enf. ana paula pereira enf. mário moreira oliveira de azeméis, 21 novembro de 2012

Download Enf. Ana Paula Pereira Enf. Mário Moreira Oliveira de Azeméis, 21 Novembro de 2012

Post on 22-Apr-2015

104 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • Slide 2
  • Enf. Ana Paula Pereira Enf. Mrio Moreira Oliveira de Azemis, 21 Novembro de 2012
  • Slide 3
  • Medicina Unidade de O. A. Taxa de incidncia de UP
  • Slide 4
  • MUDAR ATITUDES
  • Slide 5
  • Sumrio Objetivos; A problematica das lceras de presso (UP); Intervenes de enfermagem; Posicionamentos; Realidade de servio; Sugestes de mudana; Recursos materiais.
  • Slide 6
  • Objectivos Dininuir a incidncia de UP no servio de medicina; Sensibilizar os enfermeiros para a importncia da implementao de medidas/atitudes que visem a preveno das ulceras; Contribuir para a melhoria da qualidade dos cuidados de enfermagem.
  • Slide 7
  • A problemtica das UP
  • Slide 8
  • Ulceras de presso Definio a leso localizada da pele e /ou tecido subjacente, normalmente sobre uma proeminncia ssea. Esta leso resultado da presso ou de uma combinao entre esta e as foras de toro. (Orientao da direo geral da saude)
  • Slide 9
  • Ulceras de presso Zonas de presso
  • Slide 10
  • Ulceras de presso Fatores de risco Fatores extrinsecosFactores intrinsecos Presso; Foras de trao ou deslizamento; Foras de frico Imobilidade; Alterao do estado de consciencia; Alterao da sensibilidade; M perfuso/oxigenao tecidular; Macerao/humidade excessiva; Idade ( 65 anos de idade); Estado notricional.
  • Slide 11
  • Avaliao de risco de desenvolver UP Admisso Avaliao do risco segundo escale de Braden Observao da pele ( at 4h aps a admisso) Score > 16 Baixo risco Reavaliao 48/48h Score 16 Alto risco Reavaliao diaria do risco; Observao diaria; correo dos fatores de risrisco
  • Slide 12
  • Intervenes de enfermagem Compromisso da preceo sensorial, atividade e mobilidade: Colcho de preso alterna; Alternar decbitos (standart 2/2h); Usar preferencialmente os semi-laterais em deterimento dos laterais; Uso de almofadas para evitar o contacto direto das superfcies sseas; No se recomenda a proteo com luvas de agua e almofadas tipo donut; Mobilizao precoce; Lenis sempre secos sem vincos e sem restos alimentares, entre outros;
  • Slide 13
  • Intervenes de enfermagem Compromisso da preceo sensorial, atividade e mobilidade: Utilizar almofadas de gel no cadeiro; Ter em ateno o alinhamento corporal e destribuio de peso; Restrigir o tempo que o doente passa sentado no cadeiro sem alivio de presso (max. 2h); Incentivar o doente a realizar movimentos no sentido de alivio de presso.
  • Slide 14
  • Intervenes de enfermagem Problemas relacionados com humidade: Manter pele limpa e seca; Usar agente de limpeza suave; Evitar agua quente e frico; Usar emoliente/hidratante com funo de barreira; No massajar a pele sobre proeminncias sseas; Estratgias para favorecer a comunicao; Estabelecer horrio regular de mico; Recorrer a dispositivos para control externo de perda urinria, se necessrio.
  • Slide 15
  • Intervenes de enfermagem Risco de sofrer foras de frico e deslizamento: Elevao da cabeceira no superior a 30; Os posicionamentos e as transferncias devem ser realizados de forma correta; Estimular o doente a colaborar no posicionamento.
  • Slide 16
  • Intervenes de enfermagem Problemas relacionados com a nutrio CB standart para sexo masc.29.3cm e para sexo fem. 28.5cm, defendido por Jelliffe (1966) Calcular IMC Peso (Kg) IMC= Altura (m) Nos doentes acamados sem possibilidade de pesar, avaliar circunferencia do brao (CB) CB indivuduo (Cm) 100 Adequao CB (%)= CB standart
  • Slide 17
  • Intervenes de enfermagem A.IMC (Kg/m) >20 0 O = 18.5 20 1 0 80 0 0 =70 80 1 0 5 dias Sim (2) 0 No (0) 0 D. Pontuao final (D=A + B + C) 0 pontos Baixo risco Repetir avaliao semanalmente 1 Ponto Mdio risco Registar ingesto alimentar e de fluidos durante 3 dias, se ingesto inadequada solicitar servio de nutrio Repetir protocolo semanalmente 2 ou masi pontos Contactar servio de nutrio - Em caso de desidratao, com sinal de prega positivo, assegurar a porte necessrio de liquidos
  • Slide 18
  • Posicionamentos
  • Slide 19
  • Definio So as posturas em que se coloca o utente, quando este no tem capacidade para mudar de decbito sozinho e/ou quando a situao clnica no permite.
  • Slide 20
  • objetivos Estimular a circulao, respirao, eliminao e exerccio; Facilitar a mobilidade de secrees brnquicas; Manter a amplitude articular; Manter a integridade cutnea; Prevenir atrofias musculares; Proporcionar conforto e bem-estar; Alternar o campo visual; Favorecer a independncia. Posicionamentos
  • Slide 21
  • Decubito dorsal Posio semelhante postura de p; Apoiar os ps; Prevenir a rotao externa dos MI, colocando um almofada na regio dos trocnteres; Proteo dos cotovelos; Joelhos e coxo-fmural em extenso;
  • Slide 22
  • Decubito lateral Costas apoiadas por almofadas; Joelhos fletidos; O MI que fica por cima deve estar apoiado por almofadas; O brao livre mantido altura do ombro, em flexo e apoiado por almofadas; Brao inferior fica fletido com a mo na altura do rosto, deve ser vigiado o fluxo sanguneo Ombros nivelados.
  • Slide 23
  • Decubito ventral
  • Slide 24
  • fowler
  • Slide 25
  • Posio de sentado
  • Slide 26
  • Realidade do servio Horarios de posicionamentos Ajudas tecnicas Colches, Cunhas; Transteres; Cadeires; Roupa, almofadas, botas spenco.
  • Slide 27
  • Slide 28
  • Slide 29
  • Slide 30
  • Slide 31
  • Slide 32
  • OBRIGADO
  • Slide 33
  • Eu me importo pelo fato de voc ser voc, me importo at o ltimo momento de sua vida e faremos tudo que est ao nosso alcance, no somente para ajudar voc a morrer em paz, mas tambm para voc viver at o dia da sua morte. Cicely Saunder