Dualismo Jurídico

Download Dualismo Jurídico

Post on 05-Jul-2015

652 views

Category:

Education

2 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Seminrio de direito pblico e privado.

TRANSCRIPT

<ul><li> 1. Direito Pblico e Privado Seminrio de IED Professora: Amlia Joao Antonio, John Kennedy, Jonas Oberdan</li></ul> <p> 2. Dualismo Jurdico Direito Pblico: EstadoInteresse pblico Princpio da VerticalidadeParticularInteresse prprioPrincpio da verticalidade: - Se houver uma divergncia entre as partes Estado e particular vai prevalecer o interesse pblico, do Estado. 3. Dualismo Jurdico Busca regular os interesses da sociedade como um todo. H desigualdade nas relaes; prevalncia do interesse pblico sobre o privado. Ex: Um particular tem o direito da livre iniciativa; da explorao econmica. Porm obrigado a suportar a fiscalizao do Estado: Fiscal de obras, vigilncia sanitria, Receita federal.Ex: Desapropriao: O particular tem o Direito de propriedade - direito previsto pela constituio - porm caso a sua propriedade, sendo imvel, venha se tornar algo de interesse pblico para alguma construo de metr, de vias, por exemplo, a propriedade ser desapropriada. Ainda que o particular no queira; a nica defesa desse particular, em um processo de desapropriao, quanto ir receber de indenizao, uma vez que a Constituio fala que a desapropriao de interesse pblico vem acompanhada de indenizaes prvias, justas e em dinheiro. 4. Dualismo Jurdico Direito Privado: ParticularPrincpio da HorizontalidadeParticular 5. Dualismo Jurdico No H subordinao, princpio da Igualdade. Ex: Um indivduo vendendo um automvel para outro. Relao igualitria, fruio de bens. Circulao equilibrada de mercadorias. Regula interesses individuais. Igualdade jurdica nas relaes.Ateno: O Estado pode integrar uma relao jurdica de direito privado? Hiptese que haver igualdade Jurdica entre ele e o Particular. Ex: Quando uma empresa privada abre uma conta corrente na Caixa Econmica Federal. 6. Dualismo Jurdico Direito Misto/Social/Difuso/Trialismo Jurdico Direitos difusos so todos aqueles direitos, ou aquelas reas do Direito que no podem e que so difceis de ser atribudos a apenas um grupo especfico de pessoas, pois dizem respeito a toda a sociedade. Ex5: Direito do Trabalho; 7. Dualismo Jurdico Teorias Substancialistas: Baseiam-se na norma, no contedo. Teoria do interesse em jogo; - Ulpiano Teoria do fim; - Savigny e Stahl Teoria do Objeto Imediato; - Ahrens 8. Dualismo Jurdico Teorias Formalistas : Baseiam-se na forma no no contedo. Teoria do titular da Ao; - Thon Teoria das normas de coordenao e subordinao; - Yellinek Teoria da criao Autocrtica e democrtica do direito; 9. Dualismo Jurdico Justificativas ao Direito do Trabalho: Como Privado: - T. do interesse em jogo; - T. do fim; - T.do objeto Imediato; - T. do titular da Ao; Como Pblico: - T. das normas de coordenao e subordinao; - T. da criao autocrtica e democrtica do direito; 10. Dualismo Jurdico Direito pblico: Definio: 11. Dualismo Jurdico Direito internacional pblico direito pblico externo; Direito pblico interno: Direito constitucional; Direito Administrativo; Direito eleitoral; Direto dos partidos polticos; Direito financeiro e tributrio; Direito judicirio; Direito ambiental; Direito do consumidor; 12. Dualismo Jurdico Direito penal; Direito processual; 13. Dualismo Jurdico 14. Dualismo Jurdico J se falou muito sobre o confronto de policiais militares com alunos da USP, menos o seguinte: fumar maconha um direito humano bsico. Eis o artigo quarto da declarao de direitos do homem e do cidado: A liberdade consiste em poder fazer tudo que no prejudique o prximo: assim, o exerccio dos direitos naturais de cada homem no tem por limites seno aqueles que asseguram aos outros membros da sociedade o gozo dos mesmos direitos. Estes limites apenas podem ser determinados pela lei. Muitas cabeas de reis rolaram na lmina quente das guilhotinas de Paris para que esses princpios se consagrassem universalmente como direitos do homem e no liberalidades do Estado. Em outras palavras, todo ser humano tem alguns direitos, independentemente de o Estado os consagrar ou no. Todos tm direito vida, liberdade e