direito tributrio - preparatrio p/ concursos | gran ... pblico direito tributrio conceito: ramo...

Download Direito Tributrio - Preparatrio p/ Concursos | Gran ...  pblico direito tributrio conceito: ramo autnomo da cincia jurdica que regula a instituio, arrecadao, fiscalizao e

Post on 13-Feb-2018

216 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Direito TributrioProf. Erich Endrillo email: endrillo@hotmail.com

  • Material de Estudo

    Direito Tributrio Esquematizado Ricardo Alexandre Ed. Mtodo.

    Direito Tributrio para Concursos Cludio Borba Impetus.

    Manual de Direito Tributrio para Concursos Pblicos Saraiva. Eduardo Sabbag.

    Direito Tributrio Editora Ferreira. Joo Marcelo Rocha

  • OBRIGAO TRIBUTRIA

    LANAMENTO

    DECLARAO: art. 147 e 148OFCIO: art. 149 CTNHOMOLOGAO: art. 150 CTN

    CRDITO TRIBUTRIO

    DVIDA ATIVA

    EXECUO FISCAL

    PRAZO DE DECADNCIA: 5 ANOS - art. 173 CTN ou art. 150, 4 CTN

    SUSPENO: art. 151 CTNEXCLUSO: art. 175 a 182 CTNEXTINO: art. 156 a 174 CTN

    LEI 6830/80 LEFPRECRIO INTERCORRENTE

    TERMO DE INSCRIO: art. 201 a 204 CTN

    CONSTITUIO FEDERAL/88

    LEIS (PRINCPIO DA LEGALIDADE)

    U/E/DF/ M:INSTITUIR TRIBUTOS

    FATO GERADOR

    SISTEMA TRIBUTRIO NACIONAL : ART.145 ao 162 da CF/88ESTABELECE COMPETNCIA TRIBUTRIAFIXA OS PRINCPIOS TRIBUTRIOS.ESTABELECE A REPARTIO DE RECEITAS TRIBUTARIAS

    PAF PROCESSO ADMINISTRATIVO FISCAL

    PRAZO DE

    PRESCRIO: 5 ANOS. art. 174 CTNCAUSAS DE INTERRUPO: art.174, PARGRAFO NICO - CTN

    PRINCIPAL: PAGARACESSRIA: FAZER NO FAZERDOMICLIO TRIBUTRIOSUJEITO ATIVO /SUJEITO PASSIVOSOLIDARIEDADERESPONSABILIDADE TRIBUTRIA

    FLUXOGRAMA COMPLETO

  • DIREITO PBLICO

    DIREITO TRIBUTRIO CONCEITO: RAMO AUTNOMO DA CINCIA JURDICA QUE REGULA

    A INSTITUIO, ARRECADAO, FISCALIZAO E COBRANA DE

    TRIBUTOS.

    CONCEITO DE DIREITO TRIBUTRIO

  • CONCEITO DE DIREITO TRIBUTRIO

    o direito que disciplina o processo de retirada compulsria, pelo Estado, daparcela de riqueza de seus sditos, mediante a observncia dos princpiosreveladores do Estado de Direito. a disciplina jurdica que estuda as relaesentre o Fisco e o Contribuinte Kiyoshi Harada Direito Financeiro e Tributrio Atlas.

    a disciplina da relao entre o Fisco e o Contribuinte,resultante da imposio,arrecadao e fiscalizao dos impostos, taxas e contribuies. Ruy BarbosaNogueira Curso de Direito Tributrio Saraiva.

    o ramo didaticamente autnomo do direito, integrado pelo conjunto dasproposies jurdico normativas que correspondam, direta ou indiretamente, instituio, arrecadao e fiscalizao de tributos. Paulo de Barros Carvalho Curso de Direito Tributrio Saraiva.

