dimensÕes espaciais de cidades amazonenses: do .o caminho das águas, em lanchas e balsas, ... em:

Download DIMENSÕES ESPACIAIS DE CIDADES AMAZONENSES: DO .O caminho das águas, em lanchas e balsas, ... em:

Post on 10-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • CAPTULO 5

    DIMENSES ESPACIAIS DE CIDADES AMAZONENSES: DODINHEIRO DO PETRLEO AOS SERVIOS PBLICOS DEEDUCAO1

    Paola Verri de Santana

    1 INTRODUO

    A atividade exploratria na bacia petrolfera do Solimes na regio Norte brasileira ganhou nova importncia a partir do incio da produo comercial de petrleo e gs no Amazonas. A estrutura que d funcionamento a isso liga-se a uma geopoltica dos recursos naturais e aos sistemas de comunicao e transporte que viabilizam a cadeia produtiva de fontes energticas em meio Floresta Amaznica. Esse processo de industrializao tem na urbanizao tanto um elemento induzido como indutor. Numa regio onde o mito do vazio demogrfico persiste, cabe alertar que uma rede urbana, em especial de pequenas e mdias cidades, constitui uma base de apoio para negcios como esses, alm de desempenhar um significativo papel como mercado consumidor. A rede hidrogrfica representa histrico fator articulador desde o processo de povoamento, mas diversos aparatos tcnicos complementam interligaes espaciais cujas rotas podem ser areas, terrestres, via satlite, por fibra tica e mediante espaos e tempos de fluxos virtuais.

    A trajetria da busca e uso do petrleo na Amaznia tem sido documentada e relatada por nomes como Cabral (1960), Benchimol (1979), Gawora (2003) e Garcia (2008; 2010). Os marcos da presena da Petrleo Brasileiro S.A. (Petrobras) no Amazonas datam desde sua criao, em 1953. Grande expectativa ocorreu quando o petrleo jorrou, em 1955, do poo pioneiro em Nova Olinda do Norte. Semelhantes registros foram feitos em 1978, com a perfurao de poo na provncia gasfera do rio Juru, e, em 1980, com a descoberta de gs natural em Carauari. Ainiciativa de volumes mais significativos se concretiza a partir de 1986, quando opetrleo jorrou no Urucu, no municpio de Coari. Em 1988, entra em produoocampo do rio Urucu, no Alto Amazonas, descoberto dois anos antes. No intuito de agilizar o fluxo do leo e do gs, foram realizadas algumas obras: em 1999, o Gasoduto Urucu-Coari;

    1. A autora agradece ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientfico e Tecnolgico (CNPq), Fundao de Amparo Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), ao Ncleo de Estudos e Pesquisas das Cidades na Amaznia Brasileira (Nepecab) do Programa de Ps-Graduao em Geografia, departamento de geografia do Instituto de Cincias Humanas e Letras da Universidade Federal do Amazonas (ICHL/Ufam) e ao Ipea.

  • Desenvolvimento Regional no Brasil: polticas, estratgias e perspectivas158 |

    e em 2009, o Gasoduto Urucu-Coari-Manaus. Ainfraestrutura para escoar a produo comercial tem enfrentado dificuldades logsticas entre o complexo industrial do Polo Arara, onde h mais de sessenta poos da Provncia de Gs e Petrleo do Urucu, e a rede de dutos, o terminal aquavirio de Coari, a Refinaria de Manaus, bem como a distribuio e comercializao dos derivados no mercado regional.

    O caminho das guas, em lanchas e balsas, facilitou o acesso ao rio Urucu, apesar de este trajeto sofrer instabilidade devido dinmica hidrolgica, ou seja, a susceptibilidade ao ciclo anual de cheia, vazante, seca e enchente, capaz de regular o trnsito de balsas apenas de pequeno calado por esta via, por se tornar intrafegvel nas secas extremas. O uso de avies e helicpteros tambm tem sido fundamental neste processo de expanso de atividades produtivas no meio da selva. Diversos tipos de navios de grande calado que circulam no Solimes e no Amazonas, petroleiros e gaseiros, alm da construo e uso de dutos so importantes objetos geogrficos na ligao com Manaus, que, alm de sediar a Refinaria Isaac Sabb, tambm representa significativo centro consumidor de produtos derivados desta indstria. A populao estimada da metrpole amazonense para 2016 de 2.094.391 habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica (IBGE).

    A Petrobras se faz presente de diferentes maneiras nas cidades da calha dos rios Solimes e Amazonas, uma delas o fato de torn-las um mercado consumidor. Garcia (2010) afirma que, em 2002, a produo de leo que chegava refinaria de Manaus supria mais de 90% do mercado de derivados da Amaznia Ocidental e oeste do Par. O gs liquefeito de petrleo (GLP), o gs de cozinha, originrio, naquela poca, do Urucu abastecia toda a Amaznia e parte do Maranho e do Tocantins. Nesse sentido, cabe uma advertncia quanto ao compromisso ambiental firmado com base nas recomendaes de pesquisadores. Petrobras compete minimizar a construo de estradas, utilizar a mo de obra das cidades circunvizinhas, no estimular a criao de ncleos urbanos, recompor a flora nas reas desmatadas, realizar estudos ambientais bsicos nas reas a serem impactadas pela atuao da Petrobras, formar pessoal e estimular pesquisas e dilogos entre tcnicos da empresa e ambientalistas (op. cit., p. 115). Ou seja, apesar do estmulo industrializao haveria regulao urbanizao.

