Espécies Ephemeroptera

Download Espécies Ephemeroptera

Post on 16-Aug-2015

217 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Espcies de Ephemeroptera no Brasil

TRANSCRIPT

<p>http://www.biotaneotropica.org.brASESPCIESDEEPHEMEROPTERA(INSECTA)REGISTRADASPARAOBRASIL1. Museu de Entomologia, Departamento de Biologia Animal, Universidade Federal de Viosa. Viosa, Minas Gerais,Brasil.www.insecta.ufv.br/Entomologia/cien/sistematica/ephemeroptera/ephembrasil.htm2. Autor correspondente.E-mail: ffsalles@insecta.ufv.br3. Laboratrio de Insetos Aquticos (LABIAQUA), Departamento de Cincias Naturais, ECB, Universidade do Rio deJaneiro, CEP 20211-040, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.www.unirio.br4. Laboratory of Aquatic Entomology. Florida A&amp;M University, Tallahassee, Florida 32307, USA. www.famu.org/mayfly5. Universidade Federal de Viosa.Departamento de Biologia Geral, Viosa, Minas Gerais, Brasil.www.ufv.brAbstract(The species of mayflies (Ephemeroptera: Insecta) recorded from Brazil).A checklist of the Brazilian Ephemeropterafauna with all species, genera and families recorded from the country, including the states for which every species isreported, and the pertinent reference is presented.Comments on the status of knowledge of the Brazilian mayfly fauna arealso provided.Up to date, 10 families, 63 genera, and 166 species are recorded.Baetidae and Leptophlebiidae have morethan 50% of all records, while the North and Southeastern regions are significantly better studied than the other areas of thecountry.Key words: Brazil, mayflies, records, status of knowledge, South-America.Resumo(As espcies de Ephemeroptera (Insecta) registradas para o Brasil). Uma lista da fauna de Ephemeroptera do Brasil,com todas as espcies, gneros e famlias registrados para o pas apresentada, incluindo os estados para os quais asespcies esto reportadas assim como a bibliografia pertinente.Comentrios acerca do estado atual do conhecimento dafauna brasileira tambm so tecidos. At o presente momento 10 famlias, 63 gneros e 166 espcies esto registrados.Asfamlias Baetidae e Leptophlebiidae compreendem mais de 50% de todos os registros, enquanto as regies Norte e Sudesteso significativamente melhor estudadas que as demais.Palavras-chave: Brasil, Ephemeroptera, registros, estado do conhecimento, Amrica do Sul.Biota Neotropica v4 (n2) http://www.biotaneotropica.org.br/v4n2/pt/abstract?inventory+BN04004022004Frederico Falco Salles1,2; Elidiomar Ribeiro Da-Silva3; Michael D. Hubbard4 &amp; Jos Eduardo Serro5Recebido em: 11/07/2004Publicado em:27/10/2004http://www.biotaneotropica.org.br2Salles, F. F. (etal.) - Biota Neotropica, v4 (n2) -BN040040220041.IntroduoA ordem Ephemeroptera, composta atualmente porcerca de 4000 espcies, constitui o grupo mais antigo dentreos insetos alados.A incapacidade de dobrar suas asassobre o abdome, a presena de dez segmentos abdominais,assim como a pouca reduo numrica de suas nervurasalares,soalgumasdascaractersticasconsideradasarcaicas que persistem na ordem (Elouard et al. 2003).Seus integrantes so obrigatoriamente anfibiticos,com imaturos aquticos e adultos terrestres. Enquanto asninfasdeEphemeropteraexibemumavariedadedeestratgias alimentares (podem ser filtradoras, raspadoras,fragmentadoras, coletoras ou at mesmo predadoras) e vivemde algumas semanas a poucos anos, os adultos no sealimentam, possuem as peas bucais atrofiadas e tm umcurto perodo de vida, que em alguns casos no chega amais de duas horas.Efemerpteros exibem ainda umacaracterstica peculiar, presente apenas nessa ordem: aexistncia de um estgio alado intermedirio entre a ninfa eo adulto, denominado subimago ou subadulto.Ao contrriodos adultos, encontrados com relativa freqncia revoandosobre ou nas proximidades dos corpos dgua, as subimagosso menos ativas, ficando