Doenças e Pragas de Pastagens Aula 8: Pragas Sugadoras.

Download Doenças e Pragas de Pastagens Aula 8: Pragas Sugadoras.

Post on 22-Apr-2015

136 views

Category:

Documents

13 download

TRANSCRIPT

Slide 1 Doenas e Pragas de Pastagens Aula 8: Pragas Sugadoras Slide 2 Percevejo-castanho-da-raiz Scaptocoris castanea e Atarsocoris brachiariae O nome comum, percevejo castanho ou percevejo castanho da raiz tem sido utilizado para designar vrias espcies de percevejos da subfamlia Scaptocorinae, famlia Cydnidae que habitam o solo. O complexo de percevejo-castanho-da-raiz tem ampla distribuio geogrfica na regio Neotropical. No Brasil, h referncias de ocorrncia desse grupo no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paran, So Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pernambuco, Piau, Bahia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Gois, Tocantins, Amazonas e, mais recentemente, Rondnia. Atacam, alm de pastagens, cana-de-acar, milho, soja, algodo, feijo, arroz, caf, eucalipto, ervilha, entre outras. Cenrio Slide 3 O percevejo-castanho-da-raiz um inseto de hbito subterrneo e, tanto as ninfas como os adultos sugam o sistema radicular das plantas. As formas jovens (ninfas) so brancas e, especialmente no ltimo nstar, os primrdios das asas, de colorao amarelada, so bem visveis. Os adultos so marrom-claros, sendo que Scaptocoris castanea mais castanho, com cerca de 8 mm e Atarsocoris brachiariae , geralmente, menor (5,2 a 6,0 mm) e de cor mbar-amarelada. Ambos exalam um cheiro desagradvel, que facilmente reconhecvel na abertura de sulcos. As pernas anteriores so adaptadas para cavar e as posteriores apresentam fmures adaptados para empurrar. Biologia Slide 4 A cpula ocorre no do solo, nas reboleiras onde ninfas de diferentes estgios tambm esto presentes. As fmeas fertilizadas ovipositam no solo durante o perodo chuvoso. As ninfas eclodidas passam a sugar as razes das plantas e se desenvolvem passando por cinco instares, durante quatro a seis meses. O ciclo de vida de A. brachiariae desde o ovo morte dos adultos varia de 11 a 12 meses em pastagens, com duas geraes anuais. Biologia Slide 5 Scaptocoris castanea Adultos predominam em solo com excedente hdrico. Ovos e ninfas em solos com deficincia de gua. Perodo de incubao de 25 dias. Perodo ninfal de 150 dias. Macho vive por 180 dias. Fmea ovoposita por 90 dias. Biologia Slide 6 O acasalamento observado no interior do solo, podendo-se encontrar adultos em cpula at a profundidade de 1,5 m. Os ovos so encontrados a partir de dezembro, com maior freqncia em janeiro/fevereiro, e as revoadas de disperso de adultos so mais freqentes e intensas de fevereiro a maro. Biologia Slide 7 Os adultos esto mais presentes na superfcie do solo em perodo mido - dezembro e janeiro, quando ocorrem as revoadas de disperso da espcie, momento que favorece o uso de medidas preventivas de controle. Durante o perodo de seca, eles se aprofundam no solo em busca de umidade, enquanto as pupas e larvas podem ser encontradas com facilidade. Biologia Slide 8 Scaptocoris castanea Comprimento: 8 mm Colorao: marrom claro a escuro. Identificao Slide 9 Scaptocoris castanea Estdio larval Comprimento: 5 mm Colorao: esbranquiada. Identificao Slide 10 Slide 11 Slide 12 NO CONFUNDIR Slide 13 Identificao NO CONFUNDIR Slide 14 Prejuzo A presena desta praga pode ser facilmente detectada pelo odor caracterstico que os mesmos exalam quando perturbados no solo e durante as revoadas. Em reas altamente infestadas so observadas reboleiras de diferentes tamanhos, com plantas menos desenvolvidas e amareladas. Causam danos pela injeo de saliva txica e pela retirada de seiva das razes causando enfraquecimento e at a morte das plantas. Slide 15 Prejuzo Embora existam alguns relatos de perdas de at 100% em reas com algodo e soja, provocadas por S. castanea, pouco se sabe sobre a capacidade real de danos de populaes de adultos e