escolana 2015 - cpbeducacional.sites.cpbeducacional.com.br · jogral: montar um grupo de alunos;...

of 8 /8
cultura e lt a e a e a e tur e aprendizado ap prend dizad do ado do diz diz pren pren ap ap p cultura e cul ltura tur tur cul cul Escola na MAIO/2015 Pesquisa (Os escravos e a princesa) ................................ Pág. 17 Disciplinas Língua Portuguesa História Ensino Religioso Arte / Música Conteúdo do Abolição da escravatura Objetivos Mostrar na Bíblia como a poesia e a música estavam presen- tes nas celebrações de alegria e vitória. Despertar nos alunos o gosto pela leitura e a produção poética que lembrem a história do Brasil. Incentivar o desenvolvimento da linguagem oral e corporal, por meio da música, declamação e representação. A data comemorativa da libertação dos escravos, por vezes, nem é lembrada com atividades nas escolas. Talvez por- que se passaram tantos anos e, a escravatura não sendo nossa realidade, preferimos deixar passar a memorável data de 13 de maio. A ideia deste mês é que a escola monte um sarau literário. Os professores, com a coordenação pedagógica, podem ela- borar um projeto interdisciplinar com um programa especial, inclusive envolvendo o Dia das Mães. © Incomible, Serhiy Kobyakov e Monticellllo | Fotolia SARAU DA LIBERDADE D w e R F 1 na Escola

Upload: hoangkhanh

Post on 12-Dec-2018

222 views

Category:

Documents


0 download

TRANSCRIPT

cultura ecultura ecultura ecultura ecultura ecultura ecultura eaprendizado

aprendizado

aprendizado

aprendizado

aprendizado

aprendizado

aprendizado

aprendizado

aprendizado

aprendizado

aprendizado

aprendizado

aprendizado

aprendizado

cultura ecultura ecultura ecultura ecultura ecultura ecultura e

Escola na

MAIO/2015

Pesquisa (Os escravos e a princesa) ................................ Pág. 17Disciplinas

Língua Portuguesa

História

Ensino Religioso

Arte / Música

Conteúdo do Abolição da escravatura

Objetivos Mostrar na Bíblia como a poesia e a música estavam presen-tes nas celebrações de alegria e vitória.

Despertar nos alunos o gosto pela leitura e a produção poética que lembrem a história do Brasil.

Incentivar o desenvolvimento da linguagem oral e corporal, por meio da música, declamação e representação.

A data comemorativa da libertação dos escravos, por vezes, nem é lembrada com atividades nas escolas. Talvez por-que se passaram tantos anos e, a escravatura não sendo

nossa realidade, preferimos deixar passar a memorável data de 13 de maio.

A ideia deste mês é que a escola monte um sarau literário. Os professores, com a coordenação pedagógica, podem ela-borar um projeto interdisciplinar com um programa especial, inclusive envolvendo o Dia das Mães.

©

Inco

mib

le, S

erhi

y Ko

byak

ov e

Mon

ticel

lllo

| Fot

olia

SARAUDA LIBERDADE

D

we RF

1 naEscola

AtividadesQuadro de atividades por disciplina:

LÍNGUA PORTUGUESA HISTÓRIA ENSINO RELIGIOSO ARTE MÚSICA

Fazer leitura de poesia, sonetos e

poemas.

Fazer leitura de livros que falam sobre a vida e a

libertação dos escravos.

Ler na Bíblia sobre a libertação do povo

de Israel em Gênesis 13 a 15.

Pesquisar a respeito da pintura e da

estamparia africana.

Ouvir com os alunos várias interpretações da

música "Êxodos".

Alunos devem compor poesias com o

tema “liberdade”.

Montar painel de personalidades

fundamentais para a Abolição no Brasil.

Encenar com a turma a libertação

do povo de Israel e a saída do Egito.

Em duplas, os alunos devem pintar

cartolinas com estamparia afro.

Ensaiar uma banda rítmica.

