ebook: qu­mica

Download eBook: Qu­mica

Post on 02-Apr-2016

222 views

Category:

Documents

5 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Enade 2014 PUC Goiás

TRANSCRIPT

  • e-.BOOK: QUESTES DO ENADE COMENTADAS

    Curso: LICENCIATURA EM QUMICA

    Organizador(es): Sandra Regina Longhin

    SUMRIO

    QUESTO N 09

    Autor(a): Maral Ruggiero

    QUESTO N 10

    Autor(a): Wesley de Paula Barbosa

    QUESTO N 11

    Autor(a): Cleonice Rocha

    QUESTO N 12

    Autor(a): Maral Ruggiero

    QUESTO N 13

    Autor(a): ANULADA

    QUESTO N 14

    Autor(a): Wesley de Paula Barbosa

    QUESTO N 15

    Autor(a): Danns Pereira Barbosa

    QUESTO N 16

    Autor(a): . Adlia Maria Lima da Silva

    QUESTO N 17

    Autor(a): Michelle Pereira Quintino

    QUESTO N 18

    Autor(a): Michelle Pereira Quintino

    QUESTO N 19

    Autor(a): Adlia Maria Lima da Silva

    QUESTO N 20

    Autor(a): Michelle Pereira Quintino

    QUESTO N 21

    Autor(a): Cllia Alves Socorro

    QUESTO N 22

    Autor(a): Cllia Alves Socorro

  • QUESTO N 23

    Autor(a): Danns Pereira Barbosa

    QUESTO N 24

    Autor(a): Cleonice Rocha

    QUESTO N 25

    Autor(a): Maral Ruggiero

    QUESTO N 26

    Autor(a): Vitor de Almeida Silva

    QUESTO N 27

    Autor(a): Eliane Silva

    QUESTO N 28

    Autor(a): Sandra Regina Longhin

    QUESTO N 29

    Autor(a): Nilia Lacerda

    QUESTO N 30

    Autor(a): Renato Almeida

    QUESTO N 31

    Autor(a): Sandra Regina Longhin

    QUESTO N 32

    Autor(a): Grazielle Alves dos Santos

    QUESTO N 33

    Autor(a): Nilia Lacerda

    QUESTO N 34

    Autor(a): Vitor de Almeida Silva

    QUESTO N 35

    Autor(a): Grazielle Alves dos Santos

    QUESTO N 09

    Para se evitar a induo ao erro, o transporte, o armazenamento, o manuseio e o descarte de produtos qumicos devem ser executados sob regras rigorosas de segurana. Com relao ao soro fisiolgico e vaselina lquida, substncias visualmente semelhantes, analise as afirmaes abaixo. I. A vaselina lquida e o soro fisiolgico glicosado devem ficar em reas separadas, pois so produtos qumicos incompatveis, que podem reagir violentamente entre si, resultando em uma exploso ou na produo de gases altamente txicos ou inflamveis. II. A vaselina lquida e o soro fisiolgico glicosado podem ser guardados no mesmo armrio, desde que fiquem em compartimentos separados de acordo com suas funes qumicas e estejam, cada um, em frascos e etiquetas bem diferenciados.

  • III. Tanto a vaselina lquida quanto o soro fisiolgico no podem ser descartados em esgotos, bueiros ou qualquer outro corpo dgua, a fim de se prevenir a contaminao dos cursos pluviais. IV. A leitura atenta de rtulos de reagentes antes de us-los um princpio de segurana fundamental que deve ser adotado pelos profissionais que manipulam esses produtos. correto apenas o que se afirma em A. I. B. II. C. I e III. D. II e IV. E. III e IV.

    Gabarito: D

    Tipo de questo: Contedo especfico comum/objetiva . Fcil

    Contedo avaliado:

    Autor(a): Prof. Maral Ruggiero

    Comentrio: Nessa questo, no so necessrios conhecimentos especficos sobre o

    gerenciamento de produtos e resduos qumicos em um laboratrio.

    Basicamente, o que solicitado so conhecimentos gerais sobre as

    propriedades qumicas de compostos inorgnicos e orgnicos de uso comum em

    laboratrios de qumica e outras reas, tal como a rea da sade, no caso da

    questo, o soro fisiolgico e a vaselina lquida.

    O soro fisiolgico constitudo de uma soluo salina (NaCl) aquosa com

    glicose (C6H12O6), ou seja, sal e acar. A vaselina lquida constituda de uma

    mistura de hidrocarbonetos (compostos orgnicos que contm somente carbono e

    hidrognio) de baixa volatilidade.

    Na alternativa I, no caso da gua, as substncias mais comuns que podem

    apresentar reao qumica violenta com ela so os metais alcalino e alcalino-terrosos

    (grupos 1 e 2 da tabela peridica de elementos), portanto, a vaselina lquida no

    reagir com a gua presente no soro fisiolgico, nem com nenhum dos compostos

    presentes na soluo, sendo a afirmativa errada.

    A alternativa II verdadeira, uma vez que so substncias inertes entre si,

    podem ser armazenadas conjuntamente, observando-se a identificao correta e

    precisa de cada substncia.

  • A afirmativa III no verdadeira por que, para o soro, tanto o cloreto de sdio

    como a glicose so substncias que no apresentam ecotoxicidade, portanto podem

    ser descartadas nos esgotos sem prejuzos ao meio ambiente. J no caso da

    vaselina, por tratar-se de uma mistura de hidrocarbonetos, conveniente evitar seu

    descarte na rede de esgotos. O erro da alternativa est em considerar ambas as

    substncias como nocivas ao ambiente.

