“entreguismo” x “nacionalismo” república democrático-populista (1945-1964)

Download “Entreguismo” x “Nacionalismo” República Democrático-Populista (1945-1964)

If you can't read please download the document

Post on 22-Apr-2015

120 views

Category:

Documents

10 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • Slide 2
  • Entreguismo x Nacionalismo Repblica Democrtico-Populista (1945-1964)
  • Slide 3
  • ANALISANDO O CONTEXTO A DEMOCRACIA POPULISTA O populismo instaurado na poca de Vargas no desapareceu com a queda do Estado Novo. Pelo contrrio, adaptou-se a democracia liberal burguesa instaurada em 1945-1946 e se perdurou at o golpe poltico-militar de 1964.
  • Slide 4
  • O populismo e o seu exerccio DITADURA VARGUISTA (1930/1945) O Estado exercia essa funo. DEMOCRACIA (1945/1964) Os partidos polticos, as estatais, o Ministrio do trabalho e o Congresso Nacional. O Populismo em duas pocas da Histria Brasileira
  • Slide 5
  • O POPULISMO DEMOCRTICO E AS GRANDES MUDANAS NO BRASIL E NO MUNDO RESULTADOS DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL VITRIA DA DEMOCRACIA TERCEIRA REVOLUO INDUSTRIAL TOYOTISMO LONGO PERODO DA GUERRA FRIA EUA x URSS CAPITALISMO X SOCIALISMO INTERNAMENTE O BRASIL SE INDUSTRIALIZA-VA. CAPITALISMO INDUSTRIAL E FINANCEIRO O Brasil e a Guerra Fria possvel que nossa obedincia chegou a tal nvel de cegueira e bajulao que o ex-lder tenentista Juraci Magalhes, j promovido a general e ocupando importante cargo diplomtico declarou publicamente: O que bom para os Estados Unidos bom para o Brasil.
  • Slide 6
  • GRUPOS QUE DISPUTAVAM O PODER PROGRESSISTA ou NACIONALISTAS Defendiam o desenvolvimento de um capitalismo nacional autnomo subordinado aos interesses do Brasil. Era apoiado por parte da Classe Mdia, das lideranas operrias, de boa parte dos trabalhadores urbanos, dos lderes estudantis e dos intelectuais pelo PTB e por vezes PSD. CONSERVADORES ou INTERNACIONALISTAS Desejavam um capitalismo liberal com o Brasil totalmente aberto s grandes companhias internacionais, intimamente associado aos interesses norte-americanos e europeus. Era apoiado pelas oligarquias rurais, pela burguesia industrial e financeira, pelos grandes comerciantes e pela classe mdia alta - pela UDN e por vezes pelo PSD.
  • Slide 7
  • O Governo Dutra 1946-1950 A POLTICA ECONMICA DE DUTRA POLTICA DE NO INTERVENO NA ECONOMIA. CONGELAMENTO DOS SALRIOS. TOTAL LIBERDADE DE AO PARA O CAPITAL ESTRANGEIRO. RESULTADO DA POLTICA ECONMICA: As reservas de dlares acumulados pelo Brasil durante a II guerra (+ 700 milhes de dlares) despencaram em pouco mais de um ano para 90 milhes de dlares devido a importao de produtos inteis. A orgia de importaes s beneficiou os consumidores ricos, pior, trouxe srios problemas para a balana comercial brasileira. A dvida externa que havia diminudo bastante no governo Vargas, comeou novamente a crescer. Resultado: O Brasil mergulha numa crise caracterizada pela especulao financeira gerando inflao e aumento do custo de vida.
  • Slide 8
  • A CONSTITUIO DE 1946 TENDNCIA LIBERAL-DEMOCRTICA FORTE INFLUNCIA DOS EUA Adoo do Regime Republicano: representativo, federalista e presidencialista. Mandato presidencial de cinco anos, com presidente e vice escolhidos de forma direta. Voto universal secreto e obrigatrio para maiores de dezoito anos, excludos os analfabetos e os soldados. Defesa da propriedade privada. Instituio do Hbeas Corpus. Garantia de liberdade de pensamento e expresso. Independncia dos trs poderes. Etc.
  • Slide 9
  • EM TEMPOS DE GUERRA FRIA O Presidente dos EUA Truman enviou militares em misso para o Brasil para ajudar a fundar a Escola Superior de Guerra (ESG). Sua misso era desenvolver as idias econmicas, polticas e culturais dos militares. O Brasil assinou um tratado de ajuda mtua contra o comunismo. O partido Comunista foi colocado na ilegalidade.
  • Slide 10
  • O retorno de Vargas 1951-1954 Aps a vitria nas eleies presidenciais de 1950, o retorno de Vargas ao poder representou tambm o retorno da poltica nacionalista por ele anteriormente praticada. Nesse sentido, criou o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econmico e Social) e a Petrobrs.
  • Slide 11
  • O petrleo Nosso A aprovao do projeto de nacionalizao da explorao do petrleo a partir do monoplio da Petrobrs provocou a reao dos interesses do capital estrangeiro no pas, que passaram a ser defendidos pelo lder da UDN, o jornalista Carlos Lacerda.
  • Slide 12
  • Criticado pela imprensa associada aos interesses do capital estrangeiro e pressionado a renunciar, Vargas suicida-se na madrugada de 24 de Agosto de 1954 deixando nao brasileira uma carta Testamento. O suicdio de Vargas O ATENTADO DA TONELEIROS Carlos Lacerda, proprietrio do jornal A Tribuna da Imprensa foi vtima de um atentado na Rua Toneleiros, no qual se descobriu a participao do segurana pessoal de Vargas, Gregrio Fortunato. Nesse atentado, foi ferido mortalmente o assessor de Carlos Lacerda, o major Rubens Vaz, da Aeronutica.
