direito tributrio exerccios ... - .direito tributrio exerccios legisla§£o tributria prof

Download DIREITO TRIBUTRIO EXERCCIOS ... - .DIREITO TRIBUTRIO EXERCCIOS Legisla§£o Tributria Prof

Post on 10-Nov-2018

216 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • DIREITO TRIBUTRIO

    EXERCCIOS Legislao Tributria Prof. Alexandre Lugon

    Pgina 1

    01. MDIC (2012-ESAF) Sobre a interpretao e integrao da norma tributria, assinale a opo incorreta.

    a) Os princpios gerais de direito privado utilizam-se para pesquisa da definio, do contedo e do alcance de

    seus institutos, conceitos e formas, mas no para definio dos respectivos efeitos tributrios.

    b) A lei tributria no pode alterar a definio, o contedo e o alcance de institutos, conceitos e formas de

    direito privado, utilizados, expressa ou implicitamente, pela Constituio Federal, pelas Constituies dos

    Estados, ou pelas Leis Orgnicas do Distrito Federal ou dos Municpios, para definir ou limitar competncias

    tributrias.

    c) Na ausncia de disposio expressa, a autoridade competente para aplicar a legislao tributria utilizar,

    sucessivamente e nesta ordem, a equidade, os princpios gerais do direito e a analogia.

    d) Interpreta-se literalmente a legislao tributria que disponha sobre suspenso ou excluso do crdito

    tributrio, outorga de iseno e dispensa do cumprimento de obrigaes tributrias acessrias.

    e) Assim como o emprego da analogia no poder resultar na exigncia de tributo no previsto em lei, de

    igual forma o emprego da equidade no poder resultar na dispensa do pagamento de tributo devido.

    02. (AFRFB 2012-ESAF) Em matria tributria, de acordo com a Constituio Federal, compete Lei

    Complementar, exceto,

    a) instituir as limitaes constitucionais ao poder de tributar.

    b) dispor sobre obrigao, lanamento, crdito, prescrio e decadncia tributrios.

    c) estabelecer critrios especiais de tributao, com o objetivo de prevenir desequilbrios da concorrncia.

    d) dispor sobre o adequado tratamento tributrio ao ato cooperativo praticado pelas sociedades cooperativas.

    e) estabelecer tratamento diferenciado e favorecido para as microempresas e para as empresas de pequeno

    porte, inclusive regimes especiais ou simplificados.

    03. (AFRFB 2012-ESAF) Sobre o decreto em matria tributria, assinale a opo incorreta.

    a) Em geral, possui a mesma normatividade da lei, desde que no ultrapasse a alada regulamentar de que

    dispe o Executivo.

    b) No se limita a reproduzir as leis, podendo inovar com relao criao de deveres e obrigaes, desde que

    no extrapole aquelas.

    c) Sendo o regulamento da lei, embora no possa modific-la, tem a misso de explic-la e de prover mincias

    no abrangidas pela norma geral editada pelo Legislativo.

  • DIREITO TRIBUTRIO

    EXERCCIOS Legislao Tributria Prof. Alexandre Lugon

    Pgina 2

    d) No mbito estadual, cabe ao Governador do estado, e no mbito municipal, ao Prefeito a edio de

    decretos regulamentando as leis federais, estaduais e municipais.

    e) No se sujeita, quer no controle concentrado, quer no controle difuso, jurisdio constitucional.

    04. (AFRFB 2012-ESAF) Sobre a vigncia da legislao tributria, assinale a opo incorreta.

    a) Entende-se por vigncia a aptido de uma norma para qualificar fatos, desencadeando seus efeitos de

    direito.

    b) Vigncia e eficcia, atributos normativos que costumam existir simultaneamente, no Direito Tributrio

    podem existir separadamente.

    c) Pode-se ter no Direito Tributrio norma vigente mas no eficaz, como no caso das que majorem tributos,

    que em geral tm sua eficcia diferida para o incio do exerccio financeiro seguinte ao qual foi publicada;

    todavia, no se admite norma eficaz e no vigente.

    d) As normas constitucionais de eficcia limitada constituem exemplo de norma que, embora em vigor, no

    est apta a produzir efeitos.

    e) No caso das leis que necessitem regulamentao, lcito ao regulamento, sem alterar o mandamento legal,

    estabelecer o termo a quo de incidncia da novel norma tributria, no podendo ser interpretado, todavia, de

    forma a surpreender o contribuinte.

    05. (AFRFB 2012-ESAF) O CTN determina que se proceda interpretao literal sempre que se estiver diante

    de legislao tributria que disponha, entre outros, sobre a outorga de iseno. Tal regra permite as seguintes

    concluses, com exceo de:

    a) ainda que a interpretao literal preconizada pelo CTN tenha como objetivo evitar interpretaes

    ampliativas, no se admite, porm, interpretao que venha a ser mais restritiva do que a prpria lei.

    b) a busca do real significado, sentido e alcance de benefcio fiscal no configura ofensa mencionada regra.

    c) sua aplicao veda o emprego da analogia, mas no impossibilita uma interpretao mais ampla.

    d) a requalificao de verba em razo de seus elementos essenciais, para fins de reconhec-la isenta, em

    detrimento da terminologia adotada pela legislao previdenciria, vedada ao Juiz, por fora desta regra.

    e) tal regra no constitui norma geral de interpretao da legislao que disponha sobre dedues de despesas

    na determinao da base de clculo de tributos.

  • DIREITO TRIBUTRIO

    EXERCCIOS Legislao Tributria Prof. Alexandre Lugon

    Pgina 3

    06. (AFRFB 2012-ESAF) Na hiptese da ausncia de disposio legislativa expressa, est a autoridade

    competente para aplicar a legislao tributria a utilizar-se da equidade, por expressa autorizao do Cdigo

    Tributrio Nacional. Sobre esta, podemos afirmar que:

    a) sua utilizao permitida, por exemplo, nos casos em que o legislador no previu limitao temporal, a

    reduzir seu percentual mensal, de modo a evitar-se o confisco.

    b) na equidade, de certa forma, at se poderia afirmar que o Juiz poderia estar se rebelando contra a regra

    geral determinada pela norma.

    c) pode ser encarada como um meio de suprir a falta de norma adequada ao caso singular; todavia, no pode

    ser vista como uma forma de amortecer essa norma.

    d) pela equidade, aproxima-se do conceito de justia real.

    e) sua natureza consiste em corrigir a lei, nas vezes em que esta se mostrar inadequada ao caso concreto, em

    razo do seu carter geral.

    07. (PGFN-2012=ESAF) Sobre os tratados e as convenes internacionais em matria tributria, a teor do

    disposto no Cdigo Tributrio Nacional, revogam a legislao tributria interna, e sero observados pela que

    lhes sobrevenha. Sobre o tema, incorreto afirmar que:

    a) consoante entendimento do STF, ainda quando fundados em tratados de integrao, como no mbito do

    Mercosul, os tratados e convenes internacionais s produzem efeito internamente aps se completar o ciclo

    de aprovao interna previsto na Constituio Federal.

    b) a expresso "revogam" no cuida, a rigor, de uma revogao, mas de uma suspenso da eficcia da norma

    tributria nacional, que readiquir a sua aptido para produzir efeitos se e quando o tratado for denunciado.

    c) as normas classificadas pela doutrina como soft law, que irradiam seus efeitos tanto no mbito do direito

    internacional pblico como no privado, devem ser vistas apenas como fonte indireta de direito tributrio.

    d) o sistema constitucional brasileiro no consagra o princpio do efeito direto e nem o postulado da

    aplicabilidade imediata dos tratados e convenes internacionais.

    e) internamente, os tratados internacionais so equivalentes s leis ordinrias nacionais, salvo nas excees

    constitucionalmente previstas, em que as normas de tratados sobre direitos humanos so equiparados s

    normas constitucionais. H, portanto, hierarquia entre os prprios tratados.

  • DIREITO TRIBUTRIO

    EXERCCIOS Legislao Tributria Prof. Alexandre Lugon

    Pgina 4

    08. FISCAL ISS SP 2014 (CETRO) Vigncia a aptido para incidir, vale dizer, para dar significao jurdica aos

    fatos. Para produzir efeitos jurdicos no plano abstrato. (Hugo de Brito Machado) Com relao vigncia e

    aplicao da Legislao Tributria, assinale a alternativa correta.

    (A) O CTN estabeleceu regra especial aplicvel na falta de previso de data para incio de vigncia dos

    convnios celebrados entre Unio, Estados, Distrito Federal e Municpios, conforme artigo 100, inciso IV e

    artigo 103, inciso III.

    (B) A norma que define a hiptese de incidncia tributria, ou norma de tributao, define uma situao de

    fato que, se e quando concretizada, faz nascer a obrigao tributria.

    (C) A legislao tributria vigente tem aplicao imediata, aplicando-se aos fatos geradores consumados e

    alcanando os fatos geradores pendentes.

    (D) Segundo o CTN, a lei se aplica ao ato ou fato pretrito em qualquer caso quando seja expressamente

    interpretativa, aplicando-se penalidade pela infrao de dispositivos interpretados.

    (E) A lei modificada ou revogada no poder mais ser aplicada aos fatos ocorridos ainda que antes de sua

    revogao ou modificao, pois j no sobrevivem os efeitos jurdicos de sua incidncia.

    09. FISCAL ISS SP 2014 (CETRO) Com relao interpretao e integrao da legislao tributria, assinale a

    alternativa incorreta.

    (A) A interpretao, em sentido amplo, a atividade de conhecimento do sistema jurdico desenvolvida a fim

    de resolver o caso concreto, seja pela aplicao de uma norma especfica, seja pela aplicao de uma norma

    mais geral, seja pelo uso de uns dos meios de integrao.

    (B) Integrao a identificao de uma norma que, no tendo sido elaborada para casos do tipo daquele que

    se tem a resolver, a ele se ajusta, em face de um critrio autorizado pelo legislador.

    (C) Interpretao, em sentido restrito, a busca do significado de uma norma.

    (D) Analogia o meio de interpretao pelo qual o aplicador da lei, diante de lacuna desta, busca soluo para

    o caso em norma pertinente a casos semelhantes.