    A Afirmativa IV correta, por que simplesmente ela um dos princpios

    bsicos da segurana em laboratrios de qumica e reas afins.

    Referncias: DEL PINO, J. C.; KRGER, V. Segurana no Laboratrio. Porto Alegre: CECIRS,

    1997.

    QUESTO N 10

    A cnfora tem conhecidas aplicaes antissptica e anestsica local, sendo identificada facilmente por seu odor caracterstico. Por se tratar de uma cetona, geralmente sintetizada a partir do norboneol, usando-se reagentes oxidantes base de cromo. Com o objetivo de estimular a preocupao com o meio ambiente e a busca por uma opo de reagente economicamente mais vivel e associado ao cotidiano, um professor props que seus alunos do curso de graduao em Qumica testassem o uso de gua sanitria (um produto comercial obtido pela diluio de hipoclorito de sdio em gua, estabilizado pela adio de cloreto de sdio) na oxidao do borneol a cnfora, como mostra o esquema a seguir.

    Uma das tcnicas utilizadas para caracterizar o produto foi a espectroscopia de infravermelho (IV), usando pastilha de KBr. Os espectros realizados para o orneol e a cnfora deram os resultados mostrados a seguir.

  • Com base nessas informaes, avalie as asseres a seguir. Os espectros de infravermelho demonstram que o uso de gua sanitria para oxidao do borneol a cnfora foi bem-sucedido. PORQUE O espectro do borneol mostra a presena de uma frequncia de deformao axial tpica do grupo hidroxila, sendo que esse mesmo estiramento est ausente no espectro da cnfora, em que se percebe um estiramento tpico da presena do grupo carbonila, que, por sua vez, ausente no borneol. A respeito dessas asseres, assinale a opo correta. A. As duas asseres so proposies verdadeiras, e a segunda uma justificativa correta da primeira. B. As duas asseres so proposies verdadeiras, mas a segunda no uma justificativa correta da primeira. C. A primeira assero uma proposio verdadeira, e a segunda, uma proposio falsa.

  • D. A primeira assero uma proposio falsa, e a segunda, uma proposio verdadeira. E. Tanto a primeira quanto a segunda asseres so proposies falsas.

    Gabarito: A

    Tipo de questo: Contedo especfico comum/objetiva. Difcil

    Contedo avaliado: Espectroscopia de Infravermelho e Reaes de Oxidao

    Autor(a): Prof. Wesley de Paula Barbosa

    Comentrio: Nesta questo esta sendo abordados os fundamentos de Espectroscopia de Infravermelho (IV) e Reaes de Oxidao, faz parte da disciplina Anlise Qumica Aplicada, que ministrada no 7 perodo e Qumica Orgnica Experimental, que ministrada no 6 perodo respectivamente, ambas as disciplinas faz parte do curso de Licenciatura em Qumica da PUC Gois. A primeira alternativa ser a correta, pois as duas asseres so preposies verdadeiras, sendo a segunda uma justificativa da primeira. Ela correta, porque a nica diferena entre os dois compostos borneol (reagente) e a cnfora (produto) na reao, esta na presena da hidroxila (OH) no carbono secundrio no borneol, enquanto a cnfora apresenta uma carbonila (C=O) no carbono correspondente, comprovando a reao de oxidao realizada pelo hipoclorito de sdio. Esse resultado tambm pode ser comprovado pela anlise dos espectros de infravermelho usando pastilha de KBr do borneol e cnfora. Pois atravs dessa anlise pode comprovar a oxidao do borneol pela ausncia de deformao axial do grupo OH na regio de ~ 3350 cm-1 e o aparecimento do estiramento na C=O na regio de ~ 1680 cm-1.

    Referncias: SKOOG, D. A.; HOLLER, F. J.; NIEMAN, T. A. Princpios de Anlise Instrumental. So Paulo: Editora Bookman, 1999. HARRIS,Daniel C. Anlise qumica quantitativa. 7a Ed. LTC: Rio de Janeiro, 2008. SOLOMONS, T.W.G.; FRYHLE, C.B. - Qumica Orgnica, Livros Tcnicos e Cientficos. Vol. 2. Editora S.A., Rio de Janeiro, 7a Ed., 2001.

    QUESTO N 11

    Materiais metlicos, cermicos e polimricos so amplamente utilizados nos dias de hoje. Suas aplicaes esto diretamente relacionadas s suas propriedades qumicas e fsicas. Com relao estrutura e s propriedades desses materiais, analise as afirmaes a

  • seguir. I. As propriedades dos materiais slidos cristalinos dependem da sua estrutura cristalina, ou seja, da maneira pela qual os tomos, molculas ou ons encontram-se espacialmente dispostos. II. Todos os materiais metlicos, cermicos e polmeros cristalizam-se quando solidificam. Seus tomos se arranjam em um modelo ordenado e repetido, chamado estrutura cristalina. III. Os polmeros comuns de plsticos e borrachas possuem elevada massa molecular, flexibilidade e alta densidade, comparvel a outros materiais como o chumbo (11,3 g/cm3). IV. Os materiais metlicos (Fe, Al, ao, lato) so bons condutores de eletricidade e de calor, resistentes e, em determinadas condies, deformveis, enquanto os materiais cermicos (porcelana, cimento) so duros e quebradios. correto apenas o que se afirma em: A. I e II. B. I e IV. C. II e III. D. I, III e IV. E. II, III e IV.

    Gabarito: B

    Tipo de questo: Contedo especfico comum/objetiva . Mdia

    Contedo avaliado: Estrutura e propriedade de materiais metlicos, cermicos e polimricos