DIREITO FINANCEIRO DESPESAS PÚBLICAS I. tributario despesas... · 1 DIREITO FINANCEIRO DESPESAS PÚBLICAS…

Download DIREITO FINANCEIRO DESPESAS PÚBLICAS I. tributario despesas... · 1 DIREITO FINANCEIRO DESPESAS PÚBLICAS…

Post on 13-Nov-2018

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1

    DIREITO FINANCEIRO DESPESAS PBLICAS

    I. CONCEITO

    1. Excees.

    Exemplos de servios espordicos, sem despesa

    pblica (gratuidade, no-exigncia de

    assiduidade, regularidade e continuidade do

    servio pblico carter temporrio): jri e

    eleies.

    2. Aliomar Baleeiro: Em primeiro lugar,

    designa o conjunto dos dispndios do Estado, ou

    de outra pessoa de Direito Pblico, para

    funcionamento dos servios pblicos.

    Aqui, a despesa parte do oramento,

    representando, portanto, a distribuio e

    emprego das receitas para o cumprimento das

    atribuies da Administrao.

  • 2

    Pode, tambm, significar a aplicao de certa

    quantia, em dinheiro, por parte da autoridade

    ou agente pblico competente, dentro duma

    autorizao legislativa, para execuo de fim a

    cargo do governo.

    Nesse sentido, a despesa a utilizao, pelo

    agente pblico competente, de recursos

    financeiros previstos na dotao oramentria,

    para atendimento de determinada obrigao a

    cargo da Administrao, mediante prvio

    empenho da verba respectiva.

    3. H de corresponder sempre a um dispndio

    relacionado com uma finalidade de interesse

    pblico (interesse coletivo encampado pelo

    Estado).

    4. Despesa pblica pressupe dispndio de

    dinheiro (traar paralelo com o item 1).

  • 3

    II. NECESSIDADES DAS DESPESAS PBLICAS

    O Poder Pblico primeiro elege as prioridades

    para depois estudar os meios de obteno de

    recursos necessrios. As despesas pblicas

    aprovadas pelo Legislativo passam a integrar o

    oramento anual.

    III. CLASSIFICAO

    a) Despesas Ordinrias, so as que, com grande

    verossimilhana, se repetiro em todos os

    perodos financeiros; as Despesas

    Extraordinrias, so as que no se repetem

    todos os anos, so difceis de prever, no se

    sabendo quando voltaro a repetir-se.

    b) Despesas Correntes, so as que o Estado faz,

    durante um perodo financeiro, em bens

    consumveis, ou que vo traduzir na compra de

    bens consumveis; as Despesas de Capital, so

    as realizadas em bens duradouros e no

    reembolso de emprstimos.

  • 4

    c) Despesas Efetivas, so as que se traduzem,

    sempre, numa diminuio do patrimnio

    monetrio do Estado, quer se trate de despesas

    em bens de consumo, quer em bens

    duradouros, implicam sempre uma sada

    efetiva e definitiva de dinheiros da tesouraria;

    Despesas No Efetivas, so as que, embora

    representem uma diminuio do patrimnio da

    tesouraria, tm, como contrapartida, o

    desaparecimento de uma verba de idntico

    valor do passivo patrimonial.

    d) Despesas Plurianuais, so aquelas cuja

    efetividade se prolonga por mais de um ano; as

    Despesas Anuais, so as que se no prolongam

    por mais de um ano.

    Classificao oramental das despesas:

    a) Orgnica: as despesas repartem-se por

    departamentos da Administrao; por servios,

    etc.

  • 5

    b) Econmica: distinguem-se as despesas

    correntes e de capital, umas e outras

    descriminadas por agrupamentos,

    subagrupamentos e rubricas.

    c) Funcional: as despesas so aqui agrupadas de

    acordo com a natureza das funes exercidas

    pelo Estado, tendo-se adoptado para o efeito o

    modelo do Fundo Monetrio Internacional.

    d) Despesas por Programas: um programa de

    despesas um conjunto de verbas destinadas

    realizao de determinado objetivo,

    abrangendo um ou vrios projetos.

    IV. EXECUO

    1. Nenhuma despesa pode ser realizada sem

    previso oramentria.

    2. Procedimentos legais esto previstos na Lei

    4.320/1964, no mbito nacional.

  • 6

    3. Empenho prvio: primeira providncia para

    se efetuar uma despesa pblica. uma reserva

    de recursos. Por si s no cria a obrigao de

    pagar, pois pode ser cancelado. Materializa-se

    pela emisso da Nota de Empenho.

    4. Liquidao: segunda etapa. Verificao do

    direito adquirido pelo credor. Tambm nada

    cria, apenas torna lquida a obrigao

    preexistente.

    5. Ordem de Pagamento: despacho da

    autoridade competente determinando o

    pagamento da despesa.

    6. Pagamento: extingue a obrigao de pagar.

    Precatrios: art. 100, da CF.

Recommended

View more >