasileira; O canto coral e a pera; Repertrio Coral e aspectos interpretativos: Perodo Clssico, Idade Mdia e Renascimento, Perodo Romantico, Sculo XX e Contemporaneidade; Perspectivas terico-metodolgicas para o ensino de msica em mltiplos contextos educativo-musicais; tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. CANTO / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Metodologias de ensino do canto erudito; O canto erudito: escolas e tradies; Literatura para o canto erudito. O repertrio camerstico para canto e piano no sculo XIX; rias de pera - aspectos interpretativos; Repertrio para o canto erudito. Particularidades do canto em Lngua Portuguesa no canto lrico; A pera; A evoluo da tcnica vocal; Perodos histricos: estticas e tcnicas aplicadas ao canto; Msica Moderna e Contempornea para canto erudito (Sculos XX e XXI); Estratgias de estudo, ensino e desenvolvimento da voz cantada e da voz falada; O ensino coletivo do canto erudito; Estilo e interpretao do Lied alemo e da Melodie francesa. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. CLARINETE / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Abordagens metodolgicas do ensino do Clarinete: Histrico, Tcnicas e organologia; Repertrio para clarineteobras dos diversos perodos histricos; Grandes obras do repertrio para o instrumento Solo; Aspectos a serem observados na interpretao de uma obra musical; A tcnica expandida da clarinete; A msica sinfnica para clarinete; A msica para clarinete no Brasil; O ensino coletivo do clarinete; Pedagogia da Performance Musical. Novas tecnologias e o ensino do clarinete; tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. CONTRAPONTO HARMONIA ARRANJO E INSTRUMENTAO / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Metodologias para o ensino do contraponto e da Harmonia; Harmonia tradicional e harmonia funcional; Organizao de alturas na Msica da primeira metade do Sculo XX(exemplos); Organizao de alturas na Msica da segunda metade do Sculo XX(exemplos); Procedimentos seriais em msica; Harmonizao vocal e instrumental; Cadncias harmnicas; Contraponto tonal e modal a 2, 3 e 4 vozes ou partes; Contraponto em estilo imitativo; O Contraponto no sculo XX; Organizao harmnica em Palestrina e contemporneos; Contraponto atonal; Conseqncias contrapontsticas e harmnicas no manejo do Sistema Modal; Tratamento Tonal na obra de Stravinsky; Aspectos composicionais da fuga e de procedimentos imitativos; tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico.

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    27

    ESTGIO SUPERVISIONADO DOCNCIA EM MSICA Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. A formao do educador musical e o estgio curricular supervisionado; A prtica de pesquisa em Educao Musical e em Estgio Curricular Supervisionado; O desenvolvimento de competncias pedaggicas e musicais nos cursos de licenciatura em msica; Legislao, polticas pblicas e Educao Musical; Aspectos didticos do processo ensino-aprendizagem em msica: planejamento, organizao e avaliao; Didtica e prtica do ensino da musica na Educao Bsica; Didtica e prtica do ensino da msica em espaos alternativos; Educao musical, projetos de estgios e incluso social; A didtica geral e suas relaes com as didticas especficas da msica; Fundamentos e tendncias pedaggicas do ensino da msica no Brasil; Funes da msica na sociedade e sua relao com a formao e atuao do profissional da Educao Musical; Polticas pblicas em Educao Musical Escolar; O planejamento e a prtica docente supervisionada; Propostas msico-pedaggicas para a educao bsica; tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. EXPRESSO CORPORAL ARTES CNICAS / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. A expresso corporal na Educao Musical; Expresso corporal e educao; A expresso corporal e os espetculos musicais; O corpo e o desenvolvimento da expressividade musical; A interpretao do texto musical e a expresso corporal/dramtica; A importncia do desenvolvimento corporal na formao de professores de Msica; As demandas corporais na prtica musical dentro do processo-ensino aprendizagem; O desenvolvimento expressivo-musical do corpo e as propostas de Jacques Dalcrose. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. FISIOLOGIA DA VOZ Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. O Canto e a Fisiologia da Voz; Neurofisiologia; O profissional da voz-cantor e a fonoaudiologia; Alteraes da voz no canto: disfonia funcional; Sade vocal do cantor: diagnstico e preveno; Patologias mais comuns nos cantores: identificao e profilaxia. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. FLAUTA TRANSVERSA / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; A evoluo histrica da Flauta Transversal: tcnica, repertrio e organologia; Abordagens metodolgicas para o ensino da Flauta Transversa; A Flauta Transversal; Novas tecnologias e a Educao Musical; Estratgias para a superao de dificuldades tcnicas; A Msica Sinfnica para Flauta Transversal. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. HARMONIA POPULAR IMPROVISAO HISTRIA E ESTTICA DO JAZZ / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Harmonia no contexto da Msica Popular; O Jazz, aspectos harmnicos. Tcnicas de improvisao; Caractersticas harmnicas da Msica Popular Brasileira; Tcnicas e caractersticas de improvisao em Msica Popular; Metodologias para o ensino da improvisao; Processos de criao e performance em Msica Popular; Harmonia na Msica Popular: recursos tonais bsicos e avanados, recursos modais, superposio de estruturas e relaes meldico-harmnicas; Histria do Jazz: panorama geral. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. HISTRIA E ARTE ORGANIZAO DA EDUCAO BRASILEIRA Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. A arte e a Histria; As linguagens artsticas na atualidade: processos de interao com outras reas do conhecimento; Histria e Arte em cursos de graduao em Msica; Aspectos da arte brasileira e as manifestaes populares; As manifestaes artsticas e a pesquisa; A histria da arte e a histria do pensamento; A arte contempornea no Brasil; A expressividade humana: trajetria e

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    28

    desenvolvimento, ao longo da histria; A arte contempornea: as manifestaes estticas nas diversas expresses artsticas; Arte digital: formas de expresso e consolidao no sculo XXI. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. HISTRIA E MSICA FOLCLORE Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Msica e estilo: do Renascimento ao Romantismo; A Msica da era moderna: Atonalismo, Dodecafonismo, Serialismo e Serialismo integral; A Msica na Amrica Latina; A pera Italiana; A Msica no Brasil Colonial; A pesquisa em Histria da Msica no Brasil; O Nacionalismo brasileiro; Os movimentos atuais da Msica Erudita no Brasil. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. INFORMTICA APLICADA MSICA Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Os Softwares de notao musical: Finale e Sibelius; Os Softwares de notao musical no contexto de criao e produo musical; A tecnologia MIDI: caracterstica do protocolo MIDI, eventos, cdigos e equipamentos; Editorao de partituras; Aplicaes avanadas em informtica musical: programas aplicativos de seqenciamento MIDI e de sntese sonora; Aplicaes mercadolgicas de sistemas e equipamentos de informtica musical. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. LABORATRIO DE COMPOSIO TCNICA DE ARRANJOS OFICINA DE CRIAO MUSICAL Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Os materiais sonoros; Aspectos metodolgicos do ensino da Composio; Tcnicas de Arranjos; A integrao entre sons eletrnicos e sons instrumentais na msica eletroacstica; Improvisao e composio; A utilizao de tcnicas estendidas instrumentais na composio contempornea; Orquestrao e instrumentao; Composio musical e pesquisa; Experimentalismo na msica dos sculos XX e XXI; Educao musical e produo de material didtico: tcnicas de arranjo musical; Arranjo e composio musical no contexto da formao de Professores de Msica; Forma e anlise musical no contexto do ensino superior. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. LABORATRIO DE IDIOMAS INGLS INSTRUMENTAL Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Estudos fonticos nos idiomas: Italiano, Alemo, Francs e Ingls; Proficincia em outras lnguas para fins acadmicos; Gneros do discurso em lngua Inglesa; Leitura e compreenso dos vrios gneros textuais: estratgias de leitura; A pesquisa em lnguas estrangeiras e os avanos tecnolgicos; Mtodos e tcnicas para o ensino de lnguas estrangeiras para fins acadmicos. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. LNGUA PORTUGUESA METODOLOGIA DA PESQUISA METODOLOGIA CIENTFICA Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Discurso e prticas de leitura no ensino da Lngua Portuguesa; Os processos fonolgicos e morfossintticos no ensino da Lngua Portuguesa; Gneros discursivos no ensino de Lngua Portuguesa; Concepes de aquisio da linguagem; Textualidade e produo de textos no ensino da Lngua Portuguesa; Semntica no ensino de Lngua Portuguesa; Novas tecnologias no ensino de Lngua Portuguesa; Coeso e coerncia textuais na lngua portuguesa; Gneros discursivos e tipologias textuais na prtica de ensino da lngua portuguesa; A anlise e interpretao de textos; Fundamentos da investigao cientfica; A Pesquisa: processos e mtodos; A comunicao cientfica: canais informais e canais formais. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. MSICA DE CMARA / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    29

    trabalho e a interdisciplinaridade. A execuo musical em grupos de Cmara; A Msica de Cmara: conceituao e princpios; Diferentes formaes em Msica de Cmara: a amplitude do repertrio; Grupos de Cmara: formaes diversas; A Msica de Cmara dos Clssicos Vienenses: Haydn, Mozart e Beethoven; A Msica de Cmara dos sculos XIX e XX; A Msica de Cmara Brasileira; A Msica de Cmara Contempornea. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. MSICA E PSICOLOGIA PSICOLOGIA E EDUCAO Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. A Teoria do Desenvolvimento Musical de Swanwick; A habilidade e criatividade musical, do ponto de vista da Psicologia; As estruturas cerebrais e sua relao com a msica e o pensamento musical; Aspectos cognitivos do processo ensino-aprendizagem musical; A influncia da Teoria de Piaget sobre os estudos de Psicologia do Desenvolvimento Musical; A Psicologia e o desenvolvimento da sensibilidade musical; As teorias do desenvolvimento musical; Pesquisa em Psicologia da Msica; Cognio musical no contexto das culturas; Desenvolvimento cognitivo-musical nas diferentes faixas etrias; Desenvolvimento de processos criativos em msica nas diferentes faixas etrias;

    A contextualizao histrica da Psicologia na formao dos professores; Principais teorias da Psicologia da Educao. tica e Conduta Pblica: 1.

    tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. MSICA E SOCIOLOGIA SOCIOLOGIA E EDUCAO FILOSOFIA E EDUCAO Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Sociologia e msica: campos de investigao; Multiculturalismo e atividade musical; A msica como objeto sociolgico; Msica e cidadania; A Educao Musical e a formao do cidado; Arte, Histria e Sociedade; A relevncia social da Msica; Msica e Sociedade. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. MSICA E TECNOLOGIA Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Msica e som para as novas mdias; Msica, tecnologia e criatividade; O Musical Instrument Digital Interface (MIDI); Tecnologias de gravao de udio: analgica e digital; A Educao Musical e a mdia digital para a sala de aula; A tecnologia e a produo musical; A tecnologia e a indstria da msica; Msica Eletroacstica; Ferramentas de produo disponveis em hardware e software; A Sntese Sonora. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. MUSICALIZAO INFANTIL / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Fundamentos da Educao Musical; Mtodos e abordagens de educadores musicais : sculos XX e XXI; Processos de criao na infncia; A cano e o desenvolvimento scio-afetivo da criana: princpios metodolgicos; O desenvolvimento motor: princpios metodolgicos; A prtica de conjunto instrumental; Musicalizao infantil: recursos e materiais pedaggicos; O planejamento de aula como ferramenta didtico-pedaggica: contedos, objetivos especficos e formas de avaliao; Musicalizao infantil e interdisciplinaridade; A Educao musical e o desenvolvimento da sensibilidade, criatividade, dos valores ticos e estticos. Atividades direcionadas; Musicalizar crianas: princpios, objetivos e desafios; Os mtodos ativos de Educao Musical: princpios metodolgicos; A musicalizao de crianas e o desenvolvimento das habilidades cognitivas, lingsticas e motoras; Educao Musical e incluso; tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. OBO / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Evoluo histrica do Obo: tcnica, repertrio e organologia; Metodologias para o ensino do Obo; Produo de palhetas: histria e prtica; O Obo na Msica Sinfnica; O Obo no repertrio de Cmara; O repertrio solo para Obo; Instrumentos da famlia do Obo: corne-ingls e obo damore; O Obo na msica brasileira. Novas tecnologias e o desenvolvimento da performance no Obo. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico.

