Dos Propósitos Políticos da Ordem.docx

Download Dos Propósitos Políticos da Ordem.docx

Post on 24-Oct-2015

93 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Dos Propsitos Polticos da OrdemPoltica vem de polites, palavra grega que significava "cidado", e que por sua vez derivava da palavra grega polis, que queria dizer "cidade". Portanto a palavra poltica significa etimologicamente "cincia (ou arte) da vida em comum em sociedades organizadas."Todos os sistemas polticos da atualidade tm um ponto em comum: apiam o princpio do sacrifcio do indivduo em favor do grupo. Democracia, socialismo, fascismo, comunismo, esto todos baseados nesta concepo.O conceito telmico de poltica inteiramente diverso desses. Est estruturado nas mais recentes descobertas das mais avanadas cincias sociais e biol1icas: a Gentica, a Ecologia, e a Psicologia (a Parapsicologia apenas um ramo, e ainda muito rudimentar, da Psicologia). Estas cincias so to recentes que ainda no puderam ser emocionalmente assimiladas pela mente coletiva.Conseqentemente, o conceito telmico de poltica difcil de compreender. O autor das presentes linhas voltou sua terra natal em 1961 e.v.. H quinze anos que ele vem experimentando a hostilidade e o ostracismo tanto da extrema direita quanto da extrema esquerda brasileiras. Curiosamente, porm, ele tem sido mais ativamente atacado pelos "moderados" de ambos os lados: a "esquerda festiva" e os "democratas liberais". O ataque tem sido sob a forma de "listas negras", em que ele usualmente descrito como "fascista" (pela esquerda festiva) ou como "anarquista" (pelos falsos liberais).Note-se que esses "moderados" compem a classe dos "intelectuais", isto , os indivduos que utilizam o intelecto como meio de vida. No nos referimos aqui, de forma alguma, a cientistas ou pensadores: referimo-nos quelas pessoas que, no sendo dotadas de suficiente originalidade criadora para serem pensadores ou artistas, buscam interpretar ou representar as descobertas ou teorias alheias: crticos, professores, escritores de segunda classe, telogos, jornalistas e polticos.O problema de tais pessoas a falta de originalidade. A esmagadora maioria da humanidade no tem qualquer controle sobre as faculdades intelectuais, mas no caso dos gnios criadores isto um problema secundrio; tais indivduos utilizam o intelecto apenas como instrumento da Vontade, e seu dinamismo to grande que o intelecto no tem tempo de se tornar confuso ou dispersivo.As pessoas de menos energia criadora mas de intelecto ativo, entretanto, a no ser que se dediquem ao controle de suas faculdades mentais, jamais sero capazes de sair da mediocridade de uma pseudo-inteligncia. Elas esto cnscias de tal mediocridade, e manipulam ansiosamente o intelecto para justificarem sua prpria existncia.Aquele que escreve estas linhas no um pensador original: ele pertence precisamente ao grupo que acaba de descrever. Entretanto, ele treinou seu intelecto para ser instrumento de sua Vontade, e aliou a sua Vontade Vontade muito mais poderosa e original do MESTRE THERION. Ele fez isto porque, tendo decidido dedicar-se ao Servio da Humanidade, e reconhecendo sua incapacidade para contribuir algo realmente original ao progresso dos seus semelhantes, procurou encontrar alguma coisa deste tipo no trabalho de outros indivduos mais ativos. Ele nada encontrou que se equiparasse ao Livro da Lei, e portanto resolveu dedicar sua existncia promulgao da Lei de Tlema. Se a reencarnao um fato, ele espera, atravs da vivncia adquirida no Servio Lei de Tlema, tornar-se capaz, eventualmente, de contribuir, em outra vida, algo to original quanto a obra de THERION ao mundo. Se a reencarnao no um fato, ele est suficientemente satisfeito em saber que, aliando-se ao trabalho de THERION, ter contribudo muito mais vida da humanidade do que se tivesse se tornado um marxista ou um "socialista", "democrata", ou "intelectual".Ou se tivesse tentado fundar seu prprio sistema, como fez Marx, apenas para procurar compensar sua frustrao interna ante a mediocridade do seu pensamento comparado ao pensamento de Freud e Darwin.A nica contribuio original que Marx fez ao conhecimento humano (admitidamente, mais do que o autor destas linhas jamais far), foi chamar ateno para a necessidade imperiosa de incluir fatores econmicos no estudo dos grandes movimentos histricos. Mas ao enfatizar estes fatores em excesso (atitude emocional, com a finalidade de aumentar seu senso de auto-importncia, e assim apaziguar a conscincia de sua insuficincia criadora), excluindo de sua tese os fatores urgidos pela obra de Freud e a de Darwin, ele criou um sistema de filosofia cuja finalidade bsica amainar a frustrao dos intelectuais de segunda classe, e convenc-los de que so to grandes e to importantes para a sociedade quanto os gnios que tm contribudo algo realmente NOVO ao progresso humano.Marx pode ter se iludido e pensado que seu trabalho emanciparia o proletariado. O que ele realmente conseguiu foi criar um sistema poltico que fornece a burocratas intelectuais um conjunto de racionalizaes