Dimensionamento de Tubulações Hidraulicas

Download Dimensionamento de Tubulações Hidraulicas

Post on 08-Aug-2015

107 views

Category:

Engineering

3 download

TRANSCRIPT

  1. 1. INSTALAES PREDIAIS TARSO LUS CAVAZZANA Engenheiro Civil, Mestre em Recursos Hdricos e Tecnologias Ambientais, MBA em Gesto Empresarial tarsocavazzana@yahoo.com.br
  2. 2. Plano de ensino CARGA HORRIA SEMANAL: 02 Horas/Aula CARGA HORRIA SEMESTRAL: 44 Horas
  3. 3. EMENTA Estabelecimento de conceitos tericos e aplicaes prticas de instalaes hidrulicas prediais de gua quente e fria.
  4. 4. ESTRATGIA DE TRABALHO Aulas expositivas abordando conceitos e critrios tcnicos de aplicao na obra. Bases nas aulas de laboratrio executando experincias que consolidem os conceitos de vazo, de presso e de perda de descarga. Aulas de acompanhamento de projeto.
  5. 5. OBJETIVOS GERAIS Divulgar os principais mtodos de dimensionamento e normas, utilizados nos projetos de instalaes prediais hidrulico-sanitrias e respectivas tecnologias de execuo de obras. Divulgar os principais materiais e equipamentos utilizados nas obras de instalaes prediais hidrulico- sanitrias e respectivas tecnologias de aplicao, possibilitando o levantamento quantitativo desses materiais para oramento. Dar subsdios e conhecimentos para fiscalizao de obras.
  6. 6. OBJETIVOS ESPECFICOS Desenvolver capacitao para elaborao de projeto tcnico completo de instalaes prediais hidrulico- sanitrias com plantas, cortes, detalhes e isomtricos, memorial de clculo, lista de materiais e especificaes, desde a fase de concepo at a aprovao nos rgos pblicos. Divulgar os principais problemas provenientes de um projeto mal elaborado e de uma obra mal executada.
  7. 7. CONTEDO PROGRAMTICO Introduo. Critrios e definies. Normas da ABNT. Cdigos e regulamentos das concessionrias. Leitura e interpretaes crticas de projeto de instalaes. Fases de uma instalao hidrulico-sanitria. Colocao da instalao hidrulico-sanitria no contexto global da obra. Instalaes hidrulicas prediais de gua fria.
  8. 8. CONTEDO PROGRAMTICO Sistema de abastecimento. Sistemas de distribuio. Ligao de gua hidrmetros e abrigos para cavalete. Consumo predial. Dimensionamento de reservatrios. Clculo de vazes. Clculo de perdas de carga. Dimensionamento de sub-ramais e ramais. Dimensionamento de colunas. Dimensionamento de barriletes.
  9. 9. CONTEDO PROGRAMTICO Dimensionamento de instalaes elevatrias: conjunto motor, bomba e tubulaes de suco e de recalque.
  10. 10. BIBLIOGRAFIA - Bsica CARVALHO, Roberto Jr. Instalaes hidrulicas e o projeto de arquitetura. So Paulo: Blucher, 2007. NETTO, Azevedo J. "Manual de Hidrulica", Editora Edgard Blcher, 8 Edio Atualizada; So Paulo 2005. CREDER, Hlio. Instalaes Hidrulicas e Sanitria, Editora LTC, So Paulo, 1995.
  11. 11. BIBLIOGRAFIA - Complementar MELO, VANDERLEY DE OLIVEIRA, Instalaes Prediais Hidrulico-Sanitrias, Editora Edgard Blucher, 2000. BOTELHO, MANOEL HENRIQUE CAMPOS, Instalaes Hidrulicas Prediais, Editora Edgard Blucher, 2006. CARDO, Celso. Instalaes domiciliares. Manual Tcnico do Departamento de Edifcios e Obras Pblicas do Estado de So Paulo BORGES, Ruth Silveira Borges. Manual de Instalaes Prediais Hidrulico-Sanitrias e de Gs, Editora PINI, So Paulo, 1992.
  12. 12. AVALIAO De acordo com o regimento da Universidade NP1=0,7xP1+0,3xT1 NP2=0,7xP2+0,3xT2 MF=(NP1+NP2)/2; Se MF>7, Aprovado, seno, Exame Nota mnima no Exame = 10-MF para aprovao P prova e T trabalho, nesse caso, os projetos.
  13. 13. INTRODUO Instalaes no contexto geral das disciplinas. As interdependncias entre as instalaes. Noes tericas necessrias para desenvolvimento dos projetos de: Instalaes prediais de gua fria; Instalaes prediais de esgoto sanitrio; Instalaes prediais de guas pluviais; Instalaes prediais de preveno e combate incndio; Instalaes prediais de gua quente; Instalaes eltricas (2 semestre).
  14. 14. INTRODUO Exemplos ilustrativos: 1) Na Figura 1.pode-se observar a interdependncia entre sistemas de distribuio de gua de abastecimento e sistemas de esgotamento de gua servida e guas pluviais de uma malha urbana com as instalaes hidrulicas prediais confinadas em cada lote que compe a quadra. edificao esgoto guas pluviais gua de abastecimento
