direito constitucional i - 2º semestre - 1º ano

Download Direito Constitucional I - 2º Semestre - 1º Ano

Post on 07-Jun-2015

3.128 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

António Manuel de Albuquerque Pereira – 2400030 – Direito\Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias\

TRANSCRIPT

Cincia Poltica, Direito Constitucional 2 Semestre

Direito ConstitucionalMatria fundamental

Direito Constitucional o ramo da ordem jurdica que estuda o Estado enquanto comunidade e poder, ou seja, que estuda tambm a implicao das normas constitucionais na ordem jurdica. Sentido da Constituio Primeiro, a classificao que ope as constituies rgidas s constituies flexveis, tendo em linha de conta a maior ou menor dificuldade em modificar as normas constitucionais. Subsistncia das normas constitucionais. - Rgida: Quando para a sua modificao so exigidos processos e critrios diferentes da elaborao do Direito ordinrio. Ex.: EUA. - Flexvel: Quando para a sua modificao seguido um procedimento idntico ao do Direito ordinrio. Ex.: Gr-bretanha e Estatuto Albertino (em vigor em Itlia entre 1848 e 1946) Nota: Uma constituio no um programa partidrio, onde os partidos polticos apresentam um programa aos eleitores. , antes, um conceito de princpios, o mximo possvel aceites. Conceitos bsicos do Direito Constitucional: 1- Constituio em sentido instrumental (O livro da constituio). Documento onde se inserem as normas tidas como constitucionais. 2- Constituio em sentido formal. Conjunto de normas tidas como formalmente constitucionais. Ex.: Est constitudo que e na constituio encontramos o sentido formal que nos encaminha para o local onde se descreve a rigor as normas referidas. 3- Constituio em sentido material. Conjunto de regras que vo limitar e regulamentar o poder politico. Ex.: Gr-bretanha, s tem constituio em termos materiais. Notas: A constituio define (no livro + normas constitucionais) quais tm valor constitucional. Aponta-nos caminhos para onde devemos recorrer para, por exemplo, conhecer os direitos humanos. Portugal uma constituio em termos formais. Como se faz uma constituio? Primeiro o poder constituinte que vai levar criao de uma constituio. Poder constituinte: Fora originria que organiza a organizao do poder poltico. Diferente de Poder constitudo: Baseia-se na constituio. Poder Constituinte: - Originrio: Leva elaborao das constituies (Legislador constituinte) - Derivado: Leva reviso das constituies (Legislador da reviso) Histria: 1 - O poder constituinte tem a sua origem na monarquia. O rei tinha recebido o poder de Deus, representava-o na Terra. Tinha o poder constituinte.1 Antnio Manuel de Albuquerque Pereira - 24000301. ano - Direito Universidade Lusfona 2004/05

Cincia Poltica, Direito Constitucional 2 Semestre

2 - Como se o povo assinasse um contrato que concedesse plenos poderes, delegava no Imperador o poder constituinte. 3 - O poder constituinte repousa na Nao: Soberania Nacional. 4 - O Poder constituinte reside no povo: Soberania popular. Caractersticas (Poder Constituinte); - Poder inicial: Poder de todos os poderes. - Autnomo: No depende de nenhum outro. - Omnipotente: Impe-se a todos os outros. - Limitao: No limitado, obedece a um sentimento jurdico que existe na comunidade. Princpios consensualmente aceites. Obedece a uma srie de horizontes de sentido, em dados antropolgicos, sociais, culturais, e outros (temos que recorrer a todos estes factores: antropolgicos, sociais, etc.) Elaborao da constituio, Modelos: Mais utilizados: 1- Procedimento constituinte directo. Com base numa equipa de juristas conceituados que elabora um projecto de constituio. publicitado. E depois o eleitorado vota o projecto. Se disser sim, este projecto passa a constituio. Ex.: Constituio de 1933. 2- Procedimento constituinte indirecto ou representativo. O eleitorado chamado a votar para uma assembleia constituinte. A assembleia constituinte elabora uma constituio. indirecto porque o leitorado vota para uma assembleia e a assembleia elabora a constituio. Ex.: Constituio de Portugal 1976. 3- Procedimento constituinte Misto. O eleitorado elege a assembleia constituinte. A assembleia constituinte elabora a constituio. O eleitorado vota esse projecto, se votar sim passa a constituio. Ex.: Constituio da 4 Repblica francesa, 1946. 4- Procedimento constitutivo monrquico. O rei faz o favor de conceder uma constituio ao povo. Ex.: Carta constituinte, 1826. Constituies portuguesas: 1- 1822. 2- 1826, Carta Constitucional. 3- 1838. 4- 1911. 5- 1933. 6- 1976, A Actual. A data da constituio vigente a data originria. Nota: No confundir constituies com revises constitucionais. Histria de Portugal: - 1820/1826 poca Liberal. - 1820 Revoluo que termina com o absolutismo. Sub-fases; - 1820/1851 Guerras liberais; Confrontos entre liberais e absolutistas (que no queriam a constituio) e entre vintistas (partidrios da constituio de 1822) e os cartistas (conservadores).2 Antnio Manuel de Albuquerque Pereira - 24000301. ano - Direito Universidade Lusfona 2004/05