ninfas destes insetos em pastagens, e ainda no foi estabelecido seu nvel de dano econmico. Em reas do cerrado, na cultura da soja, populaes entre 25 e 40 percevejos por metro linear causam perdas no rendimento. Acima de 200-300 percevejos/m, pode haver perda total, dependendo do estdio de desenvolvimento da planta e da fertilidade do solo, tambm em soja. Slide 16 Prejuzo Para A. brachiariae, observaes de campo realizadas no Mato Grosso, durante vrios anos, mostraram que nas reas de pastagens com cerca de 500 percevejos/m, onde foi feito o plantio direto de soja, houve reduo no rendimento desta em cerca de 30%. J foram observadas pastagens de Brachiaria brizantha em Parana-GO que foram quase completamente destrudas por ataque de S. carvalhoi, uma outra espcie importante. Slide 17 Prejuzo Slide 18 Slide 19 Slide 20 Slide 21 Slide 22 No existe uma forma de controle 100% eficiente para esta praga, principalmente, devido a seus hbitos alimentares. Controle por inseticidas sistmicos torna-se invivel pelo seu alto custo. Controle Slide 23 O uso de corretivos de solo no preparo ou reforma das pastagens, como calcrio, gesso agrcola ou silicato de clcio podem reduzir grandemente o ataque de percevejos castanhos. No se sabe qual mecanismo de ao est presente, se as plantas tornam-se resistentes mecnica ou quimicamente, mas o fato que esta prtica cultural bsica, que deveria ser normal para todas pastagens implantadas, permite a convivncia com essa praga. Controle Slide 24 Uma outra forma emprica de se proteger a planta em culturas anuais aplicar enxofre elementar em p, ou fertilizante com o nutriente mais elevado (Ex: Termofosfato Yorin- S), diretamente no sulco de plantio, mais prximo a semente e futuras razes da planta. O enxofre promove a repelncia do inseto, sendo as plantas menos atacadas e os danos diminudos. Controle Slide 25 O princpio da morte por inanio pode ser til no manejo do percevejo castanho. Manter reas muito infestadas em pousio por seis meses, sempre gradeando para manter a vegetao seca na superfcie, pode ser uma ttica cultural necessria em casos de grande infestao. Controle Slide 26 Maneira mais radicais podem ser necessrias no caso de altas infestaes, como a subsolagem das reas infestadas, com gradagens subsequentes, para expor os insetos do subsolo ao sol e predadores. Porm esse mtodo desfavorece o plantio direto em culturas anuais e tambm problemtico em pastagens. Controle Slide 27 Os percevejos-das-razes so naturalmente atacados por fungos entomopatognicos, sobretudo Metarhizium anisopliae, mas em baixa frequncia nas populaes em campo. Apresentam boa virulncia em laboratrio, mas apresentam baixa viabilidade de utilizao em condies de campo em soja, em funo da localizao dos insetos e das necessidades climticas do fungo. Controle Slide 28 Em pastagens, o controle com fungos entomopatolgicos tem mostrado bons resultados, conseguindo-se reduo de at 90% da populao dos insetos. importante neste tipo de controle, que as pastagens tenham um manejo correto, com resduo adequado que propiciar uma cobertura do solo com folhas mortas, dando condies ao fungo de uma propagao eficiente. Controle Slide 29 Para o controle qumico do percevejo-castanho necessrio: constatar a presena da praga durante o preparo de solo; demarcar a reboleira para o controle; aplicar inseticida granulado sistmico, como aldicarb, disulfoton, carbofuran e terbufs, no plantio. Controle Slide 30 Devido ao seu difcil controle necessrio buscar medidas de se conviver com a praga. Mantendo a pastagem com bom nvel de fertilidade e enraizamento, para suportar eventuais ataques dos insetos em fases de aumento populacional no solo. Manter o microambiente no interior da pastagem favorvel ao desenvolvimento dos fungos entomopatognicos, que mantm as populaes da praga em nveis mais baixos. Monitorar sempre e se necessrio, tomar medidas mais drsticas de controle e manejo. Consideraes Finais