  15. 15. INTRODUO Exemplos ilustrativos: 2) Na Figura 2 observa-se que, dentro de uma edificao existem vrias reas de utilizao de gua e gerao de esgoto, e tambm haver vrios pontos de coleta de guas pluviais na cobertura da edificao. DORM DORM DORM DORM DORM DORM DORM DORM BANHO BANHO BANHO BANHO SALA SALA SALA SALA HALL COZ COZ COZ COZ A.S. A.S. A.S.A.S.
  16. 16. INTRODUO 3) Na Figura 3, mostrado em detalhe uma das reas de utilizao de gua numa edificao. BANHO CHUVEIRO VASO SANITRIO LAVATRIO
  17. 17. INSTALAES PREDIAIS DE GUA FRIA Para uma instalao predial de gua Fria estar bem projetada necessrio que: seja contnuo o fornecimento de gua aos usurios, e em quantidade suficiente, armazenando ao mximo a um custo mais baixo possvel e minimizando ao mximo os problemas decorrentes da interrupo do funcionamento do sistema pblico; preserve-se a qualidade da gua; limite-se as presses e as velocidades a valores adequados para evitar vazamentos e ou rudos indesejveis.
  18. 18. ETAPAS DE PROJETO concepo do projeto: a etapa mais importante do projeto pois so definidos nesta fase o tipo do prdio, pontos de utilizao, o sistema de abastecimento e distribuio, localizao dos reservatrios, etc; determinao das vazes; dimensionamento: memorial descritivo e justificativo, clculos, normas de execuo, especificao de materiais e equipamentos utilizados, plantas, esquemas hidrulicos, desenhos isomtricos, relao de materiais.
  19. 19. SISTEMA DE DISTRIBUIO SISTEMA DIRETO Abastecimento das peas de utilizao feito diretamente com gua da rede de distribuio sem reservao. cavalete rede pblica
  20. 20. SISTEMA DE DISTRIBUIO SISTEMA DIRETO Abastecimento das peas de utilizao feito diretamente com gua da rede de distribuio sem reservao. As vantagens so : gua de melhor qualidade; maior presso disponvel; menor custo de instalao. As desvantagens so : falta de gua no caso de interrupo; grande variao de presso ao longo do dia; limitao de vazo; maior consumo. cavalete rede pblica
  21. 21. SISTEMA DE DISTRIBUIO SISTEMA INDIRETO Abastecimento das peas de utilizao feito atravs de reservatrio de armazenamento da edificao. Com ou sem bombeamento. cx.gua cavalete rede pblica cx.gua cavalete rede pblica cx. gua inferior Bomba boia
  22. 22. SISTEMA DE DISTRIBUIO SISTEMA INDIRETO As vantagens so : fornecimento de gua contnuo; pequena variao de presso nos aparelhos; golpe de arete desprezvel; permite a instalao de vlvula de descarga; menor consumo de gua. As desvantagens so : possibilidade de contaminao da gua reservada; menores presses; maior custo de instalao.
  23. 23. SISTEMA DE DISTRIBUIO SISTEMA MISTO Algumas peas de utilizao so ligadas com guas provenientes da rede e outras do reservatrio ou de ambos. As vantagens so : gua de melhor qualidade; fornecimento contnuo de gua; permite a instalao de vlvula de descarga. A desvantagem : fica por conta do maior custo de instalao.
  24. 24. SISTEMA DE DISTRIBUIO HIDRO-PNEUMTICO Os pontos de utilizao so abastecidos por um conjunto pressurizador, sem reservao especial. Rede Eltrica Chave Trifsica Chave Magntica PressostatoManmetro Vacumetro Tanque Reservatrio Bomba Dreno Distribuio visor de Vidro Recalque Suco Controlador de Volume de Ar
  25. 25. PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAO PREDIAL DE GUA FRIA De acordo com a NBR-5626/98 Instalao predial de gua fria so definidas as partes constituintes de uma instalao predial de gua fria: ALIMENTADOR PREDIAL: tubulao compreendida entre o ramal predial e a primeira derivao ou vlvula de flutuador de reservatrio; AUTOMTICO DE BIA: dispositivo instalado no interior de um reservatrio para permitir o funcionamento automtico da instalao elevatria entre seus nveis operacionais extremos;
  26. 26. PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAO PREDIAL DE GUA FRIA BARRILETE: conjunto de tubulaes que se origina no reservatrio e do qual se derivam as colunas de distribuio; COLUNA DE DISTRIBUIO: tubulao derivada do barrilete e destinada a alimentar ramais; EXTRAVASOR: tubulao destinada a escoar os eventuais excessos de gua dos reservatrios e das caixas de descarga; INSTALAO ELEVATRIA: conjunto de tubulaes , equipamentos e dispositivos destinados a elevar a gua para o reservatrio de distribuio;
