edi†ƒo 816 on line 22 02 13

Post on 04-Apr-2018

329 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 7/29/2019 EDIO 816 ON LINE 22 02 13

    1/24

    Ano XVI - 816 | Trs Passos, sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013 R$ 3,00

    Temporal causa prejuzosem Bom Progresso

    Pgina 5

    Mais de 6 mil

    estudantes iniciam

    o ano letivo

    em Trs Passos

    Pgina 3

    16 SemanaMunicipalda Mulher

    Pgina 9

    Dois casossuspeitos dedengue emTrs Passos

    Pgina 9

    Vigia gacho dono de ilhade 20 milhesde reais

    Pgina 14

  • 7/29/2019 EDIO 816 ON LINE 22 02 13

    2/24

    Diretores: Adelar Breitenbach e Jernimo BreitenbachJornalistas responsveis: Clvis Machado e Carlos Roberto GrnEditor: Carlos Roberto GrnRedao: Carlos Roberto Grn, Silvrio von Mhlen e AndrGiovane de Castro

    Diagramao/Arte fnal: Marco Aurlio Debesaitis

    Impresso Correio do PovoOs conceitos e opinies assinadas so de responsabilidade do colunista.

    ASSINATURA:

    Anual:......................R$ 120,00Semestral:.................R$ 80,00Correio (anual):........R$ 200,00Correio (semestral):...R$ 100,00

    Filiado AdjoriAssociao dos

    Jornais doInterior do RioGrande do SulFundado em 19 de abril 1997

    Fone/Fax: (55) 3522-1030atosefatos@difusoraceleiro.com.br

    www.rd3.net.br | www.difusoraceleiro.com.br

    Adelar Breitenbach & Cia Ltda.

    o Estadual: 148/0046733 - CNPJ 04.480.825/0001-01

    Santos Dumont, 240 - CEP 98600-000 - Trs Passos/RS

    Periodiciade: Semanal

    GERAL

    Atos e FatosJornal

    Sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

    IV Justia e LiberdadeAo avaliarmos nossas vidas, temos razes para estar-

    mos interessados no apenas no tipo de vida que consegui-mos levar, mas tambm na liberdade que realmente temospara escolher entre diferentes estilos e modos de vida. Naverdade, a liberdade para determinar a natureza de nossasvidas um dos aspectos mais valiosos da experincia deviver que temos razes para apreciar. O reconhecimentode que a liberdade importante tambm pode ampliar aspreocupaes e os compromissos que temos. Poderamosoptar por usar nossa liberdade para apoiar e intervir emobjetivos que no so parte de nossas vidas em sentidoestrito, por exemplo, a preservao de espcies ameaadasde extino. Trata-se de um tema importante na aborda-gem de questes tais como as exigncias contemporneasde responsabilidade ambiental e do desenvolvimento sus-tentvel, o que no incompatvel com o exame geral daperspectiva da liberdade na avaliao das vidas humanas,em aspectos como a fome e a dimenso espiritual da expe-rincia humana.

    A fome, cerceadora da liberdade, significa que muitagente no tem comida suficiente para comer, o que, em si,

    no prova de que no haja alimentos suficientes. Acres-cente-se a chamada fome crnica, condio de mais de800 milhes de pessoas que ainda sofrem de subnutrio,trgica situao para a qual muitas vezes difcil encontrarsolues imediatas. urgente buscar solues para queno mais tenhamos, lado a lado, a misria e a opulncia, osmuito pobres e os muito ricos, aqueles a quem falta o ne-cessrio e os que os desperdiam prodigamente. As pesso-as que saem derrotadas na luta pelo alimento, por qualquerrazo que seja, podem ter maior controle do mercado emprazo bastante curto, graas a vrias medidas de geraode renda, inclusive com a contratao para servios pbli-cos, atingindo assim uma distribuio menos desigual dosalimentos na economia.

    Liberdade no ausncia de tirania ou opresso. Liber-dade no permisso para fazer tudo o que se quer. A liber-dade visa verdade e se consuma na busca e na vivncia

    humana da verdade. A verdade a fonte e o governo daliberdade, fundamento e medida de toda libertao. Leva-da s ltimas conseqncias, porm, a liberdade pode serum risco. A liberdade que no obedece verdade pode nosesmagar. No podemos ignorar os elementos que cerceiamdireitos, tolhem a liberdade individual e impedem a cons-truo de uma sociedade justa. Contrastes entre pobreza eriqueza so intolerveis para a humanidade. Agridem fron-talmente o conceito da pessoa como centro nico e irre-produzvel da liberdade e da responsabilidade, cuja inalie-nvel dignidade h que ser compreendida. Defendido pelospensadores cristos ao longo da histria, esse conceito depessoa provou ser a pedra fundamental de toda civilizaoverdadeiramente humana.

    No vivemos num mundo irracional ou destitudo de sig-nificado. Ao contrrio, existe uma lgica moral inerente vida humana. Devemos encontrar uma forma de discutir o

    futuro da humanidade de forma inteligvel. A lei moral uni-versal inscrita no corao de homens e mulheres precisa-mente a gramtica necessria para que o mundo possase engajar na discusso do seu futuro. A poltica dos pa-ses no pode ignorar o aspecto transcendental da vivnciahumana.

    Seres nicos que somos, cabe-nos, portanto, uma atitu-de honesta em relao verdade como condio da liber-dade e a advertncia para que se evite todo tipo de liberdadeilusria, isto , qualquer liberdade que no possa se integrar plena verdade sobre nossas vidas e nosso mundo.

