DIREITO EMPRESARIAL Prof. José Rodrigo Dorneles ?· DIREITO EMPRESARIAL Prof. José Rodrigo Dorneles…

Download DIREITO EMPRESARIAL Prof. José Rodrigo Dorneles ?· DIREITO EMPRESARIAL Prof. José Rodrigo Dorneles…

Post on 22-Nov-2018

215 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

  • DIREITO EMPRESARIAL Prof. Jos Rodrigo Dorneles Vieira

    Falncia e Recuperao de Empresas

    1. Considere as afirmativas a respeito das manifestaes processuais nos processos de falncia e de

    recuperao judicial de empresas, nos termos da Lei 11.101/05:

    I. O prazo de apresentao de contestao pelo devedor em um pedido de falncia de 15 (quinze) dias.

    II. O recurso cabvel em face da sentena que decretar a falncia do devedor o Recurso de Apelao.

    III. O prazo para que o devedor apresente o plano de recuperao judicial de 60 (sessenta) dias,

    contados da publicao da deciso que deferir o processamento da recuperao judicial.

    IV. A ao revocatria o procedimento trazido pelo legislador falimentar para tornar nulos os atos do

    empresrio praticados durante o termo legal fixado na sentena declaratria de falncia, com a inteno

    de prejudicar credores.

    Est(o) CORRETA(S):

    a) Apenas as afirmativas I, III e IV

    b) Apenas a afirmativa III.

    c) Apenas as afirmativas II, III e IV.

    d) Apenas as afirmativas I, II e IV.

    e) Apenas as afirmativas I, II, III e IV.

    2. No tocante recuperao judicial ou falncia, correto afirmar:

    a) Esto sujeitos recuperao judicial todos os crditos existentes na data do pedido, desde que

    vencidos.

    b) Os credores do devedor em recuperao judicial, enquanto esta durar, perdem seus direitos e

    privilgios contra os coobrigados, fiadores e obrigados em direito regressivo.

    c) A decretao da falncia ou o deferimento do processamento da recuperao judicial suspende o

    curso da prescrio e de todas as aes e execues em face do devedor, inclusive aquelas dos credores

    particulares do scio solidrio.

    d) Poder requerer recuperao judicial o devedor que, no momento do pedido, exera regularmente

    suas atividades h pelo menos cinco anos e no tenha, h menos de dois anos, obtido concesso de

    anterior recuperao judicial.

  • DIREITO EMPRESARIAL Prof. Jos Rodrigo Dorneles Vieira

    e) A recuperao judicial personalssima do devedor, no podendo pois ser requerida por seus

    herdeiros ou pelo cnjuge suprstite.

    3. NO so abrangidos pelos efeitos da recuperao extrajudicial os crditos

    a) com privilgio especial e geral.

    b) derivados da legislao do trabalho e tributrios.

    c) com garantia real, at o limite do bem gravado.

    d) em moeda estrangeira.

    e) quirografrios e subordinados.

    4. correto afirmar que pode requerer recuperao judicial o devedor que

    a) no tenha, h menos de cinco anos, obtido concesso de recuperao judicial.

    b) exera regularmente suas atividades h mais de cinco anos.

    c) no tenha, h menos de cinco anos, obtido parcelamento de dbitos inscritos na dvida ativa da Unio,

    Estados ou Municpios.

    d) no tenha, h menos de cinco anos, seu nome inscrito em cadastros de devedores inadimplentes.

    5. Juiz: Assinale a opo correta acerca da recuperao judicial, da recuperao extrajudicial, da

    falncia do empresrio e da sociedade empresria.

    a) O juzo competente convocar a assembleia geral de credores por edital publicado no rgo oficial e

    em jornais de grande circulao nas localidades da sede e filiais, com antecedncia mnima de quinze

    dias.

    b) Cabe ao devedor ou massa falida custear a remunerao dos membros do comit de credores e do

    administrador judicial, atendendo s disponibilidades de caixa.

    c) Para requerer a recuperao judicial, o devedor deve exercer atividades h mais de dois anos, no ser

    falido e no ter obtido a concesso de recuperao judicial h menos de oito anos.

    d) A Lei de Falncias no se aplica a empresas financeiras pblicas, sociedades cooperativas, sociedades

    limitadas, sociedades em comum, consrcios, entidades de previdncia complementar nem a sociedades

    seguradoras.

