eritrograma em medicina veterinária: ?· 2016-06-13 · publicações em medicina veterinária e...

Download Eritrograma em Medicina Veterinária: ?· 2016-06-13 · Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia…

Post on 21-Sep-2018

248 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Publicaes em Medicina Veterinria e Zootecnia

    ISSN: 1982-1263 www.pubvet.com.br

    PUBVET v.10, n.1, p.61-82, Jan., 2016

    Eritrograma em Medicina Veterinria: Apostila

    Renata Resende Prado1; Eliane Pereira Mendona

    1,2;

    Guilherme Paz Monteiro1,2

    ;

    Roberta Torres de Melo1,2

    ; Daise Aparecida Rossi

    1,2

    1Laboratrio de Biotecnologia Animal Aplicada

    2Programa de Ps-Graduao em Cincias Veterinrias;

    *Autor para correspondncia, E-mail: renatarprado@yahoo.com.br

    RESUMO. Este material didtico uma apostila ilustrada de eritrograma com a

    finalidade de fornecer suporte de consulta ao acadmico veterinrio referente aos tpicos:

    Hematopoiese, Eritrograma, Colheita de Sangue, Esfregao Sanguneo, Anemias e

    Policitemias.

    Palavras-chave: Apostila, Eritrograma, Medicina Veterinria.

    Veterinary Medicine Erythrogram: Textbook

    ABSTRACT. This material is an illustrated textbook of erythrocyte in order to provide

    support to the vet consultation related to academic topics: Hematopoiesis, RBC, Harvest

    of Blood, Blood Smear, anemias and polycythemias.

    Keywords: Textbook, Erythrogram, Veterinary Medicine.

    Introduo

    O sangue composto de uma parte lquida e

    outra celular. A parte lquida, denominada

    plasma, obtida aps centrifugao quando

    colhemos o sangue com anticoagulante, e contm

    o fibrinognio e o soro quando sem

    anticoagulante, o fibrinognio coagula e restam

    no soro os mais variados solutos orgnicos, como

    minerais, enzimas, hormnios, etc. Portanto o

    soro constitudo do plasma sem o fibrinognio.

    A parte celular composta pelos eritrcitos,

    leuccitos e plaquetas. Nas aves, rpteis, anfbios

    e peixes, todas as clulas possuem ncleo, e as

    plaquetas so deste modo, chamadas de

    trombcitos. Nos mamferos, apenas os

    leuccitos possuem ncleo; as hemcias os

    perdem durante sua formao, e as plaquetas so

    fragmentos de citoplasma da clula progenitora,

    os megacaricitos.

    A principal funo do sangue o transporte,

    quer de substncias essenciais para a vida das

    clulas do corpo, tais como oxignio, dixido de

    carbono, nutrientes e hormnios, quer de

    produtos oriundos do metabolismo, indesejveis

    ao organismo, os quais so levados aos rgos de

    excreo.

    O volume sangneo normal nas espcies

    domsticas varia em torno de 6 a 10% do peso

    corpreo, com grande variedade intra e

    interespcies, que apresentada de forma

    resumida dos volumes sangneos de acordo com

    o peso corpreo para as principais espcies

    animais (Tabela 1).

    O hemograma o exame de sangue mais

    solicitado na rotina laboratorial devido sua

    praticidade, economia e utilidade na prtica

    clnica. Est dividido em trs partes: 1.

    Eritrograma, que compreende o hematcrito,

    dosagem de hemoglobina e a avaliao

    morfolgica e contagem total de eritrcitos; 2.

    Leucograma, composto pela avaliao

    morfolgica e contagem total e diferencial de

    leuccitos; 3. Plaquetas, que se compe de

    avaliao morfolgica e contagem de paquetas

    auxiliando a interpretao da hemostasia.

    Ainda, aps a realizao do microhematcrito,

    pode-se mensurar por refratometria as protenas

    totais plasmticas, que auxiliam na interpretao

    de diversas situaes fisiolgicas e patolgicas.

    Sendo o sangue responsvel pela homeostasia

    do organismo, e o hemograma um exame geral

    do animal, raramente o hemograma apresenta um

    diagnstico definitivo de determinada patologia

    http://www.pubvet.com.br/mailto:renatarprado@yahoo.com.br

  • Prado et al. 62

    PUBVET v.10, n.1, p.61-82, Jan., 2016

    ou doena. Ao invs disso, o hemograma oferece

    informaes que podem ser utilizadas como

    ferramenta pelo clnico para, em associao a

    outros sinais e exames, realizar a busca

    diagnstica. Assim sendo, o hemograma

    solicitado por vrias razes, entre elas em um

    procedimento de triagem para avaliar a sade do

    animal, na busca do diagnstico ou prognstico

    do animal, e ainda para verificar a habilidade

    corporal s infeces e para monitoramento do

    progresso de certas doenas. No entanto, a

    histria e o exame clnico so essenciais para a

    interpretao dos dados hematolgicos e outros

    testes laboratoriais que sero objetos de

    investigao.

