Edição da Revista do Consa - Abril 2009

Download Edição da Revista do Consa - Abril 2009

Post on 26-Mar-2016

216 views

Category:

Documents

1 download

DESCRIPTION

Revista do Colgio Franciscano Nossa Senhora Aparecida

TRANSCRIPT

<ul><li><p>abril</p></li><li><p>1ndice</p><p>Editorial ............................................................................................................................. 2</p><p>Entrada Principal - Paisagismo ............................................................................................. 3</p><p>O papel dos pais e dos estudantes frente s novas tendncias nos vestibulares ..........................4</p><p>Laboratrio de Humanidades ................................................................................................5</p><p>Um ambiente de descobertas ...............................................................................................6Orientao vocacional .........................................................................................................6</p><p>Depoimentos de Ex- alunos ..................................................................................................10Orientaes para estimulao de Fala e Linguagem .................................................................10</p><p>Charles Darwin ...................................................................................................................11</p><p>2009: o Ano Internacional da Astronomia AIA .....................................................................12Escolha ..............................................................................................................................12</p><p>1 Sarau Temtico ..............................................................................................................13As Aventuras do Avio Vermelho ........................................................................................13</p><p>Sonho de Luz .....................................................................................................................15Mercado nervoso deixa operador Neurtico .........................................................................15</p><p>Monteiro e Lobato - um nico homem com vrios dons ...........................................................16</p><p>Atividades desenvolvidas no Integral e Semi-Integral ...............................................................18</p><p>Projeto - 6 ano .................................................................................................................19Projeto - 7 ano ..................................................................................................................20Projeto - 8 Ano ..................................................................................................................21Projeto - 9 Ano........................................................................................... .......................21</p><p>Projeto - 1 Ano Ensino Mdio ..............................................................................................22Projeto - 2 Ano Ensino Mdio .............................................................................................22Projeto - 3 Ano Ensino Mdio ..............................................................................................22</p><p>Projeto - Msica na escola ...................................................................................................24</p><p>Celfran 2009 ......................................................................................................................26</p><p>A Paz fruto da Justia .......................................................................................................28</p><p>Direo: Irm Priscilla RossetoCoordenao: Professor ngelo NunesReviso: Ir. Romana Rosseto|Ir. Canisia Muller</p><p>Diagramao: Luciano Dias GaldinoColaborao: Pais, alunos, ex-alunos, professores e orientadorasCapa: Estudantes do Fundamental II</p><p>Expediente: A revista do Consa uma publicao interna do Colegio Franciscano Nossa Senhora Aparecida</p><p>Colgio Franciscano Nossa Senhora AparecidaAl. Jauaperi, 416 - Moema So Paulo - SP CEP - 04523 - 011 | Telefone - (011) 5054 - 4399www.consa.com.br</p></li><li><p>2 3</p><p>ED</p><p>ITO</p><p>RIA</p><p>L</p><p>Entrada Principal Paisagismo</p><p> Na reforma da entrada principal, o Consa visava, assim como mantm rigorosos padres de excelncia na Educao de seus estudantes, adaptar-se aos padres de acessibilidade, atendendo s premissas e diretrizes impostas. O desafio encontrado foi manter a fachada original, visto que o Colgio tem 70 anos, e os novos quesitos da Lei Cidade Limpa exigiam reformulaes no letreiro.</p><p> O projeto de paisagismo, que sincroniza funo com esttica, criou uma rampa de acesso suave, com inclinao de 5,68%, iluminao indireta, piso de granito vermelho antiderrapante e guarda-corpo de ao inox, oferecendo uma linguagem mais moderna e elegante. A cobertura metlica com telhas de policarbonato conferiu linhas contnuas ao antigo edifcio de formas retas e fez a conexo entre a nova guarita e o prdio, organizando a entrada, para controlar o fluxo de visitantes e melhorar a segurana. </p><p> A gua da chuva captada pela nova cobertura e direcionada para o jardim, que recebeu um tratamento de drenagem especial, garantindo distribuio equivalente de gua por </p><p>toda a rea ajardinada. Com isso, o Colgio, que j havia dado incio ao seu trabalho de contribuio decisiva no combate s enchentes com as caladas drenantes, continua exercendo seu exemplo cvico, associando sua imagem tecnologia, contemporaneidade e ecologia.