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    30

    PERCEPO MUSICAL / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Teoria da Msica; Novas metodologias para o ensino/aprendizagem da Percepo Musical: tcnicas e ferramentas; A prtica coletiva do solfejo; Os mtodos ativos (Dalcrose, Kodaly, Orff, Willems) no contexto da Percepo Musical; Novas abordagens metodolgicas para o desenvolvimento da leitura musical; Metodologias para o desenvolvimento da percepo rtmica; Novas ferramentas tecnolgicas nos processos de ensino/aprendizagem musical; A Percepo Musical e a msica contempornea. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. PERCUSSO / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Literatura especfica para o ensino de percusso nos cursos de bacharelado; Abordagens metodolgicas; Tcnicas de ensino para o uso de baquetas; A Percusso na Msica Sinfnica; A Percusso na Msica de Cmara; Articulao e Fraseado na percusso; Tmpanos: tcnicas, afinao, articulao; Caixa-clara: rudimentos, rulos, articulao e fraseado; Percusso Mltipla; A Percusso tpica brasileira: grafia, instrumentos e interpretao; Metodologia do ensino da Percusso no Ensino Superior; A Marimba, o Xilofone e o Vibrafone: aspectos da execuo; tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. PIANO B TECLADO INSTRUMENTO HARMNICO Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; O Piano como instrumento complementar e de apoio atividade musical de instrumentistas e cantores; Abordagens metodolgicas para o ensino coletivo do Piano; Aspectos metodolgicos para o ensino coletivo do piano em Cursos de Licenciatura; Avaliao da aprendizagem nas aulas de Piano em Grupo. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. PIANO / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Aspectos metodolgicos do ensino do Piano: evoluo tcnico-histrica; A tcnica pianstica; Mtodos e tcnicas de leitura e de estudo do piano; Diferentes abordagens didtico-metodolgicas e prticas pedaggicas para o ensino do piano. Leitura e memorizao; Priorizao da tcnica X expresso musical;A evoluo do repertrio pianstico: do perodo Clssico ao dias atuais; A Msica Brasileira para Piano; A Msica Polifnica para Piano; Novas tecnologias e o desenvolvimento da performance pianstica; Leitura e memorizao: a sua importncia no desenvolvimento da performance; Tcnica pianstica: conexes entre aspectos fisiolgicos, ergonmicos e resultados musicais. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. PROFESSOR PIANISTA ACOMPANHADOR / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; A atuao do Professor Pianista Acompanhador; A contribuio do Pianista Acompanhador na performance do cantor; Competncias e qualidades inerentes ao Professor Pianista Acompanhador; As redues orquestrais; A influncia do Professor Pianista Acompanhador sobre os alunos instrumentistas e cantores; As especificidades do trabalho de um Pianista Acompanhador. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. REGNCIA TCNICAS DE REGNCIA / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Tcnicas de Regncia: uma abordagem histrica; A linguagem gestual do Regente; A Orquestra Sinfnica; Instrumentao e orquestrao; Regncia orquestral, regncia coral e regncia de Bandas: tcnicas e metodologias; Ensaio: planejamento e tcnicas; O Papel do Regente: tcnico ou educador musical?; O papel do regente: problemticas e desafios; Aspectos interpretativos da Regncia

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    31

    nos diversos perodos histricos; Repertrio para orquestras de cmara; Diferenas organolgicas e tcnicas entre os instrumentos orquestrais; Recursos tcnicos das diferentes famlias instrumentais da orquestra; A influncia tecnolgica na performance da Msica Orquestral. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. SAXOFONE / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Aspctos metodolgicos do ensino do saxofone: evoluo histrica, tcnica e organologia; Abordagens tcnicas da execuo musical no Saxofone; Metodologias para o ensino do Saxofone em grupo; O Saxofone na Msica Brasileira; O Saxofone na msica sinfnica Repertrio sinfnico e de cmara para Saxofone; O ensino coletivo de instrumentos de sopro; Tcnicas interpretativas no saxofone: Msica Popular X Msica Erudita; A trajetria do Saxofone na Msica Erudita Brasileira; As possibilidades idiomticas e tcnicas do Saxofone; Novas tecnologias e o ensino do Saxofone tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. TROMBONE / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Evoluo histrica do Trombone: tcnica, repertrio e organologia; O ensino do Trombone: aspetos fisiolgicos e metodolgicos; Embocadura e os instrumentos de metal; O Trombone na Msica Brasileira; Metodologias do ensino do Trombone em grupo; Aspectos metodolgicos do ensino do Trombone; O repertrio para Trombone; Tcnicas tradicionais e estendidas no trombone; Tcnicas interpretativas no trombone: Msica Popular X Msica Erudita; O ensino coletivo dos instrumentos de sopro; O Trombone na Orquestra Sinfnica: tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. TROMPETE / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Evoluo histrica do Trompete e as implicaes no seu uso na Msica Popular; O ensino do Trompete: abordagens metodolgicas aplicadas Msica Popular; O trompete na Msica Popular Brasileira; O trompetista brasileiro: requisitos e formao profissional; Tcnicas fundamentais do Trompete; O Trompete na msica Jazz; Trompete na Msica Popular e Trompete na Msica de Concerto; Tcnicas tradicionais e estendidas no Trompete; Estratgias de ensino do Trompete: da iniciao improvisao. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. VIOLO / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Evoluo histrica do Violo: tcnica, repertrio e organologia; Abordagens metodolgica do ensino do Violo; O repertrio para Violo na Msica latino americana, na msica brasileira e no mundo; O Repertrio Espanhol para Violo no sculo XIX; Msica renascentista para instrumentos de cordas dedilhadas; Metodologias para o ensino do Violo no curso de Bacharelado; Metodologias do ensino de violo harmnico e suas possibilidades pedaggicas; As tendncias atuais da tcnica violonstica; tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. VIOLINO / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Evoluo histrica dos Instrumentos de arco: O Violino, sua tcnica e organologia; Abordagens metodolgicas e material didtico para o ensino do violino; Repertrio para Violino Solo: obras de diferentes perodos histricos; O Violino na Msica de Cmara; A Literatura da msica sinfnica para violino: concertos para violino; A msica para violino no Brasil; O ensino do Violino no Brasil; O ensino coletivo das cordas friccionadas; A construo do repertrio para Violino no Ensino Superior;. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    32

    VIOLONCELO / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Evoluo histrica dos Instrumentos de arco: O Violoncelo, sua tcnica e organologia; Abordagens metodolgicas para o ensino do Violoncelo; A interpretao musical no violoncelo envolvendo repertrio com obras de diferentes perodos histricos; A msica para Violoncelo no Brasil; O ensino coletivo das cordas friccionadas; Repertrio para Violoncelo no Ensino Superior; O repertrio para Violoncelo solo; O ensino coletivo das cordas friccionadas: aspectos metodolgicos para o ensino do Violoncelo. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico.

    Professor Titular CANTO / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Metodologias de ensino do canto erudito; O canto erudito: escolas e tradies; Literatura para o canto erudito. O repertrio camerstico para canto e piano no sculo XIX; rias de pera - aspectos interpretativos; Repertrio para o canto erudito. Particularidades do canto em Lngua Portuguesa no canto lrico; A pera; A evoluo da tcnica vocal; Perodos histricos: estticas e tcnicas aplicadas ao canto; Msica Moderna e Contempornea para canto erudito (Sculos XX e XXI); Estratgias de estudo, ensino e desenvolvimento da voz cantada e da voz falada; O ensino coletivo do canto erudito; Estilo e interpretao do Lied alemo e da Melodie francesa. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. CLARINETE / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; A evoluo histrica do Clarinete: Tcnicas e organologia; Abordagens metodolgicas para o ensino do Clarinete; Repertrio para clarinete solo; A tcnica expandida do clarinete; Msica sinfnica para clarinete; Repertrio para Clarinete nos diversos perodos histricos; O Clarinete na msica brasileira; O ensino coletivo do clarinete; Novas tecnologias e o desenvolvimento da performance no Clarinete. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. DIDTICA / EDUCAO INCLUSIVA / METODOLOGIA DA EDUCAO MUSICAL Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Didticas e Mtodos de Educao Musical; Princpios metodolgicos e abordagens de educadores musicais : sculos XX e XXI; O Planejamento de Disciplina: procedimentos; O planejamento de aula: procedimentos; Avaliao em msica; Desenvolvimento musical: O Modelo Espiral de Swanwick; Psicopedagogia Musical; Os mtodos ativos de Educao Musical; didtica e motivao; Educao Inclusiva. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. FLAUTA TRANSVERSA / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; A evoluo histrica da Flauta Transversal: tcnica, repertrio e organologia; Abordagens metodolgicas para o ensino da Flauta Transversa; A Flauta Transversal; Novas tecnologias e a Educao Musical; Estratgias para a superao de dificuldades tcnicas; A Msica Sinfnica para Flauta Transversal. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. PERCEPO MUSICAL / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Teoria da Msica; Novas metodologias para o ensino/aprendizagem da Percepo Musical: tcnicas e ferramentas; A prtica coletiva do solfejo; Os mtodos ativos (Dalcrose, Kodaly, Orff, Willems) no contexto da Percepo

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    33

    Musical; Novas abordagens metodolgicas para o desenvolvimento da leitura musical; Metodologias para o desenvolvimento da percepo rtmica; Novas ferramentas tecnolgicas nos processos de ensino/aprendizagem musical; A Percepo Musical e a msica contempornea. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. PIANO / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; Aspectos metodolgicos do ensino do Piano: evoluo tcnico-histrica; A tcnica pianstica; Mtodos e tcnicas de leitura e de estudo do piano; Diferentes abordagens didtico-metodolgicas e prticas pedaggicas para o ensino do piano. Leitura e memorizao; Priorizao da tcnica X expresso musical;A evoluo do repertrio pianstico: do perodo Clssico ao dias atuais; A Msica Brasileira para Piano; A Msica Polifnica para Piano; Novas tecnologias e o desenvolvimento da performance pianstica; Leitura e memorizao: a sua importncia no desenvolvimento da performance; Tcnica pianstica: conexes entre aspectos fisiolgicos, ergonmicos e resultados musicais. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. PROFESSOR PIANISTA ACOMPANHADOR / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da msica; A atuao do Professor Pianista Acompanhador; A contribuio do Pianista Acompanhador na performance do cantor; Competncias e qualidades inerentes ao Professor Pianista Acompanhador; As redues orquestrais; A influncia do Professor Pianista Acompanhador sobre os alunos instrumentistas e cantores; As especificidades do trabalho de um Pianista Acompanhador. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. TROMPETE / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Evoluo histrica do Trompete e as implicaes no seu uso na Msica Popular; O ensino do Trompete: abordagens metodolgicas aplicadas Msica Popular; O trompete na Msica Popular Brasileira; O trompetista brasileiro: requisitos e formao profissional; Tcnicas fundamentais do Trompete; O Trompete na msica Jazz; Trompete na Msica Popular e Trompete na Msica de Concerto; Tcnicas tradicionais e estendidas no Trompete; Estratgias de ensino do Trompete: da iniciao improvisao. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. VIOLO E GUITARRA ELTRICA MSICA POPULAR A MSICA DO MUNDO / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Evoluo histrica do Violo na Msica Popular; Metodologias para o Ensino da Guitarra Eltrica; A performance no Violo e na Guitarra no contexto da Msica Popular; Improvisao na Guitarra Eltrica; Repertrio para Violo solo na Msica Popular Brasileira; Guitarra Eltrica: tcnicas e tecnologias; Violo popular: tcnicas e tecnologias; A Guitarra Eltrica como solista; Arranjo de base: tcnicas e estratgias; Caractersticas composicionais da obra violonstica de Egberto Gismonti; O Violo e a Harmonia na msica de Chico Buarque; Rtmos e gneros brasileiros;O ensino coletivo do Violo e da Guitarra; Tcnicas de improvisao na Guitarra Eltrica. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. VIOLINO / DISCIPLINAS AFINS Teoria e Prtica da Educao. Conhecimentos Poltico-Pedaggicos: funo social e poltica da educao; perspectiva crtica e perspectiva neoliberal; gesto democrtica e autonomia na organizao do trabalho pedaggico; projetos poltico-pedaggicos. A educao superior no Brasil. A organizao da educao superior; diretrizes curriculares para o ensino superior; parmetros curriculares nacionais. Conhecimentos da Prtica de Ensino: processos e contedos do ensino e da aprendizagem; a organizao do tempo e do espao e a avaliao da aprendizagem; projetos de trabalho e a interdisciplinaridade. Fundamentos da Msica; Evoluo histrica dos Instrumentos de arco: O Violino, sua tcnica e organologia; Abordagens metodolgicas e material didtico para o ensino do violino; Repertrio para Violino Solo: obras de diferentes perodos histricos; O Violino na Msica de Cmara; A Literatura da msica sinfnica para violino: concertos para violino; A msica para violino no Brasil; O ensino do Violino no Brasil; O ensino coletivo das cordas friccionadas; A construo do repertrio para Violino no Ensino Superior;. tica e Conduta Pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    34

