dicas definitivas

Download dicas definitivas

Post on 08-Nov-2015

213 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Conservao Instrumentos de Cordas

TRANSCRIPT

<p>Dicaspara Instrumentos de Arco CuidadosJULBy Francisco Silva</p> <p>1.1 Aumentar vida til do encordoamento.Fato:Quando as cordas passam pela pestana e pelo cavalete, h um atrito que faz com que as cordas raspem nessas reas, podendo vir a desfiar a camada de revestimento das cordas, fazendo com que elas estourem facilmente, tendo como impacto a reduo da vida til das cordas. Esse processo ocorre durante a afinao, ou o ajuste do posicionamento do cavalete, que possa vir estar empenado.Soluo:Antes de se colocar as cordas no instrumento, pegar um lpis ou lapiseira, e passar grafite por todas as canaletas da pestana, por onde a corda ir passar. Fazer o mesmo no cavalete, abaixo de onde as cordas iro passar.</p> <p>2.1 Melhorar visual de espelho de bano de baixa qualidadeFato:Alguns espelhos, mesmo sendo de bano, no possuem um visual impecvel. Nota-se claramente veios claros em sua superfcie, no tendo o visual negro impecvel de banos de alta qualidade. Para quem se incomoda com isso, h uma camuflagem.Soluo:Lixar levemente toda a superfcie do espelho com lixa n240 para retirar todo o polimento, e depois, com lixa n400 para dar acabamento. Depois, embeber um cotonete ou embolo de algodo com tinta Nankin preta, e passar uma fina camada por toda a superfcie. Esperar secar por 20 minutos, e repetir a operao por mais duas vezes.Na terceira camada, que dever ser a ltima, deixar secar por pelo menos 1 hora. Depois, pegar uma flanela limpa e seca, aplicar cera de polimento automotiva, e esfregar bem toda a superfcie, a fim de remover o excesso da tinta, e suavizar a textura. Faa-o por duas ou trs vezes. Depois, d lustro com a outra ponta da flanela, que estiver seca, Esfregar bem, at notar que o espelho no est mais soltando tinta preta. *Use graxa preta de sapato no lugar do nanquim. mais rpido, mais limpo e o resultado levemente melhor3.1 Identificar madeira rajada naturalmente da pintada.Fato:As madeiras rajadas so vistosas e bonitas num instrumento de cordas. Mas ultimamente muitos esto sendo enganados com falsos rajados nos instrumentos, sobre tudo nos violinos, violas e guitarras. Esses rajados podem ser feitos de trs maneiras distintas: Simples pintura mo, pintura a laser por computador, ou trabalho manual com lixa e raspilhas (esse ltimo, o mais caprichado e, se bem feito, o que mais impressiona primeira vista). Mas, independentemente de que maneira foi feito, possvel identificar o verdadeiro do falso. Soluo:A primeira dica observar o preo. Madeiras ou instrumentos com preo muito abaixo da mdia. A possibilidade de se tratar de uma pechincha muito remota. Mas como nada impossvel Fixar um ponto de observao. Mexer o instrumento ou pedao de madeira por vrias direes e ngulos. Se as faixas rajadas derem a impresso 3D de estarem se movendo de lugar, ou aparecendo e desaparecendo, a madeira rajada. Se mesmo com os movimentos, as faixas rajadas ficarem fixas no lugar, pintura. Outra maneira, no caso de instrumentos prontos, olhar para dentro dos furos f. Se o rajado interno for semelhante ao de fora, sinal de que a madeira rajada. Porm, o primeiro sistema de verificao mais preciso..4.1 Identificar filetamento genuno do pintadoFato:No h limites para as fraudes em instrumentos. Os fabricantes utilizam de muitos artifcios para baratear o custo de um instrumento. Mas para isso, realizam uma srie de amputaes nos detalhes, nas melhores qualidades dos instrumentos.E o filetamento uma delas. Muitos instrumentos, em geral os mais baratos, fazem pintura que contornam todo o tampo do instrumento. De longe, no perceptvel, mas