Depois de todas as atividades concluídas, elaborar o programa de culminância: o Sarau da Liberdade.

Fazer convite do evento para a comunidade. Preparar um espaço com palco e painel de fundo (montar com as pinturas de estamparia afro).

Mais ideias

PROGRAMA SUGESTIVO

ABERTURA Encenação narrada em dois atos (música ao fundo: "Êxodos") • 1º ato: o povo de Israel sendo escravo no Egito• 2º ato: a libertação do povo e a saída do Egito

MÚSICA INSTRUMENTAL Um professor apresenta o evento e explica como ele foi preparado pelos alunos, introduzindo o tema da escravatura e contextualizando as cenas vistas no primeiro momento com os momentos seguintes.

Declamação de duas poesias (por alunos, que devem estar trajados tipicamente, conforme a época).

MÚSICA CANTADA História: cena de avó negra contando aos netos como a família dela foi trazida cativa para o Brasil.

Depois de todas as atividades concluídas, elaborar o programa de culminância: o Sarau da Liberdade.

Encenação narrada em dois atos (música ao fundo:

1º ato: o povo de Israel sendo escravo no Egito2º ato: a libertação do povo e a saída do Egito

Um professor apresenta o evento e explica como ele foi preparado pelos alunos, introduzindo o tema da escravatura e contextualizando as cenas vistas no

História: cena de avó negra contando aos netos como a família dela foi trazida cativa para o Brasil.

©

Serh

iy K

obya

kov

e Pa

nya

| Fot

olia

2 naEscola

MÚSICA INSTRUMENTAL – BANDA RÍTMICA Jogral: montar um grupo de alunos; cada um deve-rá declamar um verso da poesia “Navio Negreiro”, de Castro Alves.

CANTIGA DE RODAUm grupo de crianças encena como se estivesse brincando e cantando cantigas de roda: Escravos de Jó / De abóbora faz melão...

Declamação de três poesias por alunos vestidos como escravos.

MÚSICA CANTADA POR CRIANÇAS: CORAL INFANTILEncenação narrada em três atos:• 1º ato: narrador fala sobre a lei do Ventre Livre,

enquanto três meninas entram com bonecas negras nos braços, festejando a liberdade dos bebês.

• 2º ato: narrador fala sobre a Lei dos Sexagená-rios, enquanto três meninos (como se fossem idosos) entram com correntes rompidas; estão livres.

• 3º ato: Princesa Isabel assina a Lei Áurea.

Coral infantil: crianças entram no auditório cantando, para encerramento do sarau.

Obs.: Cada escola deve adaptar o programa de acordo com o número de crianças para participar, e também de acordo com o espaço disponível para realizar um bom evento, com a presença de convidados.

Atenção!

Aproveite a ocasião para fazer exposição de arte da cultura afro.

aFica

Dica

Ilum

inur

a

• 2º ato: narrador fala sobre a Lei dos Sexagená-2º ato: narrador fala sobre a Lei dos Sexagená-rios, enquanto três meninos (como se fossem rios, enquanto três meninos (como se fossem idosos) entram com correntes rompidas; estão idosos) entram com correntes rompidas; estão livres.livres.

• 3º ato: Princesa Isabel assina a Lei Áurea.3º ato: Princesa Isabel assina a Lei Áurea.

Coral infantil: crianças entram no auditório cantando, para encerramento do sarau.

Aproveite a ocasião para fazer exposição de arte da cultura afro.

aFica

Dica

Ilum

inur

a

©

Aero

king

| Fo

tolia

3 naEscola

©

Wow

omno

m e

Tat

iana

She

pele

va |

Foto

lia

MEL

Disciplinas

Ensino Religioso

Arte

Ciências

Língua Portuguesa

Descubra Como Funciona (A colmeia) ......................... Pág. 34

Fábrica

Conteúdo A vida das abelhas

Objetivos Reconhecer a providência divina ao criar os animais, seu cui-dado e sustento.

Pesquisar o funcionamento de uma colmeia, o ciclo de vida das abelhas e como acontece a produção do mel.

