dilma promete erradicar pobreza extrema, melhorar a saúde ... ?· teve amigos presos, torturados,...

Download Dilma promete erradicar pobreza extrema, melhorar a saúde ... ?· Teve amigos presos, torturados, exilados…

Post on 25-Jan-2019

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

BRASLIA-DF, JANEIRO DE 2011 CMARA DOS DEPUTADOS Ano 12 | Nmero 2554

edio eSPeCiAL

impresso especial

9912170931/2007-dR/BSBCMARA doS dePUTAdoSCoRReioS

Do marechal Deodoro da Fonseca a Dilma Rousseff, a Rep-blica brasileira, em seus quase 122 anos, percorreu um longo caminho que en-tremeou perodos

Dilma promete erradicar pobreza extrema,melhorar a sade e combater a corrupo

HISTRIA DAS POSSES

Marco Maia: o atual Congresso aprovou 938 proposies em quatro anos, o melhor resultado desde a redemocratizao

OPInIO | 12

de normalidade com crises, golpes de Estado e ditaduras at a consolidao da democracia, a partir de 1989. O Jornal da Cmara traz nesta edio reportagens especialis que mostram os principais momentos dessa histria, os discursos dos presi-dentes no Congresso e curiosidades sobre o livro que contm os termos de posse dos presidentes e vices. Pginas 5 a 10

Arquivo SefotArquivo SefotArquivo PBLiCo SP

LAyCer tomAz

Pgina 3 e 4

Em discurso no Congresso, a presidente defendeu a criao de mais vagas no ensino infantil e garantiu que vai trabalhar pela valorizao dos professores. O professor ser tratado

como a verdadeira autoridade da educao.

Disque - Cmara 0800 619 619www.camara.gov.br

2

PERFISEdio especial - Janeiro de 2011

Jornal da Cmara

impresso na Cmara dos deputados (deAPA / CGRAF) em papel reciclado

Mesa diretora da Cmara dos deputados - 53a Legislatura SeCoM - Secretaria de Comunicao Social

Diretor: Srgio Chacon (61) 3216-1500 secom@camara.gov.br

jornal@camara.gov.br | Fone: (61) 3216-1660 | distribuio - 3216-1826

DiretorPedro Noleto

Editora-chefeRosalva Nunes

DiagramadoresGuilherme Rangel BarrosJos Antonio FilhoRoselene Figueiredo

IlustradorRenato PaletEditor de fotografia Reinaldo Ferrigno

EditoresMaria Clarice diasRalph MachadoRoberto Seabra

Vice-PresidenteAntonio Carlos Magalhes Neto (deM-BA)1 SecretrioRafael Guerra (PSdB-MG)2 Secretrioinocncio oliveira (PR-Pe)3 Secretrioodair Cunha (PT-MG)4 SecretrioNelson Marquezelli (PTB-SP)

Presidente: Marco Maia (PT-RS) SuplentesMarcelo ortiz (PV-SP), Giovanni Queiroz (PdT-PA), Leandro Sampaio (PPS-RJ) e Manoel Junior (PSB-PB)Ouvidor ParlamentarMario Heringer (PdT-MG)Procurador ParlamentarSrgio Barradas Carneiro (PT-BA)Diretor-GeralSrgio Sampaio de AlmeidaSecretrio-Geral da MesaMozart Vianna de Paiva

A primeira mulher eleita presidente do Brasil tem uma longa trajetria como gestora pblica e ganhou visibilidade nacional ao assumir o Ministrio de Minas e Energia em 2003, no incio da gesto de Luiz Incio Lula da Silva. Dois anos depois, seria uma das prin-cipais figuras do governo ao tornar-se ministra-chefe da Casa Civil e ao co-ordenar o Programa de Acelerao do Crescimento (PAC).

Dilma Vana Rousseff nasceu em Belo Horizonte (MG), em 14 de dezem-bro de 1947. Filha do imigrante blgaro Pedro Rousseff e da professora Dilma Jane da Silva, estudou em escolas tra-dicionais da capital mineira e ingressou na faculdade de Economia da Universi-dade Federal de Minas Gerais.

Juventude - Desde cedo, Dilma mi-litou contra a ditadura militar. Atuou em organizaes que defendiam a luta armada contra o regime vigente, como o Comando de Libertao Nacional (Colina) e a Vanguarda Armada Re-volucionria Palmares (VAR-Palmares). Teve amigos presos, torturados, exilados e assassinados pela represso. Ela pr-pria foi presa e passou por sesses de tortura, entre 1970 e 1972, na Operao Bandeirante (Oban) e no Departamen-to de Ordem Poltica e Social (Dops),

Michel Miguel Elias Temer Lulia, 70 anos, o primeiro deputado federal a ocupar a Vice-Presidn-cia da Repblica aps o fim do regime militar. Eleito deputado pela primeira vez em 1986 para participar da Assembleia Nacional Constituinte e reeleito por seis vezes, Temer presidiu a Cmara em trs oportu-nidades: 1997, 1999 e 2009.

Desde 2001, Michel Temer presidente nacional do PMDB, partido ao qual se filiou em 1981. Na condio de presidente da Cmara, assumiu a Pre-sidncia da Repblica interinamente de 27 a 31 de janeiro de 1998 e em 15 de junho de 1999.

Nascido em Tiet (SP), em 23 de setembro de 1940, e caula de oito irmos, Temer ingressou na po-

ltica no incio dos anos 60, como oficial de gabinete de seu ex-professor Ataliba Nogueira, um intelectual conhecido na rea jurdica, secretrio de Educao do governo Adhemar de Barros. A partir da, ocupou cargos como o de procurador-geral do estado de So Paulo e de secretrio de Segurana Pblica.

