efeitos de uma desonera†ƒo tributria na .que incidem sobre o consumo, sobre os insumos...

Download EFEITOS DE UMA DESONERA‡ƒO TRIBUTRIA NA .que incidem sobre o consumo, sobre os insumos intermedirios

Post on 18-Jan-2019

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

1

EFEITOS DE UMA DESONERAO TRIBUTRIA NA ECONOMIA B RASILEIRA EM CENRIOS DE CRIAO DA REA DE LIVRE COMRCIO DA S AMRICAS

(ALCA)

MATHEUS WEMERSON GOMES PEREIRA; ERLY CARDOSO TEIXEI RA;

UFV / DER

VICOSA - MG - BRASIL

TEIXEIRA@UFV.BR

APRESENTAO ORAL

COMRCIO INTERNACIONAL

EFEITOS DE UMA DESONERAO TRIBUTRIA NA ECONOMIA B RASILEIRA EM CENRIOS DE CRIAO DA REA DE LIVRE COMRCIO DA S AMRICAS

(ALCA)

MATHEUS WEMERSON GOMES PEREIRA; ERLY CARDOSO TEIXEI RA;

UFV / DER

VICOSA - MG - BRASIL

TEIXEIRA@UFV.BR

APRESENTAO ORAL

COMRCIO INTERNACIONAL

EFEITOS DE UMA DESONERAO TRIBUTRIA NA ECONOMIA B RASILEIRA EM CENRIOS DE CRIAO DA REA DE LIVRE COMRCIO DA S AMRICAS

(ALCA)

GRUPO DE PESQUISA: 3

2

Resumo: O objetivo desse artigo determinar os impactos da criao da rea de Livre Comrcio das Amricas (ALCA), a partir de uma desonerao tributria, na economia brasileira. Para isso, foram analisados diversos cenrios que contam, alm da eliminao das tarifas ao comrcio entre os pases do continente americano, com reduo de 10% dos impostos indiretos que incidem sobre o consumo, sobre os insumos intermedirios e sobre a produo brasileira. O modelo do GTAPinGAMS usado como instrumental analtico, aplicado verso 6.0 do banco de dados do GTAP. Os resultados indicam que, em todos os cenrios de ALCA, a reduo dos impostos indiretos em 10% aumentou a competitividade, promoveu o crescimento e o bem-estar do Brasil e elevou a receita tributria. O crescimento da economia variou de 0,17% a 0,31% e os ganhos de bem-estar, medidos pela variao equivalente, atingiram US$ 1,10 bilho a US$ 2,03 bilhes. Palavras-Chave: integrao regional, tributos indiretos, equilbrio geral, GTAPinGAMS, competitividade setorial. Classificao JEL: F13, F15, Q17, R13, H20. Abstract: The objective of this study is to determine the effects of the creation of FTAA stemming from a tax exemption in the Brazilian economy. Four different scenarios were analyzed taking into account the elimination of tariffs on imports among the member countries in the FTAA agreement. Other scenarios consider a 10% reduction in the indirect taxes. The GTAPinGAMs is used as an analytical tool, applied to the GTAP database version 6.0. The results show that for all scenarios of FTAA, the reduction of indirect taxes increase competition, promote growth and the welfare in Brazil, with increase in tax collection by the government. The growth of the economy ranges from 0.17% and 0.31% and gains of welfare, measured by the equivalent variation from US$1.10 billions and US$2.03 billions. Key words: regional integration, indirect taxes, general equilibrium, GTAPinGAMS, sectorial competition. Classification JEL: F13, F15, Q17, R13, H20. 1. Introduo

A estrutura tributria brasileira tem sido, recorrentemente, apontada como desfavorvel ao desenvolvimento do Pas, por gerar grandes distores na formao de preos. O Brasil apresenta uma estrutura obsoleta, extremamente complexa, que onera o setor produtivo, traz prejuzo competitividade e induz sonegao1. Nesse contexto, os setores da economia brasileira, no cenrio de formao da rea de Livre Comrcio das Amricas (ALCA), com a reduo da carga tributria, podem tornar-se mais competitivos2.

A carga tributria brasileira considerada elevada, comparativamente aos pases em desenvolvimento (FMI, 2005). A comparao da carga tributria entre pases apresentada na Figura 1. A carga tributria que incide sobre a economia brasileira e o nmero de dias trabalhados necessrios para pagamento de impostos no ano so bem superiores aos da maioria 1 Para mais detalhes da estrutura tributria brasileira, ver Braga (1999), Silva (2003a), Santos (2006) e Pereira (2008). 2 O conceito de competitividade adotado remete a Haguenauer (1989), que v a competitividade como uma caracterstica estrutural, conceituando-a como a capacidade de um pas de produzir determinados bens igualando ou superando os nveis de eficincia observveis em outras economias. O crescimento das exportaes seria uma provvel conseqncia da competitividade, no sua expresso. Em relao competitividade no desempenho, um conceito potencial, ex-ante, e geralmente restrito s condies de produo.