Incentivar o consumo desse adoçante natural, seus benefícios para a saúde, inclusive como meio de cura.

Sempre que falamos em abelhas, a primeira coisa que nos vem à mente é o perigo da ferroada, a dor que ela provoca e até o risco de morte. Parece incrível como

esse pequeno inseto criado por Deus pode ao mesmo tempo lembrar a dor e adoçar nosso alimento com algo produzido nas colmeias: o mel.

Podemos fazer um trabalho bem interessante com esse tema. Aqui estão várias sugestões para que você, ao traba-lhar com as crianças, possa despertar o interesse pela Cria-ção de Deus e pelo conhecimento das ciências para nosso bem-estar.

de

4 naEscola

©

Bobo

, Alik

Mul

ikov

, Ver

esov

ich,

Yko

nono

va e

Nat

alija

Siro

kova

| Fo

tolia

tórax

cabeça

abdômen

antenas

1. A abelha rainha deposita o ovo em um alvéolo de cera.

3. A larva atinge o desenvolvivemento completo.

5. A larva troca de casulo e se tranforma em pupa.

2. A operária alimenta a larva que saiu do ovo.

4. As operárias fecham o alvéolo com cera.

6. A abelha adulta sai do alvéolo.

Atividades1. Leve para a sala sachês de mel, e, antes de qualquer

atividade, entregue um para cada aluno, para que saboreiem. Faça uma socialização com muitas perguntas: Qual é o sabor? Sabem como é feito o mel? De onde as abelhas tiram a matéria--prima para fazer o mel? Já viram uma colmeia? Como será que vivem as abelhas? Vocês sabem o que é um apiário? Alguém já tomou mel como remédio?

2. Em seguida, diga que nas próximas aulas vocês estarão juntos respondendo a todas essas perguntas. Peça que os alu-nos tragam de casa uma curiosidade sobre as abelhas.

3. Prepare uma mídia a respeito da vida das abelhas e apre-sente-a para a turma: colhendo o pólen, uma colmeia, um favo de mel, um apiário com um apicultor com a vestimenta própria de trabalho. Deixe como imagem fi nal um desenho bem nítido de uma abelha, a fi m de descrever as características desse inseto.

4. Monte um cartaz, mostrando o ciclo de vida das abelhas.

5. Fale sobre os cuidados que se deve ter para não ser pi-cado por uma abelha, e, se isso acontecer, o que se deve fazer como primeiros socorros.

6. Como pesquisa, peça que as crianças investiguem os be-nefícios do mel para a saúde. Depois, com a classe, monte um panfl eto com texto e ilustrações sobre o tema.

7. Faça com os alunos uma receita em que o principal ingre-diente seja o mel. Que tal biscoitos de mel? Aqui está a receita. Boa aula!

BISCOITO DE MELIngredientes • 2 xícaras (chá) de amido de milho peneirado• 2 xícaras (chá) de fubá• 1 xícara (chá) de coco ralado• 1 xícara (chá) de manteiga ou margarina• 1 xícara (chá) de mel

Modo de preparo• Misture os ingredientes secos.• Adicione o mel e a manteiga.• Amasse com as mãos até obter uma massa

amarelinha e macia.• Modele os biscoit os, podendo ser como um

brigadeiro, tranças, anel, ou outro formato de sua preferência.

• Coloque em uma assadeira untada, deixando bastante espaço entre eles.

• Leve para assar em forno médio por aproxi-madamente 10 minutos.

5 naEscola

©

Anto

n Ba

lazh

, Xo

to, S

attri

ani,

Avol

io, O

lga

Khor

oshu

nova

, Ces

ar, N

yira

gong

o, M

ango

stoc

k e

Jens

Hilb

erge

r | F

otol

ia

DA MINHADA MINHADA MINHADA MINHADA MINHADA MINHA

ConteúdoConteúdo Paisagens brasileiras e turismo histórico

Objetivos Aprender mais sobre os biomas brasileiros, valorizando as pai-sagens naturais do nosso país. Conhecer as paisagens naturais que são pontos importantes para o turismo no Brasil.

