direito, antropologia e justiça em perspectiva - core.ac.uk ?· direito, antropologia e justiÇa...

Download Direito, Antropologia e Justiça em perspectiva - core.ac.uk ?· DIREITO, ANTROPOLOGIA E JUSTIÇA EM…

Post on 13-Feb-2019

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

90

DIREITO, ANTROPOLOGIA E JUSTIA EM PERSPECTIVA1

Juliana Gonalves Melo

RESUMO

O trabalho busca, por meio de uma compreenso do atual sistema de

ensino do Direito, visualizando sua trajetria histrica, bem como a

conjuntura contempornea de fatores sociais, econmicos e jurdicos

dos cursos de graduao, sem deixar de tomar em considerao os

objetivos de seus discentes e sua caracterizao, definir como tem se

dado o ensino do Direito e suas consequncias, fazendo uso da

pesquisa bibliogrfica especfica e da experincia vivenciada pela

autora junto docncia na Universidade Federal do Rio Grande do

Norte e no Centro Universitrio de Braslia, de forma que concebeu-

se, por fim, deficincias capazes de minimizar, inviabilizar e impactar

negativamente o papel e a postura sociais que os profissionais de

Direito deveriam desempenhar em decorrncia de suas funes, de

valor social reconhecidamente acentuado.

Palavras chave: Antropologia Jurdica. Ensino do Direito. Sociologia

Jurdica. Sistema Carcerrio.

1 INTRODUO

Prope-se analisar a relao entre direito e antropologia, apontando para as

limitaes e contribuies que o debate pode promover. Para tanto, remonto ao processo de

constituio da tradio jurdica ocidental, tal como apresentado por Berman (2006) que, a

partir de um olhar multidisciplinar, revela como o direito construdo culturalmente, tendo

fundamentado em larga medida o pensamento cientfico moderno e a prpria noo de

Ocidente.

Ao tratar desse contexto, o autor indica que na contemporaneidade a tradio jurdica

ocidental, e a prpria noo de Ocidente, est passando por uma crise profunda, motivada,

1 Apresentado no II ENADIR Encontro Nacional de Antropologia do Direito, no GT 08: A antropologia em

espaos de ensino do direito e o direito em espaos de ensino da antropologia. Doutora em Antropologia Social pela Universidade de Braslia (2009), mestre em Antropologia Social pela

Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC (2004) e graduada em Cincias Sociais/ Habilitao em

Antropologia pela Universidade de Braslia (1999). Professora Adjunta do Departamento de Antropologia e do

Programa de Ps Graduao em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN

91

entre inmeros outros aspectos, pela forma atravs da qual o direito tem sido ensino e

praticado, inclusive no Brasil. Isto , como campo de saber dogmtico, hermtico e

desconectado da realidade social. Como comprovam inmeros pesquisadores brasileiros esse

o modo atravs do qual a tradio jurdica vem sido reproduzida (SOUZA, 1993), o que tem

implicaes na realidade social, como veremos adiante (LIMA, 2000).

Em termos gerais, o artigo se inicia com a anlise terica de Berman a respeito da

tradio jurdica ocidental, interpretada como um sistema social e cultural, o que inclui

discutir a crise atual. Posteriormente analisa-se os reflexos desses processos no contexto

nacional luz de referncias bibliogrficas e da experincia docente da autora no

Departamento de Cincias Jurdicas do Centro Universitrio de Braslia - Uniceub (2004-

2010) e, mais recentemente, no Departamento de Antropologia da Universidade Federal do

Rio Grande do Norte/UFRN (2010-2011). Compartilha-se tambm pesquisa recente no

Complexo Penitencirio Joo Chaves, localizado na cidade de Natal/RN, em parceria com o

projeto Novos Rumos, do Conselho Nacional de Justia (CNJ). O intuito, afinal,

demonstrar a riqueza e a imprescindibilidade de ampliar o debate no campo da antropologia

jurdica no contexto nacional, para que tenha-se uma concepo de justia mais engajada

socialmente e menos assimtrica.

2 O SURGIMENTO DA TRADIO JURDICA OCIDENTAL: O DIREITO COMO

SISTEMA CULTURAL.

Ao tratar da tradio jurdica ocidental, Berman (2006) usa teorias pouco

convencionais, motivo pelo qual , inclusive, criticado. De acordo com a interpretao deste

estudo justamente por entender o direito como processo, como empreendimento no qual as

regras s tm valor no contexto das instituies, procedimentos, valores e modos de pensar

que sua argumentao central2. A tradio jurdica ocidental, para ele, deve ser entendida

como um processo cultural de longa durao que, em ltima medida, constitui o prprio

Ocidente: um sistema de valores e prticas compartilhado, com forte dimenso histrica e

simblica.