    Referncias:Joo Paulo II,Papa. Mensagens de Sabedoria e Paz. Editora

    Sextante, Rio de Janeiro, 2005.Amartya Sen. A idia de justia. Companhia das Letras, So

    Paulo, 2011.

    REFLEXES SOBRE JUSTIA E PAZNa aula de religio a profe pergunta aos meninos e meni-

    nas da turma:__ Qual a parte do corpo que chega primeiro ao cu?

    Uma menininha levanta o brao e diz:__ As mos, profe.__ E por qu?__ Porque quando rezamos, elevamos as mos aos cus.

    Nisto, Rafinha pede licena profe e contesta:__ No so as mos no! So os ps!

    A Profe pergunta:__ Os ps, Rafinha? E por qu?__ Bem, esta noite, fui ao quarto dos meus pais. A minha

    me estava com ambas as pernas levantadas, os ps no ar,e gritava: Meu Deus, meu Deus, estou indo...estou indo...

    Ainda bem que o meu pai estava em cima dela, segurando,porque seno ela ia mesmo!

    &&&O seu Manoel chega no bar e pede para o cara do balco:__ Oi gajo, me d a uma cerveja em lata.O atendente pega uma latinha de cerveja e alcana para o

    seu Manoel.

    Seu Manoel, ento tira do bolso um abridor de latas e abrea latinha e bebe.Depois, pede outra latinha. O cara alcana uma nova lati-

    nha e o seu Manoel, novamente abre a latinha usando o abri-dor de latas.

    E pede mais uma, e novamente abre a latinha com o abri-dor de latas.

    E assim, vai pedindo latinhas de cervejas, abrindo-asusando o abridor de latas e tomando, at que o cara do barno resiste e pergunta:

    __ Seu Manoel, o senhor sabe por que tem esta argolinhaa na lata?

    Seu Manoel responde:__ Ora pois, claro que sei!O cara:__ ? Para que serve ento esta argolinha a na lata?E o seu Manoel dispara:

    __ para quando eu esquecer o abridor de latas em casa!!!&&&

    VALE A PENA TAMBM SABER!Uma pessoa que boa contigo, mas grosseira com o

    garom, no pode ser uma boa pessoa. Preste ateno, istonunca falha.

    Ningum liga se voc no sabe danar. Levante e dance.A fora mais destrutiva do universo a fofoca.No confunda nunca seu trabalho com sua vida.Jamais, sob quaisquer circunstncias, tome um remdio

    para dormir e um laxante na mesma noite.Seus amigos de verdade gostam de voc de qualquer jeito.Nunca tenha medo de tentar algo novo.

    &&&Um abrao para o meu amigo Jorge Thiesen.

    VALE A PENA LER E RIR DE NOVO!ora sim. Passou o carnaval, recomearam as aulas, ju seu IPVA e o seu IPTU. O salrio mnimo aumentou ebustvel tambm. A lista de material escolar dos filhos

    maior que a do ano passado. Sua esposa quer mexersa. Caiu um meteoro e o Papa vai renunciar. Seu time

    no embalou e j esto falando na Pscoa... Bem-ao incio de tudo. Bem vindo ao incio do ano, bem correria...ra voc que resolveu tirar frias nesta poca, porquem filhos pequenos, aproveite. Em breve voc sentirdes destes meses...ida no para. Tudo anda em um ritmo muito acelerado.s seus projetos? Como andam?ueles que foram arquivados para o incio deste ano.es que voc no atingiu no ano passado. Aquele que um ajuste... Como andam suas perspectivas para

    ?e metas voc colocou em sua vida que far a diferenaneste novo ano?oste as fichas. Acredite em sua intuio. Acorde o seuo. Tire-o do guarda roupas. As oportunidades esto to-, na sua frente. mas eu no tenho sorte... Sorte quando a prepa-encontra a oportunidade. Esteja sempre preparado,

    re disposto, e quando a oportunidade bater sua porta,er ento o que chamam de sorte. Sem preparao noa ter oportunidade. Sorte uma questo de ponto de. quer ver:a uma vez um menino pobre que morava na China e

    a sentado na calada do lado de fora de sua casa. O queais desejava era ter um cavalo, mas no tinha dinheiro.mente neste dia passou em sua rua uma cavalaria, que

    um potrinho incapaz de acompanhar o grupo. O donovalaria, sabendo do desejo do menino, perguntou se ele

    o cavalinho. Exultante, o menino aceitou. Um vizinhodo do ocorrido, disse ao pai do garoto: - Seu filho rte.. Por que?- perguntou o pai. Ora, disse o ho-Seu filho queria um cavalo, passa uma cavalaria e ele

    um potrinho. No sorte? - Pode ser sorte ou azar,ntou o pai.menino cuidou do cavalo com todo o zelo, mas um dia,scido, o animal fugiu. Desta vez o vizinho disse: Seuazarento, hein? Ele ganha um potrinho, cuida dele atadulta, e o potro foge.- Pode ser sorte ou azar- re-

    o pai.empo passa e um dia o cavalo volta com uma manadaem. O menino, agora um rapaz, consegue cerca-los e

    om todos eles. O vizinho ento diz: Seu filho de sorte!a um potrinho, cria, ele foge e volta com um bando deos selvagens. Pode ser sorte ou azar- repetiu o pai.is tarde, o rapaz estava treinando um dos cavalos,o cai e quebra a perna. Vem o vizinho: Seu filho ar! O cavalo foge, volta com uma manada selvagem,oto vai treinar um deles e quebra a perna.- Pode ser

    ou azar- repetiu o pai.s depois, o reino onde todos moravam declara guer-seu reino vizinho. Todos os jovens so convocados,s o rapaz com a perna que