Estudo comparativo de variáveis isocinéticas do joelho de atletas de Taekwondo e Kickboxing

Download Estudo comparativo de variáveis isocinéticas do joelho de atletas de Taekwondo e Kickboxing

Post on 01-Mar-2016

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Estudo comparativo de variveis isocinticas do joelho de atletas de Taekwondo e Kickboxing - Fitness Performance.

TRANSCRIPT

  • 407Fit Perf J. 2009 nov-dez;8(6):407-11.

    ISSN 1519-9088

    Estudo comparativo dE varivEis isocinticas do joElho Em atlEtas dE taekwondo E kickboxing

    Susane Moreira Machado1 susanetkd@hotmail.comRenato Aparecido de Souza1,2 tatosouza2004@yahoo.com.br Adriano Prado Simo2 adrianopsimao@ig.com.brDiego Pereira Jernimo1 diego-jeronimo@hotmail.comNewton Soares da Silva1 nsoares@univap.brRodrigo Alxis Lazo Osorio1 ralo@univap.brMarcio Magini3 mmagini@hotmail.com

    doi:10.3900/fpj.8.6.407.p

    Machado SM, Souza RA, Simo AP, Jernimo DP, Silva NS, Osrio RAL, Magini M. Estudo comparativo de variveis isocinticas do joelho em atletas de taekwondo e kickboxing. Fit Perf J. 2009 nov-dez;8(6):407-11.

    RESUMOIntroduo: O objetivo deste estudo foi comparar variveis isocinticas do joelho, tais como pico de

    torque e relao de equilbrio agonista/antagonista, entre atletas de taekwondo (TKD) e kickboxing (KB). Materiais e Mtodos: Foram includos dez atletas de artes marciais do sexo masculino (183 anos, 1,759cm e 6510kg): cinco atletas de taekwondo e cinco atletas de kickboxing. Foi realizada avaliao do pico de torque e relao de equilbrio agonista/antagonista de flexores e extensores de joelho bilateralmente (dinammetro Biodex Multi-joint System 3). A anlise dos dados foi realizada por meio de estatstica no paramtrica (teste Mann-Whitney), adotando-se significncia estatstica de p

  • Machado, Souza, SiMo, JerniMo, Silva, oSorio, Magini

    Fit Perf J. 2009 nov-dez;8(6):407-11.408

    comparativE study of isokinEtic variablEs of thE knEE in taEkwondo and kickboxing athlEtEs

    ABSTRACT

    Introduction: The aim of this study was to compare isokinetic variables of the knee such as peak torque and relative balance of agonist/antagonist of knee flexors and extensors between athletes of kickboxing (KB) and taekwondo (TKD). Materials and Methods: Ten male athletes from martial arts were included in this study (183 years old, 1.759cm and 6510kg): five TKD athletes and five KB athletes. The assessment of peak torque and relative muscle balance was performed using the Biodex Multi-joint System 3 dynamometer. Data analysis was performed by means of non-parametric statistics (Mann-Whitney test) with statistical significance at p

  • Taekwondo e kickboxing

    409Fit Perf J. 2009 nov-dez;8(6):407-11.

    Pouca ateno tem sido dada ao desempenho mus-cular de atletas de artes marciais. De especial interesse para este estudo, merecem destaque as modalidades taekwondo (TKD) e kickboxing (KB).

    O TKD, cujo significado se traduz em caminho dos ps e da mo atravs da mente, de origem coreana, e se tornou oficialmente um esporte olmpico em 2000, nos Jogos de Sydney8. Os atletas de TKD de competio utilizam predominantemente os chutes rpidos e de alta amplitude na regio do tronco e da cabea do adver-srio, exigindo intensa utilizao dos msculos extenso-res e flexores do joelho. Dessa forma, tem sido relatada na literatura relativa frequncia de leses musculares em atletas que praticam esporte9. Por outro lado, o KB, chutar boxeando, de origem americana e se caracte-riza por permitir contato total entre os adversrios duran-te a competio. Atualmente, considerado um esporte de alta popularidade e estima-se que existam aproxi-madamente 1 milho de praticantes dessa modalidade em todo o mundo10. Durante essa prtica esportiva, os atletas executam e sofrem diversos golpes, tais como socos, cotoveladas, chutes e joelhadas. Embora essas duas modalidades exijam intensamente o recrutamento dos msculos envolvidos com os chutes, at o presen-te momento no foi encontrada na literatura nenhuma informao acerca do uso da dinamometria isocintica para avaliao muscular desses atletas.