atravs do qual eles podem crer que tm tanto direito de se considerarem o Estado quanto teve Luiz XIV.Sem dvida, do ponto de vista telmico, eles tm este direito. O problema que, alm de que todo mundo tem este direito, Luiz XIV foi um pssimo burocrata: prepotente, intelectualmente desequilibrado, emocionalmente condicionado.Algumas Verdades Cientficas que Desagradam aos IntelectuaisO conceito telmico de poltica est baseado em certos fatos cientficos que demagogos evitam mencionar ou ento negam:1. O nvel de inteligncia de qualquer ser humano produto de herana gentica e no pode ser significativamente aumentado por quaisquer processos educacionais conhecidos.2. O condicionamento cultural de um indivduo no geneticamente transmissvel sua prole.3. A evoluo de qualquer espcie depende do aparecimento de variaes da norma mais aptas (no senso que Darwin deu a este adjetivo) interao com o meio ambiente do que a norma.4. A projeo (no senso usado por psiclogos para esta palavra) o mais comum mecanismo de defesa da mente humana.Como Intelectuais Interpretam estas Verdades e como elas so Interpretadas por Cientistas1. O fato de que o nvel de inteligncia de um ser humano uma funo da herana gentica significa que o nvel intelectual de qualquer pessoa no pode ser aumentado por educao ou treino. Do ponto de vista daqueles que desejariam uma sociedade "sem classes", isto uma verdade muito desagradvel. Estudos estatsticos comprovam que o quociente de inteligncia varia inversamente ao nmero de seres humanos. Isto significa que os muito inteligentes so sempre minoria. S uma pessoa em cada cem, por exemplo, possui um quociente de inteligncia acima de 130 na escala Stanford-Binet. Para aumentar o nvel de inteligncia da sociedade seria necessrio controlar a reproduo dos cidados de forma a evitar que os menos inteligentes pudessem ter filhos.Estudos recentes comprovam que certos indivduos podem ter um aumento de at 20 pontos na escala Stanford-Binet embora sua herana gentica seja "normal" ou "inferior". Estes casos excepcionais, entretanto, so os de indivduos que sofreram severa subnutrio na infncia, ou foram limitados em seu desenvolvimento intelectual por fatores anormais. Exemplo: Uma criana mantida acorrentada por seus pais durante anos, ao ser libertada demonstrou um aumento de 15 pontos na escala Stanford-Binet com um ano apenas de vida normal. Mas tendo alcanado seu limite gentico normal, seu desenvolvimento intelectual estacionou.Outro fator: tais avanos de nvel intelectual s so possveis se esses indivduos desfavorecidos forem estimulados antes da adolescncia. Uma vez a maturao intelectual se tenha completado em meio ambiente hostil, impossvel estimular os subnutridos ou subinstrudos por quaisquer meios atualmente conhecidos.Estes fatos universalmente admitidos por cientistas so ferozmente combatidos pelos intelectuais, quer os "liberais" de direita, quer aqueles pertencentes a "esquerda festiva". Combatidos ao ponto de aqueles que os mencionam, ou buscam divulg-los, serem taxados de "reacionrios" ou "fascistas" mesmo em sociedades supostamente desenvolvidas, como por exemplo os Estados Unidos da Amrica. Mas estes fatos so importantssimos, porque deles podemos tirar as seguintes concluses da maior utilidade para os educadores:A. da mxima importncia que as crianas sejam bem alimentadas desde o nascimento at completarem a adolescncia.B. da mxima importncia que as crianas recebam estmulo intelectual adequado durante o mesmo perodo.C. intil tentar "melhorar" o nvel intelectual de uma pessoa jovem, passada a fase da adolescncia.D. Desde que o desenvolvimento intelectual depende da hereditariedade, importante dar menos ateno a fatores puramente intelectuais na educao de jovens ps-adolescentes, e maior ateno a fatores menos conhecidos, como criatividade, originalidade e espiritualidade.E. O nvel intelectual de uma cidad ou de um cidado no um fator importante de comparao social. Este um ponto extremamente difcil de ser compreendido pelos intelectuais, devido precisamente ao fenmeno psicolgico da "projeo", a que j nos referimos. Tentaremos esclarecer este conceito dando um exemplo concreto. Faz uns dez anos, estvamos escrevendo roteiros para a televiso brasileira (e sendo vigiados por diversos servios secretos de esquerda e direita ento ativos neste pas). Um intelectual pertencente a esquerda festiva nos props o seguinte problema: ele conhecia dois irmos, um deles trabalhador braal, o outro empregado domstico da famlia dele. Por motivos de sua crena marxista, esse intelectual (que dispunha de recursos, como todo membro da esquerda festiva) procurou dar meios aos irmos de melhorarem sua posio social atravs do estudo. O trabalhador braal estudou, formou-se, e se tornou um profissional liberal. O empregado domstico, no entanto, no demonstrou nenhum interesse pelo estudo. O patro me disse que embora censurasse o rapaz constantemente, no conseguia estimul-lo a imitar o "sucesso" do irmo. Eu lhe perguntei: Ele bom empregado? Excelente. Ele est contente como empregado? Sim, mas no devia estar! Por que no? eu lhe retruquei. Voc faz muito mal em tentar for-lo numa direo para a qual ele evidentemente no est capacitado.Recordo-me at hoje do olhar de completa hostilidade que esse rapaz me lanou. Nunca mais me dirigiu a palavra, e atravs do irmo que escrevia para uma cadeia de televiso que estava na poca sendo formada, e para a qual eu tambm trabalhava, conseguiu tornar minha situao dentro da empresa to intolervel que eventualmente fui forado a pedir demisso. Anos mais tarde, quando produzi um filme de longa metragem com parcos recursos, fui acusado numa revista da qual o irmo era editor de "passar para trs" os meus empregados na produo.N.E.: Motta se refere ao filme "O Judoca", de sua produo, em 1969.