    Apenas quando descartadas as alteraes

    ocasionadas por interferncia na colheita de

    amostras que podemos com segurana

    interpretar seus resultados de modo claro e

    representativo. Isso porque alteraes causadas

    pela excitao (adrenalina) e ou estresse

    (corticides) durante a colheita podem

    desencadear processos mediados por estes

    hormnios. Alm disso, drogas administradas

    exgenamente tambm podem interferir nos

    resultados de um hemograma como, por

    exemplo, o uso de glicocorticides. Resultados

    anormais em um hemograma so inespecficos,

    podendo estar associados a vrias doenas ou

    condies que provocam respostas similares; no

    entanto, como mencionado anteriormente, o

    hemograma pode ser diagnstico em certas

    patologias, como hemoparasitas ou leucemias.

    Tabela 1: Volume sanguneo nas diversas espcies animais segundo o peso corpreo.

    Espcie Peso Corpreo

    mL/kg %

    Ces 77 78 8 9

    Gatos 62 66 6 7

    Vacas lactantes, bovino em crescimento 66 77 7 8

    Vacas leiteiras jovens, cavalos de sangue quente 88 110 10 11

    Vacas no-lactantes, cavalos de sangue frio 62 66 6 7

    Ovelhas, cabras 66 66 6 7

    Sunos adultos 55 5 6

    Animais de laboratrio - 6 7

    O ideal na prtica veterinria que a amostra

    laboratorial seja colhida no mesmo local do seu

    processamento. No entanto, na maioria das vezes,

    este procedimento realizado pelo clnico em seu

    ambulatrio, e enviado ao laboratrio para a

    realizao do exame. Deste modo, para se obter

    resultados confiveis, uma colheita adequada

    constitui etapa to importante quanto prpria

    realizao do exame e sua posterior interpretao.

    Uma colheita e acondicionamento adequados

    devem seguir rigidamente os mtodos

    preconizados pela tcnica, bem como estarem

    condizentes com o procedimento do laboratrio

    que ir processar o material. Mesmo com a

    diversidade de amostras a serem colhidas,

    algumas regras bsicas so comuns a todas. A

    mais importante delas talvez seja a adequada

    identificao da amostra, tanto junto ao frasco ou

    embalagem do material, como na guia de

    requisio do exame.

    A identificao da amostra deve ser feita de

    modo a no se destacar ou sair durante o

    acondicionamento, principalmente quando a

    amostra estiver sob refrigerao ou com cubos de

    gelo em caixa de isopor. O nmero ou nome do

    animal deve ser claro, escrito em letras ntidas, se

    possvel com a data de colheita. A guia ou ficha

    de requisio tambm de suma importncia na

    realizao do exame laboratorial.

  • Eritograma 63

    PUBVET v. 10, n. 1, p.61-82, Jan., 2016

    2. Colheita de Sangue

    Colheita de sangue venoso perifrico

    - Conter o animal adequadamente

    proporcionando o mnimo de estresse, para obter-

    se um resultado hematolgico representativo;

    - Aps antissepsia introduzir agulha

    percutaneamente atravs da veia distendida por

    prvio garrote manual abaixo do ponto de

    colheita. A colheita pela veia jugular o local

    mais adequado para anlises hematolgicas na

    maioria das espcies (Tabela 2);

    - Conectar seringa descartvel graduada e

    colher o sangue lentamente, correspondente

    quantidade de anticoagulante contida no frasco

    de acondicionamento;

    - Aps completar o volume desejado, retirar a

    seringa. Desfazer o garrote antes de remover a

    agulha e comprimir manualmente o local de

    puno com algodo embebido em lcool iodado;

    - Retirar a agulha e transferir o sangue colhido

    da seringa, com suave compresso do mbolo

    para evitar hemlise, dentro de vidro estril

    contendo anticoagulante EDTA (2,0 mg/mL de

    sangue). Este anticoagulante diludo a 10% na

    proporo de 0,1mL para cada 5mL de sangue. A

    amostra pode ser utilizada para a realizao do

    hemograma, fibrinognio e contagem de

    plaquetas.

    Tabela 2: Locais e agulhas mais utilizados na colheita de sangue perifrico

    Espcie animal Local de venopuno Calibre da agulha

    Co Ceflica, jugular, safena 25x7, 25x8, 25x9, 40x12

    Gato Ceflica, jugular, safena 25x7, 25x8

    Bovino Jugular, caudal e mamria 40x12, 40x16

    Equino Jugular 40x12, 40x16

    Ovinos e Caprinos Jugular 40x10, 40x12, 40x16

    Sunos Cava anterior, marginal da orelha 40x12, 40x16

    Coelhos Marginal da orelha, cardaca 25x7, 40x12

    Importantes causas de hemlise:

    - Calor excessivo, seringas e agulhas molhadas

    e/ou quentes. Certique-se de que tudo est seco e

    temperatura ambiente;

    - Demora na colheita, forte presso negativa na

    seringa. Caso a colheita se mostrar difcil, lave

    a seringa e agulha com o anticoagulante

    previamente colheita;

    - Descarga violenta da seringa no frasco, ou feita

    com a agulha. Retire a agulha ao transferir o

    sangue da seringa para o frasco;

    - Homogeneizao violenta com o

    anticoagulante. Faa-a gentilmente, por inverso

    do tubo por pelo m

Recommended

View more >