Casado e pai de quatro filhos, o vice-presidente filho de comerciantes libaneses que imigraram para o Brasil em 1925. doutor em Direito pela Pontifcia Univer-sidade Catlica (PUC) de So Paulo e autor dos livros Constituio e Poltica, Territrios Federais nas Constituies Brasileiras e Seus Direitos na Constituinte e Elementos do Direito Constitucional esse ltimo na 20 edio, com 200 mil exemplares vendidos. Temer graduou-se em Di-

reito pela Universidade de So Paulo (USP).At a vitria da chapa Dilma-Temer, todos os

vices eleitos haviam sido senadores: Itamar Franco, Marco Maciel e Jos Alencar, alm de Jos Sarney (eleito pelo colgio eleitoral). O ltimo deputado a ocupar a vice-presidncia foi Pedro Aleixo, eleito indiretamente para vice do presidente militar Costa e Silva em 1966. No entanto, o deputado j ocupava o cargo de ministro da Educao quando foi indica-do Vice-Presidncia. Pela Constituio, cabe ao vice-presidente assumir o papel do titular em caso de morte e de impedimentos, auxiliar o presidente em misses especiais e compor os conselhos da Re-pblica e de Defesa Nacional.

em So Paulo.Dilma casou-se duas vezes. O pri-

meiro marido foi o companheiro de militncia Cludio Galeno. Na clandes-tinidade e fugindo da represso, acaba-ram indo para cidades diferentes e se

na Universidade Federal do Rio Grande do Sul e iniciou a vida pblica.

Vida pblica - Dilma foi secretria da Fazenda de Porto Alegre nos anos 1980 e secretria estadual de Minas, Energia e Comunicao por duas vezes nos anos 1990, pelo PDT. Presidiu ainda a Fundao de Economia e Estatstica (FEE), vinculada ao governo do Rio Grande do Sul, onde havia estagiado nos anos 70. Filiada ao PT desde 2001, foi convidada por Lula no fim de 2002 para assumir o setor energtico nacio-nal. Um dos destaques da pasta durante sua gesto foi a criao do programa Luz para Todos, para levar energia eltri-ca a regies de baixo desenvolvimento humano.

Conhecida pela personalidade forte, Dilma substituiu Jos Dirceu na Casa Civil em 2005, durante o escndalo do mensalo, e a partir de ento comeou a estreitar sua parceria com Lula. Em 2010, foi escolhida pelo PT para dispu-tar a presidncia da Repblica em nome do partido e venceu a primeira eleio de sua vida.

Em 2009, Dilma enfrentou um cn-cer linftico, mas no se afastou da ro-tina diria. Submeteu-se a tratamento em So Paulo e foi declarada curada em setembro do mesmo ano.

Personalidade forte e destaque como gestora no Planalto marcam sucessora

Temer: primeiro deputado a ocupar a vice aps a ditadura

separaram. Em 1973, Dilma mudou-se para Porto Alegre, para acompanhar o segundo marido, o advogado e militante gacho Carlos Arajo, com quem viveu por 30 anos e teve uma filha, Paula. Na capital gacha, recomeou os estudos

CAStro JuNior

3

Disque - Cmara 0800 619 619www.camara.gov.br

nOVO GOVERnO

na posse, Dilma enaltece mulheres epromete combate pobreza extrema

Rodrigo Bittar

A presidente Dilma Rousseff e o vice, Michel Temer, tomaram posse no dia 1, em solenidade no Congresso Nacional. Em seu primeiro discurso, Dil-ma dedicou maior nfase sua condio de mulher e ao fato de suceder o ex-presidente Lula.

Tratando a populao com a expresso queri-dos brasileiros, queridas brasileiras, ela pediu paz no mundo, com-prometeu-se a travar uma luta obstinada contra a pobreza extrema e chorou de emoo por duas vezes no discurso de posse: ao se declarar presidenta de todos os brasileiros e ao lembrar das pessoas que morreram no com-bate ditadura militar no Brasil (1964-85).

Ao longo de 43 minutos, Dilma listou vrios pontos que devero receber aten-o especial do governo, como o com-bate inflao, a melhoria dos servios e dos investimentos pblicos, a garantia de liberdade de imprensa, de opinio e religiosa e a lisura com os recursos pbli-cos. Serei rgida na defesa do interesse pblico. No haver compromisso com o erro, o desvio e o malfeito. A corrupo ser combatida permanentemente, e os rgos de controle e investigao tero todo o meu respaldo para atuarem com firmeza e autonomia, garantiu.

A presidente usou a ltima parte de seu discurso para uma breve biografia e disse que dedicou sua vida causa do Brasil e que lutou contra a censura e a ditadura, em busca da democracia e dos direitos humanos. Entreguei minha juventude ao sonho de um pas justo e democrtico. Suportei as adver-sidades mais extremas infligidas a todos que ousamos enfrentar o arbtrio. No tenho qualquer arrependimento, tam-pouco ressentimento ou rancor, disse. Vou governar o Brasil com coragem e carinho. Quero cuidar do meu povo e a ele dedicar os prximos anos da minha vida, acrescentou.

A primeira saudao feita por Dilma foi s mulheres. Ela disse que sua eleio significou abrir portas para que muitas outras mulheres, no futuro, possam ser presidentas. Em seguida, agradeceu a

Lula, classificado como o presidente que mudou a forma de governar e levou o povo brasileiro a confiar no futuro. Ela tambm homenageou o ex-vice-presi-dente Jos Alencar que no pode com-parecer cerimnia de posse por estar em tratamento contra o cncer em So Paulo. Que exemplo de coragem e de amor vida nos d