dualismo perverso - libaneo

Download Dualismo perverso -  libaneo

Post on 29-Jul-2015

74 views

Category:

Education

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

1. 13Educao e Pesquisa, So Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, 2012. O dualismo perverso da escola pblica brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres Jos Carlos Libneo Universidade Federal de Gois Resumo O texto aborda o agravamento da dualidade da escola pblica brasileira atual, caracterizada como uma escola do conhecimento para os ricos e como uma escola do acolhimento social para os pobres. Esse dualismo, perverso por reproduzir e manter desigualdades sociais, tem vnculos evidentes com as reformas educativas iniciadas na Inglaterra nos anos 1980, no contexto das polticas neoliberais; mais especificamente, ele est em consonncia com os acordos internacionais em torno do movimento Educao para Todos, cujo marco a Conferncia Mundial sobre Educao para Todos, realizada em Jomtien, na Tailndia, em 1990, sob os auspcios do Banco Mundial, do Programa das Naes Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), do Fundo das Naes Unidas para a Infncia (UNICEF) e da Organizao das Naes Unidas para a Educao e Cultura (UNESCO). Com base em pesquisa bibliogrfica, este estudo argumenta que a associao entre as polticas educacionais do Banco Mundial para os pases em desenvolvimento e os traos da escola dualista representa substantivas explicaes para o incessante declnio da escola pblica brasileira nos ltimos trinta anos. Ao final do texto, retoma-se a discusso sobre a necessidade de uma pauta comum dos educadores em torno dos objetivos e das funes da escola pblica. Palavras-chave Polticas para a escola pblica Declnio da escola pblica Conferncia Mundial sobre Educao para Todos, de Jomtien Educao e pobreza Escola dualista. Correspondncia: Jos Carlos Libneo libaneojc@uol.com.br 2. 14 Educao e Pesquisa, So Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, 2012. The perverse dualism of the Brazilian public school: school of knowledge for the rich, school of social care for the poor Jos Carlos Libneo Federal University of Gois Abstract This paper addresses the aggravation of the duality of current Brazilian public schools, characterized as a school of knowledge for the rich and a school of social care for the poor. Such dualism which is perverse because it reproduces and maintains social inequalities has obvious links not only with the educational reforms initiated in England in the 1980s, in the context of the neoliberal policies, but also and especially with the international agreements on the Education for All movement, whose mark was the World Conference on Education for All held in Jomtien, Thailand in 1990, under the auspices of the World Bank, the United Nations Development Program (UNDP), the United Nations Childrens Fund (UNICEF) and the United Nations Educational and Cultural Organization (UNESCO). Based on bibliographic research, the text argues that the association between the educational policies of the World Bank for developing countries and the features of the dualistic school offers substantive explanations for the unremitting decline in the Brazilian public school system over the past 30 years. At the end, the text discusses again the objectives and functions of public schools. Keywords Policies for public school public school decline World Conference on Education for All in Jomtien education and poverty dualistic school. Contact: Jos Carlos Libneo libaneojc@uol.com.br 3. 15Educao e Pesquisa, So Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, 2012. A luta pela escola pblica obrigatria e gratuita para toda a populao tem sido ban- deira constante entre os educadores brasileiros, sobressaindo-se temas sobre funes sociais e pedaggicas, como a universalizao do acesso e da permanncia, o ensino e a educao de qualidade, o atendimento s diferenas sociais e culturais, e a formao para a cidadania cr- tica. Entretanto, tm-se observado, nas lti- mas dcadas, contradies mal resolvidas entre quantidade e qualidade em relao ao direito escola, entre aspectos pedaggicos e aspectos socioculturais, e entre uma viso de escola as- sentada no conhecimento e outra, em suas mis- ses sociais. Ressalta-se, tambm, a circulao de significados muito difusos para a expresso qualidade de ensino, seja por razes ideolgi- cas, seja pelo prprio significado que o senso comum atribui ao termo, dependendo do foco de anlise pretendido: econmico, social, po- ltico, pedaggico etc. O prprio campo educa- cional, nos mbitos institucional, intelectual e associativo, est longe de obter um consenso mnimo sobre os objetivos e as funes da es- cola pblica na sociedade atual. As interrogaes e os embates sobre os objetivos da escola bsica, suas formas de funcionamento e a natureza de suas prticas pedaggicas tm alentado a produo cient- fica em diferentes posies e enfoques teri- cos em que, geralmente, predominam anlises de cunho poltico e sociolgico. Neste texto, prope-se uma anlise predominantemente pedaggica dos percalos da escola pblica, ainda