(O filme, por sinal, recebeu uma acolhida da crtica cinematogrfica toda ela de "esquerda festiva" de tal tipo que ainda no se pagou at hoje.) No entanto, justamente o meu esforo para pagar os meus contratados me colocou numa situao financeira da qual s agora, cinco anos depois, estou comeando a me recuperar.Tudo isto devido ao fato de que esse rapaz achava que um "profissional liberal" "melhor" do que um empregado domstico... a isso que se chama de "esquerda festiva". Supostos "liberais de direita", entretanto, sofrem da mesma presuno de que a capacidade de armazenar informao no intelecto, por si s, prova que um ser humano tem mais valor do que outro.2. O fato de que o condicionamento cultural de um indivduo no geneticamente transmissvel sua prole foi to repugnante para a esquerda que na poca de Stalin um cientista russo foi subornado para afirmar o contrrio. Este cientista, Lysenko, universalmente respeitado at ento pela comunidade cientfica internacional (a qual, em que pese aos burocratas, no d grande importncia a divergncias de ordem ideolgica ou poltica), escreveu uma srie de artigos e at um livro defendendo a idia de que caractersticas adquiridas so geneticamente transmissveis. Foi recompensado por Stalin com postos administrativos muito bem remunerados e de grande prestgio burocrtico na Rssia, mas ficou to desmoralizado perante os cientistas quanto Galileu, em clebre ocasio, por motivos pouco menos desprezveis.Compreende-se que irrite aos comunistas e aos "liberais" de direita o fato de que, por mais cultura que tenha um ser humano, ele no poder transmitir esta cultura hereditariamente aos seus filhos. Conjugado ao fato a que nos referimos anteriormente (que o nvel de inteligncia de qualquer pessoa inato e no varia), isto mais um argumento esmagador contra a "sociedade sem classes" que o ideal dos socialistas e dos pseudo-liberais de direita. Significa que no podemos nivelar "desigualdades sociais" atravs de processos educativos pelo menos processos conhecidos atualmente. Para por a coisa cruamente, quem nasceu para centavo no chegar a cruzeiro, e se por acaso for condicionado para agir e falar como se fosse cruzeiro, no conseguir transmitir esta camuflagem sua prole, a qual tender estatisticamente a ser to centavo quanto os genitores.3. Se conjugarmos esses dois fatores com o terceiro o fato de que qualquer espcie viva depende de variao da norma perceberemos que a tendncia educacional das sociedades modernas quer as de esquerda, quer as de direita totalmente ineficiente. Mais, at: perigosa. Ns estamos tentando nivelar a humanidade a um s padro, quando deveramos estar tentando estimular a criatividade e a originalidade em todas as camadas sociais. E estamos utilizando como padro precisamente aquela faculdade humana que comprovadamente tende a ser estvel, a no variar, atravs das geraes: o nvel de intelectualidade.4. Esta padronizao intelectual que estamos tentando impingir aos nossos semelhantes o resultado da projeo psicolgica por parte dos intelectuais de segunda categoria.Uma pessoa que tenta "salvar" o prximo est, na realidade, tentando salvar a si mesmo. E quando ela se fixa na idia de que esta "salvao" depende de um aumento de capacidade intelectual, ela est admitindo sua total insatisfao com sua prpria inteligncia.Quando a pessoa tenta "nivelar" as classes sociais, ela anuncia ao mundo que no est satisfeita com o seu prprio "status". A pessoa tenta se elevar quando tenta elevar seus semelhantes. primeira vista, isto parece uma atitude bem mais nobre do que aquela do egosta irredutvel que est apenas interessado em seu prprio conforto e seu prprio progresso, e para o inferno com os outros. Mas o fato cientfico que o egosta declarado menos prejudicial sociedade humana que uma pessoa afetada pelo "complexo de salvador". Por que isto? Simples: o egosta irredutvel est tentando estabelecer uma variao (ele mesmo) na norma social. Mas o altrusta, ao projetar seus prprios recalques e anseios na sociedade em geral, est tentando estabelecer um padro ao qual seus semelhantes devam se conformar e este padro, por mais excelentemente utpico que seja, resultar sempre em um aumento de restrio, conseqentemente numa diminuio no aparecimento de variaes, das quais qualquer espcie viva depende para evoluir.Do ponto de vista raci...

Recommended

View more >