Entomologia Agricola aula 1

Download Entomologia Agricola aula 1

Post on 17-Jul-2015

799 views

Category:

Documents

5 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

ENTOMOLOGIA AGRICOLA

O que so Pragas? Todo e qualquer

organismo que competa diretamente ou indiretamente com atividade econmica proposta pelo homem.

Como surgiram as pragas?

Perodo Neoltico

Agricultura

Monocutivo

Importncia das Pragas das Plantas10 milhes de insetos 10% so pragas

Danos dos InsetosDanos diretos - quando atacam o produto a ser comercializado. Danos indiretos - quando atacam estruturas vegetais que no sero comercializadas (folhas e razes, por exemplo), mas que alteram os processos fisiolgicos, provocando reflexos na produo. Transmitindo patgenos e toxinas.

Danos dos Insetos Pragas e doenas e plantas daninhas causam reduo de 38% na produtividade das culturas e podem afetar economia dos paises. 1867 Na Frana o pulgo-da-videira(Daktulosphaira vitifoliae)

E.U.A 1929 Ceratitis capitata (D. vitifoliae)

Danos dos InsetosBRASIL1924 - cafeicultura - broca (Hypothenemus hampei ) 1939 - tristeza dos citros pulgo (Toxoptera citricida). 1983 Bicudo do algodoeiro (Anthonomus grandis) 1996 minadora-dos-citros (Phyllocnistis citrella).

Xanthomonas axopodis pv. citri

Mtodos de Controle de PragasMTODOS LEGISLATIVOS Baseiam-se em leis e portarias federais ou estaduais e so de modalidades diversas. Servio quarentenrio Objetivo - evitar a entrada de pragas exticas e impedir sua disseminao (Servio de Defesa Sanitria Vegetal do Ministrio da Agricultura).

MTODOS LEGISLATIVOSPRAGAS QUARENTENRIAS Praga quarentenria A1 - importncia econmica potencial para a rea de risco e ainda no se encontra presente. Praga quarentenria A2 - importncia econmica potencial para a rea de risco e ainda no se encontra amplamente disseminada e est sendo oficialmente controlada. Praga quarentenria regional A2 - Apresenta disseminao localizada e est submetida a controle oficial por um ou mais pases da regio.

MTODOS LEGISLATIVOS rea Livre Pragas Rio Grande do Norte - mosca-das-cucurbitceas (Anastrepha grandis). O conhecimento da distribuio geogrfica de uma praga quarentenria fator decisivo para a exportao/importao de determinado produto vegetal.

MTODOS LEGISLATIVOSTratamentos Quarentenrios Fumigao - Aplicao de brometo de metila (32 g/m3 durante 2 h para controle de Pragas de Gros Armazenados). Tratamento a Frio - Emprego de cmara com temperaturas baixas. A mosca-mexicana (Anastrepha ludens) em pssego, nectarina e uva, a temperatura da polpa deve ser mantida a 0,55C por 18 dias; 1,11C por 20 dias ou 1,66C por 22 dias.

MTODOS LEGISLATIVOSTratamentos Quarentenrios Tratamento a quente - Emprego de vapor d'gua ou da hidrotermia. Irradiao - Emprego de raios gama do Cobalto (60CO) ou Csio (137CS) ou raios de eltron com a energia de radiao at 10 MeV. Atmosfera controlada - gases inertes (como o hlio e o nitrognio), baixa concentrao de oxignio (2% ou menos), altos nveis de dixido de carbono (5 a 60%) ou combinaes entre eles.

Mtodos LegislativosTratamentos Quarentenrios

Mtodos LegislativosMedidas Obrigatrias de Controle So Paulo - (Decreto Estadual n. 19.594 27/07/1950) - para a cultura do algodo, agricultores so obrigados a destruir os restos cultura at 15 de julho de cada ano (bicudo e lagarta rosada). de os de da

Rio Grande do Sul - ( Lei n. 2.869 de 25/06/1956) obriga " coleta e queima de galhos de accia negra para diminuir a infestao do besouro serrador Oncideres impluviata (Germ.).