Cincia Poltica, Direito Constitucional 2 Semestre

- 1851/1891 Estabilidade; Rotativismo partidrio. No final deste perodo o perodo fontista (Fontes Pereira de Mello). - 1891/1910 Decai a monarquia; Grave crise financeira. Agonia monrquica e ultimato ingls (ou tiram as tropas do Vale do Chile, ou) - 1910/1926 Instaurao da Repblica. Segunda fase; - 28 de Maio de 1926 a 25 de Abril de 1974; Quase apagamento do Estado Constitucional. Ditadura de Estado Novo. Terceira fase; - 25 de Abril de 1974 at actualidade; Estado de Direito, Estado Social de Direito e Estado de Direito Democrtico. A constituio de 1976 (consequncia da revoluo de 1974); 1- 25/04/75 Eleitores votaram para eleger a assembleia constituinte. Nota: Por ser o primeiro sufrgio universal, quase todos os eleitores votaram. 2- Entre 25/04/74 e 25/04/76 (altura das eleies para a assembleia da repblica), existiram governos provisrios. 3- A Constituio foi aprovada em 1975 mas s entrou em vigor em 1976. 4- A Gneses da constituio foi elaborada em dois momentos; 11 de Maro de 1975 e 25 de Novembro de 1975, perodo de perturbao onde at cercaram a assembleia constituinte. 5- Em termos de tcnica jurdica destacam-se dois homens; Os professores Vital Moreira e Jorge Miranda. Dois constitucionalistas que eram, ambos, deputados. Fontes da Constituio da Repblica Portuguesa(CRP); - Internas: - PAC Plataforma de Acordo Constitucional, entre o MFA (Movimento das Foras Armadas) e os partidos polticos. - Projectos partidrios dos partidos com assento parlamentar; PCP, PPD, CDS, PS, MDPCDE e UDP. Cada um representava um projecto constitucional, logo, 6 projectos. - Influncia das constituies de 1822, 1833 e 1911. - Externas: - Regime semi-presidencialismo Constituio francesa. - Comisso constitucional Colhido no concelho constitucional francs. - Provedor de Justia Constituies nrdicas. - Direitos Sociais e Culturais Pases de Leste europeu (marxismo/leninismo) - Direitos, Liberdades e Garantias Constituies construdas depois de ditaduras (Alemanha) - Institutos da institucionalidade por omisso Jugoslvia. - Concelho de revoluo Turquia e Arglia. - Organizaes populares de base: Peru. Caractersticas Formais da Constituio de 1976;3 Antnio Manuel de Albuquerque Pereira - 24000301. ano - Direito Universidade Lusfona 2004/05

Cincia Poltica, Direito Constitucional 2 Semestre

- Longa, 295 artigos. - Unitextual Um s texto. No h constituies ao lado, nem aditamentos. - Compromissria Vive de compromissos vrios. Entre; a) Legitimidade eleitoral e a legitimidade revolucionria b) Sistema democrtico e o socialismo ("O socialismo, entendido como a preocupao por uma sociedade que suprimisse as desigualdades entre os homens, uma ideia que pode ser encontrada no passado remoto da Histria Universal.) a) c) Componente presidencial e parlamentar. d) Entre enfatizao dos direitos econmicos, sociais e culturais e os direitos, liberdades e garantias (Declarao dos direitos do homem). - Programtica Normas que estabelecem tarefas atribudas ao Estado. - Rgida Processo de elaborao diferente do Direito ordinrio (2/3 dos deputados). S podem ser feitas de 5 em 5 anos ou - em qualquer altura que se justifique.

4 Antnio Manuel de Albuquerque Pereira - 24000301. ano - Direito Universidade Lusfona 2004/05

Cincia Poltica, Direito Constitucional 2 Semestre

a)

SPINDEL, Arnaldo. O Que o Socialismo. 4 Ed., So Paulo: Brasiliense, 1980, p.14-16

Revises j realizadas actual constituio (1976); 1 - 1982 Recentragem politica: - Acaba com o concelho de revoluo. - Cria o Tribunal Constitucional. - Expugna a constituio da sua ganga ideolgica. Era muito marxista. 2 - 1989 Recentragem econmica: - Expugna a constituio econmica. 3 - 1992 Extraordinria (4/5 dos deputados): - Causa: Tratado de Maastricht (A caminho da moeda europeia) 4 - 1997 Ordinria: - Pequenas afinaes no sistema poltico; - No obedeceu a nenhuma ideia geral; 5 - 2001 Extraordinria: - TPI (Tribunal Penal Internacional). - Artigo 15 sofre alteraes nas relaes Portugal/Brasil - Buscas nocturnas (Crime organizado) 6 - 2004 Ordinria: - Mais direitos para as regies autnomas. - Aprofundamento da Unio Europeia (UE). - Direito comunitrio prevalece sem Direito Constitucional. Princpios Estruturantes do Direito Constitucional Portugus; - um princpio que vai moldar todo o Direito constitucional. Que se conjugam na Repblica Portuguesa; 1- Estado de Direito; 2- Estado Democrtico; 3- Estado de Socialidade.5 Antnio Manuel de Albuquerque Pereira - 24000301. ano - Direito Universidade Lusfona 2004/05

Cincia Poltica, Direito Constitucional 2 Semestre

4- Estado de Unidade de Estado.1.

Estado de Direito; Principio que tem expresso jurdico-constitucional atravs de princpios e regras jurdicas que se encontram dispersas pelo texto constitucional. Estamos perante este princpio quando h sujeio do poder a uma srie de princpios e regras que visam garantir a liberdade, a igualdade e a segurana das pessoas.

Materializa-se atravs de uma srie de dimenses essenciais (que so sete): a) O Imprio do Direito: Toda a sociedade regida pelo Direito. Sujeio ao Direito. Subordinao ao Direito. Um Direito justo, que en