edição820.tarde - | atualidade, globo ...· humor. ... mim e perguntaram: «Ó meu tonto, porque

Download Edição820.Tarde - | Atualidade, Globo ...· Humor. ... mim e perguntaram: «Ó meu tonto, porque

Post on 01-Dec-2018

219 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Sexta-feira,7deDezembrode2007Directora: Isabel Stilwell

    JOO

    CORT

    ESO

    /D

    ESTA

    K

    Edio820 . Tarde . Ano7

    Veneno.Os procrastinadoresO retrato dos que deixam tudo para amanh. P. 02

    Sugesto.FriasActivasLisboa enche-se de ideias para os mais novos. P. 08

    Desporto.ODakarestaParticipe nas actividades e conhea os pilotos. P. 11

    Cinema.BssolaEncantadaEntre no mundo da magia, no filme deste Natal. P. 12

    Humor.Discpuloconfessodosactores ingleses,oGatoFedorento investigaTerryJones.P.04,05e06

    RicardoArajoPereiraentrevistaheridosMontyPython

  • www.02 6 Feira 7 de Dezembro de 2007Destak.pt

    Deram-lhes o nome de procrastinadores. um novo palavropara juntar ao seu j vasto vocabulrio. Ao que consta, trata--se de um adjectivo, existe na verso feminina (procrastina-dora) e na verso masculina (procrastinador), e obviamenteno plural, tambm em verso para ele ou para ela. Em portu-gus, no masculino, para todos.Quemsoestespersonagens?Aqueles que adiam paraamanh o que podem fazer hoje, so gente que pisa o planetaTerra desde que ele existe. As estatsticas dizem que represen-tam cerca de 20 por cento da populao, e os especialistas ga-rantem que no uma caracterstica gentica, mas aprendida.Boas notcias para quem quer mudar, seno hoje, pelo menosdaqui a uns dias, como diria um exemplar genuno da espcie.OescritorefilsofoFernandoSavaterdescreve bem os pro-crastinadores, embora por outras palavras, quando diz queos piores imbecis so aqueles que sabem o que querem, comol chegar, mas acreditam sempre que no dia seguinte quetero vontade de se fazer ao caminho.Mas ao que parece adiar mais forte do que um mero actode vontade, e quaisquer dois dedos de conversa com um pro-crastinador chegam para imediatamente entender que elesofre por ser assim, gostava de ser de outra forma, mas o blo-queio que o impede de avanar pode mais do que as suasboas intenes. verdade que no pagam as contas a horas,perdem oportunidades fantsticas, adiam almoos no mo-mento, entregam os impostos com multa e, claro, fazem ascompras de Natal nos dez minutos antes da consoada, masno se orgulham desse facto. Passam noites sem dormir, edias angustiados a fazer listas. Alis, quanto mais prximoest o prazo mais se afadigam, e parecem realmente ocupa-dos. Simplesmente no com o trabalho que tm que entre-gar, mas com uma srie de rituais de adiamento, como afiaros lpis todos, arrumar a secretria, pr os dossis por or-dem, ou os livros na prateleira por autores, ou seja, tudoquanto possa procrastinar o que tm de importante paraconcluir.Aoqueparece, sofremdeneurosedofalhano, ou seja,so to perfeccionistas e tm tanto medo de no desem-penhar bem a tarefa que nem sequer arriscam. Assim podemagar-rar-se ideia de que se tivessem realmente desejadoaquilo teriam sido capazes de levar a cabo a conquista. um triste consolo, pensa algum que no sofre da mesma sn-drome, mas um consolo, e sabe melhor do que a derrotaimaginada.

    Os procrastinadores agarram-se como lapas, s ideias feitasque s podem ter sido enunciadas por outros como eles: acre-ditam que trabalham melhor sobre presso, tm uma f ina-balvel na criatividade e na inspirao, e alimentam aideia hilariante de que os outros trabalham porque adoramtrabalhar. Ou seja, quem cumpre, no o faz por esforoprprio, nem a custo pessoal, mas apenas porque retira dotrabalho uma compensao emocional que eles, coitados, notm culpa de no retirar quantas vezes j ouviu o seu filhoadolescente dizer-lhe que a irm adora estudar, mas quecada um como cada qual?Cura?Lenta,maspossvel.Se forem ganhando confiana noseu desempenho, arriscam um bocadinho mais de cada vez.Isto para quem acredita que os portugueses no so procras-tinadores desde que D. Afonso Henriques bateu na me, eque nada os demove de lanar a caravela gua apenasna vspera do descobrimento. Se no for um defensor ac-rrimo ou mais envergonhado, de que nesta nao beira marplantada, temos um desempenho melhor sobre presso ouquando o cutelo ameaa cortar-nos o pescoo. Se desses,deixe l a massa das filhoses a descansar, e v mas ver umasrie na televiso, porque as doze badaladas esto a anos luz.Mas, caso seja daqueles que comeam a acreditar que as l-ceras e a hipertenso no compensam, talvez os conselhosabaixo lhe interessem.Osconselhossosimples, como convm a um procrastina-dor: basicamente, uma recomendao de que no sobrestimeo tempo que falta at ao momento em que a tarefa tem queser cumprida, nem subestime o tempo que vai levar a desem-penh-la. Em seguida, preciso que se convena de que a ins-pirao uma coisa muito bonita quando nos apanha a tra-balhar, e meta na cabea que nem toda a gente corre por gos-to, mas apenas porque no se pode dar ao luxo de suportar asconsequncias de ficar de papo para o ar.Finalmente, em termos prticos, e j para hoje (frase que umprocrastinador odeia!), a sugesto de que faa uma lista dasobrigaes que tem que cumprir. Subdivida cada uma delasem pequeninas parcelas, como se fossem degraus de um es-cadote. Compre uma ampulheta e cumpra cada uma no tem-po que leva a areia a escoar de um lado para o outro. No caiana asneira de fazer intervalos, porque l se vai toda a concen-trao. D a si mesmo prmios para as tarefas cumpridas (eno faa batota). Se for um bocadinho menos procrastinadorser o primeiro a sentir-se mais feliz. Palavra de escuteiro.