Pesquisar como a ação do homem transforma as paisagens e como isso afeta o meio ambiente, principalmente o clima.

No fi m do ano passado e início deste ano, a região Sudeste do Brasil, em especial a maior capital (São Paulo), viveu uma das mais sérias crises causadas pela falta de água,

que acabou afetando também a energia. Várias foram as críti-cas e informações para esse fenômeno tão grave da falta de chuva no verão. Uma das causas é que a paisagem foi sendo tremendamente modifi cada pelo homem, com desmatamentos, construção de indústrias e queimadas em todo o país.

Um dos princípios importantes para que a aprendizagem aconteça deve ser o estudo da realidade em contexto com os conteúdos do currículo básico da escola. Professor, incenti-ve seus alunos à pesquisa, à observação, à análise de toda e qualquer ação na comunidade em que reside. As sugestões de atividades que faremos a seguir devem ser adaptadas para a realidade de sua região e, principalmente, de sua cidade.

Ilustrações:Madalena R. Irokawa Tseng

Ilustrações:Madalena R. Irokawa Tseng

Hulda Cyrelli de SouzaHulda Cyrelli de Souza

HULDA CYRELLI DE SOUZA é catarinense de Imbituba. Desde criança, alimentou o gosto pelas letras: ouvindo, lendo ou contando histórias para a criançada da vizinhança, num tempo em que a vida corria tranquila e sem pressa.Como professora, sempre amou a pesquisa e a construção do conhecimento, que partilha através

de aulas, palestras e oficinas. É autora de Língua Portuguesa da coleção Interagir e Crescer e de literatura infantil, destacando-se entre eles, O Sabiá Sem-Terra.MADALENA IROKAWA TSENG é pau lis ta de Mi ran dó po lis, on de

pas sou par te da in fân cia. Vi ven do em um sí tio, te ve mui tas opor tu ni da des de brin car e, prin ci pal men te, de fa zer tra qui na gens. Aos se te anos, saiu pa ra vi ver em Ri bei rão Pre to, on de con cluiu os es tu dos bá si cos.

Sem pre gos tou de re vis tas e li vros in fan tis com mui tas ilus tra ções. Des de crian ça, já fa zia seus ra bis cos. Ho je, usa a ima gi na ção e o te ma que mais apre-cia – a Na tu re za, prin ci pal men te em seus de se nhos vol ta dos ao pú bli co in fan to-ju ve nil.En tre os seus tra ba lhos, es tão as ilus tra ções

pa ra as sé ries Ter nu ra e Na tu re za.

5857

/661

4 V

erd

e V

ivo

Prog.Visual

CMYK

Editor Texto

Editor Ilustr.

Cliente

Custo

Propag.

C.Qualidade

Depto. Arte

Little Friend / Mis Amigos (Tourism / Turismo) …….….. Pág. 24Mural (Siga o mapa) .................................................. Pág. 30

Disciplinas

História

Geografi a

Arte

TERRABELEZAS

Atividades1. Faça um trabalho com o livro sem

palavras Verde Vivo (CPB).

a) Para os alunos que não sabem escrever, use a leitura oral, para que eles expressem o que as imagens do livro estão mostrando e ensinando.

b) Para alunos que já escrevem, peça que produzam um texto narran-do as imagens do livro.

2. Como tarefa de casa, peça que os alunos descubram em que lugares a cidade sofreu modifi cação na paisagem devido ao crescimento urbano. Eles devem pesquisar e, se possível, conseguir fotos mostrando o antes e o agora do local. Em folhas A4, cole as imagens com legendas explicativas.

3. Os alunos devem se apresentar para a classe, falando da percepção das mudanças ocorridas por causa da urbanização.

4. Monte um mural com os principais pontos turísticos da re-gião ou do Brasil. Cuide para que cada imagem tenha a história do lugar, como surgiu, como era chamado e outras informações que justifi quem o local como um ponto turístico.