em geral pousadas s margensdos ambientes dos quais emergiram.As ninfas de Ephemeroptera constituem um dosprincipais grupos dentre os macroinvertebrados bentnicos.Alm de serem extremamente abundantes e diversas, ocupama maior parte dos meso-hbitats disponveis, desde aquelesem reas de remanso at os de forte correnteza.Como soem grande parte herbvoras ou detritvoras, e servem dealimento para uma srie de predadores, como outros insetose peixes, representam um importante elo na cadeia trficados ambientes aquticos.Em funo das distintas respostasapresentadas por suas espcies degradao ambiental, osEphemeroptera esto tambm entre os grupos mais utilizadosem programas de biomonitoramento de qualidade da gua.O conhecimento a respeito dos Ephemeroptera noBrasil,apesardeaindaincipiente,aumentouconsideravelmente nos ltimos anos.Um significativoaumento no nmero de artigos publicados, tanto tratandoda descrio de novos txons (Ferreira &amp; Domnguez 1992,Da-Silva &amp; Pereira 1993, Lugo-Ortiz &amp; McCafferty 1995,1996a, b, c, 1998, Molineri 1999, 2001, 2002, Salles &amp; Lugo-Ortiz 2002a, 2003a, b, Salles et al. 2003a, Lopes et al. 2003b,entre outros) como acrescentando novos registros dedistribuio de espcies j conhecidas (Da-Silva 1992, 1997,2003, Francischetti et al. 2003, Salles et al. 2003b, c, 2004b,aceito), praticamente dobrou, em duas dcadas, o nmerode espcies reportado para o Brasil.No entanto, como oltimo catlogo publicado envolvendo a ordem no pas datada dcada de 1980 (Hubbard 1982) e inexistem trabalhosabrangentesrelacionadosfaunabrasileiradeEphemeroptera, podemos considerar que as informaesacerca da ordem ainda encontram-se bastante dispersas.Anica exceo a isso diz respeito a duas listas, uma tratandodas espcies registradas para o Brasil e outra das espciesregistradas para o Estado de So Paulo, publicadas no siteEphemeroptera Galctica.No entanto, pode-se afirmar queambas as listas encontram-se desatualizadas.Informaes pertinentes distribuio das espciesno pas, por exemplo, na maioria das vezes s podem seracessadas atravs de trabalhos descritivos, muitas vezesantigos e nem sempre encontrados com facilidade.E, apesarde menos comum atualmente, gneros e famlias ausentesat mesmo na Amrica do Sul (e.g. Baetis Leach, 1815,PseudocloeonKlaplek,1905,Siphlonuriidae,Trichorythidae, entre outros) so eventualmente citados emartigos cientficos brasileiros.Fato esse que tambm podeser associado ausncia de chaves de identificao prpriaspara o pas (Da-Silva et al. 2003).No presente trabalho, tendo como objetivo principalintegrar o conhecimento acerca da fauna brasileira deEphemeroptera, apresentamos uma lista das espciesregistradas para o Brasil, acompanhada de suas distribuiespor estado e da bibliografia pertinente a cada registro.Emfuno desses dados, comentrios a respeito do panoramaatual relativo ao conhecimento da ordem no pas tambmso tecidos.A lista originada a partir do presente trabalhoest sendo disponibilizada on-line, no site Ephemeropterado Brasil, com o intuito de mant-la atualizada.2.MaterialemtodosA lista apresentada foi baseada primariamente nocatlogo de Ephemeroptera da Amrica do Sul (Hubbard1982),acrescidadosartigoscomrefernciaaopaspublicados desde ento at julho de 2004.A partir doconhecimento referente s espcies de Ephemeropteraregistradas para o Brasil, todos os artigos que tratavam dadescrio dessas espcies, ou que as registravam paraalguma localidade no pas, foram revisados a fim de se obteros estados para os quais elas se encontravam reportadas.Alistagem,apresentadaemordemalfabtica,encontra-se dividida em sees destinadas s famlias,subdivididas por sua vez em gneros e finalmente emespcies.Autor e ano dos gneros e espcies, assim comoos sinnimos de cada espcie, quando existentes, sofornecidos,permitindorpidoacessosdescriesoriginais.Citaes