estratأ©gias para melhorar a procura de assistأھncia e ... a doenأ§a pulmonar obstrutiva...

Download Estratأ©gias para melhorar a procura de assistأھncia e ... A doenأ§a pulmonar obstrutiva crأ³nica (DPOC)

Post on 25-Aug-2020

0 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

    DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA 2016

    Darovys Gomez Gomez

    Estratégias para melhorar a procura de assistência e orientações medicas referentes às Doença Pulmonar Obstrutiva Cronica pela população residente na área

    correspondente a Unidade Básica de Saudê de Cantagalo, Paraná

    Florianópolis, Março de 2018

  • Darovys Gomez Gomez

    Estratégias para melhorar a procura de assistência e orientações medicas referentes às Doença Pulmonar Obstrutiva Cronica pela população residente na área correspondente a Unidade Básica de

    Saudê de Cantagalo, Paraná

    Monografia apresentada ao Curso de Especi- alização Multiprofissional na Atenção Básica da Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito para obtenção do título de Es- pecialista na Atenção Básica.

    Orientador: Ana Maria Mujica Rodriguez Coordenadora do Curso: Profa. Dra. Fátima Büchele

    Florianópolis, Março de 2018

  • Darovys Gomez Gomez

    Estratégias para melhorar a procura de assistência e orientações medicas referentes às Doença Pulmonar Obstrutiva Cronica pela população residente na área correspondente a Unidade Básica de

    Saudê de Cantagalo, Paraná

    Essa monografia foi julgada adequada para obtenção do título de “Especialista na aten- ção básica”, e aprovada em sua forma final pelo Departamento de Saúde Pública da Uni- versidade Federal de Santa Catarina.

    Profa. Dra. Fátima Büchele Coordenadora do Curso

    Ana Maria Mujica Rodriguez Orientador do trabalho

    Florianópolis, Março de 2018

  • Resumo Introdução: A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica é uma doença caracterizada por

    limitação do fluxo aéreo pulmonar, que traz prejuízo à diversa área da vida do paciente, sendo o tabagismo considerado um dos fatores desencadeante da DPOC. A morbidade em 2003 no Brasil foi a 5° maior causa de internações pelo SUS, e sua mortalidade ocupou a 4° posição de causa de morte no brasil. Entretanto os profissionais precisam elaborar ações voltadas as DPOC, buscar novos conhecimentos, trabalhando na Estratégia de Saúde da Família na promoção, prevenção e reabilitação da saúde. Objetivo: O presente traba- lho tem como objetivo geral conscientizar a população quanto à forma de prevenção e tratamento as DPOC, tendo como objetivos específicos buscar em artigos, folhetos e ban- ner, ações para atrair a população a procurar orientações quantos as DPOC e elaborar ações na unidade de saúde a fins de conscientizar a população sobre as DPOC. Meto- dologia: O trabalho será desenvolvido e implementando na unidade básica de saúde de Cantagalo/Paraná através de folhetos e banner educativos e realizado encontros sobre o assunto, utilizando outros meios para abranger o máximo de pessoas possível. Resulta- dos Esperados: Portanto o trabalho servirá para aumentar a buscar por conhecimento referente às diversas formas de prevenção e maior adesão ao tratamento; melhorando posteriormente a qualidade de vida da população.

    Palavras-chave: Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica, Prática Profissional, Prevenção Primária

  • Sumário

    1 INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

    2 OBJETIVOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 2.1 Objetivo Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 2.2 Objetivos Específicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

    3 REVISÃO DA LITERATURA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

    4 METODOLOGIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

    5 RESULTADOS ESPERADOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

    REFERÊNCIAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

  • 9

    1 Introdução

    A região consolidou-se com o surgimento da Freguesia de Nossa Senhora do Belém de Guarapuava, mais tarde Guarapuava. Durante muito tempo o povoado não evoluiu satisfatoriamente, servindo apenas de ponto de parada de viajantes e tropeiros, e o surto desenvolvimentista deu-se de forma lenta e gradual, com a vinda esporádica de novas famílias, principalmente oriundas dos Estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Em 14 de novembro de 1951, pela Lei Estadual n° 790, foi criado o Distrito Administrativo de Cantagalo, com seu território pertencendo ao Município de Guarapuava.

    Pela Lei Estadual n° 7.575, de 12 de maio de 1982, o distrito foi elevado à categoria de município, com território desmembrado do Município de Guarapuava. A instalação oficial deu-se no dia 1° de fevereiro de 1983 (IBGE, 2017). Possui uma população de 12. 952 habitantes segundo o último IBGE, tem um território de 585,520 km, com distância da capital de 329,20 km; Altitude em metro 840, Latitude 25°’22’28 S; Longitude 52°’ 07’35 W (IPARDES, 2017).

