DOENÇAS E PRAGAS DO BICHO-DA-SEDA 6.4.1. DOENÇAS

Download DOENÇAS E PRAGAS DO BICHO-DA-SEDA 6.4.1. DOENÇAS

Post on 07-Jan-2017

236 views

Category:

Documents

18 download

TRANSCRIPT

  • Notas de Aula de ENT 110 Sericicultura

    Prof. Ronald Zanetti - DEN/UFLA, CP 3037, 37200-000, Lavras, MG. zanetti@ufla.br

    1

    DOENAS E PRAGAS DO BICHO-DA-SEDA

    As lagartas do bicho-da-seda devem ser vistoriadas rotineiramente de forma a detectar a ocorrncia de doenas, no caso de aparecerem lagartas doentes, a primeira providncia dever ser a retirada das mesmas da cama de criao. Logo aps, dever ser feita a aplicao de produtos desinfetantes sobre as restantes.

    Os produtos utilizados na desinfeco corporal so formulados em p e devem ser polvilhados de maneira uniforme (uma camada fina) sobre as lagartas, utilizando-se um saco de pano fino. O aplicador deve utilizar o equipamento de proteo individual, tomando alguns cuidados, como a aplicao do produto sempre antes do abastecimento de amora, quando j no houver muita sobra de folhas na cama, e no oferecer folhas de amora molhadas aps aplicao dos produtos, pois poder ocorrer intoxicao. Os produtos mais utilizados so: Sedanil PS (Chlorothalonil, 2%) e Sedacloro (Hipoclorito de clcio, 3,5%). Ambos so fungicidas de uso exclusivo na sericicultura, na desinfeco simultnea de lagartas e de camas de criao e controlam calcinoses e aspegilose. Devem ser polvilhados uniformemente sobre o corpo das lagartas e suas camas, com o auxlio de uma peneira de malha fina ou um saco de pano fino (gaze). A dosagem recomendada de acordo com idade das lagartas: durante a terceira idade 33 g/m2 de cama; durante a quarta idade 44 g/m2 de cama e durante a quinta idade, 55 g/m2 de cama.

    A freqncia de aplicao de duas vezes ou mais em cada idade, de acordo com a necessidade, sendo a primeira aplicao de cada idade feita aps a muda e antes do primeiro fornecimento do alimento s lagartas; no aplicar o produto durante a muda.

    Outros produtos utilizados so: BRA-F (cal hidratada + formol em p), Cal hidratada, Formol em p + talco.

    6.4.1. DOENAS Pebrina: Protozorio (Nosema bombycis) Infeco: transmitida aos ovos pela mariposa me, lagartas por via oral e folhas infestadas. Sintomas: os ovos so facilmente descolados do substrato de postura, so

    postos uns sobre os outros de forma amontoada; as lagartas apresentam manchas pretas no corpo, ficam inativas, vagarosas, plidas, cessam a alimentao e crescem menos.

    Controle: fazer inspeo microscpica nas posturas ou mariposas, descartando as posturas contaminadas; desinfetar os ovos com formol 2% e lav-los em gua corrente; manter a higiene das

  • Notas de Aula de ENT 110 Sericicultura

    Prof. Ronald Zanetti - DEN/UFLA, CP 3037, 37200-000, Lavras, MG. zanetti@ufla.br

    2

    instalaes; inspecionar diariamente a criao; desinfetar as instalaes com formol 3%.

    Poliedrose nuclear (NPV) ou Amarelido : Virose (Baculovrus) Infeco: via oral e contato com folhas infestadas. Sintomas: a lagarta perde o apetite, tem movimentos bruscos com a cabea; a

    pele fica tencionada e libera um lquido branco, caminha vagarosamente, no muda de tegumento e nem se encasula.

    Controle: manter a higiene das instalaes; inspecionar diariamente a criao; evitar extremos de temperatura; evitar alimentao inadequada; promover a ventilao e espaamento adequado; desinfetar os equipamentos com vapor quente por 30 minutos; desinfetar as instalaes com formol 3%.

    Poliedrose citoplasmtica (VPC):Virose (Cypovrus) Infeco: via oral e contato com folhas infestadas. Sintomas: as lagartas perdem o apetite, reduzem o crescimento; a cabea

    cresce desproporcionalmente; as fezes so moles e esbranquiadas.

    Controle: manter a higiene das instalaes; inspecionar diariamente a criao; evitar extremos de temperatura; evitar alimentao inadequada; promover a ventilao e espaamento adequado; desinfetar os equipamentos com vapor quente por 30 minutos; desinfetar as instalaes com formol 3%.

    Flacidez Infecciosa (Vrus F): Virose (Vrus de partcula livre RNA) Infeco: ovos e folhas infestadas. Sintomas: as lagartas apresentam o corpo transparente, pouco desenvolvido;

    ficam enc olhidas, perdem o apetite e a mobilidade. Controle: fornecer folhas altamente nutritivas; controlar bem a temperatura e

    umidade; aplicar calcrio na cama; desinfetar os equipamentos e instalaes com formol 3%.

    Gastrointestinais Bactria (Baccillus thuringiensis) Infeco: folhas infestadas. Sintomas: a lagarta perde o apetite e a elasticidade da pele, fica encolhida

    aps a muda, apresenta diarria e vmitos. Controle: evitar aplicar Baccillus thuringiensis prximo ao amoreiral,

    desinfetar as instalaes com formol 3%, alimentao adequada,

  • Notas de Aula de ENT 110 Sericicultura

    Prof. Ronald Zanetti - DEN/UFLA, CP 3037, 37200-000, Lavras, MG. zanetti@ufla.br

    3

    eliminao dos focos, controle da temperatura e aplicao de fungicidas sobre as lagartas.