igualdade perante a lei. Recentemente, estudantes da USP entraram em confronto com policiais militares. O motivo da peleja: trs estudantes pegos em flagrante fumando um baseado. Os policiais tentaram prendlos, outros estudantes se rebelaram e, em pouco tempo, os horrores da violncia estudantil contra a pobre polcia j estavam no Jornal Nacional, horrorizando a boa sociedade paulistana e fazendo o Brasil sentenciar: Mas, existe um problema meus caros amigos. Fumar maconha um direito humano bsico. uma liberdade bsica. a liberdade de fazer aquilo que quiser com o seu prprio corpo. Assim, por exemplo, se o governo proibir, amanh, o consumo de chocolate, a sua obrigao enquanto ser humano olhar na cara do Estado, ou do carola que o representa, e dizer, 15. Dualismo Jurdico Estado nenhum vai me dizer o que eu posso ou no fazer do meu corpo.Imagina se amanh um louco de Braslia cisma de proibir o chocolate. Voc vai obedientemente parar de comer, ou vai subir o morro pra comprar? Pois . Alguns diro que este princpio consagraria a desordem e a anarquia. Afinal, o Estado existiria para limitar as nossas liberdades dentro de limites que nos possibilitassem a vida em sociedade. Entretanto, o Estado e as leis s podem regular os direitos de todos, e no reprimir as liberdades individuais. Se fumar um delicioso baseado, posso prejudicar minha sade. Mas seria s minha sade. Entretanto, se fumar e dirigir, posso colocar em risco toda a sociedade. Portanto, fumar deveria ser permitido; fumar e dirigir, proibido. s a que a lei teria legitimidade de fato. Outros diro que fumar maconha prejudica a sociedade pois abastece um mercado paralelo cada vez mais armado e violento. Ora, quem fuma exerce um direito bsico; quem probe que cria um mercado paralelo. Eu compraria um baseado em qualquer loja de convenincia, mas sou impedido por voc que defende a proibio. Em Sampa, s posso comprar do PCC, eles tm exclusividade. Ento, meu caro, cada corpo produzido pelo trfico entra na sua conta e no na minha. 16. Dualismo Jurdico No sou babaca, no sou fascista, no sou moralista. Ainda diro que a erva de Raul prejudica a sade e que toda a sociedade paga para custear os gastos do SUS com estes doentes. Isso tambm no verdade.Afinal, cada grama de marie seria tributada e, portanto, a sociedade ganharia e no gastaria recursos. Mesmo assim, os carolas deveriam ler esse estudo, onde cientistas ingleses classificaram as vinte piores drogas: o lcool seria a 5 pior droga; o cigarro, a 9; e a maconha ficaria somente com a 11 colocao. Os alunos da USP, portanto, estavam exercendo seu direito quando foram brutalmente cerceados em sua liberdade. A revolta legtima.Voc mulher no Ir, quer se separar e no pode? D para seu cunhado e faa um vdeo. seu direito.Voc, cidado cubano, quer ir a outro pas e no pode? Monte um barco e v. Governo nenhum pode regular a sua liberdade.Voc, cidado brasileiro, se estiver fumando maconha, no aceite sem resistir a priso. Afinal, fumar maconha ilegal, mas seu direito. Lute por ele! 17. Dualismo Jurdico Direito Privado: A esfera privada para Hanna Arendt: Necessidade humana Condio animal do Homem (Alimentar-se, repousar, procriar...) LaborTrabalho 18. Dualismo Jurdico A esfera privada para Hanna Arendt:PATER MulherEscravos Filhos 19. Dualismo Jurdico A expresso aristotlica political zoon traduzida por So Toms de Aquino por animal sociale possui diferenas para Hanna Arendt: PolticaEsfera pblica; SocialTanto pblico quanto privado; O que pblico: Estado e capitalismo. O que Particular: poder dos indivduos e suas relaes civis e comerciais. 20. Dualismo Jurdico Zona cinzenta do direito privado: Direito do trabalho; Contrato entre partes; Propriedade sobre o lixo; Interferncia do estado no oikos; 21. Dualismo Jurdico Bibliografia: I. Intr. ao Estudo do Direito, Trcio Sampaio Ferraz Junior, 4 Ed., Atlas; II. Direito Pblico e Direito Privado: uma eterna discusso, Gisele Mascarelli Salgado; III. FHRER, M. C. A. Resumo de Direito Civil. 26. ed. So Paulo: Malheiros, 2002. 159 p. (Coleo Resumos, n. 3). IV. FHRER, M. C. A.; FHRER, M, R. E. Resumo de Direito do Trabalho. 7. ed. So Paulo: Malheiros, 2001. 191 p. (Coleo Resumos, n. 9).</p>