escola das relações humanas mayo (2)

Download Escola das relações humanas   mayo (2)

Post on 10-Jul-2015

260 views

Category:

Engineering

17 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Escola de relaes humanas

TRANSCRIPT

Escola de Relaes HumanasEmily FreireLarissa SchalcherLuclia AbrantesRafaela GasparTalita MartinsWendel Reis

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHOCENTRO DE CINCIAS TECNOLGICASENGENHARIA DE PRODUOAbordagem Humanstica da Administrao: Teoria das Relaes Humanas Origens:- Necessidade de humanizar e democratizar a administrao;- Desenvolvimento das cincias sociais;- Experincia de Hawthorne. Autores Influentes.

Elton Mayo(1880 1949)Mary Parker Follett(1868 1933)Figura 1.Figura 2.Figura 3.Experincia de Hawthorne 1927-1932; Coordenada por Mayo; Condies fsicas relaes humanas; Dividida em quatro fases.

Primeira Fase Efeito da iluminao sobre o rendimento dos operrios; Dois grupos de operrios; Intensidade da luz: varivel x constante; Existncia de uma nova varivel: fator psicolgico.

Figura 4.Segunda Fase Efeito das mudanas nas condies de trabalho; Grupo experimental de 6 moas; Alteraes nos horrios, intervalos, salrios; Novamente o fator psicolgico.

Figura 5.Terceira Fase Estudo das Relaes Humanas no trabalho; Programa de Entrevistas; Diviso de Pesquisas Industriais; Entrevista no-diretiva; Organizao informal dos operrios.

Quarta Fase Anlise da organizao informal; Salrio baseado na produo do grupo; Uniformidade de sentimentos e solidariedade grupal; Fim da experincia.

Concluses da Experincia O nvel de produo resultante da integrao social; Comportamento social dos empregados; Recompensas e sanses sociais; Grupos informais; Relaes humanas;nfase nos aspectos emocionais.

Pontos de Vista de Mayo O trabalho uma atividade tipicamente grupal; O operrio no reage como indivduo isolado; A tarefa bsica da Administrao formar uma elite (lderes) capaz de compreender e comunicar; A civilizao industrializada traz como consequncia a desintegrao dos grupos primrios.

Homo SocialisHomo Economicus X Homo Socialis

Figura 6.Funes Bsicas da Organizao IndustrialOrganizao industrialFuno econmica: Produzir bens e serviosFuno social:Dar satisfaes aos seus participantesEquilbrio externoEquilbrio interno

Decorrncias Motivao; Liderana; Comunicao; Organizao Informal; Dinmica de Grupo.

A Influncia da Motivao HumanaA Administrao Cientfica;Recompensa salarial;Recompensas sociais e simblicas.Comportamento causado por necessidades dentro do indivduo, essas necessidades precisam ser satisfeitas.Necessidades humanas bsicasEstgios da Motivao Necessidades Fisiolgicas: inatas e instintivas; Necessidades Psicolgicas: aprendidas e adquiridas; Necessidades de auto realizao: cultura e educao da pessoa.Moral e Clima OrganizacionalDesafios megalomanacos;Sempre em cima;Falta de clareza;Promoo sem remunerao;Delegar sem dar suporte.ComunicaoProporcionar informao e compreenso necessrias ao esforo das pessoas.Proporcionar as atitudes necessrias para a motivao, cooperao e satisfao no cargo.Melhor comunicao conduz a um melhor desempenho nos cargos.Habilidade de trabalharVontade de trabalharTrabalho em equipe*Experincia de Hawthorne Programa de EntrevistasLiderana Experincia de Hawthorne; Natureza humana ; Viso de humanistas.

Teorias sobre lideranaTeorias sobre Estilos de LideranaTeorias Situacionais de LideranaTeorias de Traos de PersonalidadesCaractersticas marcantes de personalidades possudas pelo lderManeiras e estilos de se comportar adotados pelo lderAdequao do comportamento do lder s circunstncias da situaoTeorias Sobre Estilos de LideranaLderSubordinadosLderSubordinadosLderSubordinadosnfase no ldernfase no lder e subordinadosnfase nos subordinadosAutocrticoDemocrticoLiberalrea de autoridade do administradorrea de liberdade dos subordinadosLiderana centralizada no chefeLiderana descentralizada nos subordinadosAdministrador toma a deciso e comunicaAdministrador apresenta sua deciso, tentativa sujeita modificaoAdministrador permite que subordinados funcionem dentro de limites definidos por superiorAutocrtico Consultivo ParticipativoFora nos subordinadosSeus conhecimentos e experinciaDesejo de participar nas decises

Fora no GerenteValores pessoais do gerenteSuas convices pessoaisConfiana nos subordinados

Foras na SituaoTipo de empresa e seus valores e tradies Problema a ser removido

Estilo de liderana a ser AdotadoOrganizao Informal Interaes e relacionamentos; Organizao formal; Normas sociais; Interesses comuns.

A Dinmica de Grupo Soma de interesses; Caractersticas:- Finalidade; Estrutura dinmica de comunicao; Coeso interna. Desempenho da organizao:

Produtividade Contatos sociais24Apreciao Crtica Oposio Teoria Clssica; Inadequada visualizao dos problemas de relaes industriais; Viso ingnua do operrio; Limitao no campo experimental; Parcialidade das concluses.

Referncias Chiavenato, Idalberto, Introduo teoria geral da administrao: uma viso abrangente da moderna administrao das organizaes/Idalberto Chiavenato- 7.ed.rev. e atual.- Rio de Janeiro: Elsevier, 2003- 6 reimpresso.Figura1:. Acesso em: 02/09/2014 as 14:56.09 Figura2:. Acesso em: 02/09/2014 as 14:58.24Figura3:. Acesso em: 05/09/2014 as 09:34.10RefernciasFigura4:. Acesso em: 05/09/2014 as 10:05.47Figura5:. Acesso em 05/09/2014 as 12:27.09Figura6:. Acesso em 07/09/2014 as 15:29.07MOTTA, F.C.; VASCONCELOS, I. G.Teoria geral da administrao. So Paulo: Thomson Learning, 2006.