direito processual civil processo de execuÇÃo .a execução fundada em título extrajudicial será

Download Direito Processual Civil PROCESSO DE EXECUÇÃO .A execução fundada em título extrajudicial será

Post on 11-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Direito Processual Civil

    PROCESSO DE EXECUO

    Prof. Giuliano Tamagno

  • Tutela executiva

    Busca satisfao do direito

    Competncia

    Titulo judicial

    Titulo extrajudicial

    Ao executiva Princpios

    Patrimonialidade

    Efetividade

    Menor onerosidade

    Disponibilidade Condies

    Legitimidade

    Interesse de agir

  • Pressupostos do processo

    executivo

    Subjetivos (relacionado ao sujeito)

    Competencia

    Capacidade

    Representao jurdica

    Objetivos (relacionado com a forma)

    Forma adequada

    Citao vlida

    Inexistncia de

    Litispendencia

    Coisa Julgada

    Perempo

  • Pressupostos especficos

    Obrigao

    Lquida

    Certa

    Exigvel

    Consubstanciada em ttulo executivo

    Inadimplemento do devedor

    Forma adequada

  • Art. 771. Este Livro regula o procedimento da execuo fundada em ttulo extrajudicial, e suas disposies aplicam-se, tambm, no que couber, aos procedimentos especiais de execuo, aos atos executivos realizados no procedimento de cumprimento de sentena, bem como aos efeitos de atos ou fatos processuais a que a lei atribuir fora executiva. Pargrafo nico. Aplicam-se subsidiariamente execuo as disposies do Livro I da Parte Especial. Art. 772. O juiz pode, em qualquer momento do processo: I - ordenar o comparecimento das partes; II - advertir o executado de que seu procedimento constitui ato atentatrio dignidade da justia; III - determinar que sujeitos indicados pelo exequente forneam informaes em geral relacionadas ao objeto da execuo, tais como documentos e dados que tenham em seu poder, assinando-lhes prazo razovel.

  • Art. 773. O juiz poder, de ofcio ou a requerimento, determinar as medidas necessrias ao cumprimento da ordem de entrega de documentos e dados. Pargrafo nico. Quando, em decorrncia do disposto neste artigo, o juzo receber dados sigilosos para os fins da execuo, o juiz adotar as medidas necessrias para assegurar a confidencialidade. Art. 774. Considera-se atentatria dignidade da justia a conduta comissiva ou omissiva do executado que: I - frauda a execuo; II - se ope maliciosamente execuo, empregando ardis e meios artificiosos; III - dificulta ou embaraa a realizao da penhora; IV - resiste injustificadamente s ordens judiciais; V - intimado, no indica ao juiz quais so e onde esto os bens sujeitos penhora e os respectivos valores, nem exibe prova de sua propriedade e, se for o caso, certido negativa de nus. Pargrafo nico. Nos casos previstos neste artigo, o juiz fixar multa em montante no superior a vinte por cento do valor atualizado do dbito em execuo, a qual ser revertida em proveito do exequente, exigvel nos prprios autos do processo, sem prejuzo de outras sanes de natureza processual ou material.

  • Art. 77. Alm de outros previstos neste Cdigo, so deveres das partes, de seus procuradores e de todos aqueles que de qualquer forma participem do processo: .... IV - cumprir com exatido as decises jurisdicionais, de natureza provisria ou final, e no criar embaraos sua efetivao; ... VI - no praticar inovao ilegal no estado de fato de bem ou direito litigioso. 1o Nas hipteses dos incisos IV e VI, o juiz advertir qualquer das pessoas mencionadas no caput de que sua conduta poder ser punida como ato atentatrio dignidade da justia. 2o A violao ao disposto nos incisos IV e VI constitui ato atentatrio dignidade da justia, devendo o juiz, sem prejuzo das sanes criminais, civis e processuais cabveis, aplicar ao responsvel multa de at vinte por cento do valor da causa, de acordo com a gravidade da conduta. 3o No sendo paga no prazo a ser fixado pelo juiz, a multa prevista no 2o ser inscrita como dvida ativa da Unio ou do Estado aps o trnsito em julgado da deciso que a fixou, e sua execuo observar o procedimento da execuo fiscal, revertendo-se aos fundos previstos no art. 97.

    Art. 774. Considera-se atentatria dignidade da justia a conduta comissiva ou omissiva do executado que: I - frauda a execuo; II - se ope maliciosamente execuo, empregando ardis e meios artificiosos; III - dificulta ou embaraa a realizao da penhora; IV - resiste injustificadamente s ordens judiciais; V - intimado, no indica ao juiz quais so e onde esto os bens sujeitos penhora e os respectivos valores, nem exibe prova de sua propriedade e, se for o caso, certido negativa de nus. Pargrafo nico. Nos casos previstos neste artigo, o juiz fixar multa em montante no superior a vinte por cento do valor atualizado do dbito em execuo, a qual ser revertida em proveito do exequente, exigvel nos prprios autos do processo, sem prejuzo de outras sanes de natureza processual ou material.