  • CONCEITO DE TRIBUTO

    A banca examinadora considerou como CORRETA a seguinteassertiva: Direito tributrio o conjunto de normas queregula o comportamento das pessoas de levar dinheiro aoscofres pblicos. (FCC/2005/Governo do Estado deSergipe/Procuradoria Geral do Estado/NvelSuperior/Procurador do Estado de 2 Classe, questo 35,assertiva D)

  • RECEITA PBLICA

    ORIGINRIA

    RECEITA PBLICA

    DERIVADA

  • RECEITA PBLICA

    Receitas Pblicas Originrias (patrimoniais ou de economia privada): O Estadoaufere de suas prprias fontes de riqueza, em decorrncia de seu patrimniorendoso. Tm origem, portanto, da administrao do patrimnio do Estado, comopor exemplo: os foros, laudmios, aluguis, dividendos, aes, juros, etc. So,tambm, classificadas como originrias, as receitas auferidas pelo Estado quandoeste exerce atividades tpicas do setor privado, tais como: venda e comercializaode produtos agropecurios, industriais e de servios.

    As receitas derivadas (no-patrimoniais ou de economia pblica): So as receitasque o Estado aufere, tendo como procedncia, coercitiva ou no, as pessoas fsicase jurdicas com personalidade jurdica de direito privado, usando a prerrogativa doEstado de tributar suas rendas, patrimnio, operaes e transaes financeiras.Elas provm das transferncias monetrias que o setor privado da economiarepassa para o setor pblico, coercitivamente ou no.

  • CF

    EC

    - LC: CTN

    - LC. 87/96 (ICMS)

    - LC 123/06 (SIMPLES)

    - LC 116/03 (ISSQN)

    - LC 24/75 (CONCESSO DE INCENTIVOS ICMS

    LO./MP/LEIS DELEGADAS/DEC. LEGISLATIVOS/RESOLUES

    DECRETOS REGULAMENTARES: PODER EXECUTIVO

    NORMAS COMPLEMENTARES: ART.100 CTN

    - INSTRUO NORMATIVA/PORTARIA/ORDEM DE SERVIO

    - CONVNIOS

    - PRATICAS REITERADAS OBSERVADAS PELA ADMINISTRAO

    - DECISO ADMINISTRATIVA COM EFEITO VINCULANTE

    TRATADOS INTERNACIONAIS

    FONTES PRIMRIAS

    FONTES SECUNDRIAS

    TRATADOS INTERNACIONAIS

    FONTES DO DIREITO TRIBUTRIO

  • Conceito de TributoR

    ece

    ita

    Pblica

    Ori

    gin

    ria

    Der

    ivad

    a

    Tributo: Art. 3 CTN

    Prestao Pecuniria

    Compulsria

    Em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir

    Que no constitua sano por ato ilcito

    Prevista em lei. cobrado mediante atividade administrativa vinculada.

  • Conceito de Tributo.

    1.PRESTAO PECUNIRIA, EM MOEDA OU CUJO VALOR NELA SE POSSAEXPRIMIR:

    O tributo pago em moeda.

    No se admite a prestao in natura ou in labore.

    A LC 104/2001 adicionou o inciso XI ao art. 156 do CTN, de modo a admitir adao em pagamento de bens imveis, na forma da lei, como forma dequitao da prestao tributria. Trata-se, para a maior parte da doutrina,como uma exceo ao pagamento em moeda.

    A expresso cujo valor nela se possa exprimir admite a utilizao deindexadores econmicos (UFIR, OTN etc.) para prestao pecuniria, dada a suaconversibilidade em moeda.

    O STF considerou inconstitucional, na ADI 1917/DF, a lei Distrital que permitiao pagamento de dbitos da microempresas, empresas de pequeno porte e dasmdias empresas, mediante dao em pagamento de materiais destinados aatender a programas do Governo do DF.

  • Conceito de Tributo.

    2.PRESTAO COMPULSRIA.

    O dever de pagar tributo denota da concepo de imposio estatal(Potestade). Um direito do Estado; um dever do cidado.

    A obrigao de natureza tributria diferencia-se das obrigaes civis ouprivadas em face do carter compulsrio daquela e contratual destas.

    No se consideram de natureza tributria as prestaes pecunirias pagasao Estado que sejam objetos de contratualidade: Tarifas e Preos Pblicos(Receitas originrias)

  • Conceito de tributo.

