esta palestra no poder ser reproduzida social na...slides a assist ncia social na...

Download ESTA PALESTRA NO PODER SER REPRODUZIDA   social na...SLIDES A ASSIST NCIA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE HEMOCEx Author:   Created Date: 6/21/2013 3:39:21 PM

Post on 13-Feb-2018

213 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • ESTA PALESTRA NO PODER SER REPRODUZIDA SEM A REFERNCIA DO AUTORREFERNCIA DO AUTOR

  • Irma Martins Moroni da Silveira

  • FALAR DA CONTEMPORANEIDADE REFLETIR SOBRE O TEMPO

    PRESENTE

    Falar do hoje da Assistncia Social;Falar do hoje da Assistncia Social;

    Como ela se organiza;

    O que se faz e se considera assistncia social em nossos dias.

  • A assistncia de hoje no o velho assistencialismo entendido como:

    Benesse;Benesse;

    Doao;

    Filantropia;

    Ao das primeiras damas

  • Ainda no podemos dizer que a assistncia social se libertou do

    assistencialismo das primeiras-damas, nitidamente patrimonial, que passou nitidamente patrimonial, que passou

    dcadas institucionalizado, e que ainda guarda resqucios no mbito da

    assistncia de hoje.

  • O assistencialismo acolhe afilhados que so privilegiados nas escolhas governamentais ou

    privadas.

    Isso se confronta com o Isso se confronta com o direito para todos.

  • E onde aparece o assistencialismo?

    nas polticas governamentais;

    na ao de entidades filantrpicas ou entidades na ao de entidades filantrpicas ou entidades sociais;

    identifica-se atravs de uma cumplicidade, um pacto entre aquele que concede um favor e o que recebe.

  • A assistncia como poltica pblica :-surge na Constituio Federal de 1988 no conjunto da seguridade social :previdncia,

    sade e assistncia social. -Esperou cinco anos para ser regulamentada -Esperou cinco anos para ser regulamentada

    atravs da Lei Orgnica da Assistncia Social,1993;

    -seu principal direito o BPC levou 8 anos para ser institudo!

  • O que significou a conquista da assistncia conquista da assistncia

    na seguridade social?

  • a assistncia social rompe com a prtica do favor e passa a ser direito do cidado e dever do Estado.

    a proteo social no contributiva destinada aqueles que no tm como prover sua existncia; que no tm como prover sua existncia;

    sua finalidade assegurar a cobertura de necessidades bsicas ;

    Assume como estratgias: programas, projetos, benefcios e servios destinados a vrios segmentos tais como crianas, deficientes, idosos e famlias entre outros.

  • Como Estado Federativo assentado , as trs instncias -Unio, Estados e Municpios - partilham aes, benefcios e servios do campo assistencial. So diretrizes: a descentralizao poltico administrativa que posiciona

    o municpio como um ente que, prximo da populao, deve executar os servios advindos dessa conquista; deve executar os servios advindos dessa conquista;

    a participao social, fundamental para a consolidao da assistncia social no que diz respeito ao controle social;

    criao de fundos da assistncia nos trs nveis de governo atravs dos quais devem fluir os recursos da assistncia social.

  • MARCOS JURDICOS LEGAIS MARCOS JURDICOS LEGAIS a Constituio Federal, 1988, artigos 203 e 204;

    a LOAS lei 8.742/93;

    NOB 1998, 1999, 2005;

    PNAS, 2004; PNAS, 2004;

    NOB-RH, 2006;

    Tipificao dos servios socioassistenciais;

    Lei 12 435/2011 que altera a LOAS e d vida ao SUAS;

    NOB /SUAS 2012.

  • MUDANAS QUE OCORRERAM COM A LOAS planos de assistncia social em 5.541 municpios

    Diagnstico scio territorialObjetivosDiretrizes e prioridadesAes estratgicasAes estratgicasResultados e impactos esperadosRecursos materiais, financeiros e humanosFontes de financiamentoCobertura da rede prestadora de serviosIndicadores de monitoramentoAvaliao

  • Poltica Nacional de Assistncia Social; -organizao da assistncia hoje, alicerada no Sistema nico de alicerada no Sistema nico de

    Assistncia Social(SUAS) este sistema que deve consolidar a Poltica

    na atualidade.

  • Quais so os princpios que regem PNAS/SUAS? Supremacia do atendimento s necessidades sociais

    sobre as exigncias de rentabilidade econmica;

    Universalizao dos direitos sociais a fim de tornar o destinatrio da ao assistencial alcanvel pelas destinatrio da ao assistencial alcanvel pelas demais polticas pblicas (rede intersetorial);

    Respeito dignidade do cidado, sua autonomia, ao direito a benefcios e servios de qualidade, bem como convivncia familiar e comunitria;

  • OBJETIVOS DA ASSISTNCIA SOCIAL NOS TEMPOS ATUAIS?