complementares s descries originaistambm foram adicionadas lista, de forma que o leitor possater acesso a toda bibliografia utilizada no trabalho.Aps o nome das espcies, a sigla do(s) estado(s)onde ela se encontra registrada aparece entre colchetes.Quando uma espcie est registrada para mais de um estado,os da mesma regio encontram-se separados por vrgulas,enquanto aqueles de regies distintas aparecem separadospor ponto e vrgula.As siglas seguem o padro normal paraabreviao dos estados: Regio Sul.PR, Paran; RS, Riohttp://www.biotaneotropica.org.br3Salles, F. F. (etal.) - Biota Neotropica, v4 (n2) -BN04004022004Grande do Sul; SC, Santa Catarina.Regio Sudeste.ES,Esprito Santo; MG, Minas Gerais; RJ , Rio de J aneiro; SP,So Paulo.Regio Centro-Oeste.DF, Distrito Federal; GO,Gois; MS, Mato Grosso do Sul; MT, Mato Grosso.RegioNordeste.BA, Bahia.Regio Norte.AC, Acre; AM,Amazonas; PA, Par; RO, Rondnia; RR, Roraima.Algunsestados das regies Nordeste e Norte no constam na lista,uma vez que para os mesmos no foram encontradosregistros de nenhuma espcie de Ephemeroptera (vejaDiscusso).Em poucos casos, ou por faltar uma refernciamais especfica sobre a localidade (alguns trabalhos antigoscitavam a localidade da espcie apenas como Brasil), oupela referncia constar apenas de uma localidade semespecificao do estado (e vrias localidades homnimasocorrem em diferentes estados), utilizada a seguintesimbologia [??].E, finalmente, quando no se sabe o estado,porm a regio onde a espcie foi encontrada conhecida,o nome da mesma escrito por extenso.O presente trabalho no tem por finalidade discutir avalidade das espcies descritas nem como dos registrosfornecidos, seu objetivo listar as espcies registradas parao Brasil que constam em artigos cientficos.Entretanto, trsespciesmerecemalgunscomentrios:Palingeniaatrostoma(Weber,1801)(Palingeniidae),Ephoronumbratum (Hagen, 1888) (Polymitarcyidae) e Deleatidiumvittatum Thew, 1960. Uma vez que a atual distribuio dafamlia Palingeniidae e dos gneros Ephoron Williamson,1802 e Deleatidium Eaton, 1899 (Leptophlebiidae), no incluia Regio Neotropical, dificilmente essas espcies pertencema esses gneros, ou mesmo Palingeniidae no caso de P.atrostoma.De acordo com Hubbard (1982), P. atrostomatrata-se provavelmente de uma Hexagenia (Ephemeridae)como abordado por Hagen (1871), enquanto E. umbratumseja possivelmente um Tortopus (Polymitarcyidae).D.vittatum, por sua vez, a despeito do que ocorreu com asdemais espcies sul-americanas de Deleatidium, no foitransferida para MeridialarisPeters &amp; Edmunds, 1972.Contudo, de acordo com Peters &amp; Edmunds (1972), a espcietambm no pertence a Deleatidium e s no foi transferidapara outro gnero uma vez que at ento s se conhecia afmea da espcie.As trs espcies esto sendo tratadascomo incertae sedis no presente trabalho.P. atrostoma e E.umbratum, por serem consideradas nomina dubia, no estosendo tratadas durante a discusso.3.ResultadosTabela 1.4.DiscussoAo todo est registrado para o Brasil um total de dezfamlias, 63 gneros e 166 espcies de Ephemeroptera.Dasfamliasregistradasparaopas,Coryphoridae,Melanemerellidae e Ephemeridae so representadas porapenas uma espcie (Figs 1 e 2).No caso das duas primeiras,ambas so monotpicas, sendo Melanemerellidae endmicapara o Brasil at o momento.Dentre as famlias mais numerosas, Baetidae eLeptophlebiidae se destacam, comportando ao todo maisde 60% dos gneros e 50% das espcies brasileiras.Essegrande nmero de espcies e gneros pode ser devido: (i) prpriadiversidadedosdoisgrupos,BaetidaeeLeptophlebiidae compreendem uma grande porcentagem dosgneros e espcies de Ephemeroptera em todo o mundo; e(ii) o fato de terem sido o alvo principal de grande parte dostrabalhos recentes lidando com a ordem na Amrica do Sul.Das cerca de 70 espcies de Ephemeroptera registradas parao Brasil a