</p><p> As plantas foram cuidadosamente escolhidas sob um critrio no s esttico, mas tambm de resistncia s chuvas, florao e perfume. Para o espelho dgua, adotou-se as pastilhas de vidro com um desenho ondulado de trs tons de azuis impressos, que mimetizam as ondas do mar. Os jatos que movimentam as guas do a sensao de frescor e as plantas completam a composio do ambiente. A entrada dos estudantes tambm recebeu granito vermelho. Um bicicletrio foi adicionado para maior conforto, contribuindo tambm para o incentivo do uso da bicicleta, a fim de reduzir a emisso de poluentes e melhorar a qualidade de vida da cidade.</p><p> Na verdade, o que buscamos em nossos projetos uma nova tica arquitetnica paisagstica balizada por estratgicas ambientais. </p><p>Elza Niero - Paisagista</p><p>Centenas de milhares de crianas e jovens Centenas de milhares de crianas e jovens Centenas de milhares de crianas e jovens iniciaram o ano letivo de 2009. O Brasil vai depender iniciaram o ano letivo de 2009. O Brasil vai depender iniciaram o ano letivo de 2009. O Brasil vai depender destas geraes, das habilidades que iro desenvolver, destas geraes, das habilidades que iro desenvolver, destas geraes, das habilidades que iro desenvolver, assim como dos valores da solidariedade e da cultura assim como dos valores da solidariedade e da cultura assim como dos valores da solidariedade e da cultura que obtero durante a sua vida escolar. que obtero durante a sua vida escolar. que obtero durante a sua vida escolar. </p><p>Formar cidados conscientes uma grande Formar cidados conscientes uma grande Formar cidados conscientes uma grande responsabilidade. Por isso, o Consa busca em cada responsabilidade. Por isso, o Consa busca em cada responsabilidade. Por isso, o Consa busca em cada momento, quer seja em sala de aula, nas convivncias, momento, quer seja em sala de aula, nas convivncias, momento, quer seja em sala de aula, nas convivncias, nos recreios ou nas sadas pedaggicas, transmitir nos recreios ou nas sadas pedaggicas, transmitir nos recreios ou nas sadas pedaggicas, transmitir ensinamentos que tornem seus estudantes capazes de ensinamentos que tornem seus estudantes capazes de ensinamentos que tornem seus estudantes capazes de questionar a realidade social de nosso pas, tornando-questionar a realidade social de nosso pas, tornando-questionar a realidade social de nosso pas, tornando-os sujeitos conscientes e participativos, autores de sua os sujeitos conscientes e participativos, autores de sua os sujeitos conscientes e participativos, autores de sua prpria histria.prpria histria.prpria histria.</p><p>Neste ano dedicado pela Campanha da Neste ano dedicado pela Campanha da Neste ano dedicado pela Campanha da Fraternidade Segurana Pblica, atravs do tema a Fraternidade Segurana Pblica, atravs do tema a Fraternidade Segurana Pblica, atravs do tema a Paz fruto da justia, somos convocados a sermos Paz fruto da justia, somos convocados a sermos Paz fruto da justia, somos convocados a sermos participantes na construo da justia, o grande participantes na construo da justia, o grande participantes na construo da justia, o grande alicerce da paz. Deixar de lado a indstria do medo alicerce da paz. Deixar de lado a indstria do medo alicerce da paz. Deixar de lado a indstria do medo que nos aprisiona em dimenses muito maiores do que que nos aprisiona em dimenses muito maiores do que que nos aprisiona em dimenses muito maiores do que a garantia da paz e lutar por um mundo sem corrupo a garantia da paz e lutar por um mundo sem corrupo a garantia da paz e lutar por um mundo sem corrupo e violncia.e violncia.e violncia.</p><p> pensar no mundo que queremos deixar para pensar no mundo que queremos deixar para pensar no mundo que queremos deixar para aqueles que esto se formando ou que viro depois de aqueles que esto se formando ou que viro depois de aqueles que esto se formando ou que viro depois de ns.ns.ns.</p><p> tempo de Pscoa, queremos ser construtores tempo de Pscoa, queremos ser construtores tempo de Pscoa, queremos ser construtores da Paz e sonhadores de um mundo melhor. da Paz e sonhadores de um mundo melhor. da Paz e sonhadores de um mundo melhor. Anselmo Grn nos diz: A pedra do tmulo o smbolo Anselmo Grn nos diz: A pedra do tmulo o smbolo Anselmo Grn nos diz: A pedra do tmulo o smbolo de pedras que nos bloqueiam, que nos impedem de pedras que nos bloqueiam, que nos impedem de pedras que nos bloqueiam, que nos impedem de viver e florescer. s vezes so pessoas que nos de viver e florescer. s vezes so pessoas que nos de viver e florescer. s vezes so pessoas que nos prendem e no deixam viver. So temores, covardia, prendem e no deixam viver. So temores, covardia, prendem e no deixam viver. So temores, covardia, inibio, incapacidade