espiral 44

Download Espiral 44

Post on 13-Jun-2015

269 views

Category:

Documents

7 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1. espiralda ANO xiIfraternitas moviment - ternit N.vimentoboletim da associao fraternitas movimento N. 44 JULHO/SETEMBRO- JULHO/SETEMBRO de 2011A cor agem do AMOR fERNANDO fLIX N ascida do corao de Deus, a Igreja existe para o amor. O conclio Vaticano II, no documento doinquietado, de onde retiro uma frase: Tu (Deus) criastes omundo, ns criamos o imundo..sobre a Igreja, Lumen Gentium, logo no nmero 1, diz que aIgreja instrumento de Deus para a unio de todos com Elee de todos entre si. Igreja existe para que possamos amar a A Fraternitas uma presena proftica de como possvel harmonizar o Eros com o gape. E no sa Fraternitas, mas todos os crentes e todas as associaes eDeus e nos possamos amar uns aos outros. por isso que ela todos os movimentos cristos que do testemunho prticose alegra com todas as tradies e leis que estreitam os laosde como no se pode amar a Deus que no se se no sesociais, religiosos, polticos e culturais entre todas as pessoas,ama o prximo que se v.pois assim se alcana a plena unidade com Jesus Cristo. P or sua vez, se uma tradio ou lei no servir o estreitamento dos laos pelo amor, deve ser abolida. Somos famlias crists, modelo para os jovens e as outras famlias. Anunciamos com a nossa vida oque significa ser uma s carne, isto , ser ntimos ao pontoE isto tanto na sociedade como, em particular, na Igreja. de deixar tudo e estar disposto a morrer pelo outro. Ser umaConcretamente, se organizao da Igreja no levar ao estreitars carne amar, e amar rir com quem ri, chorar com quemdos laos, comunho feita de iguais direitos e devereschora, andar com quem caminha, parar com quem descansa,diferentes toda a estrutura de carismas e ministrios, acabaria sonhar com quem sonha, viver consciente e voluntariamentepor ser intil e at prejudicial. a intimidade com quem se nos d totalmente. A sociedade, hoje, no gosta de Deus e, por isso, nogosta dos cristos. Mas, nos pases ocidentais, a Igrejae o Cristianismo tambm perdem fora proftica, porque oscristos adaptam-se em demasia ao modo de vida liberal.No so corajosos. Falta-lhes seguir a Jesus Cristo com aradicalidade dos mrtires. Vegetam no vazio espiritual. Felizmente, tambm h crentes enrgicos que atraemmultides. E isso nota-se quando o mundo prope oindividualismo, e os crentes propem a comunidade, quandoa sociedade impe o consumismo, e os crentes propem apartilha, quando o rudo social apregoa a indiferena, e a Igrejaprope o amor, quando os valores do mundo dizem que as N este boletim reflete-se sobre a crise e a falta de esperana, que exigem o vigor da f. Fala-se deNova Evangelizao, para dizer que ns que precisamosadversidades conduzem ao desalento e ento preciso destruiro que incomoda, os crentes dizem-se gratos e fortalecidospela esperana de um presente e futuro melhores. Sim, comde mudar e no o Evangelho. No pode acontecer na IgrejaJesus Cristo ganhamos confiana e sabemos que poderemoso que existe no desporto: quando se procura que os jogadoreschegar a fazer aquilo de que j tnhamos desistido.mudem de atitude e a equipa renda mais, d-se uma chicotadapsicolgica, ou seja, despede-se o treinador! E fala-se daqueleamor que os pensadores recortaram em trs definies: eros,filia e gape. Eros o amor carnal; filia o amor de amizade O Encontro Nacional, em Ftima, de 30 de setembroa 2 de outubro, vai implicar muita coragem. Acoragem do amor, pois coragem o amor em ao. Vamose gape o amor divino, o amor em estado puro. E osfalar de Mulheres no mundo e na Igreja. O que foi feito? Oextremos tornaram-se inconciliveis com o tempo, mas podemque falta fazer? E vamos discutir se a Fraternitas pode ouser reharmonizados. Termina o Espiral com um textono abrir-se a consagradas e consagrados no ordenadosdesvinculados dos seus votos. Que o Esprito nos ilumine!