    Tcnico de Nvel Superior CINCIAS CONTBEIS I ADMINISTRAO FINANCEIRA E ORAMENTRIA: 1. Oramento Pblico: caractersticas do oramento tradicional, do oramento-programa e do oramento de desempenho. 2. Princpios oramentrios. 3. Leis Oramentrias: PPA, LDO e LOA. 4. Oramento fiscal e de seguridade social. 5. Oramento na Constituio Federal de 1988. 6. Conceituao e classificao da receita e da despesa oramentria brasileira. 7. Execuo da receita e da despesa oramentria. 8. Crditos Adicionais. 9. Cota, proviso, repasse e destaque. 10. Lei n 10.180/2001. 11. Instruo Normativa STN n 01/97 e alteraes posteriores. 12. Procedimentos de reteno de impostos e contribuies federais. 13. Lei n 9.430/96 e alteraes posteriores. 14. Instruo Normativa SRF n 480/2004. 15. Lei n 4.320/64. II CONTABILIDADE: Contabilidade Geral: 1. Princpios fundamentais de contabilidade (aprovados pelo Conselho Federal de Contabilidade, atravs da Resoluo CFC n 750/93 16 e Resoluo CFC n 774/94). 2. Patrimnio: Componentes Patrimoniais Ativo, Passivo e Patrimnio Lquido. 3. Fatos contbeis e respectivas variaes patrimoniais. 4. Contas patrimoniais e de resultado. 5. Teorias, funes e estrutura das contas. 6. Apurao de resultados; Sistemas de contas e plano de contas; Demonstraes contbeis; Anlise das demonstraes contbeis; Lei n 6.404/76 e alteraes posteriores. Contabilidade Pblica: 7. Conceito, objeto, objetivo, campo de atuao. 8. Variaes Patrimoniais: Variaes Ativas e Passivas, Oramentrias e Extraoramentrias. 9. Plano de Contas nico do Governo Federal: Conceito; Estrutura Bsica: ativo, passivo, despesa, receita, resultado diminutivo, resultado aumentativo, estrutura das contas, caractersticas das contas. 10. Contabilizao dos Principais Fatos Contbeis: previso da receita, fixao da despesa, descentralizao de crditos, liberao financeira, realizao da receita e despesa. 11. Balancete: caractersticas, contedo e forma. 12. Demonstraes Contbeis: Balano Oramentrio, Balano Financeiro; Balano Patrimonial e Demonstrao das Variaes Patrimoniais; Noes de SIAFI Sistema de Administrao Financeira da Administrao Pblica Federal Lei n 4.320/64. III MATEMTICA FINANCEIRA: 1. Juros e descontos simples. 1.1. Juros e descontos compostos. 1.2. Equivalncia financeira. 1.3. Sistemas de amortizao de emprstimos e financiamentos. 1.4. Mtodos de avaliao de fluxos de caixa. 2. Valor do dinheiro no tempo, Valor Presente e Taxa Interna de Retorno. 3. Microeconomia e Finanas. 3.1. Teoria do Consumidor. 3.1.1. Teoria da utilidade: conceitos e aplicaes. 3.1.2. Curva de demanda. 3.2. Teoria da firma. 3.2.1. Tecnologia da produo: isoquanta, isocustos, fatores fixos e variveis. 3.2.2. Custos marginais de curto e longo prazos. 3.2.3. Aplicaes do conceito de custos marginais. 3.2.4. Custo total e custo mdio. IV TICA E CONDUTA PBLICA: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. CINCIAS DA COMPUTAO Arquitetura de Computadores e Sistemas Operacionais: Arquiteturas RISC e CISC. Organizao do processador. Organizao de memria. Conceitos de concorrncia, paralelismo e computao distribuda. Arquiteturas de sistemas distribudos: SMP e MPP. Conceitos bsicos de computao em aglomerados (Cluster) e de computao em grades (Grids). Balanceamento de carga. Avaliao de desempenho. Estrutura do SO. Gerncia do processador. Gerncia de memria. Sistemas de arquivos. Entrada e sada. Conceitos bsicos de compiladores. RAID. Virtualizao. Ambiente UNIX: Instalao e suporte a TCP/IP, DHCP, DNS, NIS, CIFS, NFS, servios de impresso em rede; Instalao e configurao do Servidor Apache. Integrao com ambiente Windows. Linguagens de Script. Ambiente Microsoft Windows: Instalao e suporte de TCP/IP, DHCP, DNS. Active Directory. IIS. Terminal Service. Servios de arquivo e impresso em rede. Integrao com ambiente Unix. Linguagens de Script. Redes de Computadores e Comunicao de Dados: Conceitos bsicos de redes de computadores LAN, MAN e WAN. Redes sem fio. Modelo OSI. Arquitetura e protocolo TCP/IP. Nveis de aplicao TCP/IP: SSH, DHCP, DNS, SMTP, HTTP, FTP, LDAP, IPSEC. Protocolos de roteamento: RIP, OSPF e BGP. Arquitetura de gerenciamento SNMP. Monitoramento de trfego, sniffer de rede e interpretao de pacotes. Conceitos de redes de comunicao de dados, inclundo voz e vdeo. Configurao e gerenciamento de elementos de interconexo de redes de computadores (gateway, hub, repetidor, bridge, switch e roteador). 3 - Banco de Dados: Conceitos bsicos de SGBD. Tipos de SGBD: relacional, rede, hierrquico, distribudo e orientado a objetos. Modelagem de banco de dados: Entidade-Relacionamento (entidades, atributos e relacionamentos). Arquitetura: modelos lgicos e representao fsica, organizao fsica, mtodos de acesso. Gerncia de transao. Gerncia de bloqueios. Gerncia de desempenho. Linguagem SQL: DDL, DML e DCL. Procedimentos: (stored procedures), vises (views) e gatilhos (triggers). Conceitos de backup e restaurao de dados, tolerncia a falhas e continuidade de operao. Performance e tuning: ndice e otimizao de acesso, otimizao de cdigo SQL ANSI. Sistemas de Armazenamento: Conceito de Storage (NAS e SAN). Protocolo: Fiber Channel. Tipos de backup: completo, incremental e diferencial. Gesto e Governana de TI: Noes de gerenciamento de projetos, ITIL, COBIT e Plano de recuperao de desastres. Segurana da Informao: Segurana fsica e lgica. Firewall. IDS. IPS. Anti-spam. Proxies. Criptografia. VPN. Softwares maliciosos (Vrus, Spywares, Rootkit, etc). Sistemas de deteco de intruso. Gesto da Segurana da Informao: Conceitos gerais. Polticas de Segurana de Informao. Classificao de Informaes. Norma ISO 27001:2005. TICA E CONDUTA PBLICA: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. BIBLIOTECONOMIA I NOES DE DIREITO CONSTITUCIONAL. 1. Constituio da Repblica Federativa do Brasil de 1988, Emendas Constitucionais e Emendas Constitucionais de Reviso: princpios fundamentais. 2. Os poderes do Estado e as respectivas funes: Poder Executivo, Poder Legislativo e Poder Judicirio. 3. Normas constitucionais. 4. Princpios fundamentais da CF/88. 5. Direitos e garantias fundamentais. 6. A organizao poltico-administrativa do Estado: das competncias da Unio, Estados, Distrito Federal e Municpios. 7. A Administrao Pblica na CF/88. II NOES DE DIREITO ADMINISTRATIVO: 1. Ato administrativo: conceito, requisitos, atributos, classificao, espcies e invalidao. 1.1. Anulao e revogao. 1.2. Prescrio. 2. Controle da administrao pblica: controle administrativo, controle legislativo e controle judicirio. 3. Agentes administrativos: investidura e exerccio da funo pblica. 3.1. Direitos e deveres dos servidores pblicos. Regimes jurdicos. 3.2. Processo administrativo: conceito, princpios, fases e modalidades. 4. Poderes da administrao: vinculado, discricionrio, hierrquico, disciplinar e regulamentar. 5. Princpios bsicos da administrao. 5.1. Responsabilidade civil da administrao. 5.2. Improbidade administrativa. 6. Servios pblicos: conceito, classificao, regulamentao, formas e competncia de prestao. 7. Organizao administrativa: noes gerais. 7.1. Administrao direta e indireta, centralizada e descentralizada. III ADMINISTRAO PBLICA: 1. Caractersticas bsicas das organizaes formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critrios de departamentalizao. 2. Processo organizacional: planejamento, direo, comunicao, controle e avaliao. 3. Organizao administrativa: centralizao, descentralizao, concentrao e desconcentrao; organizao administrativa da Unio; administrao direta e indireta; agncias executivas e reguladoras. 4. Gesto de processos. 5. Gesto de contratos. IV BIBLIOTECONOMIA: 1. Conceituao, princpios, evoluo e relaes com outras cincias. 2. Tipos de documentos e finalidades. Representao descritiva do documento.

