Exercícios de República Liberal (1946-1964) Parte I ?· Exercícios de República Liberal (1946-1964)…

Download Exercícios de República Liberal (1946-1964) Parte I ?· Exercícios de República Liberal (1946-1964)…

Post on 12-Feb-2019

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>Este contedo pertence ao Descomplica. vedada a cpia ou a reproduo no autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. </p> <p>Material de apoio do Extensivo </p> <p>Histria Professor: William Gabriel </p> <p> Exerccios de Repblica Liberal (1946-1964) Parte I 1. (Enem) Zuenir Ventura, em seu livro "Minhas memrias dos outros" (So Paulo: Planeta do Brasil, 2005), referindo-se ao fim da "Era Vargas" e ao suicdio do presidente em 1954, comenta: Quase como castigo do destino, dois anos depois eu iria trabalhar no jornal de Carlos Lacerda, o inimigo mortal de Vargas (e nunca esse adjetivo foi to prprio). Diante daquele contexto histrico, muitos estudiosos acreditam que, com o suicdio, Getlio Vargas atingiu no apenas a si mesmo, mas o corao de seus aliados e a mente de seus inimigos. A afirmao que aparece "entre parnteses" no comentrio e uma consequncia poltica que atingiu os inimigos de Vargas aparecem, RESPECTIVAMENTE, em: </p> <p>a) A conspirao envolvendo o jornalista Carlos Lacerda um dos elementos do desfecho trgico e o recuo da ao de polticos conservadores devido ao impacto da reao popular. b) a tentativa de assassinato sofrida pelo jornalista Carlos Lacerda por apoiar os assessores do presidente que discordavam de suas ideias e o avano dos conservadores foi intensificado pela ao dos militares. </p> <p>b) O presidente sentiu-se impotente para atender a seus inimigos, como Carlos Lacerda, que o pressionavam contra a ditadura e os aliados do presidente teriam que aguardar mais uma dcada para concretizar a democracia progressista. </p> <p>c) O jornalista Carlos Lacerda foi responsvel direto pela morte do presidente e este fato veio impedir definitivamente a ao de grupos conservadores. </p> <p>d) O presidente cometeu o suicdio para garantir uma definitiva e dramtica vitria contra seus acusadores e oferecendo a prpria vida Vargas facilitou as estratgias de regimes autoritrios no pas. </p> <p> 2. (Enem) A moderna democracia brasileira foi construda entre saltos e sobressaltos. Em 1954, a crise culminou no suicdio do presidente Vargas. No ano seguinte, outra crise quase impediu a posse do presidente eleito, Juscelino Kubitschek. Em 1961, o Brasil quase chegou guerra civil depois da inesperada renncia do presidente Jnio Quadros. Trs anos mais tarde, um golpe militar deps o presidente Joo Goulart, e o pas viveu durante vinte anos em regime autoritrio. A partir dessas informaes, relativas histria republicana brasileira, assinale a opo correta. </p> <p>a) Ao trmino do governo Joo Goulart, Juscelino Kubitschek foi eleito presidente da Repblica. </p> <p>b) A renncia de Jnio Quadros representou a primeira grande crise do regime republicano brasileiro. </p> <p>c) Aps duas dcadas de governos militares, Getlio Vargas foi eleito presidente em eleies diretas. </p> <p>d) A trgica morte de Vargas determinou o fim da carreira poltica de Joo Goulart. e) No perodo republicano citado, sucessivamente, um presidente morreu, um teve sua posse </p> <p>contestada, um renunciou e outro foi deposto. </p> <p>Este contedo pertence ao Descomplica. vedada a cpia ou a reproduo no autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. </p> <p>Material de apoio do Extensivo </p> <p>Histria Professor: William Gabriel </p> <p> 3. (Enem) A consolidao do regime democrtico no Brasil contra os extremismos da esquerda e da direita exige ao enrgica e permanente no sentido do aprimoramento das instituies polticas e da realizao de reformas corajosas no terreno econmico, financeiro e social. </p> <p>Mensagem programtica da Unio Democrtica Nacional (UDN) 1957 Os trabalhadores devero exigir a constituio de um governo nacionalista e democrtico, com