    Diante do exposto e tendo em vista a escassez de tra-balhos cientficos envolvendo atletas de artes marciais, a proposta deste estudo foi comparar variveis isocin-ticas do joelho, tais como pico de torque e relao de equilbrio agonista/antagonista entre atletas de TKD e atletas de KB.

    MATERIAIS E MTODOS

    AmostraForam selecionados, por convenincia, dez atletas

    de artes marciais do sexo masculino, com idade mdia de 183 anos, altura de 1,759cm, massa corporal to-tal de 6510kg e ndice de Massa Corporal (IMC) de 213. Para anlise dos dados, a amostra foi dividida em dois grupos experimentais em funo da modalidade esportiva praticada: TKD (n=5) e KB (n=5). A mdia do tempo de treinamento desses atletas foi de 51 anos para o TKD e KB 21 anos. Para seleo da amostra, adotaram-se como critrios de incluso a inexistncia de qualquer leso musculoesqueltica, capacidade de realizar os testes experimentais e praticar TKD ou KB de duas a trs vezes por semana para participar em compe-ties de nvel estadual. Seriam excludos da amostra os voluntrios que tivessem apresentado algum tipo de le-

    so muscular nos ltimos seis meses e praticassem TKD ou KB de forma recreacional.

    Os voluntrios, aps serem esclarecidos sobre as finalidades do estudo e os procedimentos aos quais seriam submetidos, assinaram o termo de consenti-mento livre e esclarecido. Este estudo obedeceu s normas de realizao de experimentos envolvendo seres humanos segundo a resoluo especfica do Conselho Nacional de Sade (n. 196/96) e obteve aprovao do Comit de tica em Pesquisa (CEP) da Universidade do Vale do Paraba (Univap) sob proto-colo n. H307/CEP/2007.

    InstrumentaoO dinammetro isocintico Biodex Multi-joint System 3

    (Biodex Medical Systems, Inc., Nova Iorque, Estados Uni-dos foi utilizado para realizao das medidas de funo muscular do joelho (pico de torque e relao de equilbrio agonista/antagonista) na velocidade angular de 60/s.

    Dinamometria IsocinticaAntes do teste, os atletas realizaram um aquecimen-

    to em bicicleta ergomtrica por dez minutos. Aps o aquecimento, os atletas foram devidamente posicio-nados na cadeira do isocintico na posio sentada, com inclinao do tronco de 85 e coxas apoiadas no assento. O brao de alavanca do dinammetro foi posicionado paralelamente perna dos atletas com a resistncia fixada distalmente e o eixo do aparelho ali-nhado com o eixo do joelho. A estabilizao dos atle-tas na cadeira do dinammetro foi realizada por meio de cintos fixados no trax, pelve e coxa do membro a ser testado, sendo que o outro membro permaneceu fixo por um cinto adaptado cadeira. Em seguida, foi realizada a correo da fora da gravidade, uma vez que o desempenho no teste implica realizao do mo-vimento contra a gravidade11. Cada atleta realizou 15 repeties na velocidade de 60/s para flexo-extenso concntrica do joelho para se obterem as variveis pico de torque e relao de equilbrio agonista/an-tagonista. Foram analisadas somente as cinco primei-ras repeties, tendo em vista que as outras repeties foram para anlise de fadiga. A velocidade de 60/s foi escolhida uma vez que, em velocidades baixas, con-segue-se maior gerao de torque, aproximando-se mais do desempenho muscular mximo dos atletas11. A amplitude de teste foi limitada a 100, com incio em 110 de flexo e trmino em 10 de flexo de joelho. A amplitude de extenso completa foi limitada para evitar o efeito de insuficincia passiva dos isquiotibiais. Todos os testes foram realizados com estmulo verbal padro-nizado, a fim de motivar o esforo mximo dos atletas durante a realizao dos testes.