partir da dcada de 1980, 45 pertencem a essasduas famlias.AsfamliasCaenidae,LeptohyphidaeePolymitarcyidae, comportam basicamente a totalidade dasespciesegnerosrestantes.EnquantoCaenidaeeprincipalmente Leptohyphidae, desde as dcadas de 1980(Malzacher 1986, 1990, 1998, Pereira &amp; Da-Silva 1990a, Da-Silva 1993a, b) e final da de 1990 (Molineri 1999, 2001, 2002,2003),respectivamente,tiveramseuconhecimentosignificativamenteincrementado.ComrelaoaPolymitarcyidae, trabalhos recentes a respeito do grupo sopraticamente inexistentes, sendo a validade de muitas desuas espcies questionvel.Euthyplociidae, a despeito do reduzido nmero detxons registrados para o Brasil, s no est representadano pas por um gnero e duas de suas espcies at omomento descritas para todo o continente americano.Domnguez et al. (2002) sugerem que sua situao em toda aAmrica do Sul no seja muito alterada, talvez com apenasuma ou outra espcie ainda estando por ser descrita.Oligoneuriidae, por outro lado, encontra-se numasituao pouco usual.Apesar do baixo nmero de espciesreportadas para o Brasil, o de gneros pode ser consideradorelativamente elevado.No s tal contraste aponta para umnmero alto de espcies por serem descritas, como tambma diversidade de gneros como Lachlania Hagen, 1868 eHomoeoneuria Eaton, 1881, em outras reas do continenteamericano.No que diz respeito ao conhecimento da ordem comrelao s localidades brasileiras facilmente notado quedeterminados estados e regies concentram a grande maioriadosregistros,enquantooutrasreasrepresentamverdadeiras lacunas (Fig. 3, Tabela 2).As regies Sudeste eNorte so, seguidas de perto pela Regio Sul, as com omaior nmero de registros de espcies, gneros e famlias(Fig. 3).Das famlias reportadas para o Brasil, apenas aspossivelmente endmicas, Melanemerellidae e CoryphoridaenoestorepresentadasnoNorteenoSudeste,respectivamente.A Regio Sul, ao contrrio, apesar dehttp://www.biotaneotropica.org.br4Salles, F. F. (etal.) - Biota Neotropica, v4 (n2) -BN04004022004 Baetidae 31%Caenidae 5%Coryphoridae 2%Ephemeridae 2%Euthyplociidae 3%Leptohyphidae 9%Leptophlebiidae 31%Melanemerellidae 2%Oligoneuriidae 10%Polymitarcyidae 5%Figura1.ProporodegnerosdeEphemeropteraregistradosparaoBrasilcomrelaosfamlias. Baetidae 27%Caenidae 9%Coryphoridae 1%Ephemeridae 1%Euthyplociidae 2%Leptohyphidae 11%Leptophlebiidae 27%Melanemerellidae 1%Oligoneuriidae 5%Polymitarcyidae 16%Figura2.ProporodasespciesdeEphemeropteraregistradasparaoBrasilcomrelaosfamlias.http://www.biotaneotropica.org.br5Salles, F. F. (etal.) - Biota Neotropica, v4 (n2) -BN04004022004Figura3.MapadoBrasilindicandorespectivamenteonmerodefamlias(f),gneros(g)eespcies(s)deEphemeropteraregistradoparaassuascincoregies.http://www.biotaneotropica.org.br6Salles, F. F. (etal.) - Biota Neotropica, v4 (n2) -BN04004022004apresentar um nmero aproximado de espcies ao das duasregies anteriores, tem um valor menor de gneros e famlias.Enquanto as regies Sul e Sudeste apresentam umnmero semelhante de registros por estados (Tab. 2), excetopara o Esprito Santo, os dados da regio Norte encontram-se concentrados nos estados do Amazonas e Par.Almdisso, e tal situao s similar no Nordeste (veja abaixo),alguns de seus estados como o Amap e o Tocantins nopossuemrefernciaanenhumaespcienominaldeEphemeroptera.Da mesma forma, o que se conhece acercada ordem no Acre, Rondnia e Roraima tambm pode serconsiderado praticamente nulo.NasregiesCentro-OesteeNordeste,oconhecimento a respeito dos Ephemeroptera comea a ficarmuito aqum do satisfatrio.reas prioritrias para que setornepossvelcompreenderadistribuiodosrepresentantes da ordem no Brasil e, conseqentemente, naAmrica do Sul, so as menos conhecidas.A regio Centro-Oeste, segunda maior em extensodo Brasil ocupando quase 20% do territrio nacional,apresenta um nmero de registros, apesar de cr...</p>