5. As crianças podem fazer um porta-retrato de material reci-clado para colocar a paisagem de que elas mais gostaram ou até mesmo foto delas no local, ou também fotos em preto e branco dos pontos turísticos. Monte um varal de fotos na sala de aula.

6. Incentive os alunos a fazer a atividade da pág. II do encarte da revista Nosso Amiguinho. Ajude-os a reconhecer as paisa-gens brasileiras.

6 naEscola

Conteúdo Criacionismo O início da vida

Objetivos Evidenciar a criação do Universo, seu Criador e Mantenedor, mostrando nossa crença no criacionismo (Gênesis 1 e 2).

Trabalhar com os conteúdos curriculares, contextualizando a origem das plantas, dos animais e do ser humano, ressaltan-do a providência divina no cuidado e sustento da criação.

A revista História da Vida – nível 1 para os meses de maio e junho trata da origem da vida. Algumas perguntas podem facilitar a introdução do tema junto aos alunos, como: De

que maneira surgiram as plantas? Como nasce a ovelha? Todos os animais nascem do mesmo modo? De onde vem o mel? Como você nasceu? Crianças gostam dessas perguntas, mas esteja preparado para as respostas.

AtividadesPara desenvolver este projeto, use

como ponto de partida a leitura do livro A Vida Começa Assim (CPB).

1. Fazer leitura coletiva na classe, em três momentos:a) Da p. 6 a 26 – descobrindo coisas interessantes sobre a

vida dos animais (abelhas, galinhas, ovelhas). b) Da p. 28 a 40 – a fecundação, a gestação e o nascimento

de fi lhotes (vaca/bezerro e cadela/cachorrinhos).c) Da p. 42 a 58 – sistema reprodutor humano, gestação,

nascimento dos bebês, cuidados especiais, amamentação.Após cada momento de leitura, aprofunde o assunto com mais

exemplos, imagens e desenhos. Peça aos alunos que pesquisem sobre outros animais. Convide um profi ssional da área para que as crianças façam uma entrevista com ele e tirem suas dúvidas.

Obs.: Essa atividade é adequada aos conteúdos de Ciências do 5º ano do Ensino Fundamental.

Em junho, você terá uma sugestão de programa de capela. Várias atividades realizadas pelos alunos podem ser socializadas nesse programa, como mostra pedagógica.

aFica

Dica

Manchas e

Listrinhas

María Alejandra Plescia JaureguiIlustrações: Karina Varela

Prog. Visual

Redator

Cliente

Dep. Arte

2854

0 -

Man

chas

e L

istr

inha

s

Fábio

C. Qualidade

28540_Manchas y Rayitas.indd 1 22/07/13 16:44

A VIDA COMEÇA ASSIM

John F. Knight

Proj. Gráf.

Editor(a)

Coor. Ped.

C. Q.

Dep. Arte

OP

268

03 /

Ass

im c

omeç

a a

vid

a

Cleber

26803_Capa2.indd 3

05/09/12 15:42

2. Montar uma mostra de sementes (que as crianças devem trazer de casa). Faça a atividade da seção “Descobertas da Tur-ma” da revista História da Vida. Cada criança deve fazer um rela-tório de observação do processo de nascimento da planta.

3. Para alunos mais novos, da Educação Infantil, 1º e 2º anos, fazer leitura do livro Manchas e Listrinhas (CPB).

a) A criança deve identifi car, descrever e diferenciar as características de vários animais.

b) Proponha a construção da árvore genea-lógica de cada aluno.

Dica: fi que atento aos alunos que são adotados ou façam parte de formações fa-miliares diferentes.

4. Mostrar diferentes etnias do mundo. É o momento de en-sinar que todos somos iguais perante o Criador, feitos à Sua imagem e semelhança. Portanto, temos que respeitar todos os seres humanos e amá-los.

a criação do Universo, seu Criador e Mantenedor,

(Parte 1)VIDAORIGEM

A

As atividades da revista História da Vida são bem adequadas para reforçar a crença no criacionismo, no Criador e Mantenedor de tudo e de todos.