  • Machado, Souza, SiMo, JerniMo, Silva, oSorio, Magini

    Fit Perf J. 2009 nov-dez;8(6):407-11.410

    Variveis isocinticas A avaliao das variveis isocinticas pico de torque

    e relao de equilbrio agonista/antagonista de flexores e extensores de joelho, foi realizada inicialmente no mem-bro direito e, uma vez finalizada, no membro esquerdo. O pico de torque expresso em Newton x metro (N.m), e representou o maior torque da articulao do joelho dos atletas. A relao de equilbrio agonista/antagonista representou a razo entre o pico de torque dos flexores/extensores do joelho expressa em percentual (%), ou seja, o valor absoluto do pico de torque do isquiotibiais dividido pelo pico de torque do quadrceps multiplicado por 100.

    Anlise estatsticaPara anlise dos resultados, foi utilizado o pacote es-

    tatstico SPSS (Statistical Package for Social Science) ver-so 11.0. Foram realizadas as seguintes comparaes entre os atletas de TKD e KB: pico de torque extensor do membro inferior direito (PTED), pico de torque flexor do membro inferior direito (PTFD), pico de torque extensor do membro inferior esquerdo (PTEE), pico de torque flexor do membro inferior esquerdo (PTFE), relao de equilbrio agonista/antagonista do membro inferior direito (RED) e relao de equilbrio agonista/antagonista do membro inferior esquerdo (REE). Empregou-se o teste Mann-Whit-ney para comparao das amostras independentes (TKD x KB). A significncia estatstica adotada foi de p0,05) quando comparados bilateralmente os exten-sores e flexores de joelho entre as duas modalidades de artes marciais. Alm disso, observou-se que: a) a diferena mdia entre o PTED e PTEE nos atletas de TKD e KB foi de 2N.m (2,0%); b) a diferena mdia entre o PTFD e PTFE nos atletas de TKD foi de 1N.m (1,2%) e c) a diferena m-dia entre o PTFD e PTFE nos atletas de KB de 3N.m (4,3%).

    A Figura 1 apresenta a relao agonista/antagonis-ta de joelho, a qual possibilitou a anlise do equilbrio muscular dessa articulao entre os atletas. Observou-se que os atletas de TKD apresentaram equilbrio mus-cular de 572,3% tanto para o membro inferior direito quanto para o membro inferior esquerdo. Os atletas de KB apresentaram um equilbrio de 482,5% para o membro inferior direito e 471,8% para o membro in-ferior esquerdo entre os picos de torque de flexores/ex-tensores dos joelhos direito e esquerdo, respectivamen-te. Quando se compararam os valores encontrados de cada membro inferior entre os atletas de TKD e KB, no foram encontradas diferenas significativas (p>0,05).

    DISCUSSODiante da escassez de estudos envolvendo o desem-

    penho fsico de atletas praticantes de artes marciais e a real possibilidade de determinao de valores de refe-rncia para a funo muscular, especialmente predizen-do o risco de leses atravs da avaliao isocintica6,7, este estudo teve o propsito de comparar as variveis isocinticas pico de torque e relao agonista/anta-gonista dos msculos flexores e extensores de joelho de duas modalidades distintas: TKD e KB. Tem sido es-tabelecido que o treinamento esportivo pode ocasionar desequilbrios musculares relacionados flexibilidade e fora, aumentando o risco do desenvolvimento de le-ses12,13. Nesse sentido, Devan et al.14 observaram que jogadoras de basquete, futebol de campo e hquei na grama apresentaram risco aumentado de leso de jo-elho quando constatava-se na avaliao isocintica: diferena maior que 10% quando se comparavam is-quiotibiais e/ou quadrceps contralateralmente15 e dife-rena de isquiotibiais menor que 50 a 80% em relao ao quadrceps ipsilateralmente16.

