direito penal - parte especial - p direito penal - parte especial curso de formaÇÃo de soldado...

Download DIREITO PENAL - Parte Especial - p DIREITO PENAL - Parte Especial CURSO DE FORMAÇÃO DE SOLDADO DA…

Post on 09-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • DANIEL BUCHMLLER

    DIREITO PENAL - Parte Especial

    CURSO DE FORMAO DE SOLDADO

    DA PMMG

  • NOES DE DIREITO PENAL - PARTE ESPECIAL SOLDADO PMMG

    PROFESSOR: DANIEL BUCHMLLER

    2 /portalcarreiramilitar www.portalcarreiramilitar.com.br

    DIREITO PENAL

    BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

    1 Manual de Direito Penal

    Autor: Rogrio Sanches

    Editora: JUSPODIVM.

    2 Direito Penal

    Autor: Cleber Masson

    Editora: Gen Mtodo

    3 Curso de Direito Penal

    Autor: Rogrio Greco.

    Editora: Impetus

    4 Direito Penal

    Autores: Marcelo Andr de Azevedo e Alexandre Salim

    ditora: JUSPODIVM (Coleo Sinopses para Concurso)

    Contedo Programtico

    1 Crimes contra a vida

    2 Crimes contra o patrimnio

    3 Crimes contra a Administrao Pblica

  • NOES DE DIREITO PENAL - PARTE ESPECIAL SOLDADO PMMG

    PROFESSOR: DANIEL BUCHMLLER

    3 /portalcarreiramilitar www.portalcarreiramilitar.com.br

    1 - CRIMES CONTRA A VIDA

    HOMICDIO

    a eliminao da vida humana. De acordo com a doutrina majoritria a morte

    jurdica ocorre com a cessao da atividade enceflica.

    a) Eutansia: a morte provocada por sentimento de piedade pessoa que sofre. o

    homicdio piedoso.

    b) Distansia: o prolongamento artificial do processo de morte, prolongando assim

    o sofrimento da pessoa.

    c) Ortotansia: o homicdio piedoso omissivo, deixando o mdico de ministrar

    remdios que prolonguem artificialmente a vida da pessoa, portadora de doena

    incurvel.

    A vida um bem indisponvel, no se admitindo essas hipteses como excludente de

    ilicitude ou culpabilidade. Mas podem configurar HOMICDIO PRIVILEGIADO.

    HOMICDIO SIMPLES E PRIVILEGIADO

    Art. 121. Matar algum:

    Pena - recluso, de seis a vinte anos.

    Caso de diminuio de pena

    1 Se o agente comete o crime impelido por motivo de relevante valor social ou

    moral, ou sob o domnio de violenta emoo, logo em seguida a injusta provocao

    da vtima, o juiz pode reduzir a pena de um sexto a um tero.

    Homicdio Privilegiado: Trata-se do homicdio cometido por relevante valor social

    ou moral, ou sob domnio de violenta emoo, logo em seguida a uma injusta

    provocao da vtima.

  • NOES DE DIREITO PENAL - PARTE ESPECIAL SOLDADO PMMG

    PROFESSOR: DANIEL BUCHMLLER

    4 /portalcarreiramilitar www.portalcarreiramilitar.com.br

    - Relevante valor social: Interesse da coletividade. Ex: Matar um estuprador do

    bairro.

    - Relevante valor moral: Interesse pessoal. Ex: Matar o estuprador da filha. - Sob

    domnio de violenta emoo logo em seguida a uma injusta provocao da vtima.

    Obs1: A injusta provocao diferente da injusta agresso, que pode

    configurar a legtima defesa.

    Obs2: Sob domnio diferente de Sob influncia que caracteriza uma

    atenuante, prevista no artigo 65, III, c, do CP.

    Obs3: Para configurar o privilgio, o crime deve ser praticado sob domnio de

    violenta emoo, LOGO EM SEGUIDA, injusta provocao, e para configurar a

    atenuante, no precisa ser LOGO EM SEGUIDA. Portanto, neste segundo caso, bem

    como nos casos de relevante valor social e mora, o crime pode ser

    PREMEDITADO.

    Homicdio Qualificado: (Art. 121, 2, CP)

    I Mediante paga ou promessa de recompensa, ou outro motivo torpe.

    Motivo torpe aquele que causa repugnncia, nojo, sensao de repulsa.

    Obs: Essa qualificadora, segundo o STF e STJ, se estende ao mandante do crime,

    que paga a recompensa, e essa recompensa deve ter valor econmico, sendo

    chamado de HOMICDIO MERCENRIO.

    II Por motivo ftil.

    Motivo ftil aquele em que h uma desproporo entre a conduta do agente e o

    motivo que ensejou o homicdio.

    Obs1: Cime e vingana no necessariamente sero considerados motivo ftil,

    devendo ser analisado caso a caso.

    Obs2: Parte da doutrina e o STJ entendem que a ausncia de motivos no configura

    motivo ftil, mas divergente.

  • NOES DE DIREITO PENAL - PARTE ESPECIAL SOLDADO PMMG

    PROFESSOR: DANIEL BUCHMLLER

    5 /portalcarreiramilitar www.portalcarreiramilitar.com.br

    III Com emprego de veneno, fogo, explosivo, asfixia, tortura ou outro meio

    insidioso ou cruel, ou de que possa resultar perigo comum.

    Meio insidioso: Meios que provoquem uma falsa impresso da realidade.

    Meio cruel: Meio que causa dor mais severa de forma desnecessria.

    Que possa resultar perigo comum: Perigo sociedade. (Ex: Incndio, desabamento,

    inundao...)

