donald judd objetos específicos

Download Donald Judd Objetos Específicos

Post on 10-Apr-2016

16 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Artigo Donald Judd

TRANSCRIPT

  • A metade, ou mais, dos melhores novos trabalhos que se tm produzido nos ltimos anos no tem sido nem pintura nem escultura, frequentemente, eles tm se relacionado, de maneira prxima ou distante, a uma ou a outra. Os trabalhos so variados, e dentre eles muito do que no nem pintura nem escultura tambm variado. Mas h algumas coisas que ocorrem quase em comum.

    Os novos trabalhos tridimensionais no constituem um movimento, escola ou estilo. Os aspectos comuns so muito gerais e muito pouco comuns para definirem um movimento. As diferenas so maiores do que as semelhanas. As semelhanas surgem a partir dos trabalhos; elas no so princpios fundamentais ou regras delimitadoras de um movimento. A tridimensionalidade no est to prxima de ser simplesmente um continente quanto pintura e a escultura pareceram estar, mas ela tende a isto. Agora a pintura e a escultura so menos neutras, menos continente, mais definidas, no inegveis e inevitveis. Elas so formas particulares circunscritas, enfim, produzindo qualidades razoavelmente definidas.

    Grande parte da motivao subjacente aos novos trabalhos livrar-se de tais formas. O uso das trs dimenses uma alternativa bvia. Abre espao para qualquer coisa. Muitas das razes para esse uso so negativas, de reao pintura e escultura, e j que ambas so fontes comuns, as razes negativas so aquelas mais prximas do senso comum. O motivo para mudar sempre algum desconforto: nada que nos instigue mudana de estado, ou a qualquer ao nova, mas algum desconforto." As razes positivas so mais particulares. Uma outra razo para listar as insuficincias da pintura e da escultura antes de qualquer outra coisa que ambas so familiares e seus elementos e qualidades mais facilmente localizados.

    As objees pintura e escultura soaro mais intolerantes do que so. H qualificaes. O desinteresse pela pintura e pela escultura um desinteresse por faz-las de novo, no por elas do modo como tm sido feitas por aqueles que desenvolveram as recentes e avanadas verses.

    OBJETOS ESPECFICOS

    Donald Judd

    Texto retirado do Livro: Escritos de Artistas Anos 60/70, organizao de Glria Ferreira e Ceclia Cotrim. (pgs.96-106). Pela primeira vez publicado em 1963.

  • Um novo trabalho sempre envolve objees ao velho, mas essas objees s so verdadeiramente relevantes para o novo. So parte dele. Se o trabalho anterior de primeira linha ele completo. Novas inconsistncias e limitaes no so retroativas; elas concernem unicamente ao trabalho que est sendo desenvolvido. Obviamente, o trabalho tridimensional no suceder de maneira clara a pintura e escultura. No como um movimento; de qualquer modo, movimentos j no funcionam mais; alm disso, a histria linear de algum modo se desfez. O novo trabalho supera a pintura com plena potncia, mas a potncia no a nica considerao, embora a diferena entre ela e a expresso tambm no possa ser to grande. H outros caminhos alm da potncia e da forma pelos quais um tipo de arte pode ser mais, ou menos, do que outro. Finalmente, uma superfcie plana e retangular muito cmoda e conveniente para ser abandonada. Algumas coisas s podem ser feitas em uma superfcie plana. A representao de uma representao por Lichtenstein um bom exemplo. Mas esse trabalho, que no nem pintura nem escultura, desafia ambas. Ele ter de ser levado em considerao por novos artistas. Provavelmente mudar a pintura e a escultura.

    O principal defeito da pintura que ela um plano retangular chapado contra a parede. Um retngulo uma forma [shape] em si mesma; ele , obviamente, a forma [shape] total; determina e limita o arranjo de quaisquer coisas que estejam sobre ou dentro dele. Nos trabalhos anteriores a 1946, as bordas do retngulo so uma fronteira, so o fim do quadro. A composio deve reagir s bordas e o retngulo deve ser unificado, mas a forma [shape] do retngulo no acentuada; as partes so mais importantes, e as relaes de cor e forma se do entre elas. Nas pinturas de Pollock, Rothko, Still e Newman, e mais recentemente nas de Reinhardt, o retngulo enfatizado. Os elementos dentro do retngulo so amplos e simples e correspondem intimamente ao retngulo. As formas [shapes] e a superfcie so apenas aquelas que podem ocorrer plausivelmente dentro de ou sobre um plano retangular. As partes so poucas e to subordinadas unidade que no so partes em um sentido ordinrio. Uma pintura quase uma entidade, uma coisa, e no a indefinvel soma de um grupo de entidades e referncias. A coisa una ultrapassa em potncia a pintura anterior. Ela tambm estabelece o retngulo como uma forma definida; ele j no mais um limite completamente neutro. Uma forma s pode ser usada de tantas maneiras. Ao plano retangular dado um tempo de vida A simplicidade exigida para que se enfatize o retngulo limita os possveis arranjos dentro dele. O senso de unicidade tambm tem uma durao limitada, mas est apenas comeando

    Donald Judd, Sem Ttulo (DSS 216), 1970.Ferro galvanizado com Plexiglas mbar10 unidades, cada 9 x 40 x 31 polegadas (22,9 x 101,6 x 78,7 centmetros)

    Donald Judd, Sem Ttulo (DSS 216), 1970.(Detalhe da obra)

  • e tem mais futuro fora da pintura. A sua ocorrncia na pintura agora parece um comeo, no qual formas novas so frequentemente retiradas de esquemas e materiais anteriores.