Embora considere que toda periodizao arbitrria e que existem diferentes

interpretaes da histria, o referido autor reconhece que as bases da histria ocidental so

2 O fato de Berman ser um jurista renomado outro aspecto relevante, em diferentes sentidos.

92

encontradas na Grcia, Roma e junto aos povos hebreus. Afirma tambm que o Ocidente,

enquanto conceito, no pode ser reconhecido por um girar de compasso3. Que constitudo no

decorrer de vrios sculos, por meio de revolues e durante a formao dos Estados

Nacionais (particularmente dos Estados Unidos, Inglaterra, Frana e Alemanha).

Mesmo tratando-se de um processo de longa durao, possvel identificar um

marco essencial: o perodo de 1050-1122, marcado por mudanas profundas, inclusive no

prprio Direito. nesse contexto, mais especificamente no ano de 1075, que o novo direito

cannico se impe como sistema nico. O Dictatus Papae4 prope uma nova gnese, que

rene diferentes tradies jurdicas europeias (locais, morais, etc.), dando impulso a

acontecimentos decisivos para o Ocidente. pea importante da Revoluo Papal ou

Reformatio do Papa Gegrio VII, caracterizada como um amplo conjunto de reformas que,

entre outros aspectos, pretendida afirmar o poder papal face ao poder feudal/real, reformar a

Igreja, e o prprio mundo. Atravs desse dispositivo, o Papa (de Roma) tornou-se o Chefe

Supremo e absoluto da Igreja, julgando-se no direito de exercer prerrogativas espirituais e

temporais em toda a Cristandade. As conseqncias, inclusive polticas, foram inmeras5.

No Direito europeu forma-se uma nova tradio. At ento, no era centralizado ou

escrito, mas marcadamente descentralizado, regional e local. Tampouco havia juzes ou

advogados profissionais ou uma hierarquia das cortes. Faltava uma distino do direito como

corpo distinto de regras e conceitos. No havia escolas ou uma maior sistematizao das

categorias jurdicas bsicas, ou seja, um corpus iuris. nesse contexto que grandes

transformaes vo se efetivar: o Direito ganha autonomia; surgem autoridades

centralizadoras fortes, tanto eclesisticas quanto seculares, cujo controle era exercido por

delegados que atuavam do centro para a periferia; constitui-se ainda uma classe de juristas

3 Nesse sentido, por exemplo, a Rssia faz parte do Ocidente, ao passo que a Inglaterra, nos sculos XI e XII,

adotou um outro modelo ao opor-se noo de tradio jurdica formulada na Revoluo Papal. 4 No sculo X, a reforma de Cluny, iniciada por monges, criou uma forma de governo hierrquico, translocal e

corporativo e que buscou apoiar o primeiro movimento de paz na Europa. At este momento a Igreja era pensada

como eclesia, como o povo cristo e no como uma estrutura jurdica visvel, corporificada em oposio

autoridade poltica. Os monges faziam uma crtica profunda ao simonismo e nicolasmo e buscavam a

emancipao poltica da Igreja. Este movimento, mais tarde, acabaria culminando na elaborao das Bulas

Papais ou Dictatus Papae nos anos de 1070-1075. Nesse contexto, nomeado como Papa Gregrio, Hildebrand

elaborou o Dictatus Papae e ordenou que todos boicotassem padres que viviam em concubinato e os fez escolher

entre a dedicao Igreja ou s suas famlias. Como no havia um exrcito da Igreja, o Direito foi fundamental

para que suas regras fossem cumpridas. Atravs de sua agncia, o Papado iniciou um movimento de anlise de

textos antigos e encorajou os estudiosos a darem incio cincia jurdica. No havia um frum jurdico ao qual o

papado e o imprio pudessem recorrer - somente ao papa ou ao imperador. A criao do Dictatus Papae foi

revolucionria, tendo um papel decisivo na constituio da tradio jurdica ocidental (BERMAN, 2006). 5 Este um debate bastante complexo e merece ser aprofundado em momento oportuno. Maiores informaes

podem ser obtidas na j citada obra de Berman, entre outros.

93

profissionais (juzes e advogados); so edificadas as primeiras escolas e formulados os

tratados jurdicos.

Antes do sculo XI, o direito no existia como sistema cientfico ou de

regulamentao autnoma. Cada povo possua sua prpria ordem jurdica, que

inclua textos jurdicos ocasionais, emanada de autoridades centralizadas, assim

como textos e normas jurdicas no escritas e instituies seculares e eclesisticas.

Um nmero considervel de termos e regras jurdicas havia sido herdado do Direito

Romano e podia ser encontrado nos cnones e decretos dos conselhos eclesisticos e

dos bispos, assim como na Legislao real e do Direito Costumeiro (BERMAN,

2006, p. 111).

Alm de transformar o direito vigente, a Revoluo Papal alterou a mentalidade e as

prticas sociais em larga medida. Atravs do slogan de Refo