direito tributrio e direito privado: planejamento tributrio

Download Direito Tributrio e Direito Privado: Planejamento Tributrio

If you can't read please download the document

Post on 25-May-2015

10.020 views

Category:

Education

6 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Slide utilizado em aula da pós-graduação em Direito Tributário da FDV, acerca do tema "Direito Tributário e Direito Privado".

TRANSCRIPT

  • 1. Direito Tributrio e Direito Privado Cludio de Oliveira Santos Colnago Mestre em Direitos e Garantias Fundamentais/FDV http://www.slideshare.net/claudiocolnago http://claudiocolnago.blogspot.com

2. Programa

  • Direito Tributrio e Direito Privado. Definies e utilidade.
  • O planejamento tributrio. Fundamentos constitucionais e legais. Evaso, Eliso e Eluso. Hipteses de desconsiderao do planejamento tributrio.
  • Casustica.

3. Planejamento Tributrio

  • Opeslcitasa serem tomadas pelosujeito passivo potencial , paraevitaroureduziro impacto fiscal.
  • Paralelo ao planejamento de mercado, de viabilidade econmica, tcnico, etc.

4. Planejamento Tributrio

  • Trata-se de uma "... zona de liberdade para adoo de procedimentos preventivos lcitos, anteriores ocorrncia do fato jurdico-tributrio, objetivando uma economia tributria". (PONTES, Helenilson Cunha.O princpio da proporcionalidade no Direito Tributrio.So Paulo: Dialtica, 2000, p. 109

5. Fundamentos Constitucionais

  • Livre iniciativa
  • Estrita legalidade tributria
    • Importao de conceitos
  • Livre concorrncia
  • Resultante: autonomia privada -direito fundamentalde organizar suas atividades e praticar negcios jurdicosda forma que melhor lhe aprouver .

6. Fundamentos Legais

  • CDIGO CIVIL DE 2002
  • Art. 1.011. O administrador da sociedade dever ter, no exerccio de suas funes, o cuidado e a diligncia que todo homem ativo e probo costuma empregar na administrao de seus prprios negcios.
  • LEI 6.404/76 (LEI DAS S. A.)
  • Art. 153. O administrador da companhia deve empregar, no exerccio de suas funes, o cuidado e diligncia que todo homem ativo e probo costuma empregar na administrao dos seus prprios negcios.

7. Autonomia privada: Liberdade absoluta?

  • Teriam ento os particulares uma autonomia privadaabsoluta , podendo dispor o que queiram acerca de seus negcios jurdicos?
  • Estado poder intervir sobre o negcio jurdico sempre que pretender tutelar princpios constitucionais dos artigos
    • 1 (fundamentos)
    • 3 (objetivos)
    • 5 (direitos fundamentais)
    • 170 (princpios da ordem econmica)

8. Interveno estatal total?

  • Teria ento o Estado a aptido de intervir em qualquer negcio jurdico sob o argumento de tutelar os princpios constitucionais mencionados?
  • Pela conjugao dos inmeros princpios constitucionais mencionados, emergemtrs liberdades fundamentaisdo contribuinte, que colaboram na conformao da autonomia privada:
    • Liberdade de causa
    • - Liberdade de forma
    • Liberdade de tipo

9. Liberdade de causa

  • Causa: finalidade que as partes pretendem alcanar com o negcio jurdico.
  • Causa objetiva: demonstrvel por provas.
  • Projeo (suporte material) da declarao de vontade.

10. Liberdade de causa e CCB

  • O Cdigo Civil enumera, em vrios dispositivos, a causa como essencial ao negcio jurdico.
  • Art. 140. Ofalso motivos vicia a declarao de vontade quando expresso comorazo determinante .
  • Art. 145. So os negcios jurdicos anulveis por dolo,quando este for a sua causa .

11. Liberdade de forma

  • CCB, art. 107. A validade da declarao de vontade no depender de forma especial, seno quando a lei expressamente a exigir.
  • Forma escolhida no impede re-qualificao pelo Fisco, mas estadepender da causa por ele verificada .
    • Ex: Considerar operao deleasingcomo de compra-e-venda, atribuindo-lhe os efeitos fiscais da ltima e no da primeira.

12. Liberdade de tipos

  • Os tipos consistem em um ... modelo de estrutura formal que o ordenamento jurdico apresenta para vincular as pessoas, no exerccio da autonomia da vontade em um grupo finito e previamente delimitado de opes de negcios jurdicos". ( TRRES, Heleno.Direito Tributrio e Direito Privado : autonomia privada, simulao, eluso tributria. So Paulo: RT, 2003, p. 155)
  • Negcios podem sertpicosouatpicos .
  • CCB: Art. 425. lcito s partes estipular contratosatpicos , observadas as normas gerais fixadas neste Cdigo.

