estudo de caso: recuperação das tapes magnéticas do ...· lizava bandas magnéticas ibm. este...

Download estudo de caso: Recuperação das tapes magnéticas do ...· lizava bandas magnéticas ibm. Este sistema

Post on 06-Dec-2018

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • #13 Abril > Junho 2010

    Boletim

    Recuperao das tapes magnticas do Gabineteda rea de Sines

    estudo de caso:

    Continua na pgina seguinte

    O Gabinete da rea de Sines foi criado por Decreto Lei n. 270/71 de 19 de junho, tendo como objetivos principais a implementao na rea de Sines, de uma zona de implantao concentrada de indstrias de base de construo de infraestruturas porturias, de transporte e urbanas e da constituio de um organismo encarregado de levar a cabo o conjunto de trabalhos requeridos pelo estudo, projeto e financiamento, realizao e gesto do complexo industrial e urbano a instalar.

    para sedes organicamente mais adequadas, tendo como objetivo a evoluo das suas estruturas atuais para as reas de planeamento, coordenao do desenvolvimento e promoo do investimento. No entanto esta descentralizao funcional no levou a cabo os seus objetivos e por Resoluo do Conselho de Ministros, o Governo determina a extino do gas, nomeando ao mesmo tempo um novo Conselho de Gesto com a incumbncia da reafectao de funes, pessoal e valores patrimoniais pelos organismos da Administrao Central e Local,

    Mais tarde e com base nas alteraes do modelo de desenvolvimento econmico do pas verificadas desde a criao do gas, o Conselho de Ministros,

    pela Resoluo n. 34/85 de 10 de julho, autoriza o Gabinete a propor iniciativas e a promover aes necessrias transferncia do seu patrimnio, funes e pessoal

  • vocacionados para o efeito; inspecionar a gesto e a situao econmica do organismo e preparar todos os instrumentos jurdicos conducentes referida extino.

    A extino do Gabinete da rea de Sines efectivou se com a publicao do Decreto Lei n. 228/89 de 17 de julho e pelo Despacho A 17/90 XI, de 24 de janeiro de 1991, o gas entrou em fase de liquidao. Por Portaria n. 504/2002 de 30 de abril fica a Direo Geral do Tesouro incumbida de tratar da transio das situaes jurdicas remanescentes da liquidao do gas e fica como fiel depositria do seu acervo documental.

    O ncleo documental produzido pelo gas foi incorporado a 17 de maro de 2008, no Arquivo Distrital de Setbal, arquivo dependente da Direo Geral de Arquivos.

    A documentao do gas extraordinariamente relevante pois contm informao essencial sobre o contexto econmico, social e tecnolgico portugus na segunda metade do sculo xx.

    A documentao incorporada inclui um conjunto de 118 tapes magnticas sobre as quais pouca informao existe a no ser a que vem inscrita nos respetivos contentores que referem tratar se do backup geral. Trata se de informao de natureza eletrnica presumivelmente contendo dados provenientes dos sistemas informticos que eram utilizados pelo gas. A pouca informao recuperada a partir da documentao analgica permite identificar o sistema Zylon que utilizava bandas magnticas ibm. Este sistema com caractersticas de mainframe, encontra se completamente obsoleto, o que torna especialmente problemtica a recuperao dos dados contidos nas tapes. Ignoramos todavia que tipo de formatos e qual o significado e estrutura da informao contidas nestes suportes.

    Considerando a sua atuao estratgica no mbito da preservao digital, a dgarq iniciou um processo indito em Portugal com o propsito de tentar recuperar os dados contidos nos referidos suportes. Este processo composto pelos seguintes passos:

    A leitura prvia das bandas magnticas para que tal seja alcanado necessrio encontrar dispositivos capazes de processar o formato das tapes. Trata se de um processo de difcil resoluo pois j no existem os dispositivos adequados leitura destes formatos de suporte. A leitura, a ser bem sucedida, permitir avaliar fisicamente o estado das tapes. No caso de se verificar deteriorao ao nvel estrutural esta pode comprometer definitivamente a recuperao da informao. Caso este primeiro passo seja bem sucedido, a tarefa seguinte ser: A recuperao lgica dos dados trata se basicamente de identificar o tipo de dados existente (numrico, textual) e a sua agregao, transpondo os para um suporte atual.

    Seguidamente haver que proceder : Identificao dos formatos nativos em que se encontram os dados originais, quase certamente obsoletos, e tentar convert los para formatos atualizados, preferencialmente compatveis com a preservao dos mesmos. Este processo implica ainda uma forte componente informtica pois caso a dgarq no disponha dos conversores adequados, ou estes no existam no mercado ou tenham sido desenvolvidos no mbito de outros projetos internacionais (por exemplo o planets), ser necessrio desenvolv los.

    Finalmente e assumindo que todos os passos anteriores sejam bem sucedidos, ser necessrio: Interpretar semanticamente os dados, ou seja, tentar perceber e

    contextualizar os dados recuperados no contexto funcional em que foram produzidos.

