Educação Na Pré História

Download Educação Na Pré História

Post on 17-Nov-2015

223 views

Category:

Documents

4 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

texto sobre educao para os povos antigos

TRANSCRIPT

<ul><li><p>33Maiutica - Ano 1| Nmero 1| Janeiro 2013 ARTES VISUAIS</p><p>PR-HISTRIA: EDUCAO PARA SOBREVIVNCIAAugusto Pereira da RosaEster Miriane Zingano</p><p>RESUMO</p><p>A educao durante a Pr-Histria tem como objetivo a sobrevivncia do grupo. Embora sem ter conscincia de que estavam educando e misturando arte com magia, os mais velhos transmitiam aos jovens os conhecimentos e habilidades necessrios sobrevivncia do grupo. De fato, educao, arte e magia na Pr-Histria estavam intimamente relacionadas. Podemos citar o exemplo das pinturas rupestres, que tinham significado mgico (reproduzir na vida real o que estava desenhado), serviam para mostrar aos mais jovens as tticas de uma caada sem deixar de ser a primeira forma de manifestao artstica humana.</p><p>Palavras-chave: Sobrevivncia. Magia. Educao.</p><p>1 INTRODUO</p><p>Este artigo apresenta um breve relato da educao durante a Pr-Histria. Inicialmente realizada uma breve descrio geral da Pr-Histria. Seus perodos (Paleoltico, Neoltico e Idade dos Metais) e suas principais realizaes: construo de instrumentos de ossos, pedras etc.; domnio do fogo; domnio da agricultura, at a inveno da escrita.</p><p>Tambm relatada a importncia dos rituais de magia, uma vez que o conhecimento cientfico ainda era pouco desenvolvido.</p><p>Fica ntido que, durante a Pr-Histria, o primeiro objetivo era a sobrevivncia do grupo. Assim possvel, a partir deste relato, compreender como a arte ajudou na </p><p>2 PR-HISTRIA</p><p>2.1 DEFINIO DA PR-HISTRIA</p><p>Por muito tempo a Pr-Histria foi definida como o perodo que vai desde o aparecimento do homem (mais ou menos trs milhes de anos a.C.) at a inveno da escrita (mais ou menos quatro mil anos a.C.). Atualmente, os historiadores discutem este conceito, pois, ainda que uma civilizao no tenha desenvolvido a escrita, no significa que ela no tenha sua prpria histria. </p><p> Mesmo na ausncia de documentos escritos, possvel reconstruir o passado atravs de estudos de </p><p>fsseis, artefatos, pinturas rupestres etc.</p><p>A Pr-Histria convencionalmente dividida em trs perodos significativos: Paleoltico (Idade da Pedra </p><p>1- Acadmico do Curso de Artes Centro Universitrio Leonardo da Vinci UNIASSELVI Turma ART 0053 Porto Alegre-RS Polo IERGS. 2- Professora-Tutora Externa do Centro Universitrio Leonardo da Vinci UNIASSELVI Turma ART 0053 - Porto Alegre-RS Polo IERGS.</p></li><li><p>34Maiutica - Ano 1| Nmero 1| Janeiro 2013ARTES VISUAIS</p><p>Lascada), Neoltico (Idade da Pedra Polida) e Idade dos Metais.</p><p>2.1.1 Paleoltico ou Idade da Pedra Lascada </p><p>Neste momento da histria da humanidade, os grupos humanos viviam da caa, da pesca e da coleta de frutos e razes, viviam se deslocando em busca de alimento, portanto eram nmades. Neste mesmo perodo, comearam a fabricar alguns de seus instrumentos (machados, lanas, facas de pedra).</p><p>Conheciam o fogo e reconheciam sua importncia, porm no tinham domnio sobre ele. At o final deste perodo acontecer a Revoluo do Fogo, isto , aprendero a domin-lo, fato que modificar significativamente suas vidas, pois os alimentos passaro a ser cozidos, podero se aquecer do frio, defender-se de animais, alm de iluminar a escurido da noite.</p><p>No compreendiam os laos de parentesco biolgico, mas viviam em grupos de aproximadamente 15 ou 20 pessoas, onde se protegiam mutuamente, respeitavam-se, dividiam as tarefas e os alimentos. A liderana do grupo era eletiva e temporria. Isto quer dizer que o lder era uma escolha do grupo feita de acordo com a necessidade do momento. Por exemplo, o bom caador permanecia no comando at que a caada fosse concretizada, depois de saciada a fome do grupo, este membro voltava sua antiga condio, dando lugar a um novo lder. Essa eleio temporria no oportunizava privilgios dentro do grupo.</p><p>2.1.2 Neoltico ou Idade da Pedra Polida </p><p>Recebe este nome porque os instrumentos desta poca j eram feitos de pedra polida. neste perodo que acontece a Revoluo Verde, ou seja, os seres humanos descobrem a agricultura.