direito de família pós-graduação em direito civil e processo civil murillo sapia gutier...

Download Direito de Família Pós-graduação em Direito Civil e Processo Civil Murillo Sapia Gutier Especialista em Direito Civil – PUC-MG Mestrando em Direito Público

Post on 17-Apr-2015

104 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • Direito de Famlia Ps-graduao em Direito Civil e Processo Civil Murillo Sapia Gutier Especialista em Direito Civil PUC-MG Mestrando em Direito Pblico PUC-MG
  • Slide 2
  • PLANO DE AULA Constituio e relaes privadas Direito de Famlia ou Direito das Famlias? Princpios do Direito das Famlias Aspectos jurdico-constitucionais dos institutos de Direito das Famlias
  • Slide 3
  • Constituio e Direito Privado
  • Slide 4
  • Estado de Direito e o Direito CivilEstado de Direito e o Direito Civil A necessidade do Estado: Resguardo dos Direitos Fundamentais; Funo do Direito Civil Codificado: uniformizar a normatizao de institutos fundamentais da vida: Propriedade e LiberdadePropriedade e Liberdade Estado Liberal de DireitoEstado Liberal de Direito
  • Slide 5
  • Estado Liberal: 1 dimensoEstado Liberal: 1 dimenso Visou a separao entreVisou a separao entre Direito e moralDireito e moral Estado e SociedadeEstado e Sociedade Poltica e EconomiaPoltica e Economia consagrou direitos fundamentais de cunho negativo (status negativus)consagrou direitos fundamentais de cunho negativo (status negativus) dimenso subjetiva dos direitos fundamentaisdimenso subjetiva dos direitos fundamentais
  • Slide 6
  • Estado LiberalEstado Liberal Direito sistematizado pelo legisladorDireito sistematizado pelo legislador antes era relegado aos costumes, aos ensinamentos doutrinrios ou ao direito cannico,antes era relegado aos costumes, aos ensinamentos doutrinrios ou ao direito cannico, no que concerne ao casamento, famlia, filiao e sucessesno que concerne ao casamento, famlia, filiao e sucesses
  • Slide 7
  • Estado LiberalEstado Liberal Segurana jurdicaSegurana jurdica fez com que o direito privado se sobrepusesse ao pblico; Tcnica legislativaTcnica legislativa era representada normativamente por regra jurdica; preceito e consequncia jurdica
  • Slide 8
  • Estado Social: 2 dimensoEstado Social: 2 dimenso No basta garantir formalmente a liberdade e a igualdade aos indivduos se estes no dispem de um mnimo existencial. Consagrou direitos a prestaes por parte do Estado, de modo que os indivduos possam exigir determinada atuao do Estado no intuito de melhorar as condies de vida.
  • Slide 9
  • Estado SocialEstado Social No se cuida mais, portanto, de liberdade do e perante o Estado, e sim, de liberdade por intermdio do Estado. houve inverso da relaopreponderncia do direito pblico sobre o privado houve inverso da relao o intervencionismo estatal regulou as condutas dos indivduos e dos grupos, de modo a propiciar a igualdade substancial
  • Slide 10
  • Estado SocialEstado Social Concretizao de princpios constitucionais como a dignidade da pessoa humana e da solidariedade social caracterizou a limitao do mbito de atuao dos particulares.Concretizao de princpios constitucionais como a dignidade da pessoa humana e da solidariedade social caracterizou a limitao do mbito de atuao dos particulares. A autonomia da vontade relativizada pela consagrao da tica da solidariedade e da tutela da dignidade da pessoa humana.A autonomia da vontade relativizada pela consagrao da tica da solidariedade e da tutela da dignidade da pessoa humana.
  • Slide 11
  • Estado SocialEstado Social Cdigo Civil deixou de ser o eixo centralCdigo Civil deixou de ser o eixo central Surgimento da legislao extravagante, com a funo de reger os programas constitucionais das incipientes constituies sociais;Surgimento da legislao extravagante, com a funo de reger os programas constitucionais das incipientes constituies sociais;
  • Slide 12
  • Estado ConstitucionalEstado Constitucional 3 Dimenso: fraternal ou solidria Consagra Direitos Fundamentais inerentes a todos, independentemente da condio social ou mesmo da nacionalidade do indivduo; Destinatrio o gnero humano, num momento expressivo de sua afirmao como valor supremo em termos de existencialidade concreta
  • Slide 13
  • Estado ConstitucionalEstado Constitucional nova realidade Constitucional, adversa ao modelo totalitrio, aproximou Direito e moral.nova realidade Constitucional, adversa ao modelo totalitrio, aproximou Direito e moral.
  • Slide 14
  • A partir do que se convencionou chamar de virada kantiana, d-se uma reaproximao entre tica e direito, com o ressurgimento da razo prtica, da fundamentao moral dos direitos fundamentais e do debate sobre a teoria da justia fundado no imperativo categrico, que deixa de ser simplesmente tico para se apresentar tambm como um imperativo categrico jurdico. A idia de dignidade da pessoa humana, traduzida no postulado kantiano de que cada homem um fim em si mesmo, eleva-se condio de princpio jurdico, origem e fundamento de todos os direitos fundamentais. centralidade moral da dignidade do homem, no plano dos valores, corresponde a centralidade jurdica dos direitos fundamentais, no plano do sistema normativo. (Gustavo Binembojm)