de perto, nota-se que h alguma coisa errada, visualmente falando. E mesmo alguns sendo muito bem-feitos, no impossvel de identificar vista se trata-se de uma fraude ou no.Soluo:Observar diretamente no filete. Geralmente, os riscos pretos (que so de bano nos filetes) so mais finos, no chegando a 1mm, e o espao entre os filetes paralelos, no devem ultrapassar 1mm, nos de violinos e violas. Outro fator, que a madeira que fica entre as duas linhas de bano, deve ter caractersticas independentes, ou seja, no deve coincidir com o desenho natural dos tampos.De incio, pode ser um pouco difcil identificar as diferenas, mas depois de algumas comparaes, fica fcil. Para identificar se o filete foi colocado mo ou com mquina, basta olhar o grau de perfeio das simetrias. Quanto mais perfeito, maior o ndice de que foi posto mquina.</p> <p>5.1 Lavar a crina do arcoFato:Chega um momento, em que se sente a crina est grossa ao passar pelas cordas, ou que o agarre dela est estranho, como se estivesse agarrando muito, e saindo pouco som. Isso indica que h excesso de breu na crina. Isso se deve a trs fatores: Obviamente, passar breu em excesso (no necessrio passar breu na crina todos os dias), quando j est se passando breu h muito tempo (mais de um ano) e quando se usa mais de um tipo de breu no mesmo arco.Essa combinao resulta em desempenho confuso pela mistura das propriedades individuais que cada breu possui. Em algumas combinaes (desconhecidas), pode ser que se tenha muita sorte, e faa uma mistura excepcional.Mas na grande maioria das misturas, o resultado apenas um: comprometimento de desempenho. Ento, quando um desses dois fatores citados acima se torna evidente, porque est na hora de lavar a crina para se retirar o excesso de breu, ou dar um reset na crina.Soluo:Crina animalSeparar uma tigela ou pote (pode ser de margarina, mas deve estar limpo sem gordura alguma), e 1 litro de lcool etlico 99, e um pincel. Desrosquear o pino do talo e soltar a crina. Encha a tigela ou pote at a metade com lcool, e com cuidado para no deixar o lcool pegar na madeira, lavar a crina com pinceladas, mergulhando a crina em partes na tigela.Faa por toda a extenso da crina, at o lcool ficar amarelado. Troque o lcool da tigela por um limpo, e repita a operao at notar que o lcool est saindo lmpido da operao. Depois, pegar a crina pelo talo, e chacoalhar levemente para no quebrar nenhum fio, a fim de soltar todos os fios do arco. Esse processo deve ser feito antes do lcool secar na crina, e dever ajudar a secar sem que os fios fiquem grudados uns nos outros.Crina SintticaDesroquear o parafuso da vareta e lava com detergente neutro e gua, retirando o breu e o pretume, tomando cuidado para no cair gua na vareta. Deixe secar na sombra. Cuidado para o arco no cair no cho e nem embarraar os fios da crina.Depois, pegar a crina pelo talo, e chacoalhar levemente para no quebrar nenhum fio, a fim de soltar todos os fios do arco.Esse procedimento[b] dever ajudar a secar sem que os fios fiquem grudados uns nos outros.</p> <p>6.1 Passar breu corretamente no arcoFato:Essa parece ser uma tarefa simples, mas tambm tem seus macetes para melhorar seu desempenho.Quando se passa breu no arco, tem-se uma tendncia a passar mais no talo e na ponta do arco. O resultado, que dificilmente se usa os dois primeiros centmetros do talo, ento, o breu fica mais acumulado, e com tempo (no muito na verdade) ele derrete e gruda de forma irregular na crina daquela regio.E consequentemente, a rea fica escura. E o restante da rea da crina, no fica com um agarre perfeitamente regular. Ento, para evitar tudo isso e aumentar o potencial de desempenho, faz-se da seguinte maneira:Soluo:Passe o breu, sem forar muito a crina no breu, em toda a