participao dos trabalhadores para a realizao das seguintes medidas: a) Reforma bancria progressista; b) Reforma agrria que extinga o latifndio; c) Regulamentao da Lei de Remessas de Lucros. </p> <p>Manifesto do Comando Geral dos Trabalhadores (CGT) 1962. BONAVIDES, P; AMARAL, R. Textos polticos da histria do Brasil. Braslia: Senado Federal, 2002 </p> <p> Nos anos 1960 eram comuns as disputas pelo significado de termos usados no debate poltico, como democracia e reforma. Se, para os setores aglutinados em torno da UDN, as reformas deveriam assegurar o livre mercado, para aqueles organizados no CGT, elas deveriam resultar em: </p> <p>a) Fim da interveno estatal na economia. b) Crescimento do setor de bens de consumo. c) Controle do desenvolvimento industrial. d) Atrao de investimentos estrangeiros. e) Limitao da propriedade privada. </p> <p> 4. (Enem) Em meio s turbulncias vividas na primeira metade dos anos 1960, tinha-se a impresso de que as tendncias de esquerda estavam se fortalecendo na rea cultural. O Centro Popular de Cultura (CPC) da Unio Nacional dos Estudantes (UNE) encenava peas de teatro que faziam agitao e propaganda em favor da luta pelas reformas de base e satirizavam o imperialismo e seus aliados internos. </p> <p>KONDER, L. Histria das Ideias Socialistas no Brasil. So Paulo: Expresso Popular, 2003 </p> <p>No incio da dcada de 1960, enquanto vrios setores da esquerda brasileira consideravam que o CPC da UNE era uma importante forma de conscientizao das classes trabalhadoras, os setores conservadores e de direita (polticos vinculados Unio Democrtica Nacional - UDN -, Igreja Catlica, grandes empresrios etc). Entendiam que esta organizao: </p> <p>a) Constitua mais uma ameaa para a democracia brasileira, ao difundir a ideologia comunista. b) Contribua com a valorizao da genuna cultura nacional, ao encenar peas de cunho popular. c) Realizava uma tarefa que deveria ser exclusiva do Estado, ao pretender educar o povo por meio da cultura. d) Prestava um servio importante sociedade brasileira, ao incentivar a participao poltica dos mais pobres. e) Diminua a fora dos operrios urbanos, ao substituir os sindicatos como instituio de presso poltica sobre o governo. </p> <p>5. O incio da implantao da indstria de base liga-se poltica nacionalista da era Vargas. As dificuldades externas, devido ao envolvimento dos pases industrializados nas guerras, contriburam para que se consolidasse a poltica das substituies das importaes. Dentre as </p> <p>Este contedo pertence ao Descomplica. vedada a cpia ou a reproduo no autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. </p> <p>Material de apoio do Extensivo </p> <p>Histria Professor: William Gabriel </p> <p> realizaes que marcaram o ltimo governo de Getlio Vargas (1951-1954), e que se tornaram importantes para o desenvolvimento econmico do pas, podemos citar: </p> <p>a) A transferncia da Capital Federal para Braslia. b) O programa de integrao econmica da Amaznia, com a instalao do porto livre de </p> <p>Manaus. c) O estabelecimento do monoplio da extrao e da refinao do petrleo. d) A instalao da indstria automobilstica no pas. e) A criao do Banco Nacional de Habitao. </p> <p>6. So caractersticas do segundo governo Vargas (1951-1954): a) Instabilidade poltica, crescente aumento do custo de vida, oposio sistemtica do PTB e </p> <p>PSD s medidas governamentais, no participao do capital estrangeiro nas atividades econmicas. </p> <p>b) Estabilidade poltica, desenvolvimento econmico, monoplio estatal do petrleo, apoio da ampla frente partidria (UDN, PTB, PSD, PCB) ao programa de governo. </p> <p>c) Crescente instabilidade poltica, aumento do custo de vida, greves, monoplio estatal do petrleo, sistemtica oposio da UDN ao governo. </p> <p>d) Intransigente defesa dos interesses populares, apoio sistemtico do Partido Comunista, monoplio estatal do petrleo, proibio da entrada de capitais estrangeiros no pas. </p> <p>e) Limitada participao do capital estrangeiro, nas