3

dos pases em desenvolvimento e superiores aos de grandes economias industrializadas, como EUA, Reino Unido, Japo e Austrlia3.

Nesse sentido, uma reduo na carga tributria, que desonere os consumidores e diminua o esforo tributrio na economia, ser determinante para promoo do desenvolvimento sustentvel e aumento da competitividade setorial brasileira.

0

5

10

15

20

25

30

35

40

45

50

55

Sue

cia

Din

am

arca

Bel

gic

a

Fran

a

Nor

ueg

a

Fin

lnd

ia

ust

ria

Italia

Ale

ma

nha

Hun

gria

Isra

el

Bra

sil

Re

ino

Uni

do

Po

rtugu

al

Re

pb

lica

Che

ca

Cn

ada

Es

panh

a

Po

ln

ia

R

ssia

Aus

tralia

Su

ia

Afri

ca d

o S

ul

Rom

nia

Jap

o

Arg

ent

ina

EU

A

Ch

ile

Tai

lnd

ia

Per

u

Sin

gap

ura

% P

IB

40

60

80

100

120

140

160

180

200dias

Carga tributria % PIB* Dias trab./ano necessrios p/ pagar impostos

* O FMI considera a carga tributria como sendo tributos mais contribuies sociais. Fonte: FMI (2005) elaborado pelos autores. Figura 1 Carga tributria nos diferentes pases, de 2002 a 2004.

Outra caracterstica do sistema tributrio brasileiro sua estrutura de arrecadao, que se

apresenta predominantemente na forma de tributos indiretos4. Essa estrutura de arrecadao, em que imposto incide sobre o consumo, embora considerada economicamente mais eficiente - uma vez que a poupana no taxada, o que estimula o investimento e a acumulao de capital - no atende ao princpio da eqidade, o que leva maior desigualdade na distribuio pessoal e regional da renda e, em razo das caractersticas e custo de fiscalizao do tributo indireto, a elevados ndices de sonegao fiscal (SILVA, 2003a).

Viana et al. (2000) ressaltam que no poucos estudos sobre o tema apontam que a tributao indireta do pas inequivocamente regressiva, enquanto a tributao direta possui baixa progressividade. Portanto, como os tributos indiretos so predominantes na carga tributria brasileira, o resultado lquido um sistema tributrio que penaliza relativamente mais os pobres, contribuindo para uma piora na distribuio de renda da populao.

A reduo da carga tributria, se no elimina, certamente diminui as distores causadas pela tarifa importao e torna a escala de produo mais eficiente, aumentando tanto a quantidade produzida quanto a renda dos detentores dos fatores de produo. Isso implica aumento na quantidade tributada, alm de promover a mudana de status dos agentes de sonegadores para contribuintes do sistema tributrio. A resultante desse processo

3 Para uma discusso aprofundada do esforo tributrio ver, Versano et al. (1998). 4 Segundo dados da SRF (2007), em 2006 os tributos diretos correspondiam a 31,78% da carga tributria brasileira (CTB) e os tributos indiretos, a 68,22% do total da CTB, o que evidencia a hegemonia desse tipo de tributo na estrutura de arrecadao da economia brasileira e pode ser visto, com mais detalhes, na seo 2.

4

fundamentalmente importante, visto que poderia ocorrer ganho de receita tributria por parte do governo e promoo do crescimento da economia e bem-estar social.

Nesse sentido, a insero do Brasil nos cenrios de integrao regional est associada sua capacidade de formular polticas pblicas que possibilitem o crescimento da economia da sua populao, o que justifica o estudo da reduo dos impostos pelo acordo de integrao econmica ALCA. A melhora do ambiente econmico e das condies de produo domsticas so fatores fundamentais promoo da competitividade setorial brasileira, nesse acordo de integrao econmica. As discusses para criao da ALCA, iniciadas em 1994, ocorrem em nove grupos de negociaes: acesso a mercados; agricultura; servios; investimentos; compras governamentais; soluo de controvrsias; direitos de propriedade intelectual; subsdios, antidumping e medidas compensatrias; e polticas de concorrncia (FTAA-ALCA, 2007).

A partir de 1994, apesar dos esforos para tentar estabelecer, definitivamente, uma rea de livre comrcio das Amricas, o processo de negociao foi interrompido por interesses econmicos das diferentes naes participantes do acordo, principalmente devido s divergncias entre as propostas apresentadas pelos Estados Unidos (EUA), que tm maior interesse nos setores de servios, investimentos, propriedade intelectual, comrcio eletrnico, alm dos pases do MERCOSUL, que privilegiam o acesso a mercados, subsdios, medidas antidumping e compensatrias, soluo de controvrsias e, principalmente, agricultura. Por essa razo, desde a XVII reunio do Comit de Negociaes Comerciais, em Puebla Mxico, em fevereiro de 2004, as negociaes da ALCA esto paralisadas.

Segundo Gurgel (2002), para a maior parte dos pases latino-americanos, a reduo de barreiras comerciais frente aos pases desen

View more >