MTODOS MECNICOSSo medidas utilizadas em casos especficos. Esmagamento de ovos e catao de lagartas curuquer-da-couve. Corte de lagartas do fumo e mandioca com tesouras; Formao de barreiras ou sulcos contra ataque do curuquer-dos-capinzais e gafanhotos em surtos graves.

MTODOS CULTURAISRotao de culturas - recomendada principalmente para controle de pragas especficas de determinadas plantas. Arao do solo - Para destruio de larvas e pupas de insetos que normalmente se desenvolvem no solo. poca de plantio e colheita - Para algumas pragas, s vezes uma simples antecipao ou atraso do plantio ou colheita causa uma diminuio considervel no ataque.

MTODOS CULTURAISDestruio de restos de cultura - Nesse caso, o objetivo destruir o substrato que pode atuar como hospedeiro intermedirio de pragas que posteriormente podero atacar outras culturas. Cultura no limpo - A presena de mato prximo cultura pode favorecer a infestao de certas pragas, j que ele pode servir tanto de abrigo para os adultos tos como de substrato alimentar para as fases infestantes.

MTODOS CULTURAISPoda - Empregada em plantas perenes como meio de controle de certas pragas, como brocas, cochonilhas. Adubao e irrigao - Nesse caso, parte-se do princpio de que uma planta equilibrada nutricionalmente apresenta maior resistncia ao ataque de pragas. A irrigao por asperso pode contribuir para a reduo da populao de pequenos insetos, como pulges, tripes e lagartas, eliminados por lavagem e afogamento das pupas. Plantio direto e outros sistemas de cultivo - ??????

MTODO DE RESISTNCIA DE PLANTASEmprego de plantas resistentes a insetos - Permiti a manuteno da praga em nveis inferiores ao de dano econmico, sem causar prejuzos ao ambiente e sem nus adicional ao agricultor. O caso clssico - filoxera da videira (Daktulosphaira uitifoliae), que no sculo XIX causou prejuzos enormes na Europa, onde somente na Frana, em menos de 10 anos, destruiu 1.200.000 hectares de videira. O problema foi resolvido com a enxertia de cultivares europeus sobre porta-enxertos americanos resistentes.

MTODO DE RESISTNCIA DE PLANTASAlguns exemplos de pragas controladas eficientemente por meio de resistncia varietal: A mosca.de-Hesse, Mayetiola destructor, principal praga do trigo nos EUA; A cigarrinha Empoasca fascialis em algodoeiro, na frica; As lagartas Ostrinia nubilalis e Helicoverpa zea em milho, nos EUA.

MTODO DE RESISTNCIA DE PLANTASA resistncia de plantas definida como a soma relativa de qualidades hereditrias apresentadas pela planta, as quais influenciam a intensidade do dano. CULTIVAR RESISTENTE aquele que, devido a sua constituio genotpica, menos danificado que outros em condies de igualdade para o ataque de uma praga.

NIVEIS DE RESISTNCIAIMUNIDADE - no sofre nenhum dano do inseto em nenhuma condio (CONCEITO TERICO). ALTA RESISTNCIA - quando o gentipo sofre pequeno dano em relao as demais. RESISTNCIA MODERADA - sofre dano um pouco menor que os demais.

NIVEIS DE RESISTNCIASUSCETIBILIDADE - Quando o dano apresentado pelo gentipo semelhante ao que ocorre nos demais. ALTA SUSCETIBILIDADE - Quando o gentipo sofre dano maior que os demais.

PSEUDO-RESISTNCIAESCAPE - Ocorre quando as plantas no so atacadas por mero acaso. EVASO HOSPEDEIRA OU ASSINCRONIA FENOLGICA - Ocorre quando a fase de maior suscetibilidade da planta coincide com uma poca de baixa densidade populacional da praga. RESISTNCIA INDUZIDA - Ocorre quando a manifestao da resistncia temporria devido a condies especiais do ambiente.

TIPOS DE RESISTNCIANO-PREFERNCIA OU ANTIXENOSE Ocorre quando o cultivar menos utilizado pelo inseto para alimentao, oviposio ou abrigo que outros cultivares em igualdade de condies.