extenso da crina, desde o talo at a ponta, indo e voltando sem parar e retroceder de algum ponto. Faa ida-e-volta por dez vezes. Desrosqueie o pino do talo e solte a crina do arco, e chacoalhe a crina segurando pelo talo, levemente para no quebrar nenhum fio. Rosqueie novamente, e repita a operao. Faa esse mesmo procedimento por trs vezes, sendo que, a tarefa final, chacoalhar a crina para retirar o excesso de breu e poeira.O resultado o breu espalhado uniformemente por toda a regio da crina, nos fios de dentro e os de fora. Esse procedimento faz tambm com que no precise passar breu todos os dias. Uma vez por semana o suficiente (usando um breu de qualidade).7.1 Limpeza de conservao das cordasFato:Com o passar do tempo, as cordas tm uma tendncia a oxidar devido ao cido rico que nossas mos e dedos produzem naturalmente. E tambm, pode se acumular crostas de breu nas cordas, na regio em que o arco passa para tocar.Soluo:O lcool Isoproplico muito utilizado em eletrnica e em algumas frmulas farmacuticas, por possuir ao altamente antioxidante. Ento basta limpar as cordas com uma flanela limpa, umedecida com lcool isoproplico, tomando muito cuidado para no atingir reas do verniz do instrumento ou do espelho, pois pode corroer o verniz do instrumento, ou o polimento do espelho. Essa operao pode ser feita uma vez por ms. .Observao:Esse mtodo tem como finalidade prevenir ou retardar oxidao das cordas, mas no corrige e nem recupera cordas oxidadas e enferrujadas.</p> <p>8.1 Identificar verniz Sinttico do verniz de Lutheria.Fato:Os trs principais fatores de barateamento dos instrumentos de cordas so: Tcnica de construo, madeiras e verniz. Destacando no caso, o verniz, nesse tpico, os vernizes sintticos tm como principal funo abafar qualquer respirao sinfnica que um instrumento precisa ter. Totalmente o inverso dos vernizes de lutheria, que protegem o instrumento, e aderem madeira para que os poros no sejam bloqueados. E como identificar um verniz sinttico do verniz de resina natural?Soluo:Assim como a dica de identificar madeira, observe primeiramente o preo. Um verniz de lutheria no barato de se fazer. Se gasta uma mdia de R$ 600,00 s de matria prima para se fazer um litro. Portanto, instrumentos muito baratos dificilmente tm um verniz a leo ou a lcool. Para quem est acostumado, visualmente identifica os vernizes pela sua textura, aparncia e cheiro. Agora para quem no est acostumado, pegar um cotonete e umedecer em lcool. Escolha um local nada visvel e pouco perceptvel (o nico lugar para tal, no incio do verniz de qualquer uma das duas pontas do brao), e esfregue o cotonete com lcool s um pouquinho, de leve e em uma rea de menos de um milmetro.Se o verniz sair no cotonete, prova de que ele de lutheria, pois esses vernizes so finssimos e altamente solveis em lcool. Agora, se no sair nada no cotonete, o verniz sinttico, pois o lcool no forte o suficiente para diluir esse tipo de verniz. Em alguns casos, nem Thinner o suficiente para causar corroso na superfcie desses vernizes..9.1 Melhorar desempenho de cavaletes intermedirios.Fato:Cavaletes como os Aubert, Baush e Teller so cavaletes simples, porm, possuem um desempenho razovel com seu custo X benefcio, tornando-os muito procurados por msicos que no possuem muitas condies de comprar um Aubert Mirencourt Deluxe (mdia de R$ 100,00) ou outro mais caro. Mas h um jeito de melhorar seu desempenho, no muito, mas a melhora perceptvel.Soluo:O cavalete j deve ter sido devidamente adaptado ao instrumento, no precisando mais nenhum tipo de lapidao. Numa panela pequena (chaleira, ou o que tiver mo para fervura), coloque 200 ml de gua e uma colher de sopa de sal (o de cozinha, mesmo). Misture bem para o sal dissolver completamente, at obter