edição nº 158

Download Edição Nº 158

Post on 18-Mar-2016

230 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Jornal Capital - Edição nº 158

TRANSCRIPT

  • Adenncia por atos de improbidade administrativa foi ingressada na Procuradoria Geral de Justia do Estado, por iniciativa do l-der do PR na Cmara Municipal de Duque de Caxias, Srgio Alberto Corra da Rocha, que fez o anncio na sesso do Legislativo da ltima quinta-feira (9). O documento foi protocolado trs dias antes, ende-reado ao Procurador-Geral Marfan Vieira Martins. A denncia, se-

    gundo o parlamentar, diz respeito assinatura de convnio entre a Prefeitura e o Governo do Estado para implantao do Programa Estadual de Integrao na Segurana Pblica-PROEIS. Segun-

    do o vereador, o prefeito ignorou o artigo 13 da Lei Orgnica Municipal (LOM) ao no submeter o assunto apreciao do

    Poder Legislativo. PGINA5

    MERCADO & NEGCIOS

    Faetec oferece mais de 4 mil vagas em cursos tcnicos e superiores

    Brasil disputa espao na Comisso Interamericana de Direitos Humanos

    Capital EMpRESa JORNalStiCa ltDa 14 A 20 DE MAIO DE 2013

    Ano 5 n 158www.jornalcapital.jor.br

    R$1

    Atualidade Internacional

    Balana tem supervit de US$ 695 milhesPGINA4

    Deputado Dica pede abertura de CPI contra a Cedae

    Indstria do Rio espera recuperao moderada para os prximos meses

    Eleies para diretores de escolas

    Sem ajuda do Poder Pblico,

    Deputado promove resgate de usurio de crack e lcool

    Justia pode derrubar

    aumento de passagens em Caxias

    PGINA7

    Os empresrios fluminenses seguem confian-tes no futuro da economia brasileira, do estado e de suas empresas, porm com menor intensidade na comparao com o primeiro e o ltimo trimestre de 2012.

    PGINA2

    A ao anu-latria de decreto munici-pal com pedido de tutela ante-cipada, impe-trada no ltimo dia 6, foi distri-buda 1 Vara Cvel de Duque de Caxias.

    PGINA7

    Os diretores das escolas da rede municipal de Duque de Caxias tero que ser escolhidos por eleies diretas a partir de 1 de janeiro de 2014. A iniciativa do vereador Osvaldo Lima (foto), do PSC, que apresentou projeto de emenda Lei Orgnica do Municpio. Segundo o parlamentar, o objetivo regulamentar o inciso XI do Artigo 92.

    PGINA6

    Marcelo Cunha

    Captao de ttulos no exterior chega a

    US$ 800 milhes

    Claise Maria preside Frum de Secretrios Estaduais de Trabalho

    Ospapis,comvencimentoem5dejaneirode2023,tmtaxaderetornoparaoinvestidorde2,75%aoano. A emisso foi liderada pelos bancos Barclays e Ci-tigroup. PGINA3

    Pela primeira vez, o Rio de Janeiro foi sede do encontro. Representantes do Go-verno federal e dos estados discutiram e decidiram as novas diretrizes do frum, quetemporobjetivofortaleceraparticipaodosestadosnadeiniodepolticaspblicasrelacionadasgeraodeempregoerenda. PGINA4

    PGINA8

    MP recebe denncia de

    improbidade administrativa

    contra Alexandre Cardoso

    Arq

    uivo

  • 2 14 a 20 de Maio de 2013MERCADO & NEGCIOS

    Ponto de Observao

    Alberto Marques

    Anvisa adverte: leite com formol faz mal sade

    A Agncia Nacionalde Vigilncia Sa-nitria (Anvisa) divul-gou comunicado sexta--feira (9) alertando que o consumo de leite com presena de formol no seguro. O alerta foi publicado em decorrn-cia da Operao Leite Compen$ado, delagra-da pelo Ministrio da Agricultura em parceria com o Ministrio P-blico do Rio Grande do Sul (MP-RS), que des-cobriu a adio de gua e ureia [utilizada na la-voura como adubo] para aumentar o volume do leite. Transportadores do produto foram apon-tados como os respons-veis pela fraude.

    De acordo com a An-visa, o formol ou for-maldedo toxico se ingerido, inalado ou se tiver contato com a pele e considerado cancer-

    geno pela Agncia Inter-nacional de Pesquisa do Cncer (Iarc)desde junhode2004.Segundoaagn-cia reguladora, mesmo em pequenas concentraes, o formol apresenta risco sade, "pois a substncia no possui uma dose segu-ra de exposio". A subs-tncia foi encontrada no leite adulterado. A Anvisa recomendou aos consumi-dores que tenham em casa produtos dos lotes frauda-dos que no os consumam por haver risco sade.

    As fabricantes produ-toras do leite UHT adulte-rado foram submetidas ao Regime Especial de Fisca-lizao e esto impedidas de vender os produtos. A proibio vlida at que correessejamaprovadase que trs amostras conse-cutivas apresentem resul-tados laboratoriais dentro dos padres. Com o crime, transportadores lucravam 10%amaisdoqueos7%jpagossobreopreodoleite cru, em mdia R$

    0,95 por litro. O total deleite movimentado pelo grupo, no perodo de um ano, chega a 100 milhes de litros. Mais de 100 tone-ladas de ureia foram com-pradas pelos envolvidos. Alm do Rio Grande do Sul, outros estados sero investigados para saber se tambm houve adultera-o no leite. O foco inicial da operao foi a Regio Sul, onde existe a igurado transportador de leite.

