evangelhos ap³crifos - caverna dos tesouros

Download Evangelhos Ap³crifos - Caverna dos Tesouros

Post on 14-Aug-2015

198 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

1

www.autoresespiritasclassicos.com Evangelhos Apcrifos Caverna dos Tesouros

Criao do Mundo Captulo 1 COM A GRAA de nosso Senhor Jesus, o Messias, iniciamos o livro sobre o desenvolvimento das estirpes, isto , a "caverna dos tesouros". O livro foi composto pelo senhor Santo Efrm. 2 Senhor! Ampara-me com a tua fora! Amm. 3 No princpio, no primeiro dia, no domingo santo, o primognito de todos os dias, Deus criou o cu e a terra, a gua, o ar e a Luz, isto , os Anjos e os Arcanjos, os Tronos, os Prncipes, as Dominaes e as Potestades, os Querubins e Serafins, as ordenaes e coortes dos

2

Espritos, e alm disso, as trevas, a luz, a noite, o dia, os ventos e as tempestades. Tudo isso foi criado no primeiro dia. 4 Naquele domingo, pairou sobre as guas o Esprito Santo, uma das Pessoas da Unidade Trina. E em virtude do seu flutuar sobre a superfcie da gua, esta foi abenoada, de modo a tornar-se geradora. Toda a natureza da gua ficou clida e fervente, e assim foi composto o fermento da Criao. 5 Assim como uma ave transmite o calor s suas crias estendendo sobre elas as suas asas protetoras, de sorte que o calor que elas emanam sobre os ovos possa formar os filhotes assim tambm, pela fora do Esprito Santo, o fermento da Criao foi unido gua, no momento em que Ele, o Parcleto, pairou sobre ela. 6 No segundo dia, Deus criou o cu inferior, e chamou o de firmamento. Isso revela que este no tem a mesma natureza do cu superior, e que a sua aparncia difere da do cu acima dele, isto , do cu superior, de fogo. Aquele segundo cu feito de luz, e este que se encontra abaixo dele composto de substncia concreta; chama-se firmamento porque possui uma natureza espessa, aquosa. 7 E Deus, no segundo dia separou as guas das guas isto , as guas superiores das guas inferiores. E no segundo dia, elas levantaram-se para o alto do cu como uma densa massa de nvoa; subiu e localizou-se acima do firmamento, no espao. Mas no se movia nem se derramava para lado algum. 8 No terceiro dia, Deus ordenou s guas abaixo do firmamento que se ajuntassem num lugar, e que aparecesse a parte seca. Quando ento a cobertura da gua foi retirada da superfcie da terra, revelou-se que esta no era consistente e firme, mas sim que possua uma natureza mida e flcida. 9 A gua ento agregou-se nos mares, mas tambm debaixo da terra, e sobre a terra, e acima da terra. E Deus criou no seio dela corredores, veios e canais, para o fluxo das guas, e tambm para os vapores que emanam da terra, a partir desses veios e cursos; criou tambm os calores e os frios, para o melhor benefcio da terra. Pois, na sua profundidade, a terra como uma esponja, porque se apia sobre as guas. 10 No mesmo terceiro dia, Deus ordenou terra que fizesse brotar ervas

3

por baixo dela. E assim, no seu seio, ela ficou prenhe de rvores, sementes, plantas e razes. No terceiro dia, Deus criou o sol, a lua e as estrelas. 11 E quando o calor do sol se estendeu sobre a superfcie da terra, esta endureceu a sua moleza, pois foi-lhe retirada a umidade e a fluidez das guas. Quando esquentou o p da terra, esta fez brotar rvores, plantas, sementes e razes, que no terceiro dia foram engendradas no seu selo. 12 No quinto dia, Deus deu ordens s guas, e estas produziram toda espcie de peixes possveis e frutos do mar, as baleias, o Leviat e outros animais de aparncia horrorosa, bem como os pssaros do ar e as aves aquticas. 13 No mesmo quinto dia, Deus criou da terra todo o gado, os animais selvagens e os animais predadores, cada um segundo a sua espcie. 14 No sexto dia, na sexta-feira, Deus formou Ado do p da terra, e Eva da sua costela. 15 No stimo dia, Deus descansou do seu trabalho, e assim esse dia foi chamado Sabbath. Captulo 2 A Criao do Homem 1 A criao de Ado ocorreu da seguinte maneira: 2 Quando no sexto dia, sexta-feira, reinava a paz sobre todas as ordenaes das Potestades, Deus disse: "Vamos! Faamos o homem nossa imagem e semelhana!" Com isso Ele dava a existncia s excelsas Pessoas. 3 Quando os Anjos escutaram essa palavra, encheram-se de medo e tremor, e disseram entre si: "Hoje veremos um grande prodgio, a forma de Deus, nosso criador". E eles viram a mo direita de Deus estender-se e alongar-se, e tudo o que foi criado abrangeu-se na sua direita. 4 Ento eles viram como Ele, de toda a terra, tomou uma pitada de p, de todas as guas uma gotcula, de todos os ventos um pequeno sopro, e de todo o fogo um diminuto halo de calor. E os anjos viram como esses quatro dbeis elementos, frio, calor, secura e umidade, foram depositados no cncavo da sua mo. Ento Deus plasmou Ado. 5 Mas com que outro objetivo teria Deus criado Ado desses quatro elementos, a no ser para que todas as coisas do mundo lhe fossem