que amparada em anlises sociopol- ticas. A discusso visa destacar o impacto negativo, nos objetivos e nas formas de fun- cionamento interno das escolas, das polticas educacionais de organismos internacionais, as quais se transformaram em cartilhas no Brasil para a elaborao de planos de educa- o do governo federal e de governos estadu- ais e municipais, afetando tanto as polticas de financiamento, quanto outras como as de currculo, formao de professores, organiza- o da escola, prticas de avaliao etc. O objetivo do texto , assim, buscar liga- es entre as proposies originariamente ema- nadas na Conferncia Mundial sobre Educao para Todos, realizada em 1990, em Jomtien, Tailndia, e as polticas pblicas para a educa- o bsica praticadas nestes vinte anos pelos governos brasileiros. A Conferncia, que pro- duziu um documento histrico denominado Declarao Mundial da Conferncia de Jomtien, foi a primeira dentre outras conferncias reali- zadas nos anos seguintes em Salamanca1 , Nova Delhi, Dakar etc., convocadas, organizadas e patrocinadas pelo Banco Mundial. No Brasil, o primeiro documento oficial resultante da refe- rida Declarao e das demais conferncias foi o Plano Decenal de Educao para Todos (1993- 2003), elaborado no Governo Itamar Franco. Em seguida, seu contedo esteve presente nas po- lticas e diretrizes para a educao do Governo FHC (1995-1998; 1999-2002) e do Governo Lula (2003-2006; 2007-2010), tais como: universali- zao do acesso escolar, financiamento e repas- se de recursos financeiros, descentralizao da gesto, Parmetros Curriculares Nacionais, en- sino a distncia, sistema nacional de avaliao, polticas do livro didtico, Lei de Diretrizes e Bases (Lei no 9.394/96), entre outras. A hiptese bsica a ser desenvolvida aqui de que estes vinte anos de polticas educacionais no Brasil, elaboradas a partir da Declarao de Jomtien, selaram o destino da escola pblica brasileira e seu declnio. A pesquisadora equatoriana Rosa Maria Torres (1996) avaliza essa afirmao quando se refere ao pacote do Banco Mundial: Sustentamos que o referido pacote e o modelo educativo subjacente chamada melhoria da qualidade da educao, do modo como foi apresentado e vem se desenvolvendo, ao invs de contribuir para a mudana no sentido proposto melhorar a qualidade e a eficincia da educao e, 1- A Declarao de Salamanca trata da questo da educao inclusiva de pessoas com necessidades especiais; seu titulo completo Declarao de Salamanca sobre princpios, poltica e prticas na rea das necessidades educativas especiais (1994). 4. 1616 Jos Carlos Libneo. O dualismo perverso da escola pblica brasileira: escola do conhecimento ... de maneira especfica, os aprendizados escolares na escola pblica e entre os setores menos favorecidos - est, em boa medida, reforando as tendncias predominantes no sistema escolar e na ideologia que o sustente, ou seja, as condies objetivas e subjetivas que contribuem para produzir ineficincia, m qualidade e desigualdade no sistema escolar. (p. 127) As anlises apresentadas a seguir iniciam-se com a constatao da diversidade e dos antagonismos de posies sobre os objetivos e as funes da escola no Brasil na atualidade para, em seguida, desvendar, nas polticas oficiais, um pensamento quase hegemnico sobre as funes da escola assentado nas polticas educativas do Banco Mundial. Na segunda parte, aps uma caracterizao das propostas de escola, ressaltando seu dualismo, so apontadas possveis sadas, visando a um consenso mnimo da sociedade sobre os objetivos e as funes da escola pblica. Dos desacordos sobre os objetivos e as funes da escola aos atrativos da Declarao Mundial de Jomtien Tem sido constante, nos meios intelectual e institucional do campo da educao, a constatao de um quadro sombrio da escola pblica. No mbito das anlises externas, dados estatsticosepesquisasapontamsuadeteriorao e ineficcia em relao a seus objetivos e formas de funcionamento. So reiteradas as demandas pela ampliao dos recursos financeiros para todos os nveis e modalidades de ensino. H um volume considervel de investigaes sobre a situao dos salrios e das condies de trabalho e formao dos professores. No mbito das anlises internas, presume-se uma crise do papel socializador da escola, j que ela concorre com outras instncias de socializao, como as mdias, o mercado cultural, o consumo e os grupos de referncia. Outros estudos tm mostrado a crescente inquietude dos professores sobre como conseguir a motivao dos alunos ou como conter atos de indisciplina. Com bastante frequncia, seja devido aos desacordos entre educadores, legisladores e pesquisadores em relao aos objetivos e s funes da escola, seja pela atrao exercida pelas orientaes dos organismos internacionais, muitas das medidas adotadas pelas polticas oficiais para a educao e o ensino tm o aspecto de solues evasivas para os problemas educacionais. Tais solues estariam baseadas na ideia de que, para melhorar a educao, bastaria prover insumos que, atuando em conjunto, incidiriam positivamente na aprendizagem dos alunos (por exemplo, os ciclos de escolarizao, a escola de tempo integral, a progresso continuada, a grati