</p><p>Como a maioria dos coletores eram mulheres, provavelmente foram elas que observaram como as plantas germinavam e como as estaes do ano influenciavam em seu crescimento e poca de colheita. Podemos realmente chamar de Revoluo Verde, pois, com o domnio da agricultura, o ser humano muda radicalmente seu estilo de vida.</p><p>Agora, produtor de seu prprio alimento, ele deixa de ser nmade para fixar-se terra; torna-se sedentrio. Sobre este assunto, Denis (2008) acrescenta:</p><p>As primeiras aldeias so criadas prximas a rios, de modo a usufruir da terra frtil (onde eram colocadas sementes para plantio) e gua para homens e animais. Tambm neste perodo comea a domesticao de animais (cabra, boi, co etc.). O trabalho passa a ser dividido entre homens e mulheres, os homens cuidam da segurana, caa e pesca, enquanto as mulheres plantam, colhem e educam os filhos. A disponibilidade de alimento permite tambm s populaes um aumento do tempo de lazer e a necessidade de armazenar os alimentos e as sementes para cultivo, o que leva criao de peas de cermica, que vo gradualmente ganhando fins decorativos.</p><p>2.1.3 Idade dos Metais</p><p>Este perodo que antecede a inveno da escrita. Agora os instrumentos de pedra foram substitudos pelos de metal.</p><p>A princpio o cobre, por ser muito malevel, era moldado a frio [...]. Tempos depois os metais passaram a ser aquecidos [...].Entre os metais, o ferro foi o mais difcil de manusear [...]. Em razo de sua durabilidade e flexibilidade, ele foi capaz de substituir os outros metais na confeco de numerosos artigos. (BRAICK; MOTA, 2010, p. 25).</p></li><li><p>35Maiutica - Ano 1| Nmero 1| Janeiro 2013 ARTES VISUAIS</p><p>2.2 EDUCAO NA PR-HISTRIA</p><p>Desde que a linguagem surgiu, a educao ajuda o homem a garantir a sobrevivncia. Ela permite que as habilidades e os conhecimentos adquiridos com a experincia sejam repassados para as geraes seguintes. Mas, por muitos sculos, no existiam professores, e todos os adultos transmitiam informaes aos jovens. Isso acontecia de forma oral e espontnea. (LOMBARDO, 2008).</p><p>Na Pr-Histria a educao estava diretamente ligada sobrevivncia do grupo. Como no sabiam distinguir o que era cincia e o que era magia, as pessoas agiam por instinto, transmitindo para os mais jovens aquilo que achavam ser necessrio para garantir a sobrevivncia.</p><p>A educao dos jovens, nesta fase, torna-se o instrumento central para a sobrevivncia do grupo e a atividade fundamental para realizar a transmisso e o desenvolvimento da cultura. [...] o homem primitivo, que atravs da imitao, ensina ou aprende o uso das armas, a caa e a colheita, o uso da linguagem, o culto dos mortos, as tcnicas de transformao e domnio do meio ambiente. (VIRTUOUS, 2008).</p><p>Com a revoluo verde, que ocorre na poca do Neoltico, inicia-se o surgimento da propriedade privada, a diferenciao entre os sexos e a diviso social. [...]cria-se uma diviso do trabalho cada vez mais ntida entre homem e mulher e um domnio sobre a mulher por parte do homem [...]. (VIRTUOUS, 2008).</p><p>A revoluo neoltica tambm uma revoluo educativa: fixa uma diviso educativa paralela diviso do trabalho (entre homem e mulher, entre especialistas do sagrado e da defesa e grupos de produtores); fixa o papel-chave da famlia na reproduo das infraestruturas culturais: papel sexual, papis sociais, competncias elementares, introjeo da autoridade; produz o incremento dos locais de aprendizagem e de adestramento especficos (nas diversas oficinas artesanais ou algo semelhante; nos campos; no adestramento; nos rituais; na arte) [...]. (VIRTUOUS, 2008).</p><p>Embora no estivessem claros os diversos aspectos da educao primitiva, podemos observar alguns aspectos importantes. Assim, Krauss (2010) faz a seguinte observao:</p><p>A diviso da educao nas civilizaes primitivasA educao nas civilizaes primitivas dividida em dois gneros: educao para a sobrevivncia: conhecimentos reais teis garantia da sobrevivncia humana: preparo do alimento, tcnicas de caa, confeco do vesturio, construo de abrigo e armas. Educao para o mistrio (magia): fenmenos naturais de origem desconhecida - como no tinha respostas para os fenmenos da natureza que ocorriam ao seu redor, o homem se lana s atividades de F. Desenvolveu uma coleo de teorias mgicas e religiosas para explicar tais mistrios.