atividades econmicas, controle da inflao, estabilidade poltica, oposio sistemtica da UDN e PC ao programa de governo. </p> <p>7. O desenvolvimento do governo de Juscelino Kubitschek, que se traduziu no Plano de Metas, foi realizado com: </p> <p>a) Imensas dificuldades porque no previa a utilizao de investimentos estatais. b) Considerveis investimentos da Comunidade Europeia e dos pases asiticos. c) Grandes investimentos do Estado e entrada macia de capital estrangeiro. d) Investimentos particulares nos servios pblicos e privatizao das empresas estatais. e) Imposio de restries nas atividades polticas e implantao da reserva de mercado para </p> <p>as empresas nacionais. </p> <p>8. Assinale a opo que apresenta uma caracterstica do quadro partidrio brasileiro, entre 1945 e 1964: </p> <p>a) Todos os Partidos surgidos ao final do Estado Novo representavam as foras de oposio ditadura. </p> <p>b) A UDN (Unio Democrtica Nacional), principal fora de oposio a Getlio Vargas, foi a grande vencedora nas eleies nacionais do perodo. </p> <p>c) A permanente e radical oposio entre PSD (Partido Social Democrtico) e PTB (Partido Trabalhista Brasileiro) pode ser associada oposio rural X urbano. </p> <p>d) Os maiores Partidos Polticos (PSD, UDN e PTB) eram organizaes criadas a partir de cpulas tendo limitadas bases populares. </p> <p>e) Os Partidos do perodo eram instituies fortemente marcadas por prticas democrticas e rigor doutrinrio. </p> <p>Este contedo pertence ao Descomplica. vedada a cpia ou a reproduo no autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. </p> <p>Material de apoio do Extensivo </p> <p>Histria Professor: William Gabriel </p> <p> 9. "Presidente Bossa Nova Bossa Nova mesmo ser Presidente Desta terra descoberta por Cabral Para tanto basta ser to simplesmente Simptico, risonho e original (...)" (Juca Chaves) A letra da msica se refere ao presidente JK, e o termo Bossa Nova, que aparece no final da dcada de 50 como movimento musical, passa a designar tudo que novidade, diferente, inusitado, inclusive o Presidente Juscelino Kubitschek (1956-1961), segundo Juca Chaves. As novidades na cultura, nessa fase, se davam paralelamente euforia desenvolvimentista, resultante da poltica econmica, que tinha como um dos objetivos: </p> <p>a) Nacionalizar o setor mineral e transformar o setor estatal e o privado nacionais em principais agentes do desenvolvimento econmico. </p> <p>b) Acelerar o desenvolvimento econmico, em particular o das indstrias, ainda que por meio de uma poltica inflacionria e de abertura para o capital estrangeiro. </p> <p>c) Desencadear um surto de progresso industrial e agrcola, com a redistribuio de terras, resolvendo todos os problemas estruturais do campo. </p> <p>d) Transformar os camponeses em trabalhadores assalariados com a consequente elevao da produtividade agrcola e dos investimentos no setor. </p> <p>e) Possibilitar o desenvolvimento agrcola, por meio de um vigoroso monoplio nacional dos chamados setores de ponta da nossa economia, obtendo grande apoio da burguesia nacional. </p> <p> 10. Cinquenta anos de progresso em cinco anos de governo foi o slogan do perodo de JK, caracterizado por: </p> <p>a) Conseguir eleger seu sucessor, graas estabilidade econmica gerada pelo Plano de Metas. </p> <p>b) Reprimir as oposies, anulando os direitos democrticos e a liberdade de imprensa. c) Reduzir a produo de bens de consumo durveis, voltando-se totalmente para a indstria </p> <p>de base. d) Acelerar o desenvolvimento industrial, internacionalizar nossa economia, gerando, contudo, </p> <p>endividamento e inflao. e) Acentuar o carter nacionalista de nossa economia, conforme o modelo varguista. </p> <p>Este contedo pertence ao Descomplica. vedada a cpia ou a reproduo no autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. </p> <p>Material de apoio do Extensivo </p> <p>Histria Professor: William Gabriel </p> <p> Gabarito 1. A 2. E 3. E 4. A 5. C 6. C 7. C 8. D 9. B 10. D </p>