    A descoberta da fraude ocorre no momento em que o Ministrio da Sa-de, alegando que no tem dinheiro para contratar novos proissionais parareforarasequipesdeis-calizao sanitria, apesar da expanso dos negcios na rea de alimentao de origem animal, que exige iscalizao24horas.Pararesolver esse problemi-nha a sada seria transfe-rir essa responsabilidade para estados e municpios.

    Ora, se a inspeo sa-nitria federal levou mais

    de um ano para des-cobrir a fraude no Rio Grande Sul, como espe-rarqueiscaissanitrios,contratados por estados e municpios, possam icar imunes inlun-cia poltica e econmica num trabalho exclusiva-mente tcnico? Alm da imunidade da iscaliza-o s prees polticas e econmicas, a transfe-rncia criaria outro tipo de barreira: os limites de cada unidade da federa-o. Como as indstrias do t em atuao em v-rias cidades e estados, em caso de novas frau-des, qual seria a autori-dade responsvel pela punio dos bandidos? Em caso de ao crimi-nal, o ato criminoso se-ria municipal, estadual ou federal?

    Voltaramos a discutir novamente, na ridcula tese da responsabilidade sobre a Dengue: o mos-quito municipal, esta-dual ou federal?

    MERCADO & NEGCIOS

    Av. Governador Leonel Brizola (antiga Presidente Kennedy), 1995 - Sala 804Edifcio Sul Amrica - Centro, CEP 25.020-002 - Duque de Caxias, Rio de Janeiro

    Telefax: (21) 2671-6611 - CNPJ 11.244.751/0001-70

    Os artigos assinados so de inteira responsabilidade de seus autores.

    TIRAGEM: 10.000 exemplares(assine o Capital: 21 2671-6611)

    IMPRESSO: ARET EDITORIAL S/ACNPJ 00.355.188/0001-90

    Departamento Comercial:(21) 2671-6611 / 8400-0441 / 7854-7256 ID 8*21653

    Diretor Geral: Marcelo CunhaDiretor de Redao: Josu Cardoso (josuejornalista@gmail.com)

    Colaboradores: Alberto Marques, Arthur Salomo, Aureo Ldio, Carlos Erbs, Dilma Rousseff,

    Geiza Rocha, Moreira Franco, Roberto Daiub e Rodrigo de Castro.

    Endereos eletrnicos:

    comercial@jornalcapital.jor.brcomercial.capitalmercado@gmail.com

    contato@jornalcapital.jor.br

    contato.capitalmercado@gmail.comredacao@jornalcapital.jor.brredacao.capitalmercado@gmail.com

    Filiado ADJORIAssociao de Jornais do Interior Capital Empresa

    Jornalstica Ltda

    Na internet: www.jornalcapital.jor.br

    Brasil far leiles exclusivos para

    explorao de gs

    Em outubro deste ano, a Agncia Nacionaldo Petrleo, Gs NaturaleBiocombustveis(ANP)vai promover o primeiro leilo exclusivamente de gs. O leilo est previs-to para os dias 30 e 31 e ter como foco blocos ex-ploratrios em terra, com o objetivo de desenvol-ver no pas um mercado de gs no convencional, extrado de rochas, como o xisto. Em entrevista Agncia Brasil, o diretor da ANP Helder Queirozdisse que j foi encami-nhado ao Ministrio de Minas e Energia (MME) o mapeamento com a su-gesto das reas a serem ofertadas. Depois disso, o ministrio submeter o estudo apreciao do ConselhoNacionaldePo-lticaEnergtica(CNPE).Ele informou, ainda, que a expectativa que o MME

    encaminhe o mapeamen-toaoCNPEnasprximassemanas, para que o edital possa ser publicado at o inaldejunho.

    - O foco da rodada de gs sero os blocos em terra, porque existe hojeuma dependncia ainda grande do gs natural im-portado, e existe uma de-manda reprimida, princi-palmente para atender s termeltricas a gs, para garantia do abastecimento em tempo de seca - dis-se Queiroz. Segundo ele,a ideia que a mdio e longo prazos o pas possa reduzir essa dependncia. Esse leilo constitui-r um conjunto de ofertade oportunidades nessas reas. As oportunidades tanto podem ser do gs convencional, como tam-bm do no convencional, extrado de rochas como o xisto.

    Indstria do Rio espera recuperaomoderada para os prximos meses

    Os empresrios lumi-nenses seguem con-iantesnofuturodaecono-mia brasileira, do estado e de suas empresas, porm com menor intensidade na comparao com o pri-meiro e o ltimo trimes-tre de 2012. O indicador de Expectativas quanto aos prximos seis meses, da Sondagem Econmica Regional - 1 trimestre de 2013, divulgado pelo Sis-tema FIRJAN (Federaodas Indstrias do Estado do Rio de Janeiro) nesta quarta-feira, dia 8, regis-trou58,6pontosnestepri-meiro trimestre. O ndice acimados50pontossigni-icaqueosempresrioses-to coniantes. Porm, noprimeiro trimestre do ano passado o indicador de ex-pectativas para os prxi-

    mos seis meses registrou 64,2 pontos e, no quarto,61,5pontos.

    A anlise detalhada das expectativas mostra que os empresrios, apesar de oti-mistas, esto cautelosos. As expectativas quanto demanda por produtos avanaram no primeiro tri-mestre (60,6 pontos, ante 58,6notrimestreanterior),mas o movimento no foi acompanhado pelos in-dicadores de compras de matria-prima (58,2 ante60,2) e de nmero de em-pregados(51,7contra51,6- estabilidade). O indica-dor de exportaes tam-bm recuou no perodo (d e53,0para51,4),reletin-do a incerteza ainda pre-sente no cenrio interna-cional.ATUAL - O ndice de

    Condies Atuais regis-trou46,9pontos,oquein-dica que na percepo dos empresrios luminensesas condies atuais pio-raram