Ef lendo e_compreendendo_os_generos_textuais_do_suporte_jornal

Download Ef lendo e_compreendendo_os_generos_textuais_do_suporte_jornal

Post on 21-Jan-2017

143 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Leiva de Figueiredo Viana Leal

    Lendo e compreendendo os gneros

    textuais do suporte JORNAL

    Nvel: Ensino Fundamental

    Eixo temtico I: Compreenso e produo de textos

    Tema II: Suportes Textuais

    Competncia: Ler jornais, produtiva e autonomamente.

    Subtemas: Jornal

    Tpicos de contedo da proposta curricular:

    1. Organizao do suporte jornal: relaes com o pblico-alvo

    2. Primeira pgina

    3. Credibilidade do suporte jornal: linha editorial, pblico-alvo e tratamento ideolgico-

    lingstico da informao.

  • APRESENTAO

    Neste mdulo discutiremos os princpios conceituais e formais que configuram o suporte

    jornal, bem como discutiremos aspectos fundamentais que cercam a sua RECEPO, com

    o objetivo de aumentar nossa compreenso sobre o processo de leitura, de produo de

    texto e de construo de sentidos de gneros que circulam nesse suporte.

    INTRODUO

    Muito recentemente, o suporte jornal, um dos mais antigos e conhecidos em nossa

    cultura, passou a ser considerado como um excelente recurso disposio de quem ensina

    e de quem aprende a ler e a escrever. Para tal, assumimos um ponto de vista que o da

    Interao, compreendendo que o jornal contempla, em sua essncia o jogo interlocutivo

    que acontece nas situaes de interao: leitor previsto, objetivo determinado, circulao

    garantida, arcabouo formal e conceitual em funo do gnero a ser produzido, dentre

    outros aspectos.

    Voc deve tambm estar se indagando: por que importante ler o suporte jornal, frente

    a outras mdias que se encontram nossa disposio? Apresentamos, a seguir, algumas

    consideraes a respeito:

    Primeiro, o veculo jornal hoje, sem dvida, um dos objetos culturais com

    circulao garantida na sociedade e na escola, por vrias razes: pela facilidade de

    acesso, por ser um veculo de informao, de formao e de atualizao frente aos

    acontecimentos que nos cercam, por ser um suporte onde circulam inmeros

    gneros textuais e que atende a interesses e objetivos de diferentes leitores.

    Segundo, o jornal constitui-se como fonte de legitimao da lngua escrita e de

    modos de funcionamento da linguagem como expresso de prticas discursivas,

    dentre outras.

    Dadas a suas infinitas possibilidades de explorao, o jornal constitui-se um forte

    aliado no processo de formao de leitores, de modo a capacit-los para a

    construo da histria de seu tempo e de prepar-los para compreender e interferir

  • na sua realidade, e tem sido, por isso, considerado como importante instrumento a

    servio do ensino.

    Aps as consideraes anteriores, indique abaixo pelo menos duas importantes razes

    para se ler e compreender o suporte jornal:

    Resposta

    RAZO 1. ________________________________________________________________

    RAZO 2. ________________________________________________________________

    RAZO 3. ________________________________________________________________

    Para sermos competentes leitores e produtores deste suporte, necessrio

    entendermos o que um SUPORTE.

    Alm do contato com os mais diversos gneros que circulam na sociedade, voc, precisa

    conhecer tambm os suportes da escrita (cartazes, out-door, faixas, livros, revistas, jornais,

    folhetos publicitrios, folhetos religiosos, murais escolares, livros didticos, etc). Tais

    suportes, na maioria dos casos, podem ser manuseados, reconhecidos e classificados por

    voc, em funo do formato e da funo comunicativa.

    Suporte o veculo em que os gneros textuais circulam. Com a evoluo da

    humanidade, vrios suportes variaram de acordo com o tempo e com o desenvolvimento

    humano, indo desde as paredes das cavernas at o ambiente virtual dos computadores

    dentre de nossas casas.

    H suportes convencionais como o livro, a revista e os incidentais como nibus, postes

    de ruas, roupas, dentre outros. Cada suporte tem a sua perigrafia, constituda nas relaes

    com a cultura letrada. No caso do jornal, esse suporte composto de uma PP (pgina

    principal), de cadernos e, dentro dos cadernos, as sees. E, como um jogo labirntico,

    dentro das sees os gneros textuais diversos.

    PARTE 1

    Vamos comear entendendo o que uma PP e qual a sua importncia.

  • Observe a PP abaixo:

    Manchete principal

    Chamada principal

    Fotos: Podem ser legendadas ou no, mas todas devem conter a fonte de onde foram retiradas.