4

submetidas? 6 Tomou um grozinho de terra, para que todos os seres que procedem do p servissem a Ado; uma gota de gua, para que tudo o que existe nos mares e nos rios se lhe fosse apropriado; um sopro de vento, para que todas as coisas do ar lhe fossem entregues; e um halo de calor, para que todas as naturezas e foras gneas estivessem a seu servio. 7 E Deus plasmou Ado com as suas mos santas, segundo a sua imagem e semelhana. Quando os Anjos constataram o seu aspecto magnfico, ficaram tocados pela beleza da sua figura. Pois viram que a imagem do seu semblante era luminosa como o brilho do sol, a luz dos seus olhos irradiava raios como a luz solar, e o brilho do seu corpo era como o do cristal. 8 Ele se alongou e ps-se de p no centro da terra. E colocou os seus ps naquele mesmo lugar em que foi erguida a cruz do nosso Salvador: da que Ado foi criado em Jerusalm. Ali que ele se revestiu das vestes da realeza; ali foi-lhe colocada a coroa real sobre a cabea. Ali ele foi constitudo rei, sacerdote e profeta; ali Deus f-lo assentar-se sobre o trono da sua glria. Ali Deus deu-lhe o domnio sobre toda a Criao. 9 L reuniram-se todos os animais selvagens, bem como o gado e as aves, e apresentaram-se diante de Ado; ento ele deu um nome a cada um e eles curvaram a cabea diante dele. Todas as espcies respeitavamno e serviam-no. 10 Os Anjos e as Potestades ouviram a voz de Deus, quando falou a ele: "Ado! Eu te constitu rei, sacerdote e profeta, bem como senhor, chefe e guia de todos os seres vivos e de toda a Criao. Todas as criaturas devero servir-te como coisa tua; dei-te o domnio sobre tudo o que foi por mim criado". 11 Ao ouvirem essas palavras, os Anjos todos puseram-se de joelhos e o adoraram. Captulo 3 Ado e Eva no Paraso 1 Quando o Chefe da ordem inferior viu a grandeza que foi conferida a Ado, teve inveja dele a partir daquele dia, no quis reverenci-lo, e falou assim aos seus potentados: "No o adoreis, nem vos submetais a ele corno os anjos o fizeram! Convm a ele adorar a mim, que persisto na luz e no

5

esprito; no convm a mim adorar o barro, adorar aquele que foi formado de um grozinho de p". 2 Assim props o Orgulhoso e tornou-se insubmisso; dessa forma, ele afastou-se de Deus, por seu livre-arbtrio. Ento ele foi expulso e caiu, ele com todas as suas hostes. A sua queda ocorreu no sexto dia, na segunda hora. Foram-lhe tiradas as vestes da sua glria. O seu nome passou a ser Satans, porque se apartou; e Scheda, porque foi precipitado; e Daiwa, porque perdeu as vestes da sua glria. 3 A partir daquele dia, at hoje, eles ficaram nus e despidos, com uma aparncia horripilante. Enquanto Sat era expulso do cu, Ado era exaltado, sendo levado ao Paraso num carro de fogo. Aos louvores dos Anjos, s glorificaes dos Querubins, aos benditos dos Serafins, Ado deu entrada no Paraso, sob jbilo e cnticos honorficos. 4 Quando ele chegou l no alto, foi-lhe determinado de qual rvore no poderia comer os frutos. A sua ascenso ao Paraso ocorreu na terceira hora de sexta-feira. 5 Deus ento infundiu-lhe um sono, e ele adormeceu. Em seguida, Deus tomou uma das suas costelas do lado do fgado, e com ela formou Eva. Quando, ao acordar, Ado viu Eva, alegrou-se grandemente com ela. Ado e Eva permaneceram por trs horas no Paraso, revestidos de glria e de esplendor. 6 O Paraso porm situava-se l no alto, trs ps acima das mais altas montanhas, segundo a medida do Esprito. E o profeta Moiss disse: "Deus plantou o Paraso no meio do den, enele colocou Ado, que Ele havia plasmado". Mas o den a santa Igreja, e a Igreja a misericrdia de Deus, que Ele guardava preparada para estend-la a todos os homens. 7 Porquanto Deus soubesse, na sua sabedoria paternal, o que Sat planejava contra Ado, antecipou-se e acolheu Ado no seio da sua misericrdia, segundo d'Ele fala o piedoso Davi no salmo: "O Senhor! Tu te tornaste uma morada para ns, para todo o sempre". Isto : "Permitiste que morssemos na tua misericrdia". 8 E quando ele suplicava a Deus pela libertao dos homens, dizia: "Recorda-te da tua Igreja, que de antemo fundaste!" Isso quer dizer: Recorda-te da tua misericrdia, que havias preparado, para esparzi-la sobre a nossa fraca gerao. O den a santa Igreja, e o Paraso o lugar

6

da paz e a herana da vida, que Deus preparou para todos os homens santos. Captulo 4 A Tentao do Paraso 1 Sendo Ado sacerdote, rei e profeta, Deus estabeleceu-o nas alturas do Paraso, para servir com honra, como o sacerdote na santa Igreja, e de que piedoso Moiss d testemunho: "Que ele a edifique", a saber, com o servio sacerdotal e louvores, "e que o guarde", isto , o Mandamento que lhe foi transmitido pela misericrdia divina. E Deus deixou Ado e Eva morarem no Paraso. 2 Verdadeira essa palavra, e anunciadora da verdade: Aquela rvore da Vida no meio do Paraso era o prenncio da cruz da Salvao, a rvore da Vida propriamente dita, e esta foi erigida no meio da terra. 3 Quando Sat viu que Ado e Eva viviam em esplendor no Paraso, ele, o Rebelde, ficou dilacerado e morto de inveja. Ento introduziu-se na serpente, e nela morou; voou com ela pelo espao at os limites do Paraso. 4 Por que introduziu-se na serpente e nela se escondeu? Porque ele sabia que o seu aspecto era horripilante. Se Eva tivesse visto a sua ap