  • Slide 13
  • Slide 14
  • JK 1956-1960
  • Slide 15
  • O governo JK adotou uma poltica econmica Liberal, a partir do slogan 50 anos em 5, defendendo uma poltica nacional- desenvolvimentista, desatrelado das concepes intervencionistas e ancorado no capital estrangeiro. Plano de Metas EnergiaTransportesIndstriaEducaoAlimentos. Atravs do Plano Metas, promoveu a criao de inmeras obras, como a construo de uma gigantesca malha rodoviria, as hidreltricas de Furnas e trs Marias e Braslia.
  • Slide 16
  • Na nova capital do Brasil - Braslia, inaugurada em 1960, o Poder Legislativo ganhou uma nova sede: O Palcio do Congresso Nacional. O autor do projeto, Oscar Niemeyer, assim definiu sua concepo arquitetnica para a obra: "Arquitetura no constitui uma simples questo de engenharia, mas uma manifestao do esprito, da imaginao e da poesia.
  • Slide 17
  • Slide 18
  • Estimulou a entrada do capital estrangeiro no pas. Promoveu um acentuado impulso indstria automobilstica, qumica e farmacutica. Foi responsvel pela expanso de 80% do setor industrial do pas. Questo: Como realizar a construo das inmeras obras, mesmo o pas estando desprovido de recursos internos? Emprstimos Internacionais Dvida Externa Inflao
  • Slide 19
  • O GOVERNO JNIO QUADROS 1961 UDN/PTB O descontrole inflacionrio e o aumento da dvida externa do governo JK, estabeleceram-se como combustvel para a vitria do poltico paulista Jnio Quadros. Ancorado pela UDN, Jnio Quadros, ex-prefeito de So Paulo, elegeu-se com uma plataforma moralizante, destinada a varrer a inflao e a corrupo no pas.
  • Slide 20
  • Jnio Quadros adotou tambm medidas internas de fachada moralista extremamente polmicas e desnecessrias, como a proibio de brigas de galo, uso de mais nos concursos de miss Brasil e uso de biqunis em praias.
  • Slide 21
  • Como resolver o problema da popularidade? Procurando conter o processo inflacionrio, Jnio props uma poltica de austeridade, cortando a ajuda do governo s importaes de trigo e derivados de petrleo, alm de aumentar os impostos e congelar os salrios. Apesar de adquirir, com essas medidas, a credibilidade do FMI e dos bancos estrangeiros, comprometeu, na verdade, boa parte de sua popularidade. Como resolver? Promoveu o restabelecimento das relaes diplomticas com os pases do bloco socialista. Em plena Guerra Fria, o presidente Jnio defendeu uma poltica de neutralidade, buscando, segundo ele, garantir os mercados consumidores do bloco socialista para os produtos brasileiros. Visitou Fidel Castro em Cuba e estabeleceu um acordo econmico com China socialista.
  • Slide 22
  • Slide 23
  • O professor de portugus Jnio da Silva Quadros escreveu um dos captulos mais extravagantes da histria da poltica nacional. Empossado na Presidncia da Repblica, na esteira de uma bem- sucedida campanha eleitoral, ele renunciou misteriosamente apenas sete meses depois, em 25 de agosto de 1961. Na definio de um ex-prefeito de So Paulo, o brigadeiro Faria Lima, Jnio deu um salto mas esqueceu de colocar a rede. O prprio ex-presidente nunca se preocupou em esclarecer o porqu de sua deciso. No bilhete de renncia, disse que era pressionado por foras terrveis. Tempos mais tarde, tripudiou: Fi-lo porque qui-lo.
  • Slide 24
  • Slide 25
  • O GOVERNO JOO GOULART 1961/1964 O vice-presidente Joo Goulart (PTB), ex- ministro do trabalho de Vargas e identificado com as concepes nacionalistas, teve a posse ameaada pelos ministros militares e polticos da UDN. A posse de Jango s foi garantida graas Rede da Legalidade articulada pelo governador gacho Leonel Brizola e decretao da Emenda Constitucional n 4, instituindo o sistema parlamentarista.
  • Slide 26
  • Em 1963, conforme a Emenda Constitucional, foi realizado um plebiscito para validar ou no o sistema parlamentarista no pas. Praticamente 80% dos eleitores que participaram do plebiscito foram contrrios ao sistema implantado, definindo, ento, o retorno do sistema presidencialista. Aps o plebiscito, as elites empresariais do pas, associadas a setores militares, iniciaram as articulaes para a queda de Jango. O parlamentarismo Brasileiro
  • Slide 27
  • Com apoio dos norte- americanos e de setores do empresariado brasileiro, foi criado o IPES (Instituto de Pesquisa e Estudos Sociais) e o IBAD (Instituto Brasileiro de Ao Democrtica) que passaram a financiar a propaganda contra o governo de Jango. Paralelamente organizaes como a CGT (Confederao Geral dos Trabalhadores) nos centros urbanos e as Ligas Camponesas, movimentos populares defensores da reforma agrria no pas, sinalizavam para os setores conservadores como uma ameaa que deveria ser estanc