    Outras Manchetes consideradas

    importantes pelo editor do jornal

    Outras Chamadas A PP de um jornal contm vrias chamadas. Aqui

    apontamos somente uma, como exemplo

  • Como pode observar a PP de um jornal formada, basicamente, de manchetes e

    chamadas que prendem a ateno do leitor. A PP uma vitrine que antecipa ao leitor o

    que vir. Tem a funo de incentivar o leitor a ler (comprar) o jornal. Para atingir este

    objetivo, as manchetes so objetivas e chamativas:

    Apresentamos, a seguir, o que se pode entender por Manchete:

    ________________________________________________________________________

    ________________________________________________________________________

    ________________________________________________________________________

    ________________________________________________________________________

    ________________________________________________________________________

    Agora, leia abaixo uma conceituao do que CHAMADA.

    ________________________________________________________________________

    ________________________________________________________________________

    ________________________________________________________________________

    ________________________________________________________________________

    ________________________________________________________________________

    Leia a seguir outros conceitos importantes para a compreenso do suporte:

    O cabealho de um jornal composto por todos os dados referentes quela edio:

    nome do jornal em destaque, data, horrio da impresso (para jornais de grande porte e

    com vrios horrios de impresso da capa), nmero da edio, responsveis por ela, ano

    do jornal. So esses dados, com exceo dos nomes dos responsveis e do horrio, que

    compem a citao bibliogrfica, apenas restando o nome do reprter e a manchete da

    reportagem que a escreveram.

    Alm desses, ainda podemos citar:

    Versal: Palavra nica que precede a manchete de uma chamada. No exemplo acima ela

    pode ser localizada esquerda com a palavra Natal ou direita, com a palavra Novo

    Governo. Numa PP ela pode ser utilizada mais de uma vez, desde que no fique uma

    Primeira pgina muito carregada. Ela deve ter um aspecto leve para que o leitor no se

    sinta enfadado ao l-la. Nas pginas internas de um jornal, essa palavra fica esquerda

  • do leitor, dentro da pgina que no seu alto e ao centro possui o nome da seo que o

    leitor est lendo.

    Subttulo: Pode vir acima (sobrettulo) ou abaixo (subttulo) da manchete. Esse uma

    explicao um pouco mais detalhada sobre a manchete da qual faz parte. No exemplo

    acima, a manchete principal do caderno de esportes vem com o subttulo Galo pode ser

    campeo da Srie B, hoje, contra o Cear. Isso complementa a manchete Pelo ttulo,

    usada pelo editor.

    Coluna: a forma com que o jornal disposto. Todo o jornal, tanto internamente quanto

    externamente, escrito por meio de colunas e o jornalista, antes de escrever a

    reportagem j sabe, mais ou menos, o espao reservado para aquela matria. Esse

    espao contado por caracteres (cada letra e espao conta como um) e a disposio das

    colunas do texto entregue pelo reprter feita pelo diagramador, juntamente com o editor.

    Depois que o editor monta todo o jornal, com todas as reportagens, que , ento, feita a

    primeira pgina com chamadas e manchetes daquelas reportagens que ele julga serem

    mais chamativas para o pblico-alvo daquele jornal. Ou seja, o pblico-alvo que vai

    direcionar o editor na escolha das reportagens mais chamativas, com o intuito de

    aumentar as vendas nas bancas.

  • ATIVIDADES

    No final dessas atividades voc encontrar um quadro com comentrios sobre as possveis

    respostas

    Atividade I

    Leia atentamente os ttulos e as chamadas apresentadas, extrados do Jornal Estado de

    Minas. Em seguida, procure relacion-los, ligando os ttulos s chamadas.

    Atividade II

    Leia atentamente as chamadas abaixo. Elas foram extradas do Jornal. Em seguida, com

    base na leitura realizada e nos seus conhecimentos prvios, faa a predio, isto , imagine

    um provvel ttulo para as chamadas apresentadas.

  • Atividade III

    Leia atentamente os ttulos apresentados. Eles foram retirados do Jornal Hoje em Dia. Em

    seguida, procure produzir as provveis chamadas dos respectivos ttulos.

    Atividade IV

    Cada bloco abaixo formado, individualmente, por itens retirados de um mesmo exemplar

    de um jornal.

    a) Indique, em cada bloco, qual das alternativas pode ter sido a MANCHETE do dia,

    enquanto que outros, simples ttulos.

    b) Apresente razes que justificam a sua escolha.

    I-

    ( ) Lula pede que Sria interceda por brasileiro.

    ( ) PT passa a ser alvo principal das crticas.

    ( ) Desemprego menor em trs anos.

    (Jornal Estado de Minas, 26/01/05)

  • II-

    ( ) Degradao secou 15% da Baa da Guanabara.

    ( ) Obesidade mata mais que desnutrio.

    ( ) Davos: Lula ouve promessa de investimento.

    (Jornal