Ética em Deleuze - Luiz B. L. Orlandi

Download Ética em Deleuze - Luiz B. L. Orlandi

Post on 30-Jun-2015

120 views

Category:

Documents

8 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Encontros Intensivos Entretempos Criao: Como recomear o novo? (pergunta deleuziana) Ex.: Voc usa a fora da gravidade para movimentar um moinho... Recomear o novo em todas as reas. Artes. Filosofia (linguagem). Religio. Poltica. Em Deleuze no h morte da filosofia. O filsofo um re-criador de conceitos. Iniciativa. Destruir a monotonia. Ressonncia. Vontade de Potncia uma disparao intensiva que no depende da sua conscincia. Deleuze relaciona a Vontade de Potncia de Nietzsche tica. A conscincia (assim como o corpo) no d conta de tudo que aquilo que nos atravessa. Voc no quer verdadeiramente quando no est tomado pela intensidade. tica no Moral que procura filiar-se a dispositivos do dever. tica (ou est) na imanncia (em Deleuze). A tica te conecta com modos de vida. O que vc quiser, queira-o at a ensima potncia. Aproximar-se da forma superior da Vontade de Potncia entregar-se a uma virtude que doa. A virtude que d... (nos encontros), a virtude da doao. Eu no sou o Fara do grupo, mas sim o colaborador do grupo. Somos condenados a absorver (capturar) partes do mundo para sobrevivncia. Isso ocorre tambm com linguagem. Eu absorvo o mundo e o mundo me absorve. (relaes constitutivas) Somos condenados a capturar partes do mundo pra sobreviver e insistir na sobrevivncia. Isto ocorre tambm nas idias... no esprito. Cada corpo combina-se dificilmente com os outros. Como estabelecer uma coexistncia intensiva para melhor?

Somos graus de potncia (essncia singular que me constitui) infinita da natureza. Em cada situao aumenta-se ou diminui essa potncia. A tristeza revela que estou perdendo potncia e a alegria revela ganho de potncia. Potncia intensidade. O reencontro acontece no outro. Intensivo entrelaado ao extensivo na pulsao da existncia. Prefiro morrer vivendo do que viver morrendo. H os encontros corporais e h tambm (nestes mesmos encontros) os incorporais. Quando Proust mastiga seu torro de acar ele fica extasiado e se pergunta (esta alegria no pode ter nascido deste pequeno torro) em verdade, ele resgata aquele bloco da infncia que restaura sua intensidade naquele momento. Devemos aprender a acolher o acontecimento. (Eu quero ser dono deste ltimo acontecimento). O ovo para os esticos: a lgica a casca a fsica da natureza a gema a clara a tica. Sem o caos no h como se criar nada. Ele o nosso pressuposto.