  • Slide 15
  • Estado ConstitucionalEstado Constitucional direitos fundamentais e democracia: Estado democrtico de direito, estruturado como conjunto de instituies jurdico polticas erigidas sob o fundamento e para a finalidade de proteger e promover a dignidade da pessoa humana
  • Slide 16
  • Estado ConstitucionalEstado Constitucional Estado Constitucional: Democrtico Dimenso formal: princpio da maioria; Dimenso material: Participativo, pluralista e aberto
  • Slide 17
  • Dignidade da pessoa humana e Direitos Fundamentais;Dignidade da pessoa humana e Direitos Fundamentais; Relao entre Democracia e Direitos Fundamentais: interdependncia e reciprocidade;Relao entre Democracia e Direitos Fundamentais: interdependncia e reciprocidade; Estado Democrtico: visa proteger e promover a dignidade humana;Estado Democrtico: visa proteger e promover a dignidade humana;
  • Slide 18
  • Princpio da constitucionalidade: CF como norma maior; Princpio da constitucionalidade: CF como norma maior; Dotado de fora normativa; Dotado de fora normativa; Vincula a todos: Executivo, Legislativo, Judicirio e os particulares; Vincula a todos: Executivo, Legislativo, Judicirio e os particulares; Neoconstitucionalismo Neoconstitucionalismo O Estado Constitucional
  • Slide 19
  • Caractersticas: Constituio rgida: protegida quanto ao poder de reforma; Constituio rgida: protegida quanto ao poder de reforma; Garantia jurisdicional: deve prever um sistema de garantias; Garantia jurisdicional: deve prever um sistema de garantias; Fora vinculante: CF norma e plenamente aplicvel; Fora vinculante: CF norma e plenamente aplicvel; O Estado Constitucional
  • Slide 20
  • Caractersticas: Caractersticas: (d) Sobreinterpretao: no h interpretao literal e a CF finita e no abarca todos os aspectos; (d) Sobreinterpretao: no h interpretao literal e a CF finita e no abarca todos os aspectos; (e) Interpretao conforme: mtodo de interpretao da lei; (e) Interpretao conforme: mtodo de interpretao da lei; (f) Questes polticas judicializadas: exame da argumentao poltica; (f) Questes polticas judicializadas: exame da argumentao poltica; O Estado Constitucional
  • Slide 21
  • Repercusso ampla, direta e imediata;Repercusso ampla, direta e imediata; Constituio influi:Constituio influi: Na validadeNa validade Interpretao das normasInterpretao das normas Produo legislativa na matriaProduo legislativa na matria Neoconstitucionalismo e Direito Civil
  • Slide 22
  • 1 plano: garantias - Art. 5 da CF/88 1 plano: garantias - Art. 5 da CF/88 2 plano: dever de Proteger determinados institutos: 2 plano: dever de Proteger determinados institutos: Propriedade Propriedade Famlia Famlia Liberdade Liberdade Neoconstitucionalismo e Direito Civil
  • Slide 23
  • Slide 24
  • Interpretao ConstitucionalInterpretao Constitucional Princpio da mxima efetividade ou da eficincia do texto constitucionalPrincpio da mxima efetividade ou da eficincia do texto constitucional no caso de dvidas deve preferir-se a interpretao que reconhea maior eficcia aos direitos fundamentais (Canotilho)no caso de dvidas deve preferir-se a interpretao que reconhea maior eficcia aos direitos fundamentais (Canotilho) Exemplo: art. 226, 6, da CF/88: O casamento pode ser dissolvido pelo divrcio. (EC 66/10)Exemplo: art. 226, 6, da CF/88: O casamento pode ser dissolvido pelo divrcio. (EC 66/10)
  • Slide 25
  • Interpretao Constitucional Princpio da mxima efetividade ou da eficincia do texto constitucionalPrincpio da mxima efetividade ou da eficincia do texto constitucional se mantido o instituto da separao de direito, o trabalho do reformador constituinte ter sido totalmente intil e desnecessrio.se mantido o instituto da separao de direito, o trabalho do reformador constituinte ter sido totalmente intil e desnecessrio. separao + divrcio: burocratiza a incidncia da norma constitucional;separao + divrcio: burocratiza a incidncia da norma constitucional;
  • Slide 26
  • Interpretao Constitucional Princpio fora normativa da constituioPrincpio fora normativa da constituio deve dar-se primazia s solues hermenuticas que, compreendendo a historicidade das estruturas constitucionais, possibilitam a atualizao normativa, garantindo, do mesmo p, a sua eficcia e permanncia;deve dar-se primazia s solues hermenuticas que, compreendendo a historicidade das estruturas constitucionais, possibilitam a atualizao normativa, garantindo, do mesmo p, a sua eficcia e permanncia;

Recommended

View more >