  • DIREITO EMPRESARIAL Prof. Jos Rodrigo Dorneles Vieira

    e) O deferimento do processamento da recuperao judicial interrompe o curso da prescrio e de todas

    as aes e execues em face do devedor, salvo aquelas dos credores particulares do scio solidrio.

    6. No que diz respeito recuperao judicial, assinale a opo correta.

    a) Somente os credores tm legitimidade para convocar a assembleia dos credores, sempre que

    considerarem conveniente faz-lo.

    b) Por disposio legal, a assembleia dos credores no competente para aprovar o plano de

    recuperao apresentado pela devedora.

    c) Em razo da funo social que desempenha, qualquer empresa pode beneficiar-se do processo de

    recuperao.

    d) Prev a legislao que a dilao do prazo ou a reviso das condies de pagamento so meios de

    recuperao da atividade econmica.

    e) A renegociao das obrigaes ou do passivo trabalhista, por contrato coletivo do trabalho, em

    nenhuma hiptese pode resultar em reduo de salrios dos empregados da sociedade empresaria em

    crise.

    7. Leia as afirmativas sobre o Plano de Recuperao Judicial.

    I. O plano de recuperao ser apresentado pelo devedor em juzo no prazo improrrogvel de 60

    (sessenta) dias da publicao da deciso que deferir o processamento da recuperao judicial, sob pena

    de convolao em falncia.

    II. O plano de recuperao judicial no poder prever prazo superior a 2 (dois) anos para pagamento dos

    crditos derivados da legislao do trabalho ou decorrentes de acidentes de trabalho, vencidos at a

    data do pedido de recuperao judicial.

    III. Quanto aos crditos de natureza estritamente salarial, vencidos nos 4 (quatro) meses anteriores ao

    pedido de recuperao judicial, o plano no poder prever prazo superior a 90 (noventa) dias para o

    pagamento, at o limite de 5 (cinco) salrios-mnimos por trabalhador.

    IV. O plano de recuperao judicial dever conter: (I) discriminao pormenorizada dos meios de

    recuperao a serem empregados; (II) demonstrao de sua viabilidade econmica; e (III) laudo

    econmico-financeiro e de avaliao dos bens e ativos do devedor, subscrito por profissional legalmente

    habilitado ou por empresa especializada.

    Est correto, apenas, o que se afirma em

  • DIREITO EMPRESARIAL Prof. Jos Rodrigo Dorneles Vieira

    a) I, III e IV.

    b) I e III.

    c) I e IV.

    d) II e III.

    8. Deferido o processamento da recuperao judicial,

    a) sero suspensas as execues de natureza fiscal, mas no as de natureza trabalhista com penhora

    efetivada.

    b) sero atradas pelo Juzo que o deferiu todas as demandas por quantias ilquidas.

    c) suspende-se o curso da prescrio em face do devedor, no se dando, todavia, essa suspenso quando

    o pedido de recuperao judicial se fizer com base em plano especial apresentado por microempresas ou

    empresas de pequeno porte, no tocante aos crditos por ele no abrangidos.

    d) o Juiz nomear administrador judicial, que no poder , em nenhuma hiptese, ser pessoa jurdica e,

    preferencialmente, a nomeao recair em advogado ou contador de notria idoneidade e experincia

    profissional comprovada.

    e) ficar o devedor dispensado da apresentao de certides negativas para contratao com o Poder

    Pblico, mas, no respectivo contrato, dever ser acrescida, aps o nome comercial, a expresso em

    Recuperao Judicial.

    9. Sobre o estabelecimento, a falncia e a recuperao de empresas, assinale a opo incorreta.

    a) Na realizao do ativo na falncia, dar-se- maior preferncia alienao da empresa, com a venda de

    seus estabelecimentos em bloco.

    b) Constitui meio de recuperao judicial o trespasse ou o arrendamento de estabelecimento, inclusive

    sociedade constituda pelos prprios empregados.

    c) O estabelecimento alienado na falncia estar livre de qualquer nus e no haver sucesso do

    arrematante nas obrigaes do devedor, salvo quanto s derivadas da legislao do trabalho.

    d) competente para homologar o plano de recuperao extrajudicial o juzo do local do principal

    estabelecimento do devedor ou da filial de empresa que tenha sede fora do Brasil.

  • DIREITO EMPRESARIAL Prof. Jos Rodrigo Dorneles Vieira

    e) ineficaz perante a massa falida a venda do estabelecimento feita sem o consentimento expresso ou

    pagamento de todos os credores, a esse tempo existentes, no tendo restado ao devedor bens

    suficientes para solver o passivo.