de se aceitar. So experincias inibio, incapacidade de se aceitar. So experincias inibio, incapacidade de se aceitar. So experincias traumatizantes que nos esmagam. Ressurreio quer traumatizantes que nos esmagam. Ressurreio quer traumatizantes que nos esmagam. Ressurreio quer dizer que Deus remove estas pedras. Talvez sejam anjos dizer que Deus remove estas pedras. Talvez sejam anjos dizer que Deus remove estas pedras. Talvez sejam anjos que rolam a pedra, pessoas que so transparentes para que rolam a pedra, pessoas que so transparentes para que rolam a pedra, pessoas que so transparentes para Deus, que irradiam algo da bondade e misericrdia de Deus, que irradiam algo da bondade e misericrdia de Deus, que irradiam algo da bondade e misericrdia de Deus.Deus.Deus.</p><p>De corao lhes desejo que encontrem anjos De corao lhes desejo que encontrem anjos De corao lhes desejo que encontrem anjos em seus caminhos, pessoas bondosas, que os ajudem em seus caminhos, pessoas bondosas, que os ajudem em seus caminhos, pessoas bondosas, que os ajudem a remover as pedras que os impedem de desabrochar a remover as pedras que os impedem de desabrochar a remover as pedras que os impedem de desabrochar e florescer. e florescer. e florescer. </p><p>Tocados pelo amor de Deus, sejamos capazes Tocados pelo amor de Deus, sejamos capazes Tocados pelo amor de Deus, sejamos capazes de ressuscitar e viver um ano na Paz, na Justia e na de ressuscitar e viver um ano na Paz, na Justia e na de ressuscitar e viver um ano na Paz, na Justia e na Fraternidade.Fraternidade.Fraternidade.</p><p>Com a proteo de Maria, nossa Me Com a proteo de Maria, nossa Me Com a proteo de Maria, nossa Me Aparecida,Aparecida,Aparecida,</p><p>Paz e Bem!Paz e Bem!Paz e Bem!Ir. Priscilla RossettoIr. Priscilla RossettoIr. Priscilla Rossetto Estudantes na nova Recepo do Colgio</p></li><li><p>4 5</p><p>OP</p><p>OR</p><p>TU</p><p>NID</p><p>AD</p><p>ES</p><p>OP</p><p>OR</p><p>TU</p><p>NID</p><p>AD</p><p>ES</p><p>O papel dos pais e dos estudantes frente s novas tendncias nos vestibulares As mudanas no vestibular no estado de So Paulo, divulgadas pela mdia, preocupam estudantes e pais. Essas preocupaes so razoveis, contudo, bom lembrar que tais mudanas so benficas, pois atendem a necessidades mais complexas do conceito de Educao e que questionam o papel da escola e das avaliaes no processo de formao do aluno. Em termos prticos, o que se deseja, mudando o vestibular, valorizar o perfil do futuro universitrio. Passa-se, dessa maneira, da importncia dada quantidade de contedos aprendidos para a capacidade de aprender, que o candidato desenvolveu no processo de escolarizao.Isso no significa, porm, que o vestibular fica mais fcil ou que agora passa qualquer um. Ao contrrio, a mudana de foco permite valorizar ainda mais a escola como espao de construo de habilidades, conhecimentos e valores que sero teis no presente e no futuro. Possibilita tambm que a escola possa dedicar-se formao do futuro acadmico e no formao de um mero acertador de questes. </p><p> A diferena entre um perfil e outro substancial. So duas as principais mudanas nos vestibulares. A primeira refere-se certa uniformizao formal nos principais vestibulares pblicos do Estado, que passam a ser constitudos em duas fases: a primeira, com questes de mltipla escolha e a segunda, com questes discursivas e redao. Alm disso, os conhecimentos de todas as disciplinas escolares passam a ser cobradas dos candidatos. A segunda mudana mais conceitual: as disciplinas perdem fora na construo da prova frente s reas. Em outras palavras, isso significa dizer que Linguagens, Cdigos e suas Tecnologias, Cincias da Natureza, Matemtica e suas Tecnologias e Cincias Humanas e suas Tecnologias so vistas como espaos mais importantes para questionar os alunos do que as disciplinas que as constituem, tais como, Lngua Portuguesa, Matemtica ou Geografia, por exemplo. Desse modo, abre-se o caminho para a interdisciplinaridade na construo do vestibular, prtica que no chega a ser de todo nova, pois encontra no vestibular da UnB (Universidade de Braslia) e no ENEM importantes precursores. A dvida saber at que ponto essas mudanas sero praticadas j, desde o primeiro </p><p>momento. At que ponto j temos elaboradores de questes suficientemente preparados para construir questes com tal perspectiva filosfica. Nesse caso, nada mais resta do que torcer, preparar-se e aguardar. Preparao para o vestibular, contudo, no precisa ser uma atividade restrita aos vestibulandos. Pode converter-se em parte no projeto familiar.</p><p> Os pais precisam, acima de tudo, demonstrar, ao longo do processo de escolarizao, uma atitude de confiana na </p><p>capacidade de aprendizado de seus filhos. Essa atitude deve ficar muito mais forte medida que se aproxima o momento do vestibular. </p><p> Alm disso, importante que assumam regras justas, ainda que duras, que deem conta de horrios para refeies, horrios para estudo e horrios para descanso e lazer, sem cair em extremismos, que apenas complicam o processo. </p><p> Cuidar para que haja um lugar tranqilo, bem iluminado e confortvel para a atividade de estudo, outra responsabilidade que os pais podem toma...</p></li></ul>