</p><p> interessante observar que na educao para o mistrio havia as cerimnias de iniciao (rituais sagrados para os jovens): nestes rituais a autoridade do ancio deveria ser respeitada. Caso isto no ocorresse, poderia haver uma punio com expulso ou at mesmo morte.</p><p>2.3 EDUCAO E ARTE NA PR-HISTRIA</p><p>Como j foi dito, na Pr-Histria o conhecimento no est compartimentado. Educao e sobrevivncia se confundem assim como a arte pr-histrica tambm se mistura com a magia e as utilidades.</p><p>Sem dvida, j na Pr-Histria encontramos os primeiros artistas da humanidade. E suas primeiras manifestaes foram as pinturas rupestres, nas quais podemos observar claramente o carter mgico e a funo educativa.</p><p>Representar o sucesso de uma caada fazia-os crer que o grupo de caadores teria sucesso, ao mesmo tempo que mostrava para os mais jovens o que acontecia em uma caada.</p></li><li><p>36Maiutica - Ano 1| Nmero 1| Janeiro 2013ARTES VISUAIS</p><p>Muito importante nesta poca era a garantia de que novas vidas viessem a perpetuar o grupo. No de se admirar a frequncia com que encontramos representaes da figura feminina na Pr-Histria. Nestas representaes fica claro o padro de beleza relacionado sobrevivncia: [...] a Vnus das cavernas representava basicamente a me, a fertilidade. Ela tem seios fartos, ndegas grandes e traos faciais imprecisos. (FEIST, 2003, p. 27).</p><p>Tambm de acordo com Schlichta (2009, p. 105), [...] esta temtica mulheres e animais est duplamente ligada sobrevivncia da espcie. Os animais garantiriam a subsistncia e as mulheres representariam a continuidade da vida.</p><p>Na arte pr-histrica do Brasil tambm podemos observar a cermica ricamente adornada e o seu carter utilitrio e mstico utilizada para armazenar gua ou alimento, ou ainda ser utilizada como urna fnebre.</p><p>Convm salientar que o adorno da cermica, alm de ser um trabalho artstico, tambm tem um carter educativo, pois seus desenhos, alm de enfeitar, trazem relatos para quem os observa.</p><p>3 CONSIDERAES FINAIS</p><p>Atravs deste trabalho observei que o processo educativo da Pr-Histria baseado na confiana e no respeito. Confiana e respeito que os jovens deviam ter pelos mais velhos.</p><p>Cincia e magia confundem-se. Utilizam-se recursos de cincia e magia sem saber distingui-los , para transmitir conhecimentos e habilidades necessrios sobrevivncia do grupo.</p><p>A arte tambm aparece como uma manifestao mgica e pedaggica. Mgica porque ela reproduz apenas o sucesso: caadores produtivos e madonas saudveis, aptas a dar continuidade espcie. Pedaggica porque atravs de uma pintura rupestre possvel demonstrar todas as tticas para que uma caada fosse bem-sucedida.</p><p>REFERNCIAS</p><p>AZEVEDO, Gislane Campos; SERIACOPI, Reinaldo. Histria. So Paulo: tica, 2005. (volume nico). </p><p>BERTELLO, Maria Augusta. Palavra em ao: minimanual de pesquisa de arte. Uberlndia : Claranto, 2003.</p><p>BRAICK, Patrcia Ramos; MOTA, Myriam Becho. Histria das cavernas ao terceiro milnio. 2. ed. So Paulo: Moderna, 2010.</p><p>DENIS, Lon. Educao primitiva. 2008. Disponvel em: . Acesso em: 29 maio 2011.</p><p>FEIST, Hildegard. Pequena viagem pelo mundo da arte. 2. ed. So Paulo: Moderna, 2003.</p><p>FEITOSA, Charles. Explicando a filosofia com arte. 2. ed. Rio de Janeiro: Ediouro Multimdia, 2009.</p><p>KRAUSS, Heleneida. Um pouco de mim: educao na Pr-Histria. Rio de Janeiro: 2010. Disponvel em: . Acesso em: 26 mar. 2011.</p><p>LOMBARDO, Lvia. Como fazamos sem educao. 2008. Disponvel em: </p></li><li><p>37Maiutica - Ano 1| Nmero 1| Janeiro 2013 ARTES VISUAIS</p><p>com.br/aprendizagem/educacao-pre-historia-396338.shtml&gt;. Acesso em: 29 maio 2011.</p><p>SCHLICHTA, Consuelo. Arte e educao: h um lugar para a arte no ensino mdio? Curitiba: Aymar, 2009.</p><p>TIRAPELI, Percival. Arte brasileira: arte indgena do pr-colonial contemporaneidade. So Paulo: Companhia Editora Nacional, 2007.</p><p>VIRTUOUS, Grupo. Histria da educao perodo primitivo. 2008. Disponvel em: . Acesso em: 26 mar. 2011.</p></li></ul>