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    35

    3. Catalogao: conceito (autoria e entrada principal e secundria), objetivos, sistemas informatizados. Registros catalogrficos: terminologia e campos. Instrumentos e normas vigentes da catalogao descritiva. Cdigo de Catalogao Anglo-Americano, 2. ed. (AACR 2). Descrio de Recursos e Acesso (Resource descriptionand access RDA): noes bsicas. Requisitos Funcionais para Registros Bibliogrficos (Functional Requirements for Bibliographic Records FRBR): noes bsicas. Catalogao cooperativa e controle bibliogrfico. Formato MARC21. Catalogao de multimeios. Normas tcnicas para a rea de documentao (ABNT): referncia bibliogrfica, resumos. Representao temtica de recursos informacionais: Sistemas de organizao do conhecimento: caractersticas, funes e tipologia. 3.1. Tabelas de notao de autor. 3.2. Catalogao dos diferentes tipos de materiais e suportes. 4. Documentos e finalidades. 5. Indexao, conceitos, definio, linguagens de indexao, descritores, processos de indexao, tipos de indexao. 5.1. Metadados. 5.2. Ontologias. Taxonomia. 5.3. Web Semntica. 5.4.Tesauro: princpios e mtodos. 5.5. Classificao Decimal de Dewey (CDD). Classificao Decimal de Direito (Doris de Queiroz Carvalho) e mecanismos bsicos, caractersticas, linguagens e medidas. 5.6. Elaborao de resumos; 5.7. A normalizao e as linguagens documentrias; 5.8. Normalizao de publicaes tcnico-cientficas, segundo as normas da ABNT; 6. Polticas de seleo, aquisio e descarte: procedimentos. Avaliao. Intercmbio: emprstimo entre unidades de informao, aquisio planificada, consrcios e comutao bibliogrfica. Colees no convencionais. 7. Servio de Referncia: Conceito e tcnicas. Bibliotecrio de referncia: caractersticas e atribuies. Usurios reais e potenciais: processo de negociao. Treinamentos formais e informais. 8. Associao Brasileira de Normas Tcnicas (ABNT). Comit Brasileiro de Documentao (CB14). Normas brasileiras de documentao. 9. Preparo tcnico do material bibliogrfico, segundo seu suporte; 10. Novas tecnologias em servios de informao. 11. Peridicos e documentos eletrnicos; 12. Metadados; 13. Redes e sistemas cooperativos de informao e comunicao; 14. Bibliotecas eletrnicas (virtuais/digitais), hipermdia e hipertexto. 15. Gerenciamento da informao em ambiente web. 16. Gerenciamento e manuteno de bases de dados; 17. Organizao e administrao de bibliotecas: Princpios e funes administrativas em bibliotecas. Estrutura organizacional de bibliotecas, as grandes reas funcionais da biblioteca. Centros de documentao e servios de informao. Planejamento bibliotecrio. Planejamento de sistemas de Bibliotecas. 18. Automao de bibliotecas: bases de dados bibliogrficas. Planejamento da automao de bibliotecas. Principais sistemas de gesto de acervos bibliogrficos nacionais e internacionais. Protocolo Z39.50. Redes cooperativas de bibliotecas brasileiras: Rede Virtual de Bibliotecas Congresso Nacional (RVBI), Rede de Bibliotecas da Justia Eleitoral (REJE), Rede de Bibliotecas do Ministrio Pblico Federal (RBMPF), Rede BIBLIODATA. V TICA E CONDUTA PBLICA: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. PEDAGOGIA Histria da Psicopedagogia, tendncias tericas, filosficas, psicolgicas e pedaggicas. Fundamentos da Psicanlise e cognio. Autoria do pensamento, pensamento e linguagem. Fundamentos da Epistemologia Gentica e seus estgios de desenvolvimento. Mtodo Clinico de Piaget. Psicognese da lngua escrita e suas hipteses. Caracterizao e atuao profissional do psicopedagogo. Avaliao e interveno psicopedaggica: objetivos e mtodos, tanto clnico como institucional; A interdisciplinaridade da psicopedagogia. A interveno psicopedaggica na escola, na famlia e com o ensino-aprendente. Assessoramento psicopedaggico na escola. Fracasso escolar: fatores intra e extra-escolares. Cidadania e igualdade de oportunidade. Desenvolvimento do indivduo na viso psicogentica. A construo da escrita. A postura tica do psicopedagogo. Psicopedagogia e as Leis Educacionais. Estrutura Administrativa do Ensino Brasileiro. A lei de Diretrizes e Bases da Educao Nacional. A progresso continuada; Estatuto da Criana e do Adolescente. A Municipalizao do Ensino. A valorizao do educador. tica e conduta pblica: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico. ADMINISTRAO I DIREITO CONSTITUCIONAL: 1. Constituio da Repblica Federativa do Brasil de 1988, Emendas Constitucionais e Emendas Constitucionais de Reviso: princpios fundamentais. 2. Os poderes do Estado e as respectivas funes: Poder Executivo, Poder Legislativo e Poder Judicirio. 3. Normas constitucionais. 3.1. A aplicabilidade das normas constitucionais: normas de eficcia plena, contida e limitada; normas programticas. 4. Princpios fundamentais da CF/88. 5. Direitos e garantias fundamentais. 6. A organizao poltico-administrativa do Estado: das competncias da Unio, Estados, Distrito Federal e Municpios. 7. A Administrao Pblica na CF/88. 8. As funes essenciais Justia. II NOES DE DIREITO ADMINISTRATIVO: 1. Ato administrativo: conceito, requisitos, atributos, classificao, espcies e invalidao. 1.1. Anulao e revogao. 1.2. Prescrio. 2. Controle da administrao pblica: controle administrativo, controle legislativo e controle judicirio. 3. Agentes administrativos: investidura e exerccio da funo pblica. 3.1. Direitos e deveres dos servidores pblicos. Regimes jurdicos. 3.2. Processo administrativo: conceito, princpios, fases e modalidades. 4. Poderes da administrao: vinculado, discricionrio, hierrquico, disciplinar e regulamentar. 5. Princpios bsicos da administrao. 5.1. Responsabilidade civil da administrao. 5.2. Improbidade administrativa. 6. Servios pblicos: conceito, classificao, regulamentao, formas e competncia de prestao. 7. Organizao administrativa: noes gerais. 8. Administrao direta e indireta, centralizada e descentralizada. 9. Lei n 8.666/93, arts. 1 a 6, 20 a 26 e 54 a 80, e alteraes. 9.1. Disposies Gerais: Princpios e Definies. 9.2. Licitaes e Contratos. 9.3. Licitao: modalidades, limites e dispensa. 9.4. Contratos: Disposies Preliminares, Formalizao, Alterao, Execuo, Inexecuo e Resciso. 9.5. Prego Eletrnico. 10. Lei n 9.784/99: o Processo Administrativo no mbito da Administrao Pblica Federal. III ADMINISTRAO PBLICA: 1. Caractersticas bsicas das organizaes formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critrios de departamentalizao. 2. Processo organizacional: planejamento, direo, comunicao, controle e avaliao. 3. Organizao administrativa: centralizao, descentralizao, concentrao e desconcentrao; organizao administrativa da Unio; administrao direta e indireta; agncias executivas e reguladoras. 4. Gesto de processos. 5. Gesto de contratos. 6. Planejamento Estratgico. IV ADMINISTRAO FINANCEIRA E ORAMENTRIA: 1. Oramento pblico. 2. Oramento pblico no Brasil. 3. O ciclo oramentrio. 4. Oramento-programa. 5. Planejamento no oramento-programa. 6. Oramento na Constituio da Repblica. 7. Conceituao e classificao de receita pblica. 8. Classificao oramentria de receita pblica por categoria econmica no Brasil. 9. Classificao de gastos pblicos. 10. Tipos de crditos oramentrios. 11. Lei de Responsabilidade Fiscal Lei Complementar n 101/2000. V NOES DE GESTO DE PESSOAS NAS ORGANIZAES: 1. Conceitos, importncia, relao com os outros sistemas de organizao. 2. A funo do rgo de Recursos Humanos: atribuies bsicas e objetivos, polticas e sistemas de informaes gerenciais. 3. Comportamento organizacional: relaes indivduo/organizao, motivao, liderana, desempenho. 4. Competncia interpessoal. 5. Gerenciamento de conflitos. 6. Gesto de pessoas do quadro prprio e terceirizadas. 7. Recrutamento e Seleo: tcnicas e processo decisrio. 8. Avaliao de Desempenho: objetivos, mtodos, vantagens e desvantagens. 9. Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programao, execuo e avaliao. 10. Gesto por competncias. VI APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL: 1. Educao corporativa. 2. Educao distncia. 3. Projeto pedaggico. VII TICA E CONDUTA PBLICA: 1. tica e moral. 2. tica, princpios e valores. 3. tica e democracia: exerccio da cidadania. 4. tica e funo pblica. 5. tica no Setor Pblico.

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    36

    Assistente Administrativo I NOES DE DIREITO CONSTITUCIONAL. 1 Constituio da Repblica Federativa do Brasil de 1988, Emendas Constitucionais e Emendas Constitucionais de Reviso: princpios fundamentais. 2 Os poderes do Estado e as respectivas funes: Poder Executivo, Poder Legislativo e Poder Judicirio. 3 Princpios fundamentais da CF/88. 4 Direitos e garantias fundamentais. II NOES DE DIREITO ADMINISTRATIVO. 1 Ato administrativo: conceito, requisitos, atributos, classificao, espcies e invalidao. 1.1 Anulao e revogao. 2. Controle da administrao pblica: controle administrativo, controle legislativo e controle judicirio. 3. Agentes administrativos: investidura e exerccio da funo pblica. III NOES DE ARQUIVOLOGIA: 1 Conceitos fundamentais de Arquivologia. 2 O gerenciamento da informao e a gesto de documentos: diagnsticos; arquivos correntes e intermedirio; protocolos; avaliao de documentos; arquivos permanentes. 3 Tipologias documentais e suportes fsicos: microfilmagem; automao; preservao, conservao e restaurao de documentos. IV NOES DE ADMINISTRAO PBLICA. 1 Estruturao da mquina administrativa no Brasil desde 1930: dimenses estruturais e culturais. 2 Estrutura e estratgia organizacional. 3 Cultura organizacional. 4 Excelncia nos servios pblicos. 5 O paradigma do cliente na gesto pblica. 9 Gesto estratgica. TICA E CONDUTA PBLICA: 1 tica e moral. 2 tica, princpios e valores. 3 tica e democracia: exerccio da cidadania. 4 tica e funo pblica. 5 tica no Setor Pblico.

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    37

    ANEXO III TEMAS PARA AS PROVAS DISCURSIVAS

    Professor Auxiliar de Ensino MUSICALIZAO INFANTIL DISCIPLINAS AFINS

    Fundamentos histricos, sociolgicos, filosficos e psicolgicos da Educao Musical;

    Processos de criao e seu papel na educao e no desenvolvimento musical. Descrio de atividades prticas;

    A contribuio de Dalcrose para a Educao Musical na infncia: princpios metodolgicos;

    A prtica de conjunto instrumental: possibilidades e desafios para o educador musical;

    Musicalizar crianas: princpios, objetivos e desafios;

    A educao musical como meio de transformao e incluso social;

    Teorias e mtodos de ensino e aprendizagem musical: fundamentos e tendncias; PERCUSSO / DISCIPLINAS AFINS

    Abordagens metodolgicas no ensino da percusso;

    A Percusso na Msica Sinfnica;

    A Percusso na Msica de Cmara;

    Baquetas: Definio e caracterstica determinantes de sua adequao seletiva;

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance;

    Histria e desenvolvimento da percusso na Orquestra sinfnica;

    Os Concertos contemporneos para Marimba, Xilofone e Vibrafone;

    PIANO / MSICA POPULAR / DISCIPLINAS AFINS

    O piano na prtica de conjunto na msica popular: implicaes meldicas, harmnicas e rtmicas;

    Metodologias e estratgias para o desenvolvimento da percepo no ensino do Piano popular;

    Metodologias e estratgias para o ensino da improvisao no Piano popular;

    Arranjo para piano na msica popular: caractersticas e procedimentos;

    Aplicao das cifras em diversas distribuies e progresses no teclado;

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance em Msica Popular;

    Piano: conduo rtmica em ritmos brasileiros; PROFESSOR PIANISTA ACOMPANHADOR / DISCIPLINAS AFINS

    A atuao do Professor Pianista Acompanhador: atividades alm das fronteiras do seu instrumento;

    O papel multifacetado do Pianista Acompanhador: sua atuao, tambm, como msico de cmara e co-repetidor;

    O trabalho colaborativo do Professor Pianista Acompanhador: o alicerce musical da performance em instrumentos sinfnicos;

    Competncias e qualidades indispensveis ao Professor Pianista Acompanhador;

    A contribuio interpretativa e musical do Professor Pianista Acompanhador, na performance dos alunos instrumentistas;

    Fatores que influenciam o desempenho dos alunos instrumentistas, na atuao do Professor Pianista Acompanhador;

    A relao Professor Pianista Acompanhador e aluno: suas implicaes e desafios;

    SAXOFONE / DISCIPLINAS AFINS

    Possibilidades metodolgicas do ensino do Saxofone em grupo;

    Aspectos metodolgicos do ensino do Saxofone;

    Os rudimentos tcnicos do saxofone: produo sonora e respirao, embocadura, ergonomia, projeo, dedilhado elementar, vibrato e seu uso, tendncias e correes na afinao, tipos de articulao.

    Repertrio sinfnico e camerstico para Saxofone: principais compositores e seus contextos histricos;

    Anlise sobre as diferenas no emprego de tcnicas interpretativas do Saxofone, nas peas eruditas e nos gneros de msica popular;

    As possibilidades idiomticas e tcnicas do Saxofone;

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance; VIOLO / DISCIPLINAS AFINS

    O ensino do Violo: abordagens metodolgicas;

    Aspectos particulares da performance no Violo: problemas comuns na prtica musical;

    O repertrio para Violo na Msica Brasileira;

    O ensino coletivo do Violo: aspectos metodolgicos;

    Repertrio Segoviano: compositores, obras e contextos.