    3.QUE NO CONSTITUA SANO POR ATO ILCITO.

    Tributo no possui carter de punio.

    As exaes tributrias possuem em seus verbos nucleares condutas lcitasou permissivas: Ser proprietrio (IPVA, IPTU e ITR). Prestar Servios oucircular mercadorias (ISS ou ICMS). Auferir rendimento (IR)

    Teoria da pecunia non olet (dinheiro no tem cheiro)

    A prestao tributria no pode ser considerada como uma penalidade.Porm, as circunstncias que ocasionam a ocorrncia do fato gerador soirrelevantes no que se refere aos seus efeitos, validades ou licitudes.

    Por isso, aquele que aufere renda, ainda que sob atividade ilcita, v.g.,trfico de entorpecentes, dever recolher o IR.

    Multas no podem ser consideradas como tributos.

  • Conceito de tributo.

    4.PRESTAO INSTITUDA EM LEI.

    Princpio da legalidade. Lei em sentido formal. No cabe o uso delegislao tributria tais como: portarias, decretos, instruesnormativas, ordem de servios, etc.

    Tributo dever ser institudo em lei. A rigor, lei ordinria. Algunstributos necessitam de lei complementar: Emprstimos Compulsrios,Imposto Residual e Contribuio social residual e Imposto sobre asgrande fortunas.

    Admite-se o uso de medidas provisrias em matria tributria.

    5.COBRADO MEDIANTE ATIVIDADE ADMINISTRATIVA PLENAMENTEVINCULADA.

    Trata-se de atividade exercida por carreira tpica de Estado, devendoser realizada de modo vinculado,no ensejando discricionariedade porparte do agente pblico no tocante ao exerccio da cobrana da exaotributria.

  • Conceito de tributo

    A banca examinadora (banca prpria) considerou como INCORRETA:Tributo toda prestao pecuniria compulsria que no constituasano de atos ilcitos, nem multas ou penalidades, instituda em lei ecobrada mediante atividade administrativa no necessariamentevinculada ao tributo. (Juiz Substituto/TJ-G/2005/EJEF/Questo 96,assertiva B)

    A banca examinadora da FUNDAO CARLOS CHAGAS considerou como CORRETAa alternativa c: Considera-se caracterstica de um tributo, entre outras, ser: (a)decorrente ou no de sano pela prtica de ato ilcito. (b)pago em moeda, innatura ou in labore, mesmo sem lei especfica. (c) cobrado mediante atividadeadministrativa plenamente vinculada.(d)institudo por lei ou ato administrativo oudeles decorrente.(e)facultativo em face do poder discricionrio e voluntariedadedo contribuinte. (FCC/AUDITOR/TCE-SE/2002)

  • Conceito de tributo

    A banca examinadora da ESAF considerou como INCORRETA:A Lei Complementar 104/01, ao permitir a dao empagamento de bens imveis, como forma de extino docrdito tributrio, promoveu a derrogao do art. 3 do CTN,que confere ao tributo uma prestao pecuniria em moedaou cujo valor nela se possa exprimir. (ESAF/AFTM/Natal/RN/2008)

  • Conceito de tributo

    (Auditor Fiscal Municpio de So Paulo/ 2007 questo 5). Para que umaprestao pecuniria compulsria possa conceituada como tributo, preciso que,alm de ser cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada,tenha como objeto:

    A) moeda corrente ou valor que nela possa ser expresso, constitua ou no sanode ato ilcito e esteja instituda em lei.

    B) unicamente moeda corrente, no constitua sano de ato ilcito e estejainstituda em lei.

    C) moeda corrente ou cujo valor nela possa ser expresso, no constitua sano deato ilcito e esteja instituda em lei.

    D) unicamente moeda corrente, constitua ou no sano de ato ilcito e estejainstitudo em lei.

    E) moeda corrente ou valor que nela possa ser expresso, no constitua sano deato ilcito e esteja instituda na legislao tributria

  • FUNES DOS TRIBUTOS

    Funo dos tributos:

    FISCAL: IR Instrumento de arrec

Recommended

View more >