    O plano tambm enfatizado e quase simples [single]. Ele claramente um plano frente de outro plano - a parede - a uma distncia de uma ou duas polegadas, e paralelo a esta. A relao entre os dois planos especfica; uma forma, Tudo e que esteja sobre eu ligeiramente dentro de plane da pintura deve ser arranjado lateralmente.

    Quase todas as pinturas so, de um modo ou de outro, espaciais. As pinturas azuis de Yves Klein so as nicas que so no-espaciais, e h algumas poucas quase no-espaciais, sobretudo as de Stella. possvel que pouca coisa possa ser feita com um plano retangular vertical e com uma ausncia de espao. Qualquer coisa sobre uma superfcie tem espao por trs dela. Duas cores sobre a mesma superfcie quase sempre encontram-se em diferentes profundidades. Uma cor uniforme, especialmente em tinta a leo, cobrindo roda ou grande parte de uma pintura, quase sempre tanto plana quanto infinitamente espacial. O espao raso em rodo trabalhe no qual o plano retangular enfatizado. O espao de Rothko raso e os suaves retngulos so paralelos ao plano, mas o espao quase tradicionalmente ilusionista. Nas pinturas ed Nas pinturas de Reinhardt, logo atrs do plano da tela, h um plano chapado (flat plane), e isto por

    sua vez parece indefinidamente profundo. A pintura de Pollock est obviamente sobre a tela e o espao sobretudo aquele criado por quaisquer marcas sobre uma superfcie, de modo que no muito descritivo e ilusionista.

    As faixas concntricas de Noland no so to especificamente tinta-sobre-uma-superfcie quanto pintura de Pollock, mas as faixas tornam mais plano o espao literal. Por mais planares e no ilusionistas que sejam as pinturas de Noland, as faixas de fato avanam e recuam. At mesmo um nico crculo torcer a superfcie em sua direo, ter um pequeno espao por trs dele.

    Exceto por um completo e invarivel campo de cor ou de marcas, qualquer coisa localizada-em um retngulo e sobre um plane sugere algo sobre e dentro de outra coisa, algo sua volta, o que por sua vez sugere um objeto ou figura em seu espao, sendo esses os exemplos mais ntidos de um mundo similar - esse o principal propsito da pintura. As pinturas recentes no so completamente simples [singles]. H algumas reas dominantes, os retngulos de Rothko ou os crculos de Noland, e h a rea em volta deles. H um afastamento entre as formas principais, as partes mais expressivas e o resto da tela, o plano e o retngulo. As formas centrais ainda ocorrem em um contexto mais amplo e indefinido, embora a unicidade das pinturas reduza a natureza geral e solipsista de trabalhe anterior. Campos tambm so geralmente ilimitados, e tm a

    Yves Klein, da srie Anthopometries (1960-1961). 200cm x 179 cm.

  • aparncia de sees cortadas de algo indefinidamente maior.

    A tinta a leo e a tela no tm a mesma fora que as tintas comerciais e as cores e superfcies dos materiais, especialmente se os materiais so usados em trs dimenses. leo e tela so familiares e, assim como o' plano retangular, possuem urna certa qualidade e possuem limites. Tal qualidade especialmente identificada com a arte.

    Os novos trabalhos obviamente assemelham-se mais escultura do que pintura, porm esto mais prximas da pintura. A maior parte das esculturas como a pintura que antecedeu Pollock, Rothko, Still e Newman. A sua maior novidade a larga escala. Seus materiais so de certa forma mais enfatizados do que antes. O conjunto de imagens [imagery] envolve algumas notveis semelhanas com outras coisas visveis e muitas outras referncias mais oblquas, tudo generalizado para se tornar compatvel. As partes e o espao so alusivos, descritivos e de certa forma naturalistas. A escultura de Higgins um exemplo e, diferentemente, a de Di Suvero tambm. A escultura de Higgins sugere sobretudo mquinas e corpos truncados. Sua combinao de gesso e metal mais especfica. Di Suvero utiliza vigas de ferro corno se fossem pinceladas, imitando o movimento, como fez Kline. O material nunca possui seu prprio movimento. Uma viga se lana com mpeto, um pedao de ferro segue um gesto; juntos, eles formam urna imagem naturalista e antropomrfica. O espao corresponde.

    A maioria das esculturas feita parte por parte, por adio, composta. As principais partes permanecem consideravelmente discretas. Estas e as partes menores formam uma coleo de variaes, indo do frgil ao grande. H entre elas hierarquias de claridade e de fora, e de proximidade a urna ou duas ideias principais. Madeira e metal so os materiais mais usuais, tanto sozinhos quanto juntos, e se utilizados juntos sem muito contraste. Raramente h alguma cor. O pouco contraste e a natural monocromia so gerais e ajudam a u