    Aspectos interpretativos do repertrio para o violo do estilo Barroco;

    Elaborao de repertrio bsico e construo de um projeto pedaggico-musical para formao do Bacharel em violo Professor Assistente BAIXO ELTRICO / HARMONIA NA MSICA POPULAR / DISCIPLINAS AFINS

    As diferentes abordagens tcnicas da execuo musical no Baixo Eltrico

    O Baixo eltrico na MPB;

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    38

    Aspectos histricos/ evoluo do instrumento e sua implicao com a performance;

    A metodologia do ensino do contrabaixo eltrico (aspectos metodolgicos);

    Tcnicas de Improvisao e acompanhamento no Baixo Eltrico;

    Aspectos do ensino coletivo do Baixo Eltrico aprendizagem colaborativa;

    Tcnicas e tecnologias do Baixo eltrico. CANTO MSICA POPULAR / DISCIPLINAS AFINS

    Transformaes na esttica vocal da Cano Popular Brasileira aspectos tcnicos e estticos relacionados aos momentos de sua histria;

    Aspectos a serem observados na interpretao de uma obra musical;

    Estratgias para improvisao vocal sobre seqncias harmnicas;

    O Canto popular ocidental uma variedade de gneros e sonoridades;

    Da Bossa Nova MPB;

    Tcnica vocal para msica popular: caractersticas e estratgias de ensino;

    O canto popular brasileiro: aspectos interpretativos CANTO CORAL INFANTO-JUVENIL / DISCIPLINAS AFINS

    O Canto Coral Infantil e Infanto-Juvenil no contexto das Escolas de Msica;

    Utilizao do Canto Coral como ferramenta de musicalizao;

    Aspectos tcnico-metodolgicos da prtica do canto Coral na infncia;

    Classificao das vozes e Tcnica vocal para crianas;

    Msica Popular Brasileira e o Canto Coral infanto-Juvenil;

    A Msica Erudita e o Canto Coral infanto-juvenil;

    Recursos pedaggico-musicais no planejamento de ensaios com crianas e adolescentes;

    CANTO CORAL / DISCIPLINAS AFINS

    Utilizao do Canto Coral como ferramenta de musicalizao de jovens e adultos;

    Tcnicas de Regncia e a expresso musical;

    A criao musical coletiva: possibilidades metodolgicas;

    Tcnica vocal e interpretao dos arranjos para coral, na Msica Popular brasileira;

    Repertrio para Canto Coral no Perodo Barroco: aspectos tcnicos e interpretativos;

    Tcnica vocal e interpretao para coral, na pera;

    Perspectivas terico-metodolgicas para o ensino de msica em mltiplos contextos educativo-musicais; CANTO/ TCNICA VOCAL / DISCIPLINAS AFINS

    As diversas escolas do canto erudito e suas nfases tcnicas;

    O ensino do Canto erudito: a construo da expressividade de acordo com o perodo histrico, estticas e tcnicas;

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance;

    O ensino do Canto erudito: escolas, tradies, tcnicas e estratgicas didticas;

    Literatura vocal de cmara: analise do repertrio e estratgias de ensino;

    Literatura Vocal Moderna e Contempornea (sculos XX e XXI): particularidades tcnicas, estticas e interpretativas;

    Literatura vocal erudita na musica brasileira: particularidades tcnicas, estticas e interpretativas; CONTRABAIXO / DISCIPLINAS AFINS

    As transcries das sutes para violoncelo solo de J. S. Bach para contrabaixo: aspectos interpretativos, histricos e tcnicos. Importncia da sua aplicao na metodologia de ensino do instrumento;

    O repertrio sinfnico dos perodos Clssico e Romntico, para contrabaixo: aspectos interpretativos, histricos e tcnicos;

    O repertrio para contrabaixo dos sculos XX e XXI: aspectos interpretativos, histricos e tcnicos;

    Uma anlise do repertrio para o contrabaixo solo;

    Relao msico/corpo/instrumento nos processos interpretativos;

    Aspectos do ensino coletivo do contrabaixo aprendizagem colaborativa;

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance; DIDTICA / EDUCAO INCLUSIVA / METODOLOGIA DA EDUCAO MUSICAL

    O planejamento da aula de msica como ferramenta didtico-pedaggica: contedos/mtodos, objetivos especficos e formas de avaliao;

    Avaliao em msica: desafios e propostas em mbito quantitativo e qualitativo;

    Viso crtica das propostas metodolgicas dos principais educadores musicais;

    Didticas e Mtodos de Educao Musical: Psicopedagogia Musical;

    Os mtodos ativos de Educao Musical: princpios metodolgicos;

    Teorias e mtodos de ensino e aprendizagem musical: fundamentos e tendncias;

    Educao Musical especial, incluso e aes pedaggicas;

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    39

    FAGOTE / DISCIPLINAS AFINS

    Produo de palhetas: histria e prtica;

    Abordagens metodolgicas para o ensino do fagote;

    O Fagote no repertrio orquestral do sculo XVIII;

    A msica brasileira para Fagote solo;

    Aspectos do ensino coletivo do Fagote aprendizagem colaborativa;

    Estratgias para a motivao da aprendizagem musical no Fagote;

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance; FLAUTA DOCE / DISCIPLINAS AFINS

    A famlia da Flauta Doce: sua origem e sua histria.

    A articulao na Flauta Doce nos diferentes perodos da histria da msica;

    O uso da Flauta Doce como instrumento estratgico na Educao Musical;

    Repertrio de msica brasileira para Flauta Doce: principais compositores e tendncias estticas;

    Perspectivas tericas e metodolgicas para o ensino de Flauta Doce em diferentes espaos e contextos educativos;

    Literatura e repertrio para Flauta Doce;

    Abordagens pedaggicas para as aulas coletivas e individuais de Flauta Doce em Nvel de Graduao FLAUTA TRANSVERSAL / DISCIPLINAS AFINS

    A evoluo histrica da Flauta Transversal: tcnica, repertrio e organologia;

    Abordagens metodolgicas para o ensino da Flauta Transversa;

    A msica brasileira para Flauta Transversal-solo;

    A Flauta Transversal, tcnicas e recursos expressivos

    Repertrio para Flauta Transversal: principais compositores e seus contextos histricos

    O ensino coletivo de instrumentos de sopro na perspectiva da formao de grupos de cmera e de bandas;

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance; FLAUTA TRANSVERSAL MSICA POPULAR / DISCIPLINAS AFINS

    A Flauta Transversal na Msica Popular Brasileira: principais compositores e flautistas.

    O repertrio para Flauta Transversal na Msica Popular Brasileira

    Msica popular brasileira e as didticas de ensino de instrumentos de sopros.

    A evoluo histrica da Flauta Transversal no Brasil.

    A improvizao e a Flauta Transversal em diferentes estilos musicais.

    Relao msico/corpo/instrumento nos processos interpretativos;

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance; HARPA / DISCIPLINAS AFINS

    As diferentes abordagens tcnicas da execuo musical na Harpa Sinfnica;

    Os diferentes tipos de harpa, sua organologia e tcnicas;

    Aspectos tcnicos, fisiolgicos e cognitivos da aprendizagem da Harpa Sinfnica;

    Abordagens metodolgicas para o ensino da Harpa;

    Aspectos histricos/ evoluo do instrumento e sua implicao com a performance;

    A tcnica dos pedais na execuo do Harpista;

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance; HISTRIA E MSICA /FOLCLORE

    Msica e estilo no Renascimento: um paralelo com outras manifestaes artsticas;

    Msica e estilo no perodo Clssico: um paralelo com outras manifestaes artsticas;

    Msica e estilo no perodo Romntico: um paralelo com outras manifestaes artsticas;

    As principais correntes da Msica da era moderna: Atonalismo, Dodecafonismo, Serialismo e Serialismo integral;

    A pera Italiana no sculo XVIII: trajetria, autores e produo;

    A Msica na Amrica Latina, partir do sculo XX: principais compositores e tendncias estilsticas;

    Os movimentos atuais da Msica Erudita no Brasil; MUSICALIZAO INFANTIL / DISCIPLINAS AFINS

    Fundamentos histricos, sociolgicos, filosficos e psicolgicos da Educao Musical;

    Processos de criao e seu papel na educao e no desenvolvimento musical. Descrio de atividades prticas;

    A contribuio de Dalcrose para a Educao Musical na infncia: princpios metodolgicos;

    A prtica de conjunto instrumental: possibilidades e desafios para o educador musical;

    Musicalizar crianas: princpios, objetivos e desafios;

    A educao musical como meio de transformao e incluso social;

    Teorias e mtodos de ensino e aprendizagem musical: fundamentos e tendncias;

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    40

    PERCEPO MUSICAL / DISCIPLINAS AFINS

    Processos criativos e desenvolvimento de novas metodologias para o ensino/aprendizagem da Percepo Musical;

    Tcnicas e ferramentas no ensino coletivo de escalas e intervalos;

    Aplicao dos mtodos ativos (Dalcrose, Kodaly, Orff, Willems) no contexto da Percepo Musical;

    Metodologias para o ensino da Leitura Musical: Solfejo Absoluto x Solfejo Relativo (D Mvel);

    O papel do corpo e do movimento no desenvolvimento da percepo rtmica;

    Perspectivas da utilizao de novas ferramentas tecnolgicas nos processos de ensino/aprendizagem musical;

    Metodologias para o ensino de Percepo Musical voltadas msica contempornea; PERCUSSO MSICA POPULAR RTMICA / DISCIPLINAS AFINS

    Aspectos histricos, tcnicos e musicais na performance e ensino de ritmos tradicionais brasileiros;

    A educao musical atravs da percusso, em projetos sociais;

    Percusso e Msica Popular Brasileira;

    Possibilidades metodolgicas do ensino da Percusso em grupo;

    Abordagens tcnicas e metodolgicas para a construo de instrumentos de percusso;

    Perspectivas tericas e metodolgicas para o ensino de percusso em diferentes espaos e contextos;

    O ensino coletivo de instrumentos de Percusso nos cursos de licenciatura. PIANO B TECLADO INSTRUMENTO HARMNICO

    O Piano como instrumento complementar e de apoio atividade musical de instrumentistas: um plano de ensino para 02(dois) semestres da disciplina, para alunos do Curso de Bacharelado, nas habilitaes em cordas e sopros;

    O Piano como instrumento complementar e de apoio atividade musical de cantores: um plano de ensino para 02(dois) semestres da disciplina, para alunos do Curso de Bacharelado em canto;

    Propostas metodolgicas para o ensino coletivo do piano, como instrumento complementar, para 04(quatro) semestres, no Curso de Licenciatura;

    O ensino coletivo do Piano: lidando com a problemtica da execuo musical em grupo;

    Iniciando alunos no estudo do Piano, em Grupo: metodologias e estratgias de ensino;

    O processo de aprendizagem musical no mbito do ensino do Piano em Grupo: vantagens e desvantagens;

    A prtica de acompanhamento de melodias no instrumento harmnico e o ensino do acompanhamento em diversos ritmos: metodologia de ensino para aulas coletivas em nvel de graduao.

    PIANO/ DISCIPLINAS AFINS

    A forma Sonata na msica para piano e sua relevncia na metodologia do ensino do piano;

    Elaborao de repertrio bsico e construo de um projeto pedaggico-musical para a formao do Bacharel em Piano;

    A construo do repertrio e a formao do pianista: a importncia de uma prtica interpretativa de obras de diferentes perodos;

    Diferentes abordagens didtico-metodolgicas e prticas pedaggicas para o ensino do piano.

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance;

    Leitura e memorizao: a sua importncia no desenvolvimento da performance. Estratgias utilizadas pelo professor;

    Aspectos histricos do piano: relaes entre o desenvolvimento do instrumento e do repertrio pianstico; PRTICA DE CONJUNTO/ DISCIPLINAS AFINS

    A prtica musical em grupo: procedimentos e recursos pedaggicos utilizados;

    Organizao do repertrio e execuo de arranjos para grupos instrumentais no convencionais: critrios de escolha e metodologias de ensaios;

    Prtica musical em conjunto e a dimenso interdisciplinar da educao musical;

    Vivncias musicais em conjuntos de formaes diversas: desafios para o professor de msica;

    A prtica musical em grupo e o desenvolvimento da musicalidade;

    Prticas e processos de avaliao na execuo musical em grupos instrumentais;

    Performance musical em grupos instrumentais: Conceitos e contextos; PROFESSOR PIANISTA ACOMPANHADOR / DISCIPLINAS AFINS

    A atuao do Professor Pianista Acompanhador: atividades alm das fronteiras do seu instrumento;

    O papel multifacetado do Pianista Acompanhador: sua atuao, tambm, como msico de cmara e co-repetidor;

    O trabalho colaborativo do Professor Pianista Acompanhador: o alicerce musical da performance em instrumentos sinfnicos;

    Competncias e qualidades indispensveis ao Professor Pianista Acompanhador;

    A contribuio interpretativa e musical do Professor Pianista Acompanhador, na performance dos alunos instrumentistas;

    Fatores que influenciam o desempenho dos alunos instrumentistas, na atuao do Professor Pianista Acompanhador;

    A relao Professor Pianista Acompanhador e aluno: suas implicaes e desafios; SAXOFONE MSICA POPULAR ESTRUTURAS E FORMAS MUSICAIS / DISCIPLINAS AFINS

    A Improvisao Popular: aplicaes prticas.