uma mistura homognea. Ferva o cavalete nessa gua com sal por 10 ou 15 minutos.Se a gua for evaporando, cobrir novamente o cavalete. No necessrio acrescentar mais sal, pois o sal no evapora.Depois, retire o cavalete e coloque-o para secar no forno, em 280, por uns 8 minutos, com ele de p, para no empen-lo. No deixe passar disso, pois a comear o processo de carbonizao da madeira.Depois retire do forno, e deixe-o secar ao ar livre por mais 4 horas. Isso importante, pois quando voc retira o cavalete do forno, a madeira est propcia a se deformar com a temperatura. Em resumo, todo esse processo gera uma transformao qumica molecular da madeira, que mudar sua densidade, melhorando um pouco o seu desempenho.</p> <p>10.1 Melhorar desempenho dos instrumentosFato:Voc comprou um Violino, Viola, Violoncelo ou Contrabaixo. Mandou num luthier, e ele j fez os ajustes bsicos, como troca ou ajuste de alma, cavalete, ajustou as cravelhas, a distncia do estandarte em relao ao cavalete, ok.O som ficou bom, mas, dependendo do caso, pode melhorar ainda uns 15% de uma s vez. Estandarte de metal, aqueles com micro afinao embutida, ou propriamente micro afinao em cavalete de madeira, seja bano, Jacarand ou Cavina, alteram relativamente a qualidade de som, e consequentemente, h uma reduo no desempenho final.Soluo:Primeira observao: Se voc j levou o instrumento no luthier, e ele trocou inclusive o kit de montagem que possa ter vindo, por um de bano ou Jacarand, e voc no usa micro afinao, a nica melhora que se possa fazer utilizar um kit de Jacarand, ao invs de um de bano.Esse um assunto delicado, pois muitos no abrem mo do bano, pois ele d certa nobreza no instrumento. Mas o progresso veio, e outros materiais de kits de montagem progrediram bastante, no sendo mais aquela madeirinha ridcula e mal pintada de antigamente.Os kits de Jacarand, sendo baianos ou no, esto com acabamento de primeira, sendo ento, no mnimo, iguais aos de bano, seno mais bonitos, dependendo da situao. Foi provado que o Jacarand leva uma mnima vantagem em cima do bano, quando se trata de conduo de vibraes. Tanto que, muitos msicos profissionais de fora do Brasil, esto colocando esses kits em seus instrumentos.Mas a diferena seria de mais ou menos uns 15%, ento, fica a critrio do msico se optar pela nobreza do bano, ou pelo desempenho do Jacarand. Agora, para aqueles que possuem um estandarte de metal, obrigatrio a troca para um de bano, Jacarand ou Cavina. E para quem consegue afinar sem micro afinao, melhor que os tirem.</p> <p>10.2 Melhorar desempenho dos instrumentos 2.Fato:Um dos grandes inimigos dos instrumentos de cordas a umidade, por causa de sua forte influncia na densidade temporria da madeira, responsvel por uma variao temporria do timbre do som, pra pior.Outro fator o calor exagerado, que pode ressecar demasiadamente a madeira, afrouxar e danificar a tenso das cordas e, dependendo da temperatura, derreter a cola das junes das partes, ou ainda, deformar permanentemente a madeira dos tampos e brao.Soluo:Melhor que se mantenha o instrumento fora do estojo, se a temperatura e umidade do local de armazenamento forem estveis. O que acontece, que quando se toca com o instrumento em dias midos, ele guardado no estojo com a umidade que acumulou no dia. O estojo vai conservar essa umidade na madeira, at que o instrumento seja retirado novamente. E dependendo do tempo que o instrumento fica guardado, no difcil que se forme bolor no interior do instrumento, onde a madeira no protegida pelo verniz.Ento, o melhor mant-lo num lugar seco e arejado, onde a temperatura no varie mais do que 16 a 30, e, obviamente, lugar seguro, longe de crianas pequenas e animais domsticos. Com isso, a madeira vai pegar umidade de vez em...</p>