    Pieter e Taaffe, citados por Pieter et al.17, testaram o pico de torque isocintico de atletas profissionais ameri-canos de TKD e encontraram uma relao agonista/an-tagonista de joelho menor que os valores considerados adequados, constatando-se que esses atletas teriam pre-disposio aumentada a leses de joelho. Embora no

    Pico de torque (N.m) TKD (n=5) KB (n=5)PTED 157,2325,34 148,4932,74PTEE 155,5317,78 146,0231,67PTFD 89,2113,03 71,7613,03PTFE 88,1312,97 68,9414,93

    Tabela 1 - Mdia do pico de torque dos msculos extensores de joelho direito (PTED) e esquerdo (PTEE) e flexores de joelho direito (PTFD) e esquerdo (PTFE) dos atletas de Taekwondo (TKD) e Kickboxing (KB)

    70

    60

    50

    40

    30

    20

    10

    0Direito Esquerdo

    Membro inferior

    Relao ag

    onista/antag

    onista (%)

    TKDKB

    Figura 1 - Relao agonista/antagonista de joelho nos atletas de taekwondo (TKD) e kickboxing (KB): valores expressos em mdia percentual (%)

  • Taekwondo e kickboxing

    411Fit Perf J. 2009 nov-dez;8(6):407-11.

    tenha sido encontrado nenhum estudo isocintico envol-vendo a modalidade KB, deve-se considerar que modali-dades esportivas que envolvam frequentes rotaes e mo-vimentos torcionais de joelho tambm esto relacionadas instabilidade e dor crnica dessa articulao18.

    Com relao ao pico de torque, foi observado que os atletas de TKD apresentaram valores superiores de pico de torque flexor e extensor em relao aos atletas de KB (Tabela 1). Embora essas diferenas no tenham sido significativas, deve-se levar em considerao o fato de o tempo de treinamento dos atletas de TKD ser supe-rior em relao ao dos atletas de KB (51 anos versus 21 anos, respectivamente). Em um estudo com atletas de outra modalidade das artes marciais, Probst et al.12 observaram atletas de carat com experincia mnima de dois anos e encontraram valores mdios de pico de torque (60/s) de quadrceps (190N.m) e isquiotibiais (115N.m) superiores aos atletas do presente estudo. Este fato deve ser considerado pela natureza distinta dos trei-namentos institudos em cada modalidade de arte mar-cial. Enquanto o treinamento de atletas de karat impe significativas foras articulares, em especial na execuo de exerccios de extenso de joelho, tais como o chute frontal12, os atletas de KB e TKD atribuem aos seus trei-namentos estratgias de sequncias de golpes (socos e chutes)8,10,19, no enfatizando toda a potncia e veloci-dade requerida pelos atletas de karat.

    Outro aspecto importante da varivel pico de torque a comparao bilateral dos flexores e extensores de joelho entre os atletas da mesma modalidade esportiva. A diferena mxima encontrada foi 4,3% para o pico de torque flexor dos atletas de KB. Considerando que aceita uma diferena de at 10% para essa avaliao15, sugere-se que exista nos atletas analisados um equilbrio adequado entre os msculos isquiotibiais direito e es-querdo e quadrceps direito e esquerdo.

    Com relao varivel isocintica equilbrio ago-nista/antagonista de flexores e extensores de joelho, observou-se que os atletas de ambas as modalidades esportivas apresentaram adequado equilbrio muscular bilateralmente, ou seja, uma diferena inferior a 50 a 80%4,16 (Figura 1). Esses dados parecem demonstrar um baixo risco de leso muscular por distenso na popu-lao estudada. De fato, embora as leses musculares tenham relativa frequncia de incidncia em atletas de TKD e KB, as leses mais prevalentes nessas modalida-des so as contuses musculares10,13,19.

    Por fim, considerando que a avaliao isocintica per-mite a determinao de valores de referncia para a funo muscular, a escassez de informaes cientficas referentes s modalidades esportivas analisadas e a experincia mni-ma de dois anos dos atletas que participaram deste estudo, a pequena e limitada amostra forneceu dados pioneiros

    e norteadores para o treinamento desses atletas e futuros estudos. Os resultados no indicaram diferenas entre as modalidades esportivas analisadas quanto s variveis iso-cinticas pico de torque e relao agonista/antagonista de joelho. Alm disso, os atletas analisados apresentaram equilbrio muscular adequado. Essas informaes sugerem que os atletas de TKD e KB da amostra analisada tm con-dies de fora semelhantes e baixo risco de leso muscu-loesqueltica associada articulao de joelho.

    REFERNCIAS 1. Terreri ASAP, Greve JMD, Amatuzzi MM. Avaliao isoci...