    Aplicao didtica, no saxofone, da linguagem do choro.

    Os rudimentos tcnicos do saxofone: produo sonora e respirao, embocadura, ergonomia, projeo, dedilhado elementar, vibrato e seu uso, tendncias e correes na afinao, tipos de articulao.

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    41

    Anlise sobre as diferenas no emprego de tcnicas interpretativas para peas eruditas e nos gneros de msica popular.

    O Saxofone na msica popular americana: sua trajetria no Jazz;

    A diversidade de boquilhas e palhetas: implicaes na sonoridade, tcnica, afinao, harmonia e improvisao.

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance; SAXOFONE / DISCIPLINAS AFINS

    Possibilidades metodolgicas do ensino do Saxofone em grupo;

    Aspectos metodolgicos do ensino do Saxofone;

    Os rudimentos tcnicos do saxofone: produo sonora e respirao, embocadura, ergonomia, projeo, dedilhado elementar, vibrato e seu uso, tendncias e correes na afinao, tipos de articulao.

    Repertrio sinfnico e camerstico para Saxofone: principais compositores e seus contextos histricos;

    Anlise sobre as diferenas no emprego de tcnicas interpretativas do Saxofone, nas peas eruditas e nos gneros de msica popular;

    As possibilidades idiomticas e tcnicas do Saxofone;

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance; TROMBONE / DISCIPLINAS AFINS

    Papel e funcionamento da embocadura na produo do som em instrumentos de metal;

    Respirao e fraseado em instrumentos de metal - problemas e solues;

    Aspectos metodolgicos do ensino do Trombone;

    O Coral de Trombones como ferramenta pedaggica;

    Aspectos fisiolgicos no aprendizado do trombone;

    O ensino coletivo de instrumentos de sopro na perspectiva da formao de grupos de cmera e de bandas: concepes e fundamentos;

    O Trombone na Orquestra Sinfnica: apresentao de tcnica de estudo para os principais trechos orquestrais escritos para o instrumento;

    TROMPA / DISCIPLINAS AFINS

    O ensino da trompa: abordagens metodolgicas (da iniciao ao Ensino Superior);

    Papel e funcionamento da embocadura na produo do som em instrumentos de metal;

    O ensino coletivo de instrumentos de sopro na perspectiva da formao de grupos de cmera e de bandas: concepes e fundamentos;

    Respirao e fraseado em instrumentos de metal - problemas e solues;

    As dificuldades tcnico-interpretativas da performance na Trompa - Estratgias para a motivao da aprendizagem musical;

    Aspectos tcnicos do ensino-aprendizagem da Trompa: respirao, embocadura, articulao e efeitos tcnicos;

    A Trompa na Orquestra Sinfnica: apresentao de tcnica de estudo para os principais trechos orquestrais escritos para o instrumento; TROMPETE MSICA POPULAR / DISCIPLINAS AFINS

    Repertrio aplicado ao ensino do Trompete na Msica Popular Brasileira;

    O trompete na Msica Popular Brasileira: uma abordagem histrico-musical;

    Tcnicas fundamentais do Trompete: respirao, emisso e demonstrao prtica;

    O ensino do Trompete: abordagens metodolgicas aplicadas Msica Popular;

    O Trompete na msica Jazz: linguagem, repertrio e principais trompetistas;

    A formao tcnica do trompetista: Msica erudita ou popular? Antagonismo ou semelhanas?;

    Trompete na Msica Popular e Trompete na Msica de Concerto: uma abordagem comparativa do discurso musical; TROMPETE / DISCIPLINAS AFINS

    Papel e funcionamento da embocadura na produo do som em instrumentos de metal;

    Respirao e fraseado em instrumentos de metal - problemas e solues;

    Abordagens metodolgicas para a performance nos diferentes tipos de trompetes ( do Trompete natural ao de vlvulas)

    Bibliografia bsica utilizada para o ensino do Trompete no Brasil;

    Tcnicas fundamentais do Trompete: respirao, emisso e demonstrao prtica;

    O Trompete na Msica Brasileira de concerto;

    A Trompete na Orquestra Sinfnica: apresentao de tcnica de estudo para os principais trechos orquestrais escritos para o instrumento;

    TUBA / DISCIPLINAS AFINS

    A famlia das Tubas: diferenas organolgicas e sonoro-interpretativas;

    O ensino da Tuba: abordagens metodolgicas;

    A Tuba na Msica Sinfnica e nas Bandas de Concerto;

    Respirao e fraseado em instrumentos de metal - problemas e solues;

    Aspectos fisiolgicos no aprendizado da Tuba;

    As dificuldades tcnico-interpretativas da performance na Tuba: estratgias para a motivao da aprendizagem musical;

    O repertrio solo para Tuba; VIOLA / DISCIPLINAS AFINS

    O repertrio solo para Viola;

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    42

    A Viola na Msica de Cmara;

    O ensino da Viola : abordagens metodolgicas (da iniciao ao Ensino Superior);

    Tcnicas fundamentais da Viola: as diferentes tcnicas de arco;

    Vibrato, afinao e sonoridade na viola: conceituao e tcnicas de ensino

    O repertrio para Viola no Perodo Barroco: aspectos interpretativos, histricos e musicolgicos

    O repertrio para Viola no Perodo Romntico: aspectos interpretativos, histricos e musicolgicos VIOLO E GUITARRA ELTRICA MSICA POPULAR/ DISCIPLINAS AFINS

    Aspectos particulares da performance no Violo e na Guitarra, no contexto da Msica Popular: problemas comuns na prtica musical;

    Compositores e repertrio para Violo solo na Msica Popular Brasileira;

    A Guitarra Eltrica como solista;

    Metodologias de ensino do Violo e da Guitarra: percepo e criao musical em processos educativos;

    Violo e Guitarra: conduo rtmica em gneros brasileiros;

    Aspectos didtico-pedaggicos do Ensino Coletivo de Violo e da Guitarra;

    Tcnicas de improvisao na Guitarra Eltrica; VIOLO / DISCIPLINAS AFINS

    O ensino do Violo: abordagens metodolgicas;

    Aspectos particulares da performance no Violo: problemas comuns na prtica musical;

    O repertrio para Violo na Msica Brasileira;

    O ensino coletivo do Violo: aspectos metodolgicos;

    Repertrio Segoviano: compositores, obras e contextos.

    Aspectos interpretativos do repertrio para o violo do estilo Barroco;

    Elaborao de repertrio bsico e construo de um projeto pedaggico-musical para formao do Bacharel em violo VIOLINO / DISCIPLINAS AFINS

    A Tcnica do violino; mos e arco: velocidade, qualidade sonora e articulaes do instrumento, golpes de arco;

    A interpretao musical no violino envolvendo repertrio com obras de diferentes perodos histricos;

    O Violino na Msica de Cmara: as sonatas para Violino;

    Abordagens metodolgicas e material didtico para o ensino do violino;

    Projeto didtico de construo tcnica para a formao do violinista;

    O ensino coletivo das cordas friccionadas: aspectos metodolgicos para o ensino do Violino;

    O repertrio para Violino no Perodo Romntico: aspectos interpretativos, histricos e musicolgicos; Professor Adjunto ANLISE MUSICAL APRECIAO MUSICAL / DISCIPLINAS AFINS

    Aspectos estticos da msica na Europa e nos EUA aps a Segunda Guerra Mundial: o serialismo integral, aleatoriedade e msica eletroacstica;

    O alcance dos modelos de anlise musical e estratgias para o ensino;

    As Fugas de Bach como material didtico para o estudo da anlise de motivos: anlise de 01(uma) Fuga;

    Forma sonata clssica e romntica: comparao como foco para o estudo da anlise estilstica;

    Processos em composio da msica moderna: passagem do sculos XIX ao XX;

    Anlise Musical: conceituao, objetivos e elementos que integram a sua estrutura;

    Anlise Estrutural: elementos e procedimentos; CANTO CORAL / DISCIPLINAS AFINS

    Utilizao do Canto Coral como ferramenta de musicalizao de jovens e adultos;

    Tcnicas de Regncia e a expresso musical;

    A criao musical coletiva: possibilidades metodolgicas;

    Tcnica vocal e interpretao dos arranjos para coral, na Msica Popular brasileira;

    Repertrio para Canto Coral no Perodo Barroco: aspectos tcnicos e interpretativos;

    Tcnica vocal e interpretao para coral, na pera;

    Perspectivas terico-metodolgicas para o ensino de msica em mltiplos contextos educativo-musicais; CANTO / DISCIPLINAS AFINS

    As diversas escolas do canto erudito e suas nfases tcnicas;

    O ensino do Canto erudito: a construo da expressividade de acordo com o perodo histrico, estticas e tcnicas;

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance;

    O ensino do Canto erudito: escolas, tradies, tcnicas e estratgicas didticas;

    Literatura vocal de cmara: analise do repertrio e estratgias de ensino;

    Literatura Vocal Moderna e Contempornea (sculos XX e XXI): particularidades tcnicas, estticas e interpretativas;

    Literatura vocal erudita na musica brasileira: particularidades tcnicas, estticas e interpretativas;

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    43

    CLARINETE / DISCIPLINAS AFINS

    Repertrio para clarinete, principais compositores e seus contextos histricos

    Abordagens metodolgicas do ensino do Clarinete

    Relao msico/corpo/instrumento nos processos interpretativos

    A literatura da Msica Sinfnica para Clarinete;

    A msica para Clarinete no Brasil;

    Aspectos do ensino coletivo do clarinete aprendizagem colaborativa;

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance; CONTRAPONTO HARMONIA ARRANJO E INSTRUMENTAO / DISCIPLINAS AFINS

    Harmonia tradicional e harmonia funcional: estratgias de ensino;

    Segunda Escola de Viena: Procedimentos seriais em msica (exemplos);

    O emprego da linguagem contrapontstica no sculo XX (exemplos);

    Progresses harmnicas em Msica Sinfnica Alem do sculo XIX (exemplos);

    Desenvolvimento da Fuga em Bach: conseqncias nas geraes posteriores (exemplos);

    Propostas metodolgicas para o ensino de Harmonia e Contraponto em cursos de graduao (exemplos);

    Propostas metodolgicas para o ensino da Harmonia tradicional; ESTGIO SUPERVISIONADO DOCNCIA EM MSICA

    Educao musical, projetos de estgios e incluso social;

    Educao musical formal, no-formal e informal e espaos alternativos de atuao para o educador musical;

    Procedimentos pedaggicos em Msica: contedos, mtodos e avaliao;

    Educao Musical na diversidade: pluralidade cultural, pessoas com necessidades especiais e contextos particulares;

    A prtica do ensino de msica na viso interdisciplinar;

    O planejamento e a prtica docente supervisionada;

    Perspectivas terico-metodolgicas para o ensino da msica em diferentes contextos educativo-musicais; EXPRESSO CORPORAL ARTES CNICAS / DISCIPLINAS AFINS

    A importncia da expresso corporal na Educao Musical: conceituao e prticas educativas;

    A expresso corporal: uma prtica interdisciplinar nos cursos de Graduao em Msica;

    A expresso corporal na formao de educadores musicais;

    A linguagem corporal como ferramenta de desenvolvimento da expressividade musical;

    O corpo como veculo de expresso e fonte sonora: uma proposta para a disciplina Expresso Corporal em cursos de Licenciatura;

    As demandas corporais na prtica musical dentro do processo-ensino aprendizagem;

    O desenvolvimento expressivo-musical do corpo e as propostas de Jacques Dalcrose; FISIOLOGIA DA VOZ

    O Canto e a Fisiologia da Voz: distrbios e correo de problemas vocais;

    Neurofisiologia do controle da voz;

    A importncia da Fonoaudiologia para o profissional da voz-cantor;

    A avaliao da voz do cantor: tpicos e a serem considerados;

    Acstica vocal: bases fsicas do funcionamento da voz;

    A produo da voz cantada: o papel da laringe, da respirao, e de outros elementos envolvidos no mecanismo da voz;

    A importncia do estudo da Fisiologia da Voz na formao de profissionais cantores; FLAUTA TRANSVERSAL / DISCIPLINAS AFINS

    A evoluo histrica da Flauta Transversal: tcnica, repertrio e organologia;

    Abordagens metodolgicas para o ensino da Flauta Transversa;

    A msica brasileira para Flauta Transversal-solo;

    A Flauta Transversal, tcnicas e recursos expressivos

    Repertrio para Flauta Transversal: principais compositores e seus contextos histricos

    O ensino coletivo de instrumentos de sopro na perspectiva da formao de grupos de cmera e de bandas.