    Muscardina branca ou Calcinose -branca : Fungo (Beauveria bassiana) Infeco: contato com folhas infestadas. Sintomas: manchas negras no corpo, perda de apetite, inatividade,

    aparecimento de miclios brancos sobre o corpo aps a morte. Controle: queima dos resduos, destruio do lote quando a lagarta for jovem,

    limpeza e desinfeco das instalaes e materiais utilizados na criao com formol 3 a 3,5% e aplicao de fungicidas sobre as lagartas..

    Muscardina Amarela: Fungo (Isaria amarela) Infeco: contato, principalmente. Sintomas: manchas negras no corpo, perda de apetite, inatividade,

    aparecimento de miclios brancos com esporos amarelos sobre o corpo aps a morte.

    Controle: queima dos resduos, destruio do lote quando a lagarta for jovem, limpeza e desinfeco das instalaes e materiais utilizados na criao com formol 3 a 3,5% e aplicao de fungicidas sobre as lagartas.

    Calcinose -verde : Fungo (Nomuracea rileyi) Infeco: contato com folhas infestadas. Sintomas: perda de apetite, inatividade, aparecimento de miclios brancos

    com esporos verdes sobre o corpo aps a morte. Controle: queima dos resduos, destruio do lote quando a lagarta for jovem,

    limpeza e desinfeco das instalaes e materiais utilizados na criao com formol 3 a 3,5% e aplicao de fungicidas sobre as lagartas.

    Calcinose -preta : Fungo (Metarhizium anisopliae) Infeco: contato com folhas infestadas. Sintomas: lagartas com colorao verde escura, ocorrendo em lagartas novas. Controle: queima dos resduos, destruio do lote quando a lagarta for jovem,

    limpeza e desinfeco das instalaes e materiais utilizados na criao com formol 3 a 3,5% e aplicao de fungicidas sobre as lagartas.

    Calcinose -amarela: Fungo (Paecilomyces sp. ) Infeco: contato com folhas infestadas.

  • Notas de Aula de ENT 110 Sericicultura

    Prof. Ronald Zanetti - DEN/UFLA, CP 3037, 37200-000, Lavras, MG. zanetti@ufla.br

    4

    Sintomas: lagartas com colorao branca. Controle: eliminao dos focos, alimentao adequada, limpeza e

    desinfeco das instalaes e materiais utilizados na criao com formol 3 a 3,5% % e aplicao de fungicidas sobre as lagartas.

    Aspergilose: Fungo (Aspergillus sp.) Infeco: contato com folhas infestadas. Sintomas: lagartas com colorao escura ou alaranjada. Controle: queima dos resduos, destruio do lote quando a lagarta for jovem,

    limpeza e desinfeco das instalaes e materiais utilizados na criao com formol 3 a 3,5% e aplicao de fungicidas sobre as lagartas.

    6.4.2. PRAGAS Mosca Kyoso (Sturmia sericariae) Reconhecimento: mosca da famlia Tachinidae, cor preta acinzentada. A

    lagarta amarela palha. O ovo oval e preto, esta mosca oviposita seus ovos nas nervuras das folhas da amoreira.

    Controle: desinfetar as folhas antes de fornec-las s lagartas ou us-las na fase inicial na 1a e na 2a idades ou no final da 5a idade.

    Mosca Tachina (Tricholyga sorbillans) Reconhecimento: mosca semelhante mosca domstica, porm um pouco

    maior. Corpo amarelo-acinzentado com quatro listras ao longo do trax; seus ovos so amarelados. Ocorre oviposio sobre o corpo da larva, na regio torcica ou nos sulcos junto ao trax.

    Controle: usar piso cimentado no local de manuseio dos casulos para evitar que as lagartas da mosca empupem no solo. Vedar os janeles com tela. Queimar os casulos e lagartas parasitadas.

    Mosca Uzi (Tricholyga bombycis) Reconhecimento: mosca cor cinza, com listras pretas e cinzentas. Ovos

    brancos, pequenos e ovais, so ovipositados sobre o trax ou junto aos sulcos perto do trax da larva do bicho-da-seda, matando-a.

    Controle: usar piso cimentado no local de manuseio dos casulos para evitar que as lagartas da mosca empupem no solo. Vedar os janeles com tela. Queimar os casulos e lagartas parasitadas.

    caro da Sarna da Palha (Pediculoides ventricosus)

  • Notas de Aula de ENT 110 Sericicultura

    Prof. Ronald Zanetti - DEN/UFLA, CP 3037, 37200-000, Lavras, MG. zanetti@ufla.br

    5

    Reconhecimento: caro de 0,2 mm de comprimento, amarelo-claro. Dano: matam as lagartas do bicho-da-seda em 1 ou 2 horas aps o ataque,

    injetando uma toxina. Controle: desinfetar camas e materiais de criao. Besouro do Casulo (Dermestes ater) Reconhecimento: besouro marrom-escuro, alongado, de 6 a 9 mm. As lagartas

    tm de 1,6 a 2,6 mm, cobertas de plos amarelos. Dano: perfuram os casulos e devoram as pupas. Preveno/Controle: limpar o depsito de casulos freqentemente.