    10. Assinale a alternativa correta.

    a) competente a Justia Federal para decretar falncia ou deferir processamento da recuperao

    judicial de sociedade de economia mista cuja acionista majoritria seja a Unio.

    b) competente a Justia Estadual para decretar falncia ou deferir processamento da recuperao

    judicial de sociedade de economia mista cuja acionista majoritria seja a Unio.

    c) competente o juzo do foro eleito pela assembleia geral, ao aprovar o respectivo estatuto, para

    decretar falncia ou deferir processamento da recuperao judicial de sociedade operadora de plano de

    assistncia sade.

    d) competente o juzo do local da filial para decretar falncia ou deferir processamento da recuperao

    judicial de empresa que tenha sede fora do Brasil.

    11. Assinale a assertiva correta:

    I A Lei n. 11.101/2005, que trata da recuperao e falncia da empresa, disciplina que competente

    para homologar o plano de recuperao extrajudicial, deferir a recuperao judicial ou decretar a

    falncia o juzo do local do principal estabelecimento do devedor ou da filial de empresa que tenha sede

    fora do Brasil.

    II De acordo com a Lei n. 11.101/05, o administrador judicial, tanto para a recuperao judicial quanto

    para a falncia, ser nomeado pelo juiz e dever ser um profissional idneo, preferencialmente

    advogado, economista, administrador de empresas ou contador. Por outro lado, a referida lei admite

    que, tanto na falncia quanto na recuperao judicial, seja nomeada uma pessoa jurdica especializada

    para exercer as atividades de administrador judicial.

    III Segundo a Lei n. 11.101/05, o proprietrio de bem arrecadado no processo de falncia ou que se

    encontre em poder do devedor na data da decretao da falncia poder pedir sua restituio. Se a coisa

    no mais existir ao tempo do pedido de restituio, o requerente receber o valor da avaliao do bem,

    ou, no caso de ter ocorrido a venda, o respectivo preo, em ambos os casos o montante ser atualizado.

    Em qualquer das hipteses acima, a restituio ser efetuada com preferncia a todos os demais crditos

    previstos na lei que dispe sobre a recuperao judicial, extrajudicial e a falncia do empresrio e da

    sociedade empresria.

    IV A Lei n. 11.101/05 dispe que o credor empresrio, no ato do pedido de falncia, apresentar

    certido do Registro Pblico de Empresas Mercantis que comprove a regularidade de suas atividades.

  • DIREITO EMPRESARIAL Prof. Jos Rodrigo Dorneles Vieira

    Acolhido o pedido de falncia, a lei exige que o credor solicitante apresente cauo referente s custas e

    eventual pagamento da indenizao. Esta exigncia legal de cauo independe do domiclio do credor.

    V A deciso que decreta a falncia da sociedade com scios ilimitadamente responsveis, segundo a

    Lei n. 11.101/05, tambm acarreta a falncia destes, que ficam sujeitos aos mesmos efeitos jurdicos

    produzidos em relao sociedade falida e, por isso, devero ser citados para apresentar contestao, se

    assim o desejarem. Desta forma, estes scios passam a ser considerados falidos e, portanto, os seus bens

    tornam-se indisponveis.

    a) Apenas as assertivas I e III esto corretas.

    b) Apenas as assertivas III, IV e V esto corretas.

    c) Apenas as assertivas I, II e V esto corretas.

    d) Apenas as assertivas II e IV esto corretas.

    e) Todas as assertivas esto corretas.

    12. Sobre a falncia e a recuperao judicial, leia as afirmaes abaixo e, em seguida, assinale a

    alternativa correta.

    I A decretao da falncia ou o deferimento do processamento da recuperao judicial suspende o

    curso da prescrio e de todas as aes e execues em face do devedor, exceto aquelas dos credores

    particulares do scio solidrio.

    II Da deciso que decretar a falncia cabe agravo, e da sentena que julga a improcedncia do pedido

    cabe apelao.

    III O devedor no poder desistir do pedido de recuperao judicial aps o deferimento de seu

    processamento, salvo se obtiver aprovao da desistncia na assembleia-geral de credores.

    IV A sentena de cumprimento de recuperao judicial declaratria de extino das obrigaes do

    devedor.

    V A Lei de Recuperao das Empresas estabelece um procedimento para falncia calcada na

    impontualidade e outro, para a falncia arrimada nos atos presuntivos de insolvncia.

    a) Somente as afirmativas II e III esto corretas.

    b) Somente as afirmativas I, II e V esto corretas.

    c) Somente as afirmativas III, IV e V esto corretas.

    d) Todas as afirmativas esto corretas.