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance HARMONIA POPULAR / IMPROVISAO / HISTRIA E ESTTICA DO JAZZ / DISCIPLINAS AFINS

    Diferenas bsicas entre harmonia no contexto da Msica Erudita e harmonia no contexto da Msica Popular: o discurso improvisatrio;

    A evoluo do Jazz, aspectos harmnicos. Tcnicas de improvisao;

    As diferentes manifestaes estilsticas na Msica Popular Brasileira e suas caractersticas harmnicas. Desenvolvimento de improvisaes sobre obras de livre escolha;

    Metodologias para o ensino da improvisao;

    Harmonia na Msica Popular : recursos tonais bsicos e avanados, recursos modais, superposio de estruturas e relaes meldico-harmnicas;

    Improvisao em Msica Popular: tcnicas, idiomatismos e vertentes;

    A msica popular como material didtico (Dinmico e prtico) para o ensino de harmonia;

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    44

    HISTRIA E ARTE /ORGANIZAO DA EDUCAO BRASILEIRA

    A comunicao atravs das artes: evoluo histrica;

    Uma proposta para a disciplina Histria e Arte em cursos de graduao em Msica: contedos, metodologia e sistemtica de avaliao;

    Arte e interdisciplinaridade no contexto da Educao Brasileira;

    A histria da arte e a histria do pensamento;

    A experincia esttica: aspectos da produo e leitura de uma obra de arte;

    A importncia da linguagem artstica no desenvolvimento da expressividade e na construo do conhecimento;

    A arte contempornea: as manifestaes estticas nas diversas expresses artsticas; HISTRIA E MSICA /FOLCLORE

    Msica e estilo no Renascimento: um paralelo com outras manifestaes artsticas;

    Msica e estilo no perodo Clssico: um paralelo com outras manifestaes artsticas;

    Msica e estilo no perodo Romntico: um paralelo com outras manifestaes artsticas;

    As principais correntes da Msica da era moderna: Atonalismo, Dodecafonismo, Serialismo e Serialismo integral;

    A pera Italiana no sculo XVIII: trajetria, autores e produo;

    A Msica na Amrica Latina, partir do sculo XX: principais compositores e tendncias estilsticas;

    Os movimentos atuais da Msica Erudita no Brasil; INFORMTICA APLICADA MSICA

    Os Softwares de notao musical: um comparativo baseado nos principais recursos de cada um deles;

    Os Softwares de notao musical no contexto da educao Musical;

    A importncia da Informtica para a produo musical;

    Os Softwares de notao musical no contexto de criao e produo musical;

    A imprensa musical: processos de editorao de partituras;

    Aplicaes avanadas em informtica musical: programas aplicativos de seqenciamento MIDI e de sntese sonora;

    A importncia da Informtica para a produo musical; LABORATRIO DE COMPOSIO / TCNICA DE ARRANJOS / OFICINA DE CRIAO MUSICAL

    A re-utilizao de material sonoro: citao, re-escritura, parfrase, colagem (exemplos);

    Improvisao e composio: dilogos entre duas formas de pensamento musical (exemplos);;

    Orquestrao e instrumentao na msica dos sculos XX e XXI (exemplos);

    Explorao de textura e timbre na msica dos sculos XX e XXI (exemplos);

    Arranjo e criao musical para a educao musical: possibilidades prticas;

    Educao musical e produo de material didtico: tcnicas de arranjo musical;

    Criao musical e novos paradigmas na compreenso do som e da escrita em msica; LABORATRIO DE IDIOMAS / INGLS INSTRUMENTAL

    A Lingstica e os cursos de Msica: a expresso oral e a leitura;

    Proficincia em outras lnguas para fins acadmicos: ensino contextualizado;

    Proficincia em outras lnguas: metodologias e estratgias de ensino;

    A proficincia em outras lnguas nos cursos de Bacharelado em Canto: relevncia e desenvolvimento das habilidades relacionadas com a rea acadmica e profissional

    Leitura e compreenso dos vrios gneros textuais: estratgias de leitura;

    A Tecnologia no ensino de lnguas estrangeiras;

    O ensino da lngua Inglesa para fins acadmicos: mtodos e tcnicas LNGUA PORTUGUESA /METODOLOGIA DA PESQUISA / METODOLOGIA CIENTFICA

    Gneros discursivos no ensino de Lngua Portuguesa;

    Textualidade e produo de textos no ensino da Lngua Portuguesa;

    O ensino da Lngua Portuguesa e a Pesquisa;

    Coeso e coerncia textuais na lngua portuguesa;

    Teorias da interpretao: semntica, pragmtica e anlise do discurso;

    Ensino e aprendizagem de produo textual: aspectos terico-prticos;

    Diretrizes para leitura, anlise e interpretao de textos; MSICA DE CMARA / DISCIPLINAS AFINS

    Princpios que norteiam a execuo musical em grupos de Cmara;

    Os desafios da performance em Msica de Cmara: uma experincia musical compartilhada;

    Diferentes formaes em Msica de Cmara: a amplitude do repertrio;

    Os quartetos de Cordas: a mais explorada formao de Msica de Cmara;

    O Trio para Piano: uma importante formao da Msica de Cmara;

    A Msica de Cmara Brasileira;

    A Msica de Cmara Contempornea: tendncias;

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    45

    MSICA E PSICOLOGIA / PSICOLOGIA E EDUCAO

    O Desenvolvimento Musicalsegundo Swanwick;

    Aspectos cognitivos do processo ensino-aprendizagem musical;

    A atividade musical num enfoque psicofisiolgico: o sensorial, o afetivo e o intelectual;

    A Psicologia e o desenvolvimento da sensibilidade musical;

    Pesquisa em Psicologia da Msica: temticas, perspectivas terico-metodolgicas, resultados e avanos;

    Cognio musical: escopo, abordagens, temticas e perspectivas futuras;

    Contribuies da Psicologia da Educao para a formao de professores de msica; MSICA E SOCIOLOGIA / SOCIOLOGIA E EDUCAO / FILOSOFIA E EDUCAO

    Multiculturalismo e atividade musical;

    O papel do ensino da Sociologia e Filosofia na formao de Educadores Musicais e Bacharis em Msica;

    O papel da Educao Musical na formao do cidado: conflitos sociais e desigualdades;

    Arte, Histria e Sociedade;

    A cultura popular X cultura das elites: a msica e seus rtulos;

    Contextos sociais de produo, circulao e apropriao da msica;

    Msica e Sociedade; MSICA E TECNOLOGIA

    Msica, Tecnologia e Inovao;

    Conceitos fundamentais da tecnologia de gravao de udio: analgica e digital;

    Msica e Tecnologia para formao de Educadores Musicais: comunicao e mdia digital para a sala de aula;

    A tecnologia e a msica: tcnicas modernas de produo musical;

    A tecnologia e a criao musical:ferramentas e tcnicas;

    Um olhar analtico e histrico da msica eletroacstica;

    Introduo sntese Sonora: conceitos e mtodos; MUSICALIZAO INFANTIL / DISCIPLINAS AFINS

    Fundamentos histricos, sociolgicos, filosficos e psicolgicos da Educao Musical;

    Processos de criao e seu papel na educao e no desenvolvimento musical. Descrio de atividades prticas;

    A contribuio de Dalcrose para a Educao Musical na infncia: princpios metodolgicos;

    A prtica de conjunto instrumental: possibilidades e desafios para o educador musical;

    Musicalizar crianas: princpios, objetivos e desafios;

    A educao musical como meio de transformao e incluso social;

    Teorias e mtodos de ensino e aprendizagem musical: fundamentos e tendncias; OBO / DISCIPLINAS AFINS

    Produo de palhetas: histria e prtica;

    Evoluo histrica do Obo: tcnica, repertrio e organologia;

    Metodologias para o ensino do Obo;

    O Obo no repertrio orquestral no Sc. XIX;

    O Obo nos Scs. XX e XXI: tcnicas e prticas;

    O repertrio para Obo na msica brasileira.

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance; PERCEPO MUSICAL / DISCIPLINAS AFINS

    Processos criativos e desenvolvimento de novas metodologias para o ensino/aprendizagem da Percepo Musical;

    Tcnicas e ferramentas no ensino coletivo de escalas e intervalos;

    Aplicao dos mtodos ativos (Dalcrose, Kodaly, Orff, Willems) no contexto da Percepo Musical;

    Metodologias para o ensino da Leitura Musical: Solfejo Absoluto x Solfejo Relativo (D Mvel);

    O papel do corpo e do movimento no desenvolvimento da percepo rtmica;

    Perspectivas da utilizao de novas ferramentas tecnolgicas nos processos de ensino/aprendizagem musical;

    Metodologias para o ensino de Percepo Musical voltadas msica contempornea; PERCUSSO / DISCIPLINAS AFINS

    Abordagens metodolgicas no ensino da percusso;

    A Percusso na Msica Sinfnica;

    A Percusso na Msica de Cmara;

    Baquetas: Definio e caracterstica determinantes de sua adequao seletiva;

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance;

    Histria e desenvolvimento da percusso na Orquestra sinfnica;

    Os Concertos contemporneos para Marimba, Xilofone e Vibrafone;

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    46

    PIANO B / TECLADO / INSTRUMENTO HARMNICO

    O Piano como instrumento complementar e de apoio atividade musical de instrumentistas: um plano de ensino para 02(dois) semestres da disciplina, para alunos do Curso de Bacharelado, nas habilitaes em cordas e sopros;

    O Piano como instrumento complementar e de apoio atividade musical de cantores: um plano de ensino para 02(dois) semestres da disciplina, para alunos do Curso de Bacharelado em canto;

    Propostas metodolgicas para o ensino coletivo do piano, como instrumento complementar, para 04(quatro) semestres, no Curso de Licenciatura;

    O ensino coletivo do Piano: lidando com a problemtica da execuo musical em grupo;

    Iniciando alunos no estudo do Piano, em Grupo: metodologias e estratgias de ensino;

    O processo de aprendizagem musical no mbito do ensino do Piano em Grupo: vantagens e desvantagens;

    A prtica de acompanhamento de melodias no instrumento harmnico e o ensino do acompanhamento em diversos ritmos: metodologia de ensino para aulas coletivas em nvel de graduao.

    PIANO / DISCIPLINAS AFINS

    A forma Sonata na msica para piano e sua relevncia na metodologia do ensino do piano;

    Elaborao de repertrio bsico e construo de um projeto pedaggico-musical para a formao do Bacharel em Piano;

    A construo do repertrio e a formao do pianista: a importncia de uma prtica interpretativa de obras de diferentes perodos;

    Diferentes abordagens didtico-metodolgicas e prticas pedaggicas para o ensino do piano.