    A comunidade onde desenvolvo meu trabalho está inserida em um dos bairros mais antigo do município, e também o maior referente ao número de moradores da área, onde encontramos bastantes pessoas idosas. Está inserido no bairro o CRAS, da assistencial social, onde oferece apoio à comunidade da área, existe também um número grande de igreja, onde desenvolvem trabalho em pôr da sociedade. Não há lideres comunitário. Nessa área está inserida a Unidade Básica de Saúde da Família, uma escola municipal e estadual, e o CRAS citada anteriormente. Existe ginásio onde é realizado alguns esportes pela comunidade.

    Algumas famílias estão residindo em local inapropriado, onde não tem rede de esgoto, água tratada, coleta de resíduos (Saneamento Básico), e sem iluminação pública, pois algumas residências foram construídas em lugares impróprios. A maioria das famílias tem suas necessidades supridas apenas com o salário mínimos, tendo como complementação dessa renda os benefícios dos programas do governo, como bolsa família, programa para família de baixa renda (de água e luz); muitas famílias não têm renda fixa e recebe ajuda da secretaria da assistência social.

    Referente a saneamento básico (rede de esgoto, água tradada, coleta de lixo), as casa regular possui, as construídas irregulares ainda estão sem. As casas são construídas de al- venaria, madeira e mista (alvenaria-madeira). Portanto podemos observar que as famílias que estão em área planejadas e de construção regular, tem acesso a saneamento básico, iluminação pública. Os programas dos governos também amparam as famílias de baixa renda, entretanto o município oferece suporte básico (Saúde) para se mantem uma vida digna.

    Através da visita e cadastramento da população realizado pelos ACS, e alimentação

  • 10 Capítulo 1. Introdução

    de dados no sistema, obtemos os valores da população atendida pela equipe de saúde da Unidade Básica de Saúde (UBS) que corresponde a 927 no total, sendo o sexo feminino predominante neste setor. Quando dividimos esse número por faixa etária encontramos 170 pessoas com idade inferior a 20 anos. Durante as consultas podemos notar que os problemas de saúde mais frequente na população da UBS, são do trato respiratório e gastrintestinal. O número de hipertensos e diabéticos no setor é de 40 e 9 pessoas respec- tivamente. Atualmente na UBS, não tem nenhuma pessoa em tratamento de hanseníase ou tuberculose. Quando tem há o acompanhamento pela visita do ACS, visita domiciliar (Enfermeiro e Médico).

    São realizados encontros mensalmente com os hipertensos e diabéticos onde são abor- dados métodos preventivos e de promoção da saúde, contribuindo no esclarecimento de dúvidas. Durante a consulta é possível observa que as pessoas em torno de 30% procu- ram muito a unidade para fazer a substituição de alguns medicamentos da hipertensão arterial, outras 30% por causa de gripe, 20% por problemas gastrintestinais, um total de 10% por cefaleia e os que correspondem aos outros10 % são por alergias.

    Os atendimentos são programados segundo a demanda e prioridades, através consul- tas marcadas e reagendadas, acompanhamento domiciliar durante o tratamento. Segundo dados fornecidos pelo sistema de saúde do município, o número de óbito materno infantil foi de três no total entre 2015-2016, as causas nas certidões de óbitos foram por imaturi- dade extrema, deslocamento de placenta com hemorragia, afecções originadas no perinatal não especificada e morte materna não especificada que são representas pelo seguinte CID respectivamente PO72, P021, P696 e P95.

    Os dados obtidos na sala de imunização chegam a 89% de crianças até 1 (um) ano, com esquema de vacina em dias. Gestantes cadastradas no setor totalizam oito, que estão em acompanhamento médico. Observado a saúde materna infantil, percebemos que está cada vez melhorando, pois, doenças comuns que levavam antigamente a grande número de morte nessa faixa etária têm reduzido gradativamente. A cobertura do calendário vacinal atingindo seu objetivo, demostra o trabalho da equipe, principalmente na busca ativa de alguns casos. Podemos destacar alguns motivos de morte da população nos últimos tempos, residente do bairro como: infarto, AVC (Acidente Vascular Cerebral), câncer, acidente envolvendo alguns tipos de locomoção entre outros. A população idosa por ser mais vulnerável sempre tem por motivo de internação desidratação, fratura, doenças e/ou problemas respiratórios, hipertensão arterial e problemas que envolver o si

Recommended

View more >