ESTMULOS

a) LOCALIZAO DA PLANTA: atraente, que orienta o inseto em direo planta, e repelente, que orienta o inseto em direo contrria planta. b) MOVIMENTAO NA PLANTA: arrestante, que leva o inseto a cessar o movimento quando em contato com a planta, e repelente, que leva o inseto a locomover-se da planta.

ESTMULOS c) INCIO DA ALIMENTAO OU OVIPOSIO: incitante ou excitante, que leva o inseto a iniciar a alimentao ("mordida" ou picada de prova) ou a oviposio, e supressor ou supressante (negativo), que impede que o inseto inicie a alimentao ou oviposio. d) MANUTENO DA ALIMENTAO OU OVIPOSIO: estimulante, que faz com que o inseto mantenha a alimentao ou oviposio, e deterrente, que impede que o inseto continue a se alimentar ou ovipositar.

TIPOS DE RESISTNCIA Esses estmulos podem ser de natureza

qumica ou fsica e so governados por fatores genticos independentes com efeitos cumulativos. A proporo entre estmulos positivos e negativos pode variar, afetando o grau de resistncia ou suscetibilidade.

TIPOS DE RESISTNCIA As modalidades de no-preferncia mais importantes so as referentes oviposio e alimentao. Na seleo hospedeira para oviposio, inicialmente o inseto localiza a planta e depois, em resposta a estmulos produzidos por fatores qumicos ou morfolgicos, o inseto pode ou no ovipositar.

TIPOS DE RESISTNCIAANTIBIOSE Ocorre quando o inseto se alimenta normalmente do cultivar, mas este exerce um efeito adverso sobre sua biologia. Pode ser caracterizada por diversos parmetros do inseto como:- Mortalidade

na fase imatura - Prolongamento do perodo de desenvolvimento, - Reduo da tamanho e peso, - Reduo da fecundidade, fertilidade e perodo de oviposio.

A antibiose pode ser causado por diversos fatores como: a) presena na planta de substncias qumicas que provocam intoxicao aguda ou crnica do inseto; b) impropriedade nutricional (deficincia qualitativa e quantitativa de nutrientes) da planta para o inseto etc.

TIPOS DE RESISTNCIATOLERNCIA Ocorre quando um cultivar menos danificado que os demais, sob um mesmo nvel de infestao do inseto, sem que haja efeito no comportamento ou biologia deste.

Entre as causas da tolerncia podem ser citadas:a) Maior capacidade da planta de compensar a rea destruda por meio do crescimento ou regenerao dos tecidos ou mesmo formao (mais rpida do que nas no tolerantes) de novas folhas, razes ou perfilhos; b) Menor retirada de hormnios de crescimento das plantas por insetos sugadores; c) Maior vigor ou rea foliar; d) Maior rigidez dos colmos, reduzindo a possibilidade de acamamento ou quebra por ocasio do ataque de insetos broque adores etc.

CAUSAS DE RESISTNCIAFISICAS Representadas basicamente pela cor do substrato vegetal que, em alguns casos, afeta no apenas a seleo hospedeira para alimentao e oviposio, mas tambm a biologia do inseto. Exemplo: Repelncia exercida pela colorao vermelha sobre Pieris rapae em repolho e sobre Anthonomus grandis em algodoeiro, inibindo a oviposio desses insetos.

CAUSAS DE RESISTNCIAQUMICAS Representadas pelas substncias qumicas que atuam no comportamento ou metabolismo do inseto e por impropriedades nutricionais da planta. As substncias responsveis pelas interaes qumicas dos organismos so denominadas ALELOQUMICOS.

ALELOQUMICOSALOMNIOS - favorecem o emissor (no caso, a planta hospedeira, funcionando como substncia de defesa). CAIROMNIOS - que favorecem o receptor (no caso, o inseto fitfago) Como exemplos desse tipo de substncia, podem ser citados a florizina (em macieira), que deterrente (inibidor de alimentao) para Myzus persicae, e a tomatina (em tomate), repelente e deterrente para Leptinotarsa decemlineata.