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance;

    Leitura e memorizao: a sua importncia no desenvolvimento da performance. Estratgias utilizadas pelo professor;

    Aspectos histricos do piano: relaes entre o desenvolvimento do instrumento e do repertrio pianstico; PROFESSOR PIANISTA ACOMPANHADOR / DISCIPLINAS AFINS

    A atuao do Professor Pianista Acompanhador: atividades alm das fronteiras do seu instrumento;

    O papel multifacetado do Pianista Acompanhador: sua atuao, tambm, como msico de cmara e co-repetidor;

    O trabalho colaborativo do Professor Pianista Acompanhador: o alicerce musical da performance em instrumentos sinfnicos;

    Competncias e qualidades indispensveis ao Professor Pianista Acompanhador;

    A contribuio interpretativa e musical do Professor Pianista Acompanhador, na performance dos alunos instrumentistas;

    Fatores que influenciam o desempenho dos alunos instrumentistas, na atuao do Professor Pianista Acompanhador;

    A relao Professor Pianista Acompanhador e aluno: suas implicaes e desafios; REGNCIA / TCNICAS DE REGNCIA / DISCIPLINAS AFINS

    A linguagem do gesto do regente e suas implicaes na execuo de uma obra musical;

    Constituio da orquestra e particularidades de seus instrumentos;

    Ensaio: planejamento e tcnicas;

    O Maestro na prtica musical: problemticas e desafios;

    Aspectos interpretativos da execuo orquestral na Msica Brasileira;

    Aspectos interpretativos da execuo orquestral na Msica Romntica;

    Aspectos interpretativos da execuo orquestral na Msica Contempornea; SAXOFONE / DISCIPLINAS AFINS

    Possibilidades metodolgicas do ensino do Saxofone em grupo;

    Aspectos metodolgicos do ensino do Saxofone;

    Os rudimentos tcnicos do saxofone: produo sonora e respirao, embocadura, ergonomia, projeo, dedilhado elementar, vibrato e seu uso, tendncias e correes na afinao, tipos de articulao.

    Repertrio sinfnico e camerstico para Saxofone: principais compositores e seus contextos histricos;

    Anlise sobre as diferenas no emprego de tcnicas interpretativas do Saxofone, nas peas eruditas e nos gneros de msica popular;

    As possibilidades idiomticas e tcnicas do Saxofone;

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance; TROMBONE / DISCIPLINAS AFINS

    Papel e funcionamento da embocadura na produo do som em instrumentos de metal;

    Respirao e fraseado em instrumentos de metal - problemas e solues;

    Aspectos metodolgicos do ensino do Trombone;

    O Coral de Trombones como ferramenta pedaggica;

    Aspectos fisiolgicos no aprendizado do trombone;

    O ensino coletivo de instrumentos de sopro na perspectiva da formao de grupos de cmera e de bandas: concepes e fundamentos;

    O Trombone na Orquestra Sinfnica: apresentao de tcnica de estudo para os principais trechos orquestrais escritos para o instrumento;

    TROMPETE / DISCIPLINAS AFINS

    Papel e funcionamento da embocadura na produo do som em instrumentos de metal;

    Respirao e fraseado em instrumentos de metal - problemas e solues;

    Abordagens metodolgicas para a performance nos diferentes tipos de trompetes ( do Trompete natural ao de vlvulas)

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    47

    Bibliografia bsica utilizada para o ensino do Trompete no Brasil;

    Tcnicas fundamentais do Trompete: respirao, emisso e demonstrao prtica;

    O Trompete na Msica Brasileira de concerto;

    A Trompete na Orquestra Sinfnica: apresentao de tcnica de estudo para os principais trechos orquestrais escritos para o instrumento;

    VIOLO / DISCIPLINAS AFINS

    O ensino do Violo: abordagens metodolgicas;

    Aspectos particulares da performance no Violo: problemas comuns na prtica musical;

    O repertrio para Violo na Msica Brasileira;

    O ensino coletivo do Violo: aspectos metodolgicos;

    Repertrio Segoviano: compositores, obras e contextos.

    Aspectos interpretativos do repertrio para o violo do estilo Barroco;

    Elaborao de repertrio bsico e construo de um projeto pedaggico-musical para formao do Bacharel em violo VIOLINO / DISCIPLINAS AFINS

    A Tcnica do violino; mos e arco: velocidade, qualidade sonora e articulaes do instrumento, golpes de arco;

    A interpretao musical no violino envolvendo repertrio com obras de diferentes perodos histricos;

    O Violino na Msica de Cmara: as sonatas para Violino;

    Abordagens metodolgicas e material didtico para o ensino do violino;

    Projeto didtico de construo tcnica para a formao do violinista;

    O ensino coletivo das cordas friccionadas: aspectos metodolgicos para o ensino do Violino;

    O repertrio para Violino no Perodo Romntico: aspectos interpretativos, histricos e musicolgicos; VIOLONCELO / DISCIPLINAS AFINS

    Projeto didtico de construo tcnica para a formao do violoncelista;

    O ensino coletivo das cordas friccionadas: aspectos metodolgicos para o ensino do Violoncelo;

    O repertrio para Violoncelo do Perodo Barroco: aspectos interpretativos, histricos e metodolgicos, e sua relevncia no desenvolvimento da performance do Violoncelista;

    O repertrio para Violoncelo do Perodo Clssico: aspectos interpretativos, histricos e metodolgicos, e sua relevncia no desenvolvimento da performance do Violoncelista;

    As Sutes de J. S. Bach para Violoncelo: estratgias de execuo e aspectos interpretativos;

    A evoluo tcnica do Violoncelo e suas implicaes no desenvolvimento do seu repertrio;

    Repertrio nacionalista brasileiro: abordagem tcnico-interpretativa da obra para violoncelo de Villa-Lobos; Professor Titular CANTO / DISCIPLINAS AFINS

    As diversas escolas do canto erudito e suas nfases tcnicas;

    O ensino do Canto erudito: a construo da expressividade de acordo com o perodo histrico, estticas e tcnicas;

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance;

    O ensino do Canto erudito: escolas, tradies, tcnicas e estratgicas didticas;

    Literatura vocal de cmara: analise do repertrio e estratgias de ensino;

    Literatura Vocal Moderna e Contempornea (sculos XX e XXI): particularidades tcnicas, estticas e interpretativas;

    Literatura vocal erudita na musica brasileira: particularidades tcnicas, estticas e interpretativas; CLARINETE / DISCIPLINAS AFINS

    Repertrio para clarinete, principais compositores e seus contextos histricos

    Abordagens metodolgicas do ensino do Clarinete

    Relao msico/corpo/instrumento nos processos interpretativos

    A literatura da Msica Sinfnica para Clarinete;

    A msica para Clarinete no Brasil;

    Aspectos do ensino coletivo do clarinete aprendizagem colaborativa;

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance; DIDTICA / EDUCAO INCLUSIVA / METODOLOGIA DA EDUCAO MUSICAL

    O planejamento da aula de msica como ferramenta didtico-pedaggica: contedos/mtodos, objetivos especficos e formas de avaliao;

    Avaliao em msica: desafios e propostas em mbito quantitativo e qualitativo;

    Viso crtica das propostas metodolgicas dos principais educadores musicais;

    Didticas e Mtodos de Educao Musical: Psicopedagogia Musical;

    Os mtodos ativos de Educao Musical: princpios metodolgicos;

    Teorias e mtodos de ensino e aprendizagem musical: fundamentos e tendncias;

    Educao Musical especial, incluso e aes pedaggicas;

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    48

    FLAUTA TRANSVERSAL / DISCIPLINAS AFINS

    A evoluo histrica da Flauta Transversal: tcnica, repertrio e organologia;

    Abordagens metodolgicas para o ensino da Flauta Transversa;

    A msica brasileira para Flauta Transversal-solo;

    A Flauta Transversal, tcnicas e recursos expressivos

    Repertrio para Flauta Transversal: principais compositores e seus contextos histricos

    O ensino coletivo de instrumentos de sopro na perspectiva da formao de grupos de cmera e de bandas.

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance PERCEPO MUSICAL / DISCIPLINAS AFINS

    Processos criativos e desenvolvimento de novas metodologias para o ensino/aprendizagem da Percepo Musical;

    Tcnicas e ferramentas no ensino coletivo de escalas e intervalos;

    Aplicao dos mtodos ativos (Dalcrose, Kodaly, Orff, Willems) no contexto da Percepo Musical;

    Metodologias para o ensino da Leitura Musical: Solfejo Absoluto x Solfejo Relativo (D Mvel);

    O papel do corpo e do movimento no desenvolvimento da percepo rtmica;

    Perspectivas da utilizao de novas ferramentas tecnolgicas nos processos de ensino/aprendizagem musical;

    Metodologias para o ensino de Percepo Musical voltadas msica contempornea; PIANO / DISCIPLINAS AFINS

    A forma Sonata na msica para piano e sua relevncia na metodologia do ensino do piano;

    Elaborao de repertrio bsico e construo de um projeto pedaggico-musical para a formao do Bacharel em Piano;

    A construo do repertrio e a formao do pianista: a importncia de uma prtica interpretativa de obras de diferentes perodos;

    Diferentes abordagens didtico-metodolgicas e prticas pedaggicas para o ensino do piano.

    O uso de novas tecnologias na Educao musical, e suas implicaes no desenvolvimento da performance;

    Leitura e memorizao: a sua importncia no desenvolvimento da performance. Estratgias utilizadas pelo professor;

    Aspectos histricos do piano: relaes entre o desenvolvimento do instrumento e do repertrio pianstico; PROFESSOR PIANISTA ACOMPANHADOR / DISCIPLINAS AFINS

    A atuao do Professor Pianista Acompanhador: atividades alm das fronteiras do seu instrumento;

    O papel multifacetado do Pianista Acompanhador: sua atuao, tambm, como msico de cmara e co-repetidor;

    O trabalho colaborativo do Professor Pianista Acompanhador: o alicerce musical da performance em instrumentos sinfnicos;

    Competncias e qualidades indispensveis ao Professor Pianista Acompanhador;

    A contribuio interpretativa e musical do Professor Pianista Acompanhador, na performance dos alunos instrumentistas;

    Fatores que influenciam o desempenho dos alunos instrumentistas, na atuao do Professor Pianista Acompanhador;

    A relao Professor Pianista Acompanhador e aluno: suas implicaes e desafios; TROMPETE / DISCIPLINAS AFINS

    Papel e funcionamento da embocadura na produo do som em instrumentos de metal;

    Respirao e fraseado em instrumentos de metal - problemas e solues;

    Abordagens metodolgicas para a performance nos diferentes tipos de trompetes ( do Trompete natural ao de vlvulas)

    Bibliografia bsica utilizada para o ensino do Trompete no Brasil;

    Tcnicas fundamentais do Trompete: respirao, emisso e demonstrao prtica;

    O Trompete na Msica Brasileira de concerto;

    A Trompete na Orquestra Sinfnica: apresentao de tcnica de estudo para os principais trechos orquestrais escritos para o instrumento;

    VIOLO E GUITARRA ELTRICA / MSICA POPULAR / A MSICA DO MUNDO / DISCIPLINAS AFINS

    Aspectos particulares da performance no Violo e na Guitarra, no contexto da Msica Popular: problemas comuns na prtica musical;

    Compositores e repertrio para Violo solo na Msica Popular Brasileira;

    A Guitarra Eltrica como solista;

    Metodologias de ensino do Violo e da Guitarra: percepo e criao musical em processos educativos;

    Violo e Guitarra: conduo rtmica em gneros brasileiros;

    Aspectos didtico-pedaggicos do Ensino Coletivo de Violo e da Guitarra;

    Tcnicas de improvisao na Guitarra Eltrica; VIOLINO / DISCIPLINAS AFINS

    A Tcnica do violino; mos e arco: velocidade, qualidade sonora e articulaes do instrumento, golpes de arco;

    A interpretao musical no violino envolvendo repertrio com obras de diferentes perodos histricos;

    O Violino na Msica de Cmara: as sonatas para Violino;

    Abordagens metodolgicas e material didtico para o ensino do violino;

    Projeto didtico de construo tcnica para a formao do violinista;

    O ensino coletivo das cordas friccionadas: aspectos metodolgicos para o ensino do Violino;

    O repertrio para Violino no Perodo Romntico: aspectos interpretativos, histricos e musicolgicos;

  • FACULDADE DE MSICA DO ESPRITO SANTO MAURCIO DE OLIVEIRA

    F A M E S

    49

    ANEXO IV MODELO DE ATESTADO MDICO PARA PESSOAS COM DEFICINCIA Atesto para os devidos de direito que o Sr(a) ______________________________ portador da deficincia _____________ cdigo internacional da doena (CID) __________, sendo compatvel a deficincia apresentada pelo paciente com as atribuies do cargo _____________________ disponibilizado no Concurso Pblico da FAMES_______________________ conforme Edital do Concurso Pblico. Data: ______________ Nome, assinatura e nmero do CRM do mdico especialista na rea de deficincia/doena do candidato e carimbo, caso contrrio, o atestado no ter validade.

Recommended

View more >