  • DIREITO EMPRESARIAL Prof. Jos Rodrigo Dorneles Vieira

    13. A respeito da recuperao judicial e da falncia, incorreto afirmar:

    a) constituem meios de recuperao judicial, observada a legislao pertinente a cada caso, dentre

    outros: a ciso, incorporao, fuso ou transformao de sociedade, constituio de subsidiria integral,

    ou cesso de cotas ou aes, respeitados os direitos dos scios, nos termos da legislao vigente; o

    aumento de capital social; o trespasse ou arrendamento de estabelecimento, inclusive sociedade

    constituda pelos prprios empregados; e a reduo salarial, compensao de horrios e reduo da

    jornada dos empregados, mediante acordo ou conveno coletiva;

    b) na falncia e na recuperao extrajudicial de sociedades, os seus scios, diretores, gerentes,

    administradores e conselheiros, de fato ou de direito, bem como o administrador judicial, equiparam-se

    ao devedor ou falido para todos os efeitos penais decorrentes desta Lei, na medida de sua culpabilidade;

    c) a decretao da falncia ou o deferimento do processamento da recuperao judicial suspende o

    curso da prescrio e das aes e execues movidas em face do devedor, inclusive aquelas dos credores

    particulares do scio solidrio, no podendo esta suspenso ultrapassar o prazo de 180 (cento e oitenta)

    dias, contado do deferimento do processamento da recuperao;

    c) a decretao da falncia ou o deferimento do processamento da recuperao judicial suspende o

    curso da prescrio e das aes e execues movidas em face do devedor, inclusive aquelas dos credores

    particulares do scio solidrio, no podendo esta suspenso ultrapassar o prazo de 180 (cento e oitenta)

    dias, contado do deferimento do processamento da recuperao;

    d) por se tratar de crdito privilegiado, as execues de natureza trabalhista e fiscal no so suspensas

    pelo deferimento da recuperao judicial, ressalvada a concesso de parcelamento nos termos do

    Cdigo Tributrio Nacional e da legislao ordinria especfica;

    e) as disposies contidas na Lei 11.101/2005 no so aplicveis empresa pblica, sociedade de

    economia mista, instituio financeira pblica ou privada, cooperativa de crdito, consrcio, entidade de

    previdncia complementar, sociedade operadora de plano de assistncia sade, sociedade seguradora,

    sociedade de capitalizao e outras entidades legalmente equiparadas s anteriores.

    14. Sobre o regime jurdico falimentar, assinale a alternativa correta:

    I a classificao dos crditos na falncia obedece seguinte ordem: i) os crditos derivados da

    legislao do trabalho, limitados a 150 (cento e cinqenta) salrios-mnimos por credor, e os decorrentes

    de acidentes de trabalho; ii) crditos com garantia real at o limite do valor do bem gravado; iii) crditos

    tributrios, independentemente da sua natureza e tempo de constituio, incluindo-se as multas; iv)

    crditos com privilgio especial; v) crditos com privilgio geral; vi) crditos quirografrios; vii) crditos

    subordinados.

  • DIREITO EMPRESARIAL Prof. Jos Rodrigo Dorneles Vieira

    II os crditos trabalhistas cedidos a terceiros sero considerados quirografrios.

    III sero considerados crditos extraconcursais e sero pagos com precedncia sobre os concursais, os

    crditos relativos a obrigaes resultantes de atos jurdicos vlidos praticados aps a decretao da

    falncia, e tributos relativos a fatos geradores ocorridos aps a decretao da falncia, respeitada a

    mesma ordem estabelecida para os crditos concursais.

    IV a cobrana judicial do crdito tributrio no sujeita a concurso de credores ou habilitao em

    falncia, recuperao judicial, concordata, inventrio ou arrolamento.

    V quanto ao pagamento dos crditos devidos s pessoas jurdicas de direito pblico, o concurso de

    preferncia se verifica na seguinte ordem: i) Municpios, conjuntamente e pr rata; ii) Estados, Distrito

    Federal e Territrios, conjuntamente e pr rata; e, por fim, iii) Unio.

    Alternativas:

    a) somente as alternativas I, II e III esto corretas;

    b) somente as alternativas II, III e IV esto corretas;

    c) somente as alternativas I, IV e V esto corretas;

    d) somente as alternativas II, III e V esto corretas;

    e) todas as alternativas esto corretas.

Recommended

View more >