    O incio da produo no Urucu implicou o comeo dos pagamentos de compensao financeira destinada, no caso, municpios produtores conforme legislao que entrou em vigor no dia 3 de outubro de 1953, Lei no 2.004, revogada pela Lei no 9.478/1997. Esta ltima define diferente percentual que municpios produtores tm direito a receber em royalties pagos pelas empresas exploradoras de petrleo e gs. Isso se refere a parte das contribuies ao desenvolvimento econmico e social descritas por Garcia (2010). Nesses termos, a distribuio dos royalties, do imposto sobre operaes relativas circulao de mercadorias e sobre prestaes de

  • Dimenses Espaciais de Cidades Amazonenses: do dinheiro do petrleo aos servios pblicos de educao

    | 159

    servios de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicao (ICMS), do imposto sobre servios de qualquer natureza (ISS), das participaes especiais e das participaes de proprietrios de terras, expressa um circuito da economia relativo ao fato gerador e aplicao destes recursos. Essa relao enfrenta a complexidade dos elementos da dinmica urbana quanto estrutura burocrtica do federalismo brasileiro, alm da rede de empresas do sistema Petrobras, por exemplo, a atuao da Petrobras Transporte S/A (Transpetro) pelo menos. Na realidade, a entrada destes recursos nos oramentos governamentais envolve a obedincia legal que define como eles devem ser aplicados, nesse conjunto esto condicionadas as expectativas e as regras de financiamento do sistema pblico educacional.

    A tendncia de queimar combustveis fsseis conta com a Agncia Nacional do Petrleo, Gs Natural e Biocombustveis (ANP) como elemento articulador da poltica energtica brasileira juntamente ao Ministrio de Minas e Energia (MME). A atuao da ANP se faz em rede revelada, no mnimo, por meio da distribuio dos escritrios o central no Rio de Janeiro, a sede em Braslia, sendo os demais em: So Paulo, Salvador, Manaus, Porto Alegre, Belo Horizonte. A esse respeito esto os relatrios mensais dos royalties transferidos aos beneficirios por meio de rede bancria e sistema financeiro.

    Em meio a isso, h conflitos que no se reduzem na disputa entre os direitos de produtores e de no produtores. Pensar o lado da produo requer tambm considerar o lado do consumo. Ambos perpassam o que Lefebvre (1991) explica ser a contradio entre o crescimento, como movimento quantitativo, e o desenvolvimento, o qualitativo. Esses dois processos esto ligados trade econmico, social e poltico, sem esquecer o elemento ecolgico, articulador dos aspectos indissociveis para uma anlise que pretenda uma visualizao total da questo, portanto, uma anlise multiescalar, capaz de incluir, no mnimo, o urbano, o nacional e o global. O dilema econmico da variao produtiva pode ser medido em barris de petrleo, metros cbicos, em quilmetros de gasodutos, em capacidade por dia, em flutuaes de preos etc. O municpio de Coari, no Amazonas, produtor, mas depende de Manaus para se fazer consumidor de derivados. O drama social conhecido associa-se ao nmero de postos de trabalho criados, ao desemprego, desqualificao, a presena e ausncia de moradias, qualidade de vida das famlias, ao acesso a escolas, hospitais etc. As instalaes do Urucu esto em Coari, mas encontram no municpio de Carauari significativa fonte de mo de obra. O poder poltico volta-se para as eleies no executivo, as representaes em cmaras de vereadores, as formulaes de leis, as delimitaes territoriais, as manifestaes nas ruas etc. As gestes municipais tendem a acompanhar o ordenamento jurdico, portanto buscam respeitar a Constituio da Repblica Federativa do Brasil de 5 de outubro de 1988, que vem sendo regulamentada e tem tido redao ajustada desde ento. O desafio ecolgico gira entre o estado da natureza intocada e as

  • Desenvolvimento Regional no Brasil: polticas, estratgias e perspectivas160 |

    necessidades da ao humana, a vida de comunidades tradicionais e a entrada de grandes projetos, porque intensivos em capital. Unidades de conservao e terras indgenas esto envolvidas nestes processos.

    O problema no se limita a reservas de petrleo na Amaznia, aqui materializadas pela operao do Campo de Urucu, iniciada em 1986, no municpio de Coari. O fato histrico mais recente que evidencia o debate relacionado ao marco regulatrio do setor de petrleo a descoberta e a posterior deciso de se explorar a riqueza na camada pr-sal na costa brasileira. Esta questo geopoltica vai alm dos entes federados da nao, na medida em que atrai investidores internacionais. Datam de 2007 as descobertas de petrleo no pr-sal com reservas significativas. Em 2016, a Petrobras anuncia que a produo de petrleo operada no pr-sal brasileiro superou o patamar de 1 milho de barris por dia e argumenta que esta produtividade uma evidncia de viabilidade tcnica e econmica das inverses ali direcionadas. Entende-se que estes acontecimentos so indutores de alteraes nos instrumentos normativos impactantes para as diferentes regies do pas e nos cofres pblicos, devido nova diviso dos montantes em royalties gerados.

    Na realid