    Como deixar de ser um procrastinador

    Destak

    I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I II I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I II I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I

    Isabel Stilwell | directora

    FIM-DE-SEMANA

    Veneno

    Quem so estespersonagens? Aqueles

    que adiam para amanho que podem fazer hoje,gente que pisa o planeta

    Terra desde que eleexiste.

    GETTY

    O DESTAK DESEJA-LHE UM FELIZ NATAL

  • PUB

  • Destakwww. .pt04 6 Feira 7 de Dezembro de 2007

    JO

    OTO

    M

    (tex

    to)

    jtom

    e@de

    stak

    .pt

    JO

    OCO

    RTE

    SO

    (fot

    os)

    Destak

    Um deles foi membro fundador dos Monty Python (o grupo de guionis-tas/humoristas mais famoso do pla-neta), e em que desempenhava inva-riavelmente o papel de velhota. Alm disso, escreveu argumentos, realizou filmes e documentrios, publicou li-vros infantis , sendo responsvel por comentrios polticos e histricos. O outro membro fundador dos Gato Fedorento (grupo de guionistas/hu-moristas nacionais mais famoso em Portugal). o imitador de eleio de to-das as personalidades da nossa praa, a que soma a literatura, crni-cas na revista Viso, participao em

    livros, discos, blogues, stand up . O um Terry Jones, 65 anos. O ou-tro Ricardo Arajo Pereira, 34 anos. E se o outro tivesse a oportu-nidade de entrevistar o um? Foi es-se o desafio que o Destak colocou a Ricardo Arajo Pereira. O mais conhecido guionista que interpreta os seus prprios textos cmicos, co-mo o prprio se define, aceitou o rep-to! O encontro deu-se no So Luiz, tera-feira, minutos depois de Mr. Jones (como RAP tratou o ex- -Python) ter terminado os ensaios da pea que ir estrear por c a 12 de Ja-neiro. Feitas as apresentaes, foi um

    FIM-DE-SEMANA

    Ricardo Arajo Pereira vs Mr. Terry Jones

    Ricardo (RAP) nervoso que explicou que o sucesso dos Gato Fedorento foi repentino, doido mesmo. Para quebrar o gelo, Mr. Jones foi-lhe contando que ficar em Portugal at estreia da pea, passando inclusive o Natal e a passagem do ano por c, uma forma de fugir ao frio de Lon-dres. Depois as perguntas de Ricar-do comearam a disparar, e Mr. Jo-nes abriu o peito a todas as balas. De tal forma que temos que deixar o avi-so: O espao que se segue da intei-ra responsabilidade dos intervenien-tes. E agora, para algo completa-mente diferente, a frase que imorta-lizou os Monthy...

    Terry Jones em Portugal Mr. Jones acedeu ao convite do Tea-tro So Luiz para estrear mundial-mente a sua pea Evil Machines em Lisboa. Os ensaios decorrem h mais de uma semana (estreia a 12 de Ja-neiro). Hoje, amanh e domingo Ter-ry Jones narra os seus Contos Fan-tsticos (musicados) no So Luiz.IIIIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    IIII

    I

    COMPLETAMENTE DIFERENTEE AGORA ALGO

    O DESTAK DESEJA-LHE UM FELIZ NATAL

  • 6 Feira 7 de Dezembro de 2007 05Destakwww. .pt

    Desconfioquelhevou fazerperguntasquejlheforamfeitasum milho de vezes desculpeIsso at torna tudo mais fcil (risos).

    Como comeou o seu interesse pelacomdia?Sempre me interessou. A maior parte dos midosgostam... Adoram ser tontos e fazer coisas diverti-das. Lembro-me da minha piada mais antiga. Achoque foi antes de saber falar. Estvamos em Gales,tnhamos acabado de comer e a minha av pergun-tou se a