Escola das relações humanas mayo (2)

Download Escola das relações humanas   mayo (2)

Post on 10-Jul-2015

260 views

Category:

Engineering

17 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Escola de relaes humanas

TRANSCRIPT

<p>Escola de Relaes HumanasEmily FreireLarissa SchalcherLuclia AbrantesRafaela GasparTalita MartinsWendel Reis</p> <p>UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHOCENTRO DE CINCIAS TECNOLGICASENGENHARIA DE PRODUOAbordagem Humanstica da Administrao: Teoria das Relaes Humanas Origens:- Necessidade de humanizar e democratizar a administrao;- Desenvolvimento das cincias sociais;- Experincia de Hawthorne. Autores Influentes.</p> <p>Elton Mayo(1880 1949)Mary Parker Follett(1868 1933)Figura 1.Figura 2.Figura 3.Experincia de Hawthorne 1927-1932; Coordenada por Mayo; Condies fsicas relaes humanas; Dividida em quatro fases.</p> <p>Primeira Fase Efeito da iluminao sobre o rendimento dos operrios; Dois grupos de operrios; Intensidade da luz: varivel x constante; Existncia de uma nova varivel: fator psicolgico. </p> <p>Figura 4.Segunda Fase Efeito das mudanas nas condies de trabalho; Grupo experimental de 6 moas; Alteraes nos horrios, intervalos, salrios; Novamente o fator psicolgico.</p> <p>Figura 5.Terceira Fase Estudo das Relaes Humanas no trabalho; Programa de Entrevistas; Diviso de Pesquisas Industriais; Entrevista no-diretiva; Organizao informal dos operrios.</p> <p>Quarta Fase Anlise da organizao informal; Salrio baseado na produo do grupo; Uniformidade de sentimentos e solidariedade grupal; Fim da experincia.</p> <p>Concluses da Experincia O nvel de produo resultante da integrao social; Comportamento social dos empregados; Recompensas e sanses sociais; Grupos informais; Relaes humanas;nfase nos aspectos emocionais.</p> <p>Pontos de Vista de Mayo O trabalho uma atividade tipicamente grupal; O operrio no reage como indivduo isolado; A tarefa bsica da Administrao formar uma elite (lderes) capaz de compreender e comunicar; A civilizao industrializada traz como consequncia a desintegrao dos grupos primrios.</p> <p>Homo SocialisHomo Economicus X Homo Socialis</p> <p>Figura 6.Funes Bsicas da Organizao IndustrialOrganizao industrialFuno econmica: Produzir bens e serviosFuno social:Dar satisfaes aos seus participantesEquilbrio externoEquilbrio interno</p> <p>Decorrncias Motivao; Liderana; Comunicao; Organizao Informal; Dinmica de Grupo.</p> <p>A Influncia da Motivao HumanaA Administrao Cientfica;Recompensa salarial;Recompensas sociais e simblicas.Comportamento causado por necessidades dentro do indivduo, essas necessidades precisam ser satisfeitas.Necessidades humanas bsicasEstgios da Motivao Necessidades Fisiolgicas: inatas e instintivas; Necessidades Psicolgicas: aprendidas e adquiridas; Necessidades de auto realizao: cultura e educao da pessoa.Moral e Clima OrganizacionalDesafios megalomanacos;Sempre em cima;Falta de clareza;Promoo sem remunerao;Delegar sem dar suporte.ComunicaoProporcionar informao e compreenso necessrias ao esforo das pessoas.Proporcionar as atitudes necessrias para a motivao, cooperao e satisfao no cargo.Melhor comunicao conduz a um melhor desempenho nos cargos.Habilidade de trabalharVontade de trabalharTrabalho em equipe*Experincia de Hawthorne Programa de EntrevistasLiderana Experincia de Hawthorne; Natureza humana ; Viso de humanistas.</p> <p>Teorias sobre lideranaTeorias sobre Estilos de LideranaTeorias Situacionais de LideranaTeorias de Traos de PersonalidadesCaractersticas marcantes de personalidades possudas pelo lderManeiras e estilos de se comportar adotados pelo lderAdequao do comportamento do lder s circunstncias da situaoTeorias Sobre Estilos de LideranaLderSubordinadosLderSubordinadosLderSubordinadosnfase no ldernfase no lder e subordinadosnfase nos subordinadosAutocrticoDemocrticoLiberalrea de autoridade do administradorrea de liberdade dos subordinadosLiderana centralizada no chefeLiderana descentralizada nos subordinadosAdministrador toma a deciso e comunicaAdministrador apresenta sua deciso, tentativa sujeita modificaoAdministrador permite que subordinados funcionem dentro de limites definidos por superiorAutocrtico Consultivo ParticipativoFora nos subordinadosSeus conhecimentos e experinciaDesejo de participar nas decises</p> <p>Fora no GerenteValores pessoais do gerenteSuas convices pessoaisConfiana nos subordinados</p> <p>Foras na SituaoTipo de empresa e seus valores e tradies Problema a ser removido</p> <p>Estilo de liderana a ser AdotadoOrganizao Informal Interaes e relacionamentos; Organizao formal; Normas sociais; Interesses comuns.</p> <p>A Dinmica de Grupo Soma de interesses; Caractersticas:- Finalidade; Estrutura dinmica de comunicao; Coeso interna. Desempenho da organizao:</p> <p>Produtividade Contatos sociais24Apreciao Crtica Oposio Teoria Clssica; Inadequada visualizao dos problemas de relaes industriais; Viso ingnua do operrio; Limitao no campo experimental; Parcialidade das concluses.</p> <p>Referncias Chiavenato, Idalberto, Introduo teoria geral da administrao: uma viso abrangente da moderna administrao das organizaes/Idalberto Chiavenato- 7.ed.rev. e atual.- Rio de Janeiro: Elsevier, 2003- 6 reimpresso.Figura1:. Acesso em: 02/09/2014 as 14:56.09 Figura2:. Acesso em: 02/09/2014 as 14:58.24Figura3:. Acesso em: 05/09/2014 as 09:34.10RefernciasFigura4:. Acesso em: 05/09/2014 as 10:05.47Figura5:. Acesso em 05/09/2014 as 12:27.09Figura6:. Acesso em 07/09/2014 as 15:29.07MOTTA, F.C.; VASCONCELOS, I. G.Teoria geral da administrao. So Paulo: Thomson Learning, 2006.</p>