2. documento2espiralLivros de associados da Fraternitaseditados em 2006 e 2008 Pelos meandros da produo literriaNo Espiral nmero 42 janeiro/Em 2008Jesus Ad Jesum per Mariam a ():maro de 2011 esto anuncia- ALGUMAS REFLEXES A o grande desconhecido dos fiis cristosdos os livros dos associados edi-PROPSITO DAS APARIEScontinua sendo a pessoa adorvel detados em 2009 e 2010, um EM LOURDES. Algumas ReflexesJesus de Nazar. () No h dvida debinio muito profcuo, tendo por nos 125 anos de culto a Nossa Senhoraque estamos em tempo de crise e combase os dados de que o secretari- de Lurdes nas Lajes do Pico e nos 150necessidade de mudana. () E na suaado dispe. prosseguir, agora,Vamos prosseguir, agor a, com um anos do seu aparecimento a Bernardette Mensagem de Pscoa, o nosso bispo, D.trinio. E solicitam-se dados rela-Soubirous, Artur Cunha de OliveiraAntnio de Sousa Braga, teve a clarivi-tivamente a quaisquer livros pu- (Angra do Herosmo, 2008), composi-dncia e a fortaleza de afirmar:blicados, prevendo o prximo arti- o e reviso da esposa, Antonieta Lo-Ns cristos deveramos estargo sobre o perodo 2003-2005.pes Oliveira, edio do autor, [em for-mentalizados e preparados para as mu-Parabns aos autores, e que Deus mato 17 cm/11.5 cm, 82 pginas]. danas necessrias na sociedade em queTrinolouvado!Uno e Trino seja louv ado! Em Nota Explicativa, na pgina 3:vivemos e tambm na Igreja a que per-Se puderem, levem os vossos li- este o texto da conferncia que pre-tencemos [] Qual fermento quer fer-vros e outras obras para os En- parei em resposta ao honroso convite menta a massa, a vida crist uma ca-contros Nacionais!... do vigrio da Matriz da Santssima Trin- minhada permanente de converso e, Urtlia Silva Urtlia Silvdade da nobre Vila das Lajes do Pico,portanto de mudana (o sublinhado reverendo padre Rui Silva, para com elameu), tambm na forma histrica de participar na preparao da solene festa presena no mundo (). em honra de Nossa Senhora de Lourdes (). Em vez de acender mais umaHISTORIAL DOS ARRUAMEN- consumptiva vela no altar da tradicional TOS DA VILA DE LAVRA, e popular devoo (), optei por Boaventura Santos Silveira (Lavra, 2008), reflectir um pouco sobre a atual situao[em formato A4, com 546 pginas]. de crise que j se verifica e avulta na Igreja Na Introduo: "Existem, no per- Catlica e no Cristianismo (). curso das nossas vidas, pessoas e factos Em Concluso, nas pginas 76-79: que nos marcam e lembram o que de A partir de 1891 at bem uma deze-mais importante e profundo subsiste no na de anos depois da implantao danosso ntimo, quase nos tatuando? a Repblica em Portugal, no passoualma, a partir do momento em que vi- ano em que no houvesse numa qual- vemos a oportunidade e/ou felicidade Deste trinio, em 2008, recebemos quer ilha dos Aores a inaugurao dede os encontrar e perscrutar. Ficaro in-o nmero duplo 31-32 da revista Refle- templo, ermida ou capela em honra ecrustados no nosso ser, quais pedrasxo Crist, propriedade e edio dolouvor de Nossa Senhora de Lurdes, granticas, belas e imutveis, fortes e sC.R.C. (Centro de Reflexo Crist), anem fosse trazida para um altar de lidas, como devem ser os pilares da exis-cuja Direo pertencia data o associa- igreja, ermida e capela no dedicada tncia de cada um de ns.do n. 33, Carlos Leonel Pereira dos a Nossa Senhora de Lurdes a sua"Mutatis mutandis", isto , mudan-Santos, que saudosamente partiu em 16veneranda imagem. () E que efei-do o que deve ser mudado, igualmentede outubro desse mesmo ano. A ele se tos resultaram dessa devoo e culto?os topnimos e antropnimos dosrefere outro membro da Direo, Gui- No possvel sab-lo. Tudo per-arruamentos da vila de Lavra nos re-lherme de Oliveira Martins, na pginamanece no recndito das conscincias e cordam atos e factos passados ou pes-11 desse mesmo nmero: () E no no mistrio que Deus. () Ademais, e soas que nos precederam."esquecendo a sua entrega causa do li-contrariamente ao que teolgica e pas- Do vereador do Pelouro da Culturavro cristo, como semente no mundo toralmente devia ser a devoo e o cul-da Cmara Municipal de Matosinhos:contemporneo. ()to a Maria de Nazar, Me do Senhor"Com este livro, Boaventura Silveira 3. documento l espiral 3volta a surpreender-nos. Depois do Prefcio de D. Manuel Martins, bis- lido a capela que tnhamos, para cons-exaustivo ensaio "PESSOAS DE LA- po emrito de Setbal: "Quando Pio XIItruir outra nova. () Vi-me assim obri-VRA" em dois volumes, o autor regres-proclamou o nosso Santo Antnio Dou-gado a escrever este livro, ao ritmo dosa com mais um estudo aprofundadotor da Igreja, anunciou-o ao mundo comandamento dos processos (ao longo desobre esta freguesia do concelho. Destauma carta que comeava assim: "Exulta,cinco anos). ().feita, sobre a origem e explicao das Portugal Feliz". Quando fao voltar Do III, Monfebres quer capeladesignaes das mltiplas artrias viri-s minhas mos o pri-as de Lavra. Da enigmtica e antiqussi- meiro volume dema designao da "minha" Rua dos Pessoas de Lavra" e ago-Imbelos at ao incontornvel Jos Do-ra me vejo perante ummingues dos Santos, so um sem-n- segundo, apetece-me,mero de interessantssimas e teis infor-mas a srio, servir-memaes que fazem, afinal, a Histria.das palavras do grande(...).Pontfice, para exclamar: "Exulta, Lavra Feliz". Em 2007 que mesmo caso para Nada consta no secretariado.isso. (...) So as pessoas que fazem a terra, que Em 2006 do alma e identidade "PESSOAS DE LAVRA" (2. volu- terra, que permitem queme), Boaventura Santos Silveira (Lavra,a terra no perca a2006), [em formato A4, com 572 pgi- memria. Est infelizmente em voga anova, pginas 87,89,92:nas]. (Nota: O 1. volume. foi publica-terrvel doena de Alzheimer, que tem () Foi assim que a 11/04/99,do em 1996). como primeiro sintoma e mais sentido() celebrava a primeira missa na nova agravo a perda de memria. medida capela ()A celebrao litrgica () foi que vamos perdendo memria, vamos animada com cnticos e com este tambm perdendo conscincia de ns. ofertrio solene: Esta doena no atinge, no atingir, Trazemos ao teu altar sobretudo pela sorte que Deus lhe con-Pra Vs, Senhora das Neves, cedeu na pessoa de seu ilustre filho Dr.Na luz pura desta vela Boaventura Silveira, que apreende, sen- Padroeira e Me to boa, te, co