    Com efeito a informao lanada num suporte digital de forma diferente que gravada analogicamente. Muitas vezes a informao registada desprovida de contexto ou de metainformao explicativa pelo que no raras vezes assume a forma de sries numricas sem qualquer expresso semntica explicativa.

    A dgarq possui experincia a este nvel pois procedeu, com sucesso, recuperao semntica dos metadados relativos ao ncleo documental da Alta Autoridade Contra a Corrupo, fundo este que se encontra presentemente em fase de ingesto no roda (Repositrio de Objetos Digitais Autnticos) embora apenas venha a estar disponvel publicamente a partir de 2013.

    Dada a elevada especificidade tcnica informtica implicada no processo de recuperao de dados, a dgarq recorrer aos servios de uma empresa especializada Data Recover Center que ir tentar proceder leitura dos suportes e recuperao fsica dos mesmos.

    Trata se de um estudo de caso indito em Portugal e com o qual a dgarq pretende adquirir a prtica e os conhecimentos necessrios para vir num futuro prximo, a tratar de casos idnticos, pois constata se que na Administrao Pblica existem inmeros casos similares em que informao inativa reside em suportes desatualizados e ilegveis. Assim, a experincia adquirida neste domnio a nvel nacional permitir reduzir a perda de dados fulcrais para a compreenso da histria portuguesa desde o ltimo quartel do sculo xx at ao presente.

    Francisco BarbedoSub Diretor da D GARQ

    Continuao da pgina anterior

    02

    #1

    3 A

    bri

    l >

    Ju

    nh

    o 2

    01

    0

  • teima se em reter na memria, a velha imagem de que os arquivos so espaos de depsito onde se acumulam documentos, e onde o passado evoca a sua mera tendncia historicista.

    A actual sociedade da informao, exige por parte dos Arquivos Distritais, uma nova postura quer em contexto profissional, quer em novas e dinmicas estratgias a implementar junto da comunidade em que se insere.

    Os arquivos so hoje naturalmente interventivos e dinmicos junto da comunidade. So por isso instituies fundamentais, como impulsionadoras no domnio cultural, social e humano. Requer por isso, e da nossa parte, uma nova atitude, que na prtica, se movimente em novos desafios, evidenciados atravs de novas estratgias ao nvel da gesto, da preservao e, sobretudo na forma de comunicabilidade do nosso patrimnio arquivstico.

    O Arquivo Distrital de Bragana um espao de memria, que reflecte e transpira a sua prpria identidade histrica e cultural. O edifcio remete nos para uma viagem no tempo. O espao onde se insere, o Convento de S. Francisco devolve

    nos a sua temporalidade. Esta permanece intacta e, a essncia da sua arquitectura, manifesta se como monumento a visitar e percorrer obrigatoriamente na regio transmontana.

    O seu acervo diversificado, de grande importncia e, de uma riqueza incalculvel. A informao devidamente preservada, tratada e disponvel para consulta on line ou presencialmente, foi produzida pelas mais variadas entidades pblicas e privadas do distrito de Bragana.

    O seu perodo temporal situa se entre os scs. x e xxi. Cremos na importncia das novas ferramentas tecnolgicas e como a partir destas, o Tempo outrora gigante, nos aproxima no quase exacto momento de um pensamento. Esta a nova forma de tentarmos que a informao disponibilizada chegue ao nosso utente em qualquer parte do mundo. Observe nos, consulte nos em: www.adbgc.dgarq.gov.pt .

    O Arquivo tem como inteno a satisfao das necessidades de cada

    utente, disponibilizando, via Web, um leque de servios variados. Pode por exemplo consultar o acervo custodiado por este Arquivo, acessvel, on line, atravs do seguinte link http://digitarq.adbgc.dgarq.gov.pt

    Esperamos que nos acompanhe, partilhando crticas e sugestes com vista a um enriquecimento comunicacional comum.

    Alda Lusa Cando Berenguel Diretora d o Arquivo Distrital

    de Bragana

    Bragana A R Q U I V O S D I S T R I TA I S

    Sala de leitura

    Panoramica exterior do Arquivo

    03

    #1

    3 A

    bri

    l >

    Ju

    nh

    o 2

    01

    0

  • a revoluo republicanade Outubro de 1910 teve os seus protagonistas maiores ou menores, desde os malogrados responsveis pela insurreio, Miguel Bombarda e Cndido dos Reis, prematuramente mortos e logo transformados em mrtires do novo regime, consagrados em funerais nacionais que impressionaram os jornalistas estrangeiros presentes em Lisboa. Heri, desde logo, foi Machado Santos, em cujos ombros recaiu a responsabilidade de chefiar as foras dispersas que se concentraram na Rotunda e cuja persistncia conduziu os republicanos vitria. Por entre as deseres e as hesitaes, justificadas depois das mais diversas formas, destacaram se igualmente outros que assumiram papis secundrios mas decisivos no comando de grupos com misses especficas, dentro e fora do campo entrincheirado. Machado Santos no poupou elogios ao grupo de sargentos que ali tiveram um papel determinante, mas outros sargentos houve que deixaram o seu nome ligado Revoluo Republicana. Um deles