    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm

  • Art. 775. O exequente tem o direito de desistir de toda a execuo ou de apenas alguma medida executiva. Pargrafo nico. Na desistncia da execuo, observar-se- o seguinte: I - sero extintos a impugnao e os embargos que versarem apenas sobre questes processuais, pagando o exequente as custas processuais e os honorrios advocatcios; II - nos demais casos, a extino depender da concordncia do impugnante ou do embargante.

  • Art. 776. O exequente ressarcir ao executado os danos que este sofreu, quando a sentena, transitada em julgado, declarar inexistente, no todo ou em parte, a obrigao que ensejou a execuo. Art. 777. A cobrana de multas ou de indenizaes decorrentes de litigncia de m-f ou de prtica de ato atentatrio dignidade da justia ser promovida nos prprios autos do processo.

  • DAS PARTES Art. 778. Pode promover a execuo forada o credor a quem a lei confere ttulo executivo. 1o Podem promover a execuo forada ou nela prosseguir, em sucesso ao exequente originrio: I - o Ministrio Pblico, nos casos previstos em lei; II - o esplio, os herdeiros ou os sucessores do credor, sempre que, por morte deste, lhes for transmitido o direito resultante do ttulo executivo; III - o cessionrio, quando o direito resultante do ttulo executivo lhe for transferido por ato entre vivos; IV - o sub-rogado, nos casos de sub-rogao legal ou convencional. 2o A sucesso prevista no 1o independe de consentimento do executado.

  • Art. 779. A execuo pode ser promovida contra: I - o devedor, reconhecido como tal no ttulo executivo; II - o esplio, os herdeiros ou os sucessores do devedor; III - o novo devedor que assumiu, com o consentimento do credor, a obrigao resultante do ttulo executivo; IV - o fiador do dbito constante em ttulo extrajudicial; V - o responsvel titular do bem vinculado por garantia real ao pagamento do dbito; VI - o responsvel tributrio, assim definido em lei.

  • Art. 780. O exequente pode cumular vrias execues, ainda que fundadas em ttulos diferentes, quando o executado for o mesmo e desde que para todas elas seja competente o mesmo juzo e idntico o procedimento.

    Cumulao de execues (requisitos)

    Identidade

    Credor

    Devedor Competncia

    igual

    Forma igual

  • DA COMPETNCIA Art. 781. A execuo fundada em ttulo extrajudicial ser processada perante o juzo competente, observando-se o seguinte: I - a execuo poder ser proposta no foro de domiclio do executado, de eleio constante do ttulo ou, ainda, de situao dos bens a ela sujeitos; II - tendo mais de um domiclio, o executado poder ser demandado no foro de qualquer deles; III - sendo incerto ou desconhecido o domiclio do executado, a execuo poder ser proposta no lugar onde for encontrado ou no foro de domiclio do exequente; IV - havendo mais de um devedor, com diferentes domiclios, a execuo ser proposta no foro de qualquer deles, escolha do exequente; V - a execuo poder ser proposta no foro do lugar em que se praticou o ato ou em que ocorreu o fato que deu origem ao ttulo, mesmo que nele no mais resida o executado.

  • Art. 782. No dispondo a lei de modo diverso, o juiz determinar os atos executivos, e o oficial de justia os cumprir. 1o O oficial de justia poder cumprir os atos executivos determinados pelo juiz tambm nas comarcas contguas, de fcil comunicao, e nas que se situem na mesma regio metropolitana. 2o Sempre que, para efetivar a execuo, for necessrio o emprego de fora policial, o juiz a requisitar.

  • 3o A requerimento da parte, o juiz pode determinar a incluso do nome do executado em cadastros de inadimplentes. 4o A inscrio ser cancelada imediatamente se for efetuado o pagamento, se for garantida a execuo ou se a execuo for extinta por qualquer outro motivo. 5o O disposto nos 3o e 4o aplica-se execuo definitiva de ttulo judicial.

  • DOS REQUISITOS NECESSRIOS PARA REALIZAR QUALQUER EXECUO Do Ttulo Executivo Art. 783. A execuo para cobrana de crdito fundar-se- sempre em ttulo de obrigao certa, lquida e exigvel.

    50,00 Cinquenta reais

    Carlos Zambeli Porto Alegre 01 de abril 17

    Andr Vieira

    DEVOLVIDO MOTIVO 11 SEM FUNDOS

  • Art. 784. So ttulos executivos extrajudiciais: I - a letra de cmbio, a nota promissria, a duplicata, a debnture e o cheque; II - a escritura pblica ou outro documento pblico assinado pelo devedor; III - o documento particular assinado pelo devedor e por 2 (duas) testemunhas; IV - o instrumento de transao referendado pelo Ministrio Pblico, pela Defensoria Pblica, pela Advocacia Pblica, pelos advogados dos transatores ou por conciliador ou mediador credenciado por tribunal; V - o contrato garantido por hipoteca, penhor, anticrese ou outro direito real de garantia e aquele garantido por cauo; VI - o contrato de seguro de vida em caso de morte; VII - o crdito decorrente de foro e laudmio; VIII - o crdito, documentalmente comprovado, decorrente de aluguel de imvel, bem como de encargos acessrios, tais como taxas e de

Recommended

View more >