    IV traio, de emboscada, ou mediante dissimulao ou outro recurso que

    dificulte ou torne impossvel a defesa do ofendido.

    Trair: Enganar, ser infiel.

    Emboscar: Ocultar-se para atacar.

    Dissimular: Ocultar a verdadeira inteno, agir com hipocrisia.

    Outro recurso que dificulte ou torne impossvel a defesa do ofendido: Ex: vtima

    dormindo ou embriagada.

    Obs: Esse ltimo item no abarca a superioridade fsica, ou nas hipteses de vtima

    idosa ou criana, pois essas so condies das vtimas, e no recurso utilizado pelo

    autor.

    V Para assegurar a execuo, a ocultao, a impunidade ou vantagem de outro

    crime.

    Obs: Contraveno penal no abrangido por essa qualificadora.

    VI (Feminicdio): Contra a mulher por razes da condio de sexo feminino:

    2 A Considera-se que h razes de condio de sexo feminino quando o crime

    envolve:

    I - violncia domstica e familiar;

    II - menosprezo ou discriminao condio de mulher.

    7 A pena do feminicdio aumentada de 1/3 (um tero) at a metade se o crime

    for praticado:

  • NOES DE DIREITO PENAL - PARTE ESPECIAL SOLDADO PMMG

    PROFESSOR: DANIEL BUCHMLLER

    6 /portalcarreiramilitar www.portalcarreiramilitar.com.br

    I - durante a gestao ou nos 3 (trs) meses posteriores ao parto;

    II - contra pessoa menor de 14 (catorze) anos, maior de 60 (sessenta) anos ou com

    deficincia;

    III - na presena de descendente ou de ascendente da vtima.

    VII Contra autoridade ou agente descrito nos artigos 142 e 144 da Constituio

    Federal, integrantes do Sistema Prisional e da Fora Nacional de Segurana, no

    exerccio da funo ou em decorrncia dela, ou contra seu cnjuge, companheiro ou

    parente consanguneo at terceiro grau, em razo desta condio. (Art. 129, 12,

    CP)

    Obs: indispensvel que o homicdio praticado contra os agentes acima

    mencionado, ou seus parentes, tenha relao com a funo pblica desempenhada,

    mesmo que os agentes estejam fora de servio.

    Obs: indispensvel que o autor do homicdio saiba da funo pblica

    desempenhada, e que o homicdio seja praticado em razo dela.

    Obs: O homicdio qualificado compatvel com o privilegiado, desde que a

    qualificadora seja objetiva (incisos III e IV). E para a doutrina e os tribunais

    superiores, este homicdio qualificado/privilegiado no hediondo.

    HOMICDIO CULPOSO

    3 Se o homicdio culposo:

    Pena - deteno, de um a trs anos.

    IMPRUDNCIA # IMPERCIA # NEGLIGNCIA

    Perdo Judicial

    5 - Na hiptese de homicdio culposo, o juiz poder deixar de aplicar a pena, se

    as consequncias da infrao atingirem o prprio agente de forma to grave que a

    sano penal se torne desnecessria.

  • NOES DE DIREITO PENAL - PARTE ESPECIAL SOLDADO PMMG

    PROFESSOR: DANIEL BUCHMLLER

    7 /portalcarreiramilitar www.portalcarreiramilitar.com.br

    Aumento de pena

    4 No homicdio culposo, a pena aumentada de 1/3 (um tero), se o crime resulta

    de inobservncia de regra tcnica de profisso, arte ou ofcio, ou se o agente deixa

    de prestar imediato socorro vtima, no procura diminuir as consequncias do seu

    ato, ou foge para evitar priso em flagrante. Sendo doloso o homicdio, a pena

    aumentada de 1/3 (um tero) se o crime praticado contra pessoa menor de 14

    (quatorze) ou maior de 60 (sessenta) anos.

    Aumento de pena

    6 A pena aumentada de 1/3 (um tero) at a metade se o crime for praticado por

    milcia privada, sob o pretexto de prestao de servio de segurana, ou por grupo

    de extermnio.

    Obs: Esses pargrafos 4, 5 e 6 tambm so utilizados para o crime de LESO

    CORPORAL. (Art. 129, 7 e 8 do CP)

    INSTIGAO, INDUZIMENTO OU AUXLIO AO SUICDIO (Art.122):

    Este crime no admite tentativa e para a sua consumao deve haver o resultado

    MORTE ou LESO GRAVE.

    Obs: Se o agente pratica algum ato executrio, responde por homicdio. (Ex:

    Empurrar a pessoa para se enforcar.)

    Pacto de morte entre duas pessoas:

    - Se o sobrevivente praticou atos executrios responde por homicdio, e se auxiliou

    responde pelo art.122.

    - Se ambos praticaram atos executrios e sobrevivem, respondem, por tentativa de

    homicdio, mas se ambos apenas se auxiliaram mutualmente, respondem pelo art.

    122.

  • NOES DE DIREITO PENAL - PARTE ESPECIAL SOLDADO PMMG

    PROFESSOR: DANIEL BUCHMLLER

    8 /portalcarreiramilitar www.portalcarreiramilitar.com.br

    INFANTICDIO:

    Este crime s punido a ttulo de dolo, no havendo modalidade culposa por falta de

    previso legal.

    Obs: Se a me, sob influncia de estado puerperal mata filho alheio pensando ser

    seu, responde por infanticdio putativo. (Erro quanto a pessoa).

    ABORTO:

    Interrupo da vida intrauterina durante a gravidez. (art. 124 128).

    Obs: Art. 125 (sem consentimento) x 126 (com consentimento): O consentimento

    deve ser dado por algum, que tenha di

Recommended

View more >