CAUSAS DE RESISTNCIAMORFOLGICAS Caractersticas da planta que podem afetar a locomoo, acasalamento, seleo hospedeira para alimentao e oviposio, ingesto e digesto do alimento dos insetos. Essas caractersticas podem ser agrupadas basicamente em fatores estruturais e fatores da epiderme.

Os

fatores estruturais esto relacionados dimenso e disposio das estruturas vegetais. Tem sido verificado em gramneas, que rgos vegetais com menor comprimento, largura e dimetro, bem como plantas mais baixas, esto associados com menor ataque de insetos.

A compresso (compactao) das folhas: Responsvel, por exemplo, pelo menor ataque da broca Diatraea saccharalis em cultivares de cana-de-acar com bainhas foliares mais compactadas ("agarradas"). Helicoverpa zea em cultivares de milho com palhas mais comprimidas, que dificultam a penetrao larval.

Em algodoeiro, as brcteas levemente retorcidas e perpendiculares ao eixo das flores e mas, no as recobrindo totalmente (brctea "frego"), tm sido consideradas causa de resistncia ao bicudo Anthonomus grandis, j que inibem a oviposio do inseto. A disposio da plea e lema da casca dos gros de arroz pode constituir causa de resistncia a pragas, durante o armazenamento, uma vez que gros ntegros so menos atacados que aqueles com defeito na casca (fenda lateral ou ponta aberta).

Os principais fatores de resistncia relacionados epiderme so espessura, dureza, textura, cerosidade e pilosidade. Epidermes mais espessas ou mais duras normalmente afetam insetos, restringindo a alimentao, a oviposio endofitica e a penetrao (insetos minadores).

A textura da epiderme (mais lisa ou rugosa) pode afetar principalmente a oviposio.

A epiderme pode influenciar o comportamento e a biologia dos insetos a pilosidade, que pode atuar sobre o inseto diretamente, afetando a oviposio, alimentao, locomoo ou indiretamente, por meio dos exsudatos secretados por tricomas glandulares.

Fatores que afetam a manifestao da resistncia 1.Fatores da planta - Idade, parte atacada e condio fisiolgica. 2. Fatores do inseto - Espcie, bitipo, idade, fase de desenvolvimento, condicionamento pr-imaginal e tamanho da populao. 3. Fatores do ambiente - Temperatura, umidade, nutrientes e sais minerais do solo, poca de plantio, plantas adjacentes, cultura precedente, predao e parasitismo e presena de doenas e pragas.

Vantagens do uso de resistncia de plantasa) Facilidade de utilizao, j que no necessrio um conhecimento adicional sobre a praga ou a planta; b) No tem custo adicional; c) Harmonia com o ambiente; d) Persistncia, atuando permanentemente contra baixas populaes da praga, que no seriam economicamente controladas por inseticidas;

e) Reduo da infestao em cultivares suscetveis e em outras culturas, nas situaes em que o material resistente (cultivado em extensas reas) provoca reduo na populao da praga; f) No interferncia nas demais prticas culturais; g) Compatibilidade, de modo geral, com os demais mtodos de controle.

Limitaes do uso de resistncia de plantasa) Tempo prolongado para sua obteno, principalmente pela dificuldade de associar em um mesmo cultivar as caractersticas de resistncia praga com as demais caractersticas agronmicas desejveis; b) Limitao gentica da planta, que nem sempre tem diversidade gentica para uso como fonte de resistncia; c) Ocorrncia de bitipos; d) Caractersticas de resistncia conflitantes, j que fatores de resistncia a um inseto podem induzir suscetibilidade a outros.

RESISTNCIA DE PLANTAS E MANEJO DE PRAGAS

a) Antecipao da poca de plantio e colheita; b) Plantas-iscas; c) Armadilhas com substncias atrativas; d) Inseticidas seletivos, em subdosagens e/ou em aplicaes mais espaadas; e) Parasitides, predadores e patgenos; f) Destruio de insetos em restos de cultura.

PLANTAS TRANGNICAS

BIBLIOGRAFIA CITADAGALLO, D. et al. EntomologiaAgrcola. Piracicaba: IL: (Biblioteca de Cincias Agrrias Luiz de Queiroz, 10), FEALQ. 2002.. 920p.