Pconfiaro ed

Ilum

inur

aDA

7 naEscola

©

???

| Fot

olia

da Revista Maio de 2015S . U . M . A . R . I . O

23 Nossa Língua - Meio-dia e trinta – dica para nunca mais esquecer como devemos nos referir a 30 minutos de hora

26 Bate-papo - Abra a janela! – entrevista com uma of-talmopediatra sobre as difi culdades da visão na infância

28 Sabino Responde - Afi nal, qual é a forma correta: seis horas da tarde ou 18 horas? / Das cidades que ainda existem, qual é a mais antiga? / Como surgiu o salário? – respostas a essas perguntas

29 Bom Sinal - Com legenda e pipoca – importância da tecla Close Caption e de outras tecnologias para quem não pode ouvir

32 História - A doença da fi lha do rei – talvez a vida de princesa não seja assim tão boa

36 Pinte o 7 - Fique longe dele! – atividades que mostram os malefícios do uso de cigarro

38 Para Pensar - Isso não é seu! – refl exões sobre o ter-rível hábito de pegar o que não nos pertence

Textos e Coordenação Pedagógica: Kenia AmazonitaEditoração: Sueli Ferreira de Oliveira e Anne Lizie HirleRevisão: Rosemara SantosProjeto Gráfi co: Paulo MartinsImagens: Fotolia

IMPRESSO NO BRASILPrinted in Brazil8154/32234

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio, sem prévia autorização escrita do autor e da Editora.

Direitos de publicação reservados para a Casa Publicadora Brasileira

Rodovia SP 127 – km 106Caixa Postal 34Fone: (15) 3205-8800Fax: (15) 3205-8900Linha Direta Didáticos: (15) 3205-8891Ligação Gratuita: 0800-112710E-mail: [email protected]

Diretor-Geral: José Carlos de LimaDiretor Financeiro: Edson Erthal de Medeiros Redator-Chefe: Marcos De BenedictoRedator-Chefe Associado: Vanderlei DornelesGerente de Didáticos: Alexander DutraGerente de Produção: Reisner MartinsChefe de Arte: Marcelo de Souza

Suplemento da revista Nosso Amiguinho, de maio de 2015Ano 62 – No 11

Resposta do Encarte-revista aluno Pág. I:

4 Jornal do Clubinho - Dicas de leitura: Achado não é roubado? / Histórias bíblicas em pop-up; Notícias: As ci-dades mais ecológicas do mundo / Aluninha de 90 anos / Refrigerante faz mal à saúde! / HQ: Prova; Mundo virtual: indicação do app Noah and the Flood, da série bíblica My Bible Friends

8 Estude Brincando - Os mamíferos: a raposa – carac-terísticas do animal e origami explicado detalhadamente

10 Página da Luísa - Presente mais que especial – técnica de furoshiki para presentear a mamãe com uma linda e colorida bolsa

13 Bíblia em Quadrinhos - Continuação da história de Daniel

14 Feira de Ciências - Cores malucas – experiência científi ca que mostra como as imagens fi cam gravadas em nossa visão

16 Desa� o - Lugar de trabalho – atividade de lógica envol-vendo profi ssões

18 Datas Importantes - Dias cívicos e comemorativos de maio

19 Recortar & Armar - Marca-páginas da Turma – lindos marcadores que vão ajudar você a não perder a página em que parou em suas leituras

Pág. I:

Pág. III:Lei do Ventre Livre: 28/09/1871

Lei dos Sexagenários: 28/09/1885

Lei Áurea: 13/05/1888

Pág. IV:

I Y E N A S V O U D

A H I O F C A R B I

M A B E C O Z R E M

U O R A N B I O H N

L T U C E G O H A O

B Q F O X E J C V S

G U M I N I X A U G

A Z C O H R G C M A

J H I T A E U Q O R

K I W E L A C A H C