    Garantir a proteo social para garantir a vida,a reduo de danos e a preveno da incidncia de riscos; Proteger a famlia, a maternidade, a infncia,

    adolescncia e velhice; adolescncia e velhice; Amparar crianas e adolescentes carentes; Promover a integrao ao mercado de trabalho; Habilitar e Reabilitar das pessoas com deficincia e a

    promover sua integrao vida comunitria; e Garantir 1 (um) salrio mnimo de benefcio mensal

    pessoa com deficincia e ao idoso que comprovem no possuir meios de prover a prpria manuteno ou de t-la provida por sua famlia;

  • Garantir a vigilncia socioassistencial, que visa a analisar territorialmente a capacidade protetiva das famlias e nela a ocorrncia de vulnerabilidades, de ameaas, de vitimizaes e danos; ( NOB 2012)

    Defender os direitos visando garantir o pleno acesso aos direitos no conjunto das provises socioassistenciais. socioassistenciais.

  • PRESSUPOSTOS DO SUAS?

    O territrio/territorializao;

    Descentralizao poltico-administrativa ; Descentralizao poltico-administrativa ;

    A intersetorialidade ;

    O trabalho com famlias (matricialidade scio

    familiar);

  • Quais so os princpios organizativos da gesto da assistncia social?

    O SUAS vai buscar sua consolidao atravs da gesto

    compartilhada entre os entes federativos que devem compartilhada entre os entes federativos que devem

    trabalhar com base no co-financiamento, na

    cooperao tcnica;

    O SUAS deve se integrar rede publica e privada capaz de

    ofertar servios, programas e benefcios para

    operacionalizar a proteo social no contributiva;

  • A Unio, os estados e os municpios tm atribuies especiais e responsabilidades comuns e especficas na conduo da poltica; na sua organizao visando a ampliao e expanso das aes de assistncia social;

    os nveis de gesto proposto pela NOB/SUAS 2012 abrangem a gesto da Unio, dos Estados, do Distrito Federal e dos municpios; COMANDO NICO DAS AES;AES;

    Deve considerar as diversidades regionais e municipais;

    implementar a gesto do trabalho e a educao permanente na assistncia social; -RECURSOS HUMANOS.

    estabelecer a gesto integrada de servios e benefcios; e afianar a vigilncia socioassistencial e a garantia de

    direitos.

  • A gesto deve estar comprometida com a ampliao da proteo socioassistencial, contribuir para a erradicao do trabalho contribuir para a erradicao do trabalho infantil, realizar aes de enfrentamento pobreza, a extrema pobreza e as desigualdades sociais tendo sempre como horizonte a garantia dos direitos.

  • importante mencionar que a consolidao do Sistema no ocorre sem o controle social em todas as instancias do Estado. A intervenincia dos Conselhos envolve a fiscalizao dos fundos. Devem considerar: A aprovao da proposta oramentria;

    O acompanhamento da execuo oramentria e financeira;

    A anlise e deliberao da prestao de contas;

    Verificar a compatibilidade dos servios e custos;

    avaliar a qualidade dos servios.

  • Do ponto de vista da proteo Do ponto de vista da proteo social a assistncia se organiza social a assistncia se organiza

    atravs da proteo social bsica e atravs da proteo social bsica e atravs da proteo social bsica e atravs da proteo social bsica e proteo social especial de mdia e proteo social especial de mdia e

    alta complexidade: alta complexidade:

  • a proteo social bsica se faz atravs do conjunto de servios, programas, projetos e benefcios da assistncia social que visa a prevenir situaes de vulnerabilidade e risco social por meio do desenvolvimento de potencialidades e aquisies e do fortalecimento de vnculos familiares e comunitrios;fortalecimento de vnculos familiares e comunitrios;

    a proteo social especial: se organiza em um conjunto de servios, programas e projetos que tem por objetivo contribuir para a reconstruo de vnculos familiares e comunitrios, a defesa de direito, o fortalecimento das potencialidades e aquisies e a proteo de famlias e indivduos para o enfrentamento das situaes de violao de direitos

  • a media complexidade executada pela unidade publica denominada CREAS; enquanto a alta complexidade acolhe os usurios que tiveram laos familiares e comunitrios rompidos e necessitam de acolhimento institucional.

    A vigilncia socioassistencial tambm mencionada A vigilncia socioassistencial tambm mencionada como um dos instrumentos das protees da assistncia social que identifica e previne as situaes de risco e vulnerabilidade social nos territrios. (NOB 2012)

  • Constituem-se diretrizes para a concepo dos sistemas de informao no SUAS: A gesto da informao ocorre atravs de ferramentas

    tecnolgicas; so hoje componentes estratgicos no desenvolvimento do SUAS: Censo SUAS CadSUAS - Sistema de Cadastro do SUAS SUASWEB - Transferncia de recursos do FNAS, Plano SUASWEB - Transferncia de recursos do FNAS, Plano

    de Ao, Demonstrativo Sistema BPC na Escola Etc...

    Possibilita o compartilhamento da informao na esfera federal, estadual, do Distrito Federal e municipal e entre todos os atores do SUAS -trabalhadores, conselheiros, usurios e entidades;

  • Constituem-se diretrizes para a concepo dos sistemas de informao no SUAS: Promove a compreenso de uma nova cultura a ser

    disseminada na gesto e no controle social;

    disponi