  27. 27. PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAO PREDIAL DE GUA FRIA LIGAO DE APARELHO SANITRIO: tubulao compreendida entre o ponto de utilizao e o dispositivo de entrada no aparelho sanitrio; PEA DE UTILIZAO: dispositivo ligado a um sub-ramal para permitir a utilizao da gua; PONTO DE UTILIZAO: extremidade de jusante do sub- ramal; RAMAL: tubulao derivada da coluna de distribuio e destinada a alimentar os sub-ramais; RAMAL PREDIAL: tubulao compreendida entre a rede pblica de abastecimento e a instalao predial;
  28. 28. PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAO PREDIAL DE GUA FRIA REDE PREDIAL DE DISTRIBUIO: conjunto de tubulaes constitudo de barriletes, colunas de distribuio, ramais e sub-ramais, ou de alguns destes elementos; RESERVATRIO HIDROPNEUMTICO: reservatrio para ar e gua destinado a manter sob presso a rede de distribuio predial; RESERVATRIO INFERIOR: reservatrio intercalado entre o alimentador predial e a instalao elevatria, destinada a reservar gua e a funcionar como de suco da instalao elevatria;
  29. 29. PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAO PREDIAL DE GUA FRIA RESERVATRIO SUPERIOR: reservatrio ligado ao alimentador predial ou a tubulao de recalque, destinado a alimentar a rede predial de distribuio; SUB-RAMAL: tubulao que liga o ramal pea de utilizao ou ligao do aparelho sanitrio; TRECHO: comprimento de tubulao entre duas derivaes ou entre uma derivao e a ltima conexo da coluna de distribuio; TUBULAO DE RECALQUE: tubulao compreendida entre o orifcio de sada da bomba e o ponto de descarga no reservatrio de distribuio;
  30. 30. PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAO PREDIAL DE GUA FRIA TUBULAO DE SUCO: tubulao compreendida entre o ponto de tomada no reservatrio inferior e o orifcio de entrada da bomba; VLVULA DE DESCARGA: vlvula de acionamento manual ou automtico, instalada no sub-ramal de alimentao de bacias sanitrias ou de mictrios, destinada a permitir a utilizao da gua para suas limpezas;
  31. 31. PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAO PREDIAL DE GUA FRIA . Rede Pblica Ramal Predial Cavalete Hidrmetro Conjunto Moto-Bomba Conjunto de Recalque Tubo de Recalque Ramais de Distribuio Reservatrio Superior Barrilete Coluna de Distribuio Dreno Extravasor ou Ladro Chave Bia Ramais de Distribuio Ramais de Distribuio Reservatrio Inferior Alimentador Predial Tubo de Suco
  32. 32. MATERIAL E PRESSO De acordo com a NBR-5626 os tubos e conexes que constituem uma instalao predial de gua fria podem ser de ao galvanizado, cobre, ferro fundido(fofo), PVC, ou de outro material de tal modo que satisfaa a condio de que a presso de servio no seja superior presso esttica no ponto considerado, somada sobrepresso devido ao golpe de arete. sobrepresso : 0,15 0,05 H Hvar Alimentador Canaleta de limpeza 0,10 0,10
  33. 51. DIMENSES E DETALHAMENTO DO RESERVATRIO SUPERIOR No dimensionamento do reservatrio superior deve-se levar em conta as restries arquitetnica e estrutural da edificao. Normalmente o arquiteto reserva rea especfica para localizao do reservatrio. Das plantas e dos cortes da edificao pode-se dimensionar o Rs. Como exemplo, o clculo da altura til de armazenamento, htil, para um volume de 3,84 m3 por cmara e dimenses de 2,50 m de comprimento por 1,40 m de largura, tem-se: m10,1 40,1x50,2 840,3 hutil
  34. 52. DIMENSES E DETALHAMENTO DO RESERVATRIO SUPERIOR Considerando todo volume de reserva de incndio armazenada somente no Rs, estimado em torno de 15.000 l, tem-se altura da reserva de incndio, hinc: R.s. = 15.000/2 = 7.500 l = 7,5m3 Adotado hinc = 2,15 m m x hinc 14,2 40,150,2 50,7
  35. 53. DIMENSES E DETALHAMENTO DO RESERVATRIO SUPERIOR Planta baixa 0,10 0,60 0,60 0,60 L 0,10 0,10 0,10 0,10 b bDISTRIBUIO INCNDIO DRENO EXTRAVASOR EXTRAVASOR DRENO DISTRIBUIO INCNDIO INSPEO INSPEO BOIA BOIA R,G, R,G, RECALQUE
  36. 54. DIMENSES E DETALHAMENTO DO RESERVATRIO SUPERIOR Corte >0,15 >0,05

Recommended

View more >