13. Liberdade de tipos

  • Negcios jurdicos indiretos:
    • Tipo escolhido o previsto em lei
    • Causa do negcio jurdico distinta daquelanormalmentedesejada pelas partes e prevista em lei.
  • Imprescindvel: contrastar a adequao do tipo escolhido causa pretendida.
    • Sendo a causa diferente da prevista em lei,mas tendo ela contedo negocial(no-exclusivamente fiscal), Fisco no poder se opor.

14. A no incidncia e seu tratamento

  • Eliso : afastamento lcito da incidncia, total ou parcial, da norma tributria, com a obteno de resultado econmico favorvel e resultado prtico equivalente ao do evento tributvel.
  • Evaso : afastamentoilcitoda incidncia, total ou parcial, da norma tributria, mediante atos deocultao e falsificao .
  • Eluso : afastamento, total ou parcial, da incidncia, mediante atos comaparnciade licitude, mas nos quaisno h causa negocial(simulao ou fraude lei).

15. A no incidncia e seu tratamento

  • Eliso : Licitude.
  • Evaso : ilicitude direta (criminosa)
  • Eluso : ilicitude indireta (utilizao de negcio jurdico simulado ou fraudulento)

16. A evaso tributria

  • Atuao no sentido de propositadamente omitir ou esconder a ocorrncia do evento tributvel.
  • Difere do mero inadimplemento.

17. Crimes contra a ordem tributria

  • Art. 1 Constitui crime contra a ordem tributria suprimir ou reduzir tributo, ou contribuio social e qualquer acessrio, mediante as seguintes condutas:(Vide Lei n 9.964, de 10.4.2000)
  • I - omitir informao, ou prestar declarao falsa s autoridades fazendrias;
  • II - fraudar a fiscalizao tributria, inserindo elementos inexatos, ou omitindo operao de qualquer natureza, em documento ou livro exigido pela lei fiscal;(...)

18. Crimes contra a ordem tributria

  • IV - elaborar, distribuir, fornecer, emitir ou utilizar documento que saiba ou deva saber falso ou inexato;
  • V - negar ou deixar de fornecer, quando obrigatrio, nota fiscal ou documento equivalente, relativa a venda de mercadoria ou prestao de servio, efetivamente realizada, ou fornec-la em desacordo com a legislao.
  • Pena - recluso de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e multa.

19. A evaso tributria

  • IPI - FALSIDADE MATERIAL OU IDEOLGICA - NOTA CALADA . A consignao de valores diferentes nas diversas vias de uma mesma nota fiscal caracterizaevaso do tributomediante expediente chamado "nota calada", e quando comprovada, legitima a exigncia fiscal de pagamento do tributo no recolhido, com acrscimos legais. Infrao qualificada. Recurso negado .
  • (2 CC, Recurso Voluntrio n. 089602, Cmara: SEGUNDA CMARA. Processo: 13804.000320/91-76, Relator: JOS CABRAL GAROFANO, Deciso: ACRDO 202-05366)

20. Eliso = Licitude

  • PROCESSO ADMINISTRATIVO FISCAL. RECURSO DE OFCIO. PERDA DE CAPITAL - ELISO TRIBUTRIA.Inexistindo dispositivo legal que caracterize a operao como infrao fiscaldever ser considerado como dedutvel o prejuzo no operacional apurado na alienao de investimento empresa. Recurso de ofcio conhecido e desprovido.
  • (1 CC, Recurso 115353, PRIMEIRA CMARA, Processo 10410.001755/93-90, Relator: Sebastio Rodrigues Cabral)

21. Definio de Eluso

  • ...os exerccios de autonomia privadacarentes de causaou quando o negcio aparente (simulado ou fraudulento) demonstreinsuficincia da causaou sua dolosa programao para evitar lei cogente. No cabendo tal enquadramento, o que se tem na espcie exerccio legtimo de autonomia privada, com criao de negcio atpico, indireto, fiducirio ou com forma prpria plenamente admissvel, porquanto oriundo das trs liberdades negociais: de escolha da melhor 'causa (fim negocial), da melhor 'forma' e do melhor 'tipo' contratual ou societrio, quando estes no sejam definidos por lei".
  • (TRRES, Heleno.Direito Tributrio e Direito Privado : autonomia privada, simulao, eluso tributria. So Paulo: RT, 2003 p. 17).

22. Eluso

  • No h inteno de esconder a prtica de qualquer ato pelo contribuinte.
  • Diferencia-se da evaso, em que h a preocupao em esconder a ocorrncia do evento tributvel.

23. Conceitos importados sobre Eluso

  • Alemanha: abuso de formas
  • Espanha: fraude lei
  • Frana: abuso de direito subjetivo
  • EUA e Inglaterra: prevalncia da substncia sobre a forma ( business purpose test )

24. Possveis hipteses de Eluso (Brasil)

  • Abuso de direito subjetivo
  • Abuso de formas
  • Negcio jurdico indireto
  • Ausncia de finalidade negocial

25. Abuso de